quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

"2017 foi um ano particularmente saboroso para Portugal"

Pedrógão. Tancos. Mais incêndios. Legionella. Comida estragada nas escolas. Rarissímas.

Caro António Costa, entre mortos e corruptos, saboroso só o facto de estares fora do país cada vez que há um escândalo. Ide ter falta de vergonha para a real pata que vos pôs.
Aqui

84 comentários:

  1. Lápis Roído e Crap Créus in the house em 3,2,1...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahah
      Quero ver como é que descalçam a bota da raríssimas. Vieira da Silva mandou auditar as contas que ele próprio aprovou. Se não fosse tão surreal até tinha piada.

      Eliminar
    2. Vão dizer, evidentemente, que da tecnoforma não falas tu...

      Eliminar
    3. Dado que nunca ficou nada provado relativamente a PPC não vejo que isso seja minimamente relevante.
      Mas isso sou eu, claro.

      Eliminar
    4. A Cavaca também não sabia de nada....deve ser mal de família.

      Eliminar
    5. Não sei qual o papel de Maria Cavaco Silva para além de madrinha. Se não passar de uma figura de RP é normal que não saiba nada.

      Eliminar
    6. Ana, e a Rainha de Espanha? Uma pouca vergonha, a cínica!

      Eliminar
    7. Mas a Rainha de Espanha,veio cá uma vez!!!A Cavaca ia lá muuuuitas vezes,já viu as fotos dela com a "madame/modelo "? Eu percebi que estava a ser irónica.

      Eliminar
    8. Ana, uma madrinha de uma IPSS limita-se a aparecer nos eventos. É uma figura que apenas dá a cara com o objectivo de gerar confiança. A menos que tenha funções executivas não tem qualquer tipo de acesso a contas.

      Eliminar
  2. Pipocante Irrelevante Delirante14 de dezembro de 2017 às 11:45

    Saboroso, porém demasiado tostado. Mas bem condimentado, e afinal, a (boa) companhia também conta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Brasil, então, é uma maravilha.

      Eliminar
    2. Ele enganou-se. O que ele queria dizer é que foi um ano particularmente saboroso para o marido de Madre Paula (e Brito e Costa, naturalmente).

      Eliminar
  3. Ele é uma vergonha de PM , a cada intervenção , cada pérola . Só em pensar que temos mais 6 anos disto .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu continuo a ver muita gente a defender esta corja, parece impossível.

      Eliminar
    2. O pior é que vamos continuar a "grama-los", hoje vem no Público que a TVI cancelou o debate de amanhã com is candidatos Rui Rio r Pedro Santana Lopes,após guerra de palavras entre os candidatos!!

      Eliminar
    3. Aguardo ansiosamente o regresso de Nuno Melo. O PSD é uma travessia no deserto, não gosto de nenhum dos 2 possíveis líderes.

      Eliminar
    4. Eu gosto do Montenegro , na volta ainda me vou arrepender , mas imagino que ele não quer se “enterrar” neste momento .

      Eliminar
    5. Ah mas eu desse também gosto. Ainda é demasiado cedo para ele, não quer queimar-se.

      Eliminar
    6. Uma pena o Pedro Duarte estar fora. Faz muita falta ao PSD.

      Eliminar
  4. É impressão minha,oi o Marcelo desta vez anda muito calado,será porque também recebeu queixas e não fez nada?Agora vêm justificar com o atraso dos CTT?Por sinal uma bela porcaria que estão, desde que foram privatizados é o caos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é impressão sua. Ouvi-o falar ontem nas notícias.

      Eliminar
  5. Pipocante Irrelevante Delirante14 de dezembro de 2017 às 18:10

    Tancos?
    Desapareceram 20 caixas, apareceram 21.

    Quanto a mim, é mais uma vitória deste Governo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este governo só tem vitórias. Já as culpas são todas do outro.

      Eliminar
  6. Quando isto rebentou uns amigos perguntaram-me se não eu não tinha ficado admirada com isto tudo. A resposta é não, não fiquei. Este é o retrato do português típico que quando se apanha no poleiro, seja ele qual for, acha que é o rei da parada, para usar a expressão da mulher.
    Admirada fico quando PM mais uma vez se evapora e deixa a batata quente para os discípulos, quando tudo se sabe e o ministro lá continua, quando ele mantém a confiança no ministro. E enojada fico quando a besta do Galamba vem falar, debitar merda daquela boca que só merece uma morte muito muito dolorosa.
    Este país não tem conserto.
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concerto é isto, para os meus ouvidos, algures entre o "Rap" e o "Fui":

      "daquela boca que só merece uma morte muito muito dolorosa"

      PUMTSPUM PUMTSPUM

      "Este país não tem conserto"

      PUMTSPUM PUMTSPUM

      "Maria"

      PUMTSPUM PUMTSPUM


      https://www.youtube.com/watch?v=8EwVcCbl0s4

      Eliminar
    2. O Galamba é um asco em forma de gente. Já o Vieira da Silva tem ar de porco. Estão muito bem juntos.

      Eliminar
    3. Costuma censurar comentários que tecem considerações sobre o aspecto físico das pessoas quando essas são ofensivas e não contribuem para a discussão. Volta e meia faz posts (irónicos ou não) sobre a educação de certas figuras. Mas "asco de gente" e "ar de porco" é legítimo e educado. Entendi? (Não estou a tentar defender quem quer que seja, garanto que este comentário não tem qualquer intenção política, já agora.)

      Eliminar
    4. É legítimo é. Quando um tipo a quem eu pago o ordenado se revela um mentiroso e/ou corrupto é mais que legítimo.
      Em querendo também lhe direi que Sócrates é outro asco. Assim como Paulo Pedroso, o homem que escapou a ser preso por pedofilia com truques demasiadamente sujos. Ah! E não me posso esquecer de Costa. Outro porco despudorado.

      Eliminar
  7. Pergunto sempre onde anda o BE?
    Como as coisas mudam quando se chega a "rei da parada"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu penso nisso cada vez que acontece uma escandaleira deste género, e tem sido algumas . Aquela corja de gente calada que nem ratos . Se não estivessem no governo havia de ser o bom e o bonito . Mas agora os interesses são outros . Nojo de gente .

      Eliminar
    2. O BE anda ocupado a impedir que os meninos sejam meninos e as meninas vistam cor de rosa.
      Enquanto isso tem os filhos em colégios privados que isto já se sabe que o ensino público é excelente mas é para os outros.

      Eliminar
    3. Fico sempre algo perplexo com estes comentários. Não sei o que andam a ler e a ouvir, mas o BE de facto pronunciou-se sobre isto. Podemos concordar ou não com o que o BE diz, isso cabe a cada um. Até podemos detestar o BE e tudo o que ele representa. Mas não podemos propriamente dizer com honestidade que estão "calados que nem ratos".

      (Quanto à conversa dos meninos e das meninas, a Picante é suficientemente inteligente para perceber que isso é uma distorção do assunto e que está a "desconversar", como costuma dizer.)

      Eliminar
    4. Em tempos votei BE... agora vejo que sao iguais aos que tanto criticaram!

      Eliminar
    5. Filipe o BE só se preocupa com temas fraturantes que afectem minorias, faz disso bandeira.
      Não reconhecer que está longe de ter o completamente que sempre teve, em termos de contestação do governo, revela cegueira grave.

      Eliminar
    6. Se não tivesse havido gente que defendia minorias e apoiado causas fraturantes a Picante hoje tinha escravos para lhe fazer a ceia de Natal.Temos pena.

      Eliminar
    7. Sim. O que interessa é fazer com que rapazes e homens que se identifiquem com o género feminino possam usar o WC das raparigas. Isso e poder-se comprar filhos. Cá denunciar corrupções é que não, afinal o poleiro é bom, deixa lá ser-se conivente, no mínimo não incomodar muito.

      Eliminar
    8. Anónimo das 14:44 isso vindo de alguém que se identifica com um partido que bate palmas a ditadores tem muita graça , só que não .

      Eliminar
    9. Picante, uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. Disseram aqui que o BE estava calado que nem um rato; é falso. Podemos contestar o seu comportamento, podemos discordar da sua ideologia como partido. Eu próprio considero algumas iniciativas do BE completamente absurdas. Mas podemos discordar sem distorcer. A forma como a Picante fala das coisas é uma distorção.

      Eliminar
    10. Filipe, eu discordo de quase tudo o que o BE propõe. Sou muitíssimo mais próxima do PS. Dito isto não se pode negar que o BE, desde que entrou em acordo com o PS, não contesta ou reclama nem 5% do que sempre reclamou. Por muito menos que isto exigiu demissões e propôs moções de censura, inclusive a governos PS. Estão calados porque têm o rabo preso, não há qualquer dúvida. Como contrapartida foi legalizada a adopção por homossexuais, as barrigas de aluguer, foi retirado um livro do mercado e mais um sem número de rebuçados.

      Eliminar
    11. Não estou a negar isso. O facto de ter existido um acordo parlamentar provocou uma mudança de comportamento, é certo. Mas isso não tem nada a ver com as medidas de que fala. Uma coisa não impede a outra. É possível fazer aprovar legislação sobre adopção por casais homossexuais e em simultâneo fazer aprovar legislação sobre outras temáticas que a Picante porventura considerará mais úteis e pertinentes. As medidas de que fala têm em comum o facto de serem mais "fracturantes" e, em consequência, mais mediáticas. Mas o volume de exposição mediática e de comentários nas redes sociais não é proporcional ao tempo que ocuparam aos deputados da AR. Lá por uma coisa dar manchetes e posts de blogs mais engraçados não significa que impeça a AR de pensar noutras coisas.

      E o ponto essencial dos meus comentários anteriores é que se pode discordar e debater sem distorcer os assuntos. Ninguém quis impedir que "os meninos sejam meninos". Ninguém quis que se pudessem "comprar filhos". Isso são distorções dos temas que tornam mais fácil ridicularizá-los e atacá-los. Se a Picante tem uma posição diferente da do BE nestes assuntos e se está convencida de que está mais próxima da razão, não devia precisar de distorcê-los para os criticar. Isso é a saída fácil.

      Eliminar
    12. Xi homossexuais...esses bichos aberrantes, tss.tss. E espero que filha sua nunca precise de uma barriga de aluguer. É que pela boca morre o peixe.

      Eliminar
    13. Para mim seria um enorme desgosto se ela um dia equacionasse alugar o corpo de outra mulher, como se de uma casa de férias se tratasse. Seria sinal de que não tinha adquirido nenhum dos valores que eu me esforço por lhe passar e que não hesitaria em usar o corpo de outra pessoa em proveito próprio.

      Eliminar
    14. Claro que se pode comentar sem distorcer, Filipe. Acontece que o BE perde demasiado tempo com minudencias do género "cartão de cidadão", a inventar discriminações onde elas não existem em prol de barulho nos media. Só isso justifica o facto de estar tão preocupado em aprovar a figura da barriga de aluguer (a meu ver a maior objectificacao do corpo da mulher alguma vez legalizada) mas ter chumbado uma proposta do CDS que pretendia aumentar de 1 para 5 o nº de ciclos de fertilização in vitro. No mínimo é hipocrita, isto.
      Querem impedir que se fale em géneros, deixando as crianças escolher o seu próprio género sem qualquer pressão externa, como se isso fosse possível ou desejável.
      E ficam calados ou moderam-se brutalmente quando acontecem coisas realmente graves. Olhe que quando lá estava o PSD, foi pedida a cabeça de PPC por causa dos incêndios, não consta que tenham morrido civis desprotegidos. Idem para a legionella que não foi contraída num hospital pública.
      Acha possível levar a sério a actriz falhada ou a mana Mortágua que teve uma saída airosa face ao ex ceo da PT e no entanto não percebe nada de economia (ou finge que não percebe, nem sei)? Não é. O BE está interessado em barulho, está-se bem nas tintas para o resto.

      Eliminar
    15. A licença de maternidade é um exemplo clássico da falta de direitos dos portugueses no que concerne a paternidade/maternidade.
      Nem para o mínimo dos 6meses alargaram a licença às mães e os pais que escolhem a opção prolongada ficam a receber quase nada (a maioria nem consegue) e a mãe tem que abdicar do filho à mesma demasiado cedo.
      É que nem os 6meses de amamentação exclusiva como é recomendado pela OMS ajudou a que houvesse essa garantia.
      Mas nos direitos não convém sermos equiparados aos restantes elementos da UE.

      Eliminar
    16. O cartão de cidadão é um bom exemplo daquilo que mencionei. Uma minudência que teve uma tal exposição mediática (e em blogs) que se criou a ideia de ser uma coisa muito maior do que na realidade foi.

      A Picante não está em posição de avaliar que discriminações existem ou não. Isso é até insultuoso para quem sente esses tipos de discriminação que a Picante diz não existirem.

      Em relação à FIV, não tenho agora presente o caso em questão. Se assim foi, concordo consigo. No entanto, não fale em "barrigas de aluguer" ou em "comprar filhos". Não se trata de um aluguer, a lei não permite que a transacção seja financeira, pelo que a utilização dessa designação é ela própria uma distorção do assunto.

      "Querem impedir que se fale em géneros, deixando as crianças escolher o seu próprio género sem qualquer pressão externa, como se isso fosse possível ou desejável." Isto está simplesmente errado, não é isso que se pretende. Existem jovens cujo género não corresponde ao seu sexo biológico e pretendia-se que fossem identificados de acordo com o género com menos burocracia.

      Há várias coisas em que se poderia pegar para criticar a actuação política do BE. A questão das terapias alternativas, por exemplo. (É certo que todos os partidos são responsáveis pela actual situação em que é permitido existirem licenciaturas em charlatanices "alternativas", mas essa é uma bandeira mais do BE.) Bem como outras situações que referiu.

      Não sou do BE, não me identifico necessariamente com a ideologia do BE em vários aspectos. Mas para se discutir os assuntos é preciso conhecer os assuntos primeiro. Quando fala em "barrigas de aluguer" e na questão do género, revela que não os conhece como deveria.

      (Já agora, a carreira anterior de Catarina Martins não tem qualquer relevância para o assunto. Pedro Passos Coelho não concluiu a sua licenciatura em Matemática Aplicada. Devemos depreender daí o quê? Que é um matemático falhado?)

      Eliminar
    17. Não seja arrogante. Mas quem é Filipe para vir dizer-me o que eu posso ou não avaliar? Estou tanto em posição de ter uma opinião sobre discriminação ou falta dela como qualquer Capaz ou BE. Ao que sei ainda não há doutoramentos em discriminação.
      E é também bastante arrogante (é descabido, já agora) dizer-me que não sei do que falo. Obviamente que conheço a lei da gestação de substituição e sei que não é permitido pagamento pecuniário. Mas também sei que não há uma mulher que aceite ter um filho de um desconhecido a troco de nada. Portanto embora o pagamento seja ilegal a legalização Per se abre a porta para que a coisa se faça com pagamentos por baixo da mesa. Quem é pago para gerar um filho de outrem passa necessidades. Quer maior exploração do pobre pelo rico que esta?
      Quanto à questão do género não concordo consigo, assim como não concordo que se tente mudar o modo de estar de toda uma maioria de pessoas por causa dos 0.5% de gente que sofre com esta anomalia, porque é de uma anomalia que falamos.

      Eliminar
    18. Existem pessoas que sofrem discriminação em função da sua identidade e/ou expressão de género. É só ingénuo achar que não e é desrespeitoso para com essas pessoas diminuir aquilo por que passam.

      Se conhece a lei, fala em "comprar filhos" porquê? Não partilho da sua visão. Não acha que uma familiar próxima aceitaria fazer algo assim por uma mulher com problemas de fertilidade sem receber dinheiro? Se há quem doe órgãos a estranhos, porque é que não pode haver quem faça a gestação por alguém que não o pode fazer?

      Diga-me lá em que é que a proposta do BE sobre o género tenta mudar o modo de vida de toda uma maioria de pessoas?

      Eliminar
    19. Grande baile que a picante levou aqui...
      Clap clap clap Filipe. Bom nível de discussão.
      Não, não sou BE. Sim, estou quase sempre de acordo com a Picante, que infelizmente tende a perder-se quando o tema é política.

      Eliminar
    20. Ó Picante, a menina já conhece o Filipe de ginjeira, dá-lhe conversa e depois queixa-se de que ele é arrogante? Mas isso já a menina sabia antes de fazer o post, quanto mais quando recebeu o primeiro comentário dele. Gente desta é cortar-lhe o pio, não há mais nada a fazer.

      Eliminar
    21. Filipe, a ver se nos entendemos. Eu nunca afirmei que essas pessoas, as quais representam menos de 1% da população, não se possam sentir discriminadas. Os invistais também sentem discriminação assim como quem sofre de ananismo, por exemplo. O Filipe não vê toda uma sociedade a mudar comportamentos por causa disso, ou vê? Era o que mais faltava agora adaptar o mundo a quem sofre de ananismo. Eu nunca disse que essas pessoas não se sentem discriminaras, é natural que sintam. O que eu disse, e mantenho, é que por causa disso não vamos agora alterar as designações para menino e para menina, como a J.Lewis fez no UK, por exemplo. É estupido e é hipocrita, até porque as mulheres continuam a comprar vestidos e os homens fatos.
      Falo em comprar filhos porque conheço quem os tenha ido comprar aos EUA. Lá também não é permitido pagamentos, mas olhe... paga-se e bem. E o Filipe é muito ingénuo se acredita que alguém para além de uma mãe ou irmã, tem uma gravidez para agradar a outrem. Quanto à doação de órgãos a estranhos está a falar do quê? De mortos? Ou de sangue, medula, óvulos ou sémen? Mas quem é que doa os seus órgãos a desconhecidos? Por favor.
      Quanto à proposta do BE não sei a que se refere, se a filhos que podem processar pais, se ao sem número de alarvvidades que acho que ainda não se traduziram em propostas mas que têm tido como efeito dar que falar. Os mais mediática foram talvez o cartão de cidadão e os livros para meninos e meninas. Uma parvoice pegada.

      Eliminar
    22. Picante, estou a avisar. Daqui a 6 meses ainda está aqui a discutir o sexo do anjos. Estes gajos são como cães raivosos: pegam e não largam. Se ainda quer chegar a tempo de jantar com a família na Consoada, siga o meu conselho: livre-se de gente dessa.

      Eliminar
    23. É claro que temos de fazer adaptações de modo a minimizar o sofrimento e melhorar a vida de quem é discriminado, directa ou indirectamente. Neste caso em particular, não vejo em que é que a aceitação de que há quem não se identifique com o seu sexo biológico e a diminuição da burocracia para essas pessoas interfere com o nosso modo de vida. Em que é que isso a incomoda a si, por exemplo? Como é que isso a prejudica? Ou a quem quer que seja.

      Se o seu problema é com os filhos "processarem" os pais, o que está na proposta de lei é que em caso de divergências entre pais e filhos estes possam ter representação legal e resolver o caso recorrendo à justiça. Mas este modo de resolução de conflitos entre menores e pais está previsto de modo mais geral no Código Civil, não é uma coisa inventada agora.

      Em relação à gestação de substituição, está a ver como já admite que pode haver casos em que se faz sem pagamento?

      Em relação aos transplantes, posso dar-lhe exemplos. Há cerca de dez anos passou a ser possível no Reino Unido que uma pessoa pudesse doar um rim a uma pessoa que não conheça e com quem não tenha parentesco. Houve já pelo menos 500 casos. Encontra por essa Internet fora relatos de mais uns tantos; a menos que esteja toda a gente a mentir, a Picante está só a ser pessimista em relação à natureza humana.

      Com os cartões de cidadão e os livros está a desconversar. Pergunto novamente: em que é que a sua vida (ou a de qualquer outra pessoa) é prejudicada com o facto de se permitir que um jovem que queira ser identificado como de um determinado género assim o seja?

      Eliminar
    24. Anónimo18 de dezembro de 2017 às 12:27, o único baile que a Picante levou aqui foi o de dar conversa aos Filipes desta vida. Esta gente é como os tratores: ficam ali a fazer ttrrrr... ttrrrrr... trrrrr... e não saem do mesmo sitio.

      Eliminar
    25. (Agora fiquei curioso com a resposta do tal anónimo das 12h27... Censurou-o?)

      Eliminar
    26. Ignore o comentário anterior, Picante, vi mal, peço desculpa. ;)

      Eliminar
    27. Filipe
      Como é normal não concordamos, não acho que o mundo tenha de mudar porque há menos de 1% das pessoas que tiveram um problema qualquer na formação do feto e não se identificam com o sexo com que nasceram. E sim, incomoda-me que me tentem obrigar a mudar. Incomoda-me entrar numa loja e não ter a secção de menina devidamente identificada, por exemplo. Incomoda-me que não se diga "senhoras e senhores" porque há meia dúzia de gente que acha que é outra coisa qualquer.
      Os cegos também não veem e não é por isso que nós andamos na rua de olhos fechados.
      Eu nunca disse que não haveria gente disposta a fazer uma gravidez de substituição de borla! Disse que a esmagadora maioria não o fará é que permiti-lo é abrir a porta a pagamentos. Nos EUA e no Brasil isto é um negócio. Um negócio que eu acho nojento, já agora. E mesmo sem pagamento sou totalmente contra, acho eticamente deplorável que uma avó dê à luz um neto.
      Quanto ao resto não estou a desconversar, estou farta destes polícias das palavras. O RAP que apresentava a cerimónia da ILGA por ter tido um familiar próximo que sofreu discriminação foi promovido a homofobico, por exemplo, por fazer piadas sobre homossexuais. Ora tenham paciência e vão preocupar-se com coisas realmente importantes, como seja agilizar os processos de adopção.

