quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Ainda sou do tempo

Em que os rapazes se divertiam a medir pilinhas. Agora não, agora medem o nível de cidadania e altruísmo.

32 comentários:

  1. Altruismo? Parece-me mais um exercício de egoísmo! Se não lhe tem ardido o carvalho, se é que ardeu, estaria alapado no bem bom do sofá com os cohibas, o gin e a ouvir Aznavour.
    Viu-o mexer uma palha que fosse em Junho?

    I rest my case.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas não têm de andar a alardear nos blogs aquilo que fazem na sua vida privada...

      Eliminar
    2. Alardeou agora. Tê-lo-ia feito em Junho se lhe tivesse ardido alguma coisa. Ou querem lá ver que o despudor só o atingiu agora?

      Eliminar
    3. Pois não sei. Pode ser só para provocar, pode ser só um post infeliz.
      (amanhã já ninguém se lembra)

      Eliminar
  2. Isso é mito urbano. Os rapazes nunca mediram pilinhas.

    ResponderEliminar
  3. Esperemos que um dia se meça a honra... deviam inventar um "honrímetro" :)

    ResponderEliminar
  4. Aquele tom condescendente... Já não há pachorra, caramba!

    ResponderEliminar
  5. e as meninas? o que faziam e o que fazem agora, conte lá que a picante até sabe, certo?

    ResponderEliminar
  6. Tão cheio de caridadezinha condescendente... vergonha alheia!

    ResponderEliminar
  7. Pipocante Irrelevante Delirante26 de outubro de 2017 às 20:32

    A minha é moderada em tamanho, mas satisfaz sempre que colocada em acção.
    (Cidadania)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipocante Irrelevante Delirante26 de outubro de 2017 às 22:25

      Não há que ter medo em mostrá-lo.
      Sim, há quem prefira apenas em privado, mas pode fazer-se às claras, só incomoda os politicamente correctos
      (altruismo)

      Eliminar
    2. Mostrar não incomoda nada. Já esfregar na cara...
      (o altruísmo)

      Eliminar
  8. Se tivemos ou não carvalho ardido lá longe, não sabemos, mas que sabemos que aqui se alardeou o que se ia fazer no passado sábado, lá isso sabemos. E fez-se mais: apelou-se à mobilização, para que a grande legião de indignados da blogosfera não faltasse. Cantou-se o hino, gritou-se por Portugal, bateu-se no peito patriota e os participantes ficaram com o peito cheio de dever cívico cumprido e com a boca a cuspir solidariedade. Já cidadania e altruísmo foi coisa que não se viu no Terreiro Do Paço quando alguém levantou uma faixa que continha inscrições que "apenas" eram verdades inconvenientes. Lá foram a cidadania e o altruísmo corridos a pontapé e murro enquanto se gritava "abaixo a geringonça"!
    No fundo, foi para isto que serviu a manifestação de cidadania e altruísmo, não foi? A pessoa que aqui é invocada de forma velada pode não ter ido ver o carvalho ardido (ou foi, nunca saberemos), mas também ninguém o apanhou no meio de uma acção de protesto trapalhona travestida de manifestação de solidariedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sabe que o único membro reconhecido de um partido, ou movimento partidário, que deu a cara foi exatamente quem foi levantar a faixa? tentaram disfarçar com oe meninos a reivindicar, mas ele estava lá.
      já o mentor da manifestação a que fui, que foi mais do que divulgado, é o Rui Maria Pêgo, desconheço-lhe qualquer ligação partidária, não nego que a tenha, mas isso não foi visível. vi lá muitos cartazes que criticavam todos os governos, mas sabe, eram artesanais... mais ninguém levou uma faixa de +2 m de vinil que não foi de certeza feita em casa com uma cartolina e umas folhas A4... não ouvi nunca "abaixo a geringonça", pelos vistos quem não esteve conseguiu ouvir.
      a manifestação serviu para dizer 'chega', muita gente de lisboa tem ligações a muitas das terras que arderam, por não terem lá uma casa não se podem manifestar? não podem exigir uma mudança no comportamento do estado? que eu saiba, embora cada vez pareça menos, ainda vivemos num estado democrático em que qualquer um se pode manifestar pelo que bem enteder. eu sou de Leiria, toda a minha família lá está e para além de perder não um carvalho mas um pinhal inteiro (que era do estado) temi pelas casas da minha família. só porque estou cá em Lisboa e não lá não me posso manifestar? se lá estivesse teria ido ao cordão humano, que mal foi falado na CS, mas uma coisa que durou 30 segundo, essa sim teve bastante destaque.
      ainda que tudo isso que disse fosse verdade, a contestação na rua não é um direito apenas da 'esquerda' em Portugal vedado à 'direita'. eu tenho o direito de me manifestar e exigir ao estado que nunca mais morram 100 pessoas em fogos florestais sem ter que ouvir que sou de direita, fascista e sei lá mais ou quê. ainda que não interesse para nada, não tenho partido, não me identifico com nenhum partido português, nem de um lado nem de outro.
      Maria

      Eliