quarta-feira, 18 de abril de 2018

Vamos andando, como Deus quer

No mesmo dia em que o meu país aprova uma lei que autoriza a mudança de género aos dezasseis anos, aquela idade extraordinariamente madura em que toda a gente é cheia de certezas sobre a vida em geral e o sexo em particular, isto sem que seja necessário um parecer médico a atestar que a pessoa não é maluquinha e que efectivamente sofre de disforia de género, tomo conhecimento de que há por aí uma onda de indignação geral a propósito de um texto que o Zé Quintela escreveu, o qual pretendia ser uma crítica sarcástica ao governo. Infelizmente parece que é demais pedir às pessoas que compreendam exactamente aquilo que lêem. Também deve ser demais pedir às pessoas que fiquem mais indignadas com a situação das crianças da área de oncologia do hospital de S. João que com uma crítica que não tem por alvo doentes oncológicos ou vítimas da guerra da Síria.

58 comentários:

  1. O Quintela sempre escreveu de forma estúpida e sem gracinha alguma. Foi só mais uma vez.
    Com esta Lei, esperemos que mais nenhuma pessoa entre em depressao ou se suicide...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, tem razão. Espero que agora os noticiários nos dêem uma folga, isto eram paletas de Maneis que se sentiam Marias, vai daí e faziam fila na ponte sobre o Tejo. Os serviços de resgate não têm tido mãos a medir.
      Quanto a isso da graça ela é subjectiva. Mas não me parece que ele tenha pretendido ter graça, ele quis foi criticar, coisa que conseguiu.

      Eliminar
    2. Não sei se sabes, parece que não, mas os mídia são incentivados a não dar essas notícias, daí não ouvires assim tanto sobre o assunto. E ainda bem!
      Ele usou o sarcasmo, que também é achado na comédia, e exactamente por isso que é convidado a escrever essa coluna no jornal e daí o povo o conhecer. Ou seria por ser um estratega ou um politólogo de craveira? Olha, agora fiquei confusa...

      Eliminar
    3. Como é que uma lei que "autoriza a mudança de género aos dezasseis anos sem ser necessário um parecer médico" vai diminuir as depressões ou os suicídios em pessoas com esse "problema"? Como é que isso lhes vai mudar o "problema" (se se sentem mal ao ponto de estarem depressivos, será um problema. Se lidarem bem com isso, não será problema.), é algo interior, mental, psicológico, com que as pessoas não sabem lidar, como é que não dar apoio médico/psicológico, e apenas permitir a mudança de nome aos 16 sem seguimento médico vai alterar isso? Mas isso faz algum sentido?

      Eu se tivesse alguém nessa situação, preferia que lhe fosse dado apoio, aconselhamento, que guiassem a pessoa até ter idade mental para em consciência decidir de forma definitiva, sem medos e sem culpas. Em vez deste folclore.

      Eliminar
    4. Anónima das 14.42, não carecia dizer que está confusa, nota-sê perfeitamente pelo seu comentário. Tremendamente confusa, até.

      Eliminar
  2. Ainda bem que voltou, já estava a ficar preocupada , houve dias em que, sinceramente, pensei que uma rosinha a tinha atacado em fúria atirando consigo para o hospital mas depois também me ocorreu que aquilo é tudo gente boa, católicas ou ateias mas com um corações doces incapazes de tal malvadez.
    Quanto ao post não podia concordar mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Yep. Elas são uns docinhos, umas mais que outras. Jamais me fariam mal, ficam-se sempre pelas ameaças.
      Bom dia!

      Eliminar
  3. Este governo e os outros!!10 anos de espera!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém diz o contrário. Aquilo é uma vergonha transversal aos últimos 3 governos.

      Eliminar
    2. Pq apenas 10 anos?

      Eliminar
    3. Não sei se a reportagem do Observador é fiável ou não, mas aparentemente a ala pediátrica nem sequer é necessária, havendo capacidade nos outros hospitais. Ou seja, dinheiro público deitado à rua.

      Eliminar
    4. Parece que a obra está há 10 anos para avançar.

      Não li a reportagem do Observador mas não foi isso que ouvi dos responsáveis do Hospital de S Joao.

      Eliminar
    5. Leia que vale a pena. Fica com outra perspectiva.

      Eliminar
    6. Anónimo das 16.43 se um dia a doença bater à porta de um dos seus filhos, vai ver a sua opinião a mudar. Existem coisas que temos que as passar para podermos opinar. Falo com conhecimento de causa

      Eliminar
    7. Em vez de lerem só a reportagem do Observador, leiam na fonte: http://portugalcontemporaneo.blogspot.pt/2017/09/joaozinho-vol-i.html
      Começam as complicações no cap.42, mas se tiverem tempo leiam tudo (levei 2 dias, mas acho que vale a pena). E sim, nenhum governo até agora resolveu (e já vão 3 - Socrates, Passos Coelho e Costa), mas nenhum dificultou tanto o caso como este de agora - com a agravante de tentar passar a mensagem que é ele que o vai resolver. Hipocrisia no seu pior.

      PS: mesmo que não fosse necessária, se for construida com dinheiro privado qual é o problema mesmo? Não percebo. Mas o governo diz que se vai fazer, se vai fazer em 2 anos, e que os contribuintes (eu!) vão pagar 25 milhões para isso. A discussão já nem é se é preciso, cara anónima...

      Eliminar
    8. Cara C, acabei por não entender bem o que quis dizer. Preferia que o Estado gastasse 22 milhões numa coisa que fosse verdadeiramente precisa. Se os outros hospitais tem condições, acho isto uma vergonha. Ao anónimo que fala do seu caso pessoal, não vejo qual o problema de ser tratado num espaço com condições, e que já existe. Tantos médicos que se contratavam com 22 milhões, e enfermeiros, auxiliares, etc.

      Eliminar
    9. Estou a tentar dizer 2 coisas:
      1. Que a necessidade é comprovada pela quantidade de crianças nos corredores (se houvesse alternativas, não seriam encaminhadas para essas alternativas...?)
      2. Também prefiro que o Estado não gaste 22 milhões nisto. Não porque não haja necessidade (ponto 1), mas porque há outros tipos a querer financiar a mesma obra e que até já têm tudo planeado! Que o Estado venha dizer "não quero ofertas, eu pago" é o que não entendo. Estamos à larga é? I don't think so.
      Espero ter sido mais clara (e espero que tenha conseguido ler alguma coisa do Portugal contemporâneo)

      Eliminar
    10. Cara C, tal como disse à Picante, leia a reportagem.

      Eliminar
    11. "aparentemente a ala pediátrica nem sequer é necessária, havendo capacidade nos outros hospitais"... Oi?! A ala pediátrica do s. joão não é necessária?! Só o maior hospital do Norte e hospital central, sabe que os outros hospitais pelas redondezas além de não terem urgência pediátrica, não têm capacidade para receber muitas crianças. Se se referia só a oncologia pediátrica, é certo que há um hospital ao lado só para isso (IPO Porto), mas iria sobrecarregá-lo, se já não estiver. Mas as pessoas sabem do que falam? Não. Então calam-se, "é melhor manter a boca fechada e parecer estúpido do que abri-la e acabar com a dúvida!"
      Eu prefiro que o meu dinheiro seja gasto em 22 milhões para hpsitais que servem a população, do que em 300 milhões (só duma vez, fora as outras) para injectar em bancos privados. Tenham vergonha na cara " dinheiro público deitado à rua" em hospitais? A sério? Há pessoas tão parvas, que eu que até sou controladinha me vejo obrigada a recorrer ao insulto. São pessoas que não têm noção nenhuma da realidade do povo, devem ir a hospitais privados, ou então vive longe, não faz ideia do que é o S. João, o que me leva a concluir o que já disse, quando não sabemos do que falamos estamos calado.

      Eliminar
    12. E eu não preciso de ler reportagem nenhuma, sou de cá, por trabalhar no meio levo, e conheço quem leve (família e colegas), crianças todos os dias aos diversos hospitais de cá. Eu própria sou utilizadora dos hospitais, quando necessário, estou cá para saber as reais necessidades diárias da população, dos hospitais... Não precisam de ver a reportagem, venham cá e já vêem. Parecem os nossos deputados na AR a falar do que não sabem, de realidades que nunca viram de perto, a falar de teorias, parvas.

      Eliminar
    13. Que gente tão agressiva. Não querem ler, não leiam. Querem ler o que escrevi, na diagonal, leiam. Ainda bem que sabem tudo, fico feliz por vocês.

      Eliminar
  4. Finalmente , tantos dias fora :)

    ResponderEliminar
  5. Não sei como é que as pessoas viveram sem os seus comentários intelegentérrimos durante tanto tempo. Já percebi que a inteligência foi toda para si. Experimente padecer de uma doença oncológica (como eu) e depois logo verá se consegue não ficar indignada como o comentário pseudo inteligente daquele anormal. Porque é que não se reforma? A senhora só consegue criticar tudo e todos. Irra que já é demais. Dedique-se à costura - Já reparou na sua vidinha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Mas a querida dona Joaquina parece saber tudo sobre a minha vidinha.
      E então o quê é que a indignou na crónica, exactamente? Quer partilhar?