      Eliminar
    28. Só para terminar, que não volto a este assunto, o que podemos e devemos fazer é educar as novas gerações de maneira a não excluirem as pessoas diferentes. Não excluir é muito diferente da proibição de fazer uma piada sobre maricas, com medo de ofender alguém.

      Eliminar
    29. "Os cegos também não veem e não é por isso que nós andamos na rua de olhos fechados." Esta frase só mostra que nã percebe do que se fala. A ideia não é obrigar toda a gente a ser da mesma maneira, é precisamente a oposta: permitir que cada um seja como sente e entende que é melhor para si e para o seu bem-estar. Pegando num dos exemplos que deu (que, já agora, nada tem a ver com a proposta do BE), haver roupa de menino e de menina é que empurra as pessoas para um certo molde: os meninos vestem assim, as meninas assado. O que se pretende é que cada um vista como se sente melhor. E, sendo 1% da população, será isto assim tão incomodativo? Eu cá acho que não, mas é como diz no seu segundo comentário, a educação fará o seu papel.

      Sobre a gestação de substituição, só um comentário. Não podemos dizer "não se pode aprovar a lei X porque há quem a vai violar". A lei em Portugal não permite pagamentos ou sequer compensações materiais. É dessa situação que falamos. Se tem um argumento ético contra a gestação de substituição sem pagamento, isso é outra história. O que quis dizer no início é que pode apresentar esse argumento sem falar em "aluguer" ou "comprar filhos". Distorcer a posição oposta só enfraquece a sua.

      A última parte, mais uma vez, não tem nada a ver com a proposta do BE sobre a qual perguntei, pelo que é desconversar novamente. Mas não importa, já entendi que não vai responder.

      Eliminar
    30. Deixar de haver ou de endereçar, chame-lhe o que quiser, roupa de menino e menina para que meia dúzia de gente (doente, é bom de ver que falamos de um problema de formação) deixe de se sentir discriminado não é mudar toda a sociedade?
      Os polícias das palavras não têm nada a ver com o BE?
      Ahahahahahah
      Olhe, Filipe, feliz Natal.

      Eliminar
    31. Não são pessoas doentes. A Associação Americana de Psiquiatria, por exemplo, não considera que a não conformidade do género com o sexo biológico seja uma perturbação mental per se, é necessário haver outros elementos para que se fale em disforia de género, por exemplo.

      "Os polícias das palavras não têm nada a ver com o BE?" Deve ter lido mal, não foi isso que disse. Disse que essa questão não tinha a ver com a proposta de lei do BE de que falei nem com a pergunta que lhe fiz.

      Feliz Natal, Picante ;)

      Eliminar
    32. Eu falei em perturbações ou doenças mentais? Onde?...
      Falei em propostas de lei específicas do BE? Onde?
      Não me ponha palavras na boca, por obséquio.

      Eliminar
    33. Usou a palavra "doentes" no comentário anterior.

      Não falou em propostas de lei mas falei eu, por isso é que corrigi. Eu estava a dizer que a questão das palavras não tinha a ver com a proposta do BE e a Picante interpretou como "não tem a ver com o BE". Releia lá os comentários anteriores porque vai aí alguma confusão.

      Eliminar
    34. Doentes porque algures no processo de formação do feto houve um problema. Não doentes mentais. Há bebés que nascem com os 2 sexos, há bebés que nascem sem o sexo absolutamente definido. Este é só mais um problema de (má) formação. Por isso é que a pessoa sente que está no corpo errado.
      E sim, a proposta do BE não tem a ver com palavras. Mas tem toda a postura de muitos deles.

      Eliminar
    35. Mas as questões de identidade de género e expressão de género são dessa natureza. Existem pessoas que não identificam o seu género com o seu sexo biológico e que, no entanto, não pretendem fazer uma cirurgia de transição, por exemplo. Existem pessoas que se exprimem exteriormente de forma feminina sendo biologicamente homens (e vice-versa) e não têm sintomas de disforia de género. A questão não é tão simples como a põe, daí que tenha citado a posição da Associação Americana de Psiquiatria. Muitas destas situações não têm uma natureza patológica.

      Ainda que falemos em transtorno de identidade de género as causas não são sempre claramente embriológicas, existe uma diversidade de factores possíveis e a questão não é sequer consensual do ponto de vista científico.

      Mas aparte todas estas questões, aquilo que o BE pretendeu fazer foi simplesmente que uma pessoa que queira ser identificada como tendo um dado género possa fazê-lo do ponto de vista civil sem necessidade de ser diagnosticada com um transtorno de identidade de género (o que vai ao encontro do que diz a Associação Americana de Psicologia sobre nem todas as situações serem patológicas ou corresponderem a perturbações de identidade de género). Admito que alguns aspectos da proposta estavam mal formulados e algumas coisas podiam ter sido mais bem esclarecidas. No entanto, a ideia nunca foi uniformizar os géneros ou obrigar quem quer que fosse a ser de uma certa forma ou acabar com o "masculino" e o "feminino". Muito pelo contrário.

      Eliminar
    36. (Na primeira frase do meu comentário anterior quis dizer "não são", peço desculpa.)

      Eliminar
    37. Filipe, não conheço a proposta de cor, aliás acho que nunca a cheguei a ler na íntegra, embora tenha lido vários artigos de opinião sobre o assunto.
      Isto levanta desde logo um problema grave que é o da segurança das raparigas e mulheres. Por essa ordem de ideias basta um homem dizer que se identifica com o género feminino para se sentir do direito de frequentar locais restritos a mulheres, como sejam os WC, balneários ou dormitórios. Está a ver a quantidade de pervertidos que se iriam aproveitar disto? Mais uma vez lhe digo que estamos a falar de uma percentagem ínfima, não podemos nem devemos mudar toda uma sociedade, fazendo perigar a segurança da mesma, só para que meia dúzia não se sinta discriminada.
      Se a coisa não necessitar de ser certificada por médicos quem me garante que não haja doidos ou pervertidos a aproveitar a onda? E vai desculpar-me mas eu tenho o direito de usar uma casa de banho que não tenha homens lá dentro, por mais que eles se identifiquem com mulheres. Sentem-se mal? Lamento, é a vida. Muito mais gente se sentiria mal caso assim não fosse.

      Eliminar
    38. Ah, nunca chegou a ler na íntegra. Pois, isso esclarece algumas coisas. Os artigos de opinião que leu foram, muito provavelmente, altamente enviesados. Mesmo as notícias não eram muito de fiar.

      Claro, as coisas têm de ser discutidas, naturalmente. Mas parece-lhe assim tão provável que um pervertido vá ao ponto de mudar a sua identidade civil (nome e género) para entrar em casas de banho femininas ou em balneários? Bem, talvez. A Picante é uma pessimista e eu sou mais optimista. Mas sim, reconheço a pertinência da questão, tem toda a razão em colocá-la. Mas é por isso que as questões têm de estar cá fora, para que os problemas de implementação possam ser discutidos e resolvidos. Do mesmo modo que a Picante não quer ir a casas de banho com homens mal intencionados dentro (e compreendo-a completamente), também pode acontecer que um homem biológico que se sinta mulher não queira ir à casa de banho dos homens. Acho que consegue ter alguma empatia para com isso e que concorda que o preferível é haver soluções inclusivas. Difíceis ou não.

      Eliminar
    39. Filipe, o Homem é capaz das coisas mais incríveis, para o bem e para o mal. E não, não acho que seja preferível ter soluções inclusivas, não quando isso transtorna a vida a 99% das restantes pessoas. Lá por serem maioria têm tanto direito à vida quanto as minorias, é isso que o BE parece esquecer.

      Eliminar
    40. Quando falo em soluções inclusivas falo em soluções que não prejudiquem, tanto quanto possível, ninguém. E claro que se realmente transtorna ou, pelo menos, põe em causa a segurança e a liberdade de 99% das pessoas, é porque é provavelmente um mau passo a dar. Acho é que pode haver uma forma de fazer as coisas que acomode os interesses de todos.

      (E ponhamos de parte o BE. A questão da igualdade de género não é intrinsecamente partidária. Mal ou bem, o BE apoderou-se dela como bandeira e eu, honestamente, acho que essa associação faz mais mal que bem à igualdade de género.)

      Eliminar
    41. Nisso acho que concordamos. O maior problema da questão da igualdade de género tem a ver com muitos dos discursos mais extremistas que não só afastam muitos homens como muitas mulheres. E isso é só parvo, em teoria não deveria haver uma única mulher que não defendesse igualdade de oportunidades e tratamento.

      Eliminar
  8. E as queixas que (convenientemente) desapareceram sobre a tutela do Vieirinha? Esse que recebeu os 60.000€ como consultor quando não deveria sequer ter sido pago para o cargo??