      Eliminar
    2. Pois eu li comentários de pais que tinham perdido os filhos por causa desta doença e não estavam indignados com a reportagem, antes a entenderam perfeitamente...

      Eliminar
    3. O anónimo ficou indignado com uma crónica que usa o sarcasmo para defender os doentes oncológicos. Padecer de doença oncológica não implica diminuir a capacidade de percepção. Digo eu que (infelizmente) já passei por esse contexto várias (demasiadas) vezes. E percebi muito bem o que o Quintela disse.

      Eliminar
    4. Srª D. Picante nem toda a gente tem que achar graça ou concordar com os seus posts.
      Sabe tenho um curso superior tirado no ensino público, falo fluentemente vários idiomas. Tudo isto para lhe dizer que tenho uma inteligência acima da média e consegui perceber o sarcasmo dessa criatura, o que não quer dizer que não me continue a sentir indignada. E d. Joaquina é a senhora que nada mais faz do que destilar veneno sobre tudo e todos. Se é assim tão correta como diz porque é que não dá a cara? Todas as outras que a senhora critica, dão a cara, goste-se ou não das pessoas em causa. Se um dia, repito, sentir na pele (sua ou de alguém que gosta muito) o que é "dormir e acordar com a morte sempre ao lado", então aí nós conversamos. Sabe que passadas 8 operações, 6 ciclos de quimio endovenosa, 55 tratamentos de radioterapia e mais 2 anos de quimio diária não tenho qualquer tipo de paciência para pessoas como a srª. dona que assina este blog.

      Eliminar
    5. A anónima não tem paciência no entanto não deixa de ler...curioso!

      Eliminar
    6. Estimada dona Joaquina, desde quando é que o cancro torna as pessoas agressivas e mal educadas?
      E desde quando é que tirar um curso faz de alguém inteligente? O que mais há neste supermercado de Deus são asnos com canudos.
      Se não tem paciência tem bom remédio, uma senhora tão doente tem certamente coisas mais prioritárias para fazer que ler um blog de que não gosta.
      As suas melhoras.
      (e fique sabendo que eu sei perfeitamente o que é ter alguém de quem se gosta muito a morrer e a fazer tratamentos violentíssimos)
      (E ainda assim não me conseguiu explicar exactamente em quê que a ofende o artigo de opinião...)

      Eliminar
    7. Tão inteligente para umas coisas e com tanta falta de tudo para outras coisas.

      Olhe, infelizmente o cancro (ou melhor os tratamentos) afectam sim a capacidade das pessoas. Mas até ver não há outra opção para sobreviver.

      Em relação às outras. Elas podem dar a cara mas arranjam estratagemas para não publicar opiniões contrárias fundamentadas que não sejam agressivas. Não me parecem melhores que a Picante, afinal os seus comentários estão aqui...

      Eliminar
    8. se falar vários idiomas e ter canudo fosse sinonimo de inteligencia acima da média, este país estava bem mais evoluido. a nova lei é completamente absurda e só prova o atraso em que estamos. bom regresso ao blog, era só quem não gosta do blog deixar de vir ler e comentar e estava tudo perfeito...

      Eliminar
  6. Ai senhora, tanto tempo sem aparecer e afinal passou só para encher chouriço. Que maçada!

    ResponderEliminar
  7. Isto ia para aqui uma preocupação... ainda bem que voltou, pelo menos sabemo-la em bom estado.
    (Também cheguei a imaginar o pior, que alguma lhe tivesse chegado a roupa ao pelo)

    ResponderEliminar
  8. Concordo, Pipoca! E quando à crónica do ZDQ, que destila sarcasmo e não passa de uma contundente crítica à situação dos doentes oncológicos pediátricos do HSJ, não chega de facto aos narrow minded que pululam por aí, na blogosfera e não só (E não são assim tão poucos quanto isso!!!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que são imensos. Como é que é possível ficar mais indignado com a crónica do que com a situação daquelas crianças? Como?

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante18 de abril de 2018 às 19:48

      Porque é mais simples.

      Eliminar
    3. Ahahahahahah
      Gente simples é outra coisa.