    Isto não pode ser considerado crime?

    O AC é normal que mantenha a confiança nessa cambada toda... é igual a eles. A corja toda junta fica bonita... ou não era ele o número 2 do governo há 10 anos quando coisas muito estranhas foram feitas sob a tutela de Sócrates???

    (E para que conste eu até tenho ideologia mais de esquerda do que de direita mas apoiar a corrupção não é o meu forte, nem apoiar partidos políticos como se fossem clubes de futebol)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quando "Esse", recebeu os 60 mil,foi em 2013,não foi? BNem estava no Governo,nem era este o Governo.Os inspectores da aitura o que apuraram?Não houve auditorias?

      Eliminar
    2. E eu disse que as coisas foram bem feitas em 2013?? Mas ele é o mesmo e é muito giro mandar fazer auditorias às contas que ele aprovou. O suprasumo da competência. E diz muito de si achar que a fiscalização devia ter descoberto isso mais cedo (e eu também acho) mas ter palas e não se lembrar que estamos muito mal servidos se a pessoa responsável pela segurança social (!!!) só tem um bom comportamento e só segue as regras/leis quando alguém está em cima dele!!


      Ou só tem capacidade de raciocínio para o que lhe interessa?!
      Diz muito do carácter da pessoa que seja paga por um cargo que não devia ser remunerado e além disso cobrar consultadoria (para o quê??) numa ipss!!

      É o exemplo do que eu odeio em muitas pessoas. São fanáticos pelos partidos incapazes de verem os problemas todos numa determinada situação.

      Eliminar
  9. E a juiza que absolveu Carrilho também é deste governo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que comentário tão inteligente e construtivo!... mesmo bom. Maravilhoso.

      Eliminar
  10. Curioso. A corrupção da Rarissimas não é de agora. O que fez o anterior governo?
    E se é verdade que temos um Secretário de Estado e um Ministro deste governo (que na altura não eram) ligados à história da RARISSIMAS, com fortes indicios do primeiro ter participado em sistemas ilicitos, não é menos verdade que a mulher do antigo Presidente da República é madrinha da instituição e que um deputado do PSD preparava-se para assumir o cargo de vice-presidente não fosse dar-se o escândalo.
    Que se investigue, que sejam punidos os culpados, claro que sim, mas que se evite a partidarização deste escândalo, pelo menos por ora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O anterior Governo não tinha lá gente do partido, ao contrário deste governo.
      Não fez nada porque, não tendo recebido qualquer denúncia, não era suposto ir investigar a fundo. Já este governo recebeu denúncias e pôs-lhe papéis por cima.
      Vir dizer para não partidarizar uma coisa que é desde logo partidarizada não faz sentido.
      A Maria Cavaco, como madrinha, não tem qualquer acesso a contas e gestão interna. Querer atirar-lhe as culpas para cima é mesmo muito "costista", nunca assume nada, são sempre os anteriores que tiveram a culpa.

      Eliminar
    2. Tenho lido esse argumento , no outro governo ninguém investigou , se não existiam denúncias não sei o que queriam .. a questão é que agora existiram e como a presidente é amiga do ministro , as denúncias demoraram a chegar ao topo .

      Eliminar
    3. Eu diria que mesmo sem denúncias devia haver fiscalização. E sem aviso prévio.

      Mas é engraçado dizerem que não é culpa do partido (coitadinhos nunca têm culpa de nada) mas desapareceram as denúncias entregues à SS. Muito interessante a coincidência de o ministro responsável pela mesma ser amigo pessoal da presidente da raríssimas. Mas com certeza que foi tudo uma grande coincidência!! E a culpa é do meu cão de certeza!! Nunca será do PS ou do Costa... Nah

      Eliminar
  11. Denuncias em 2013:
    https://www.dn.pt/portugal/interior/desapareceu-uma-outra-denuncia-contra-a-presidente-das-rarissimas-8978395.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas vocês ao menos sabem ler? A denúncia desaparecida é de janeiro de 2017, refere-se a actos praticados em 2013, é um facto, mas a denúncia é de 2017.

      Eliminar
  12. O povo feliz e as tragédias a acontecer.
    Os sindicatos mudos e as greves públicas de faz de conta. As escolhas sem funcionários, os hospitais com listas intermináveis de pessoas à espera, mas somos os maiores!
    Tantas semelhanças com uma ditadura de esquerda, que não sei se depois deste comentário, amanhã não estarei preso.

    Grande post. Tudo dito.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.