      Eliminar
  9. O humor também se reveste de mau gosto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém diz o contrário.
      (Mas o homem não pretendeu fazer humor, pretendeu ser corrosivo, há uma diferença grande)

      Eliminar
  10. Pipocante Irrelevante Delirante18 de abril de 2018 às 19:35

    Lá tive de ir pesquisar a "polémica".
    As pessoas são demasiado iletradas para interpretar o texto.
    O mau gosto... decidam-se, ou não se faz piadas com a Nossa Senhora, ou suimos charlie.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PID eu até compreendo que haja quem ache aquilo de mau gosto. Daí a chamar-lhe 500 nomes e achar que o homem goza com as criancinhas...

      Eliminar
    2. Exatamente! eu pessoalmente, não acho de muito bom gosto, mas li, entendi e chocou-me... não a crónica, mas a situação!

      Eliminar
  11. Seja bem reaparecida Picante! Fez cá falta. As pinks já deviam estar convencidas de que a tinham conseguido chutar para canto. Fiquei contente com o seu regresso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se elas não se armassem em idiotas há muito que este blog teria desaparecido, isso lhe garanto. Acontece que eu sou teimosa enquanto teimarem em calar-me cada vez gritarei mais alto.

      Eliminar
    2. Ahhh, então estou descansada porque a probabilidade delas NÃO se armarem em idiotas é igual ou inferior a ZERO. Go Picante, espicaçating forever!

      Eliminar
  12. Eu, que sou mãe do ipo não consegui achar piada nenhuma, nem neste nem em qualquer texto dessa 'pessoínha'. Também sou iletrada, ignorante ou não saberei interpretar o que leio? Enfim... Pimenta no cú dos outros é refresco. Quando lá tiverem um filho e sofram com as condições em que muitas vezes fazem tratamentos, opinem. E não, não insultei o sr nem me insurgi, dei-lhe a importância que rle tem, que será nenhuma comparando com a minha filhas e tantos outros que lá andam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tive filhos (sim leu bem, filhos, DOIS) e o que o ZDQ disse foi que tanto se fala nas crianças lá fora quando devíamos era olhar pelas nossas e pelos pais delas. Disse-o com sarcasmo. Da mesma maneira que se eu disser "Coitadinhos dos políticos" certamente qualquer pessoa com o mínimo de noção irá perceber que estou a usar ironia e sarcasmo. Ou vão pensar que eu disse isto porque tenho pena dos políticos? A sério?

      Eliminar
    2. Mas tem a noção de que o texto não pretendia ter piada? Que não passa de uma crítica aos nossos governantes por deixarem as nossas crianças ser tratadas naquelas condições degradantes?

      Eliminar
    3. Pipocante Irrelevante Delirante20 de abril de 2018 às 12:28

      A questão não é achar ou não piada. Há muita coisa, supostamente humorística, a que não acho piada. Depende dos gostos. Há quem aprecie Monty Pithon, há quem goste do Benny Hill.
      A questão é perceber o alcance e o objectivo do texto.

      Quem acha que o mesmo é um ataque ao ipo, às crianças do ipo, ou desvalorização da doença, à pergunta "Também sou iletrada, ignorante ou não saberei interpretar o que leio?", a resposta é sim. Seja com "ou", ou "e".

      Eliminar
  13. Não me considero iletrada e tenho um bom sentido de humor. Tenho outros defeitos,que tenho. Mas nao consegui perceber o tipo de humor da crónica do outro. Até percebo que tenha tido o objetivo de ser corrosivo, mas entao tem ele de aprender a fazê-lo melhor, pois nao foi bem-sucedido. Trabalhando em comunicação, sei que,por muito bem que escreva, se a maioria nao percebeu, é porque eu não fiz bem, nao soube adaptar à minha audiência.

    Relativamente à nova lei, é só ridícula. Este país adora relativismos e modernices, como se isso mudasse a sua mentalidadezinha bacoca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende de quem é a audiência. Se for Portugal inteiro tem toda a razão.
      (Mas eu suspeito que não é...)

      Eliminar
  14. Interrogo-me o que dirão do texto de hoje do RAP na visão... trata do mesmo assunto (falhas na saúde) do mesmo modo (sarcasmo).
    Aguardam-se as revoltas populares.

    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fui ler, acho que está safo, não fala em nenhuma doença específica.
      (Que tristeza, caramba...)

      Eliminar
    2. Mais.. o RAP é de esquerda... não é atacado indiscriminadamente... já a malta de direita abre a boca para dizer que o céu é azul e já são uns fascistas....

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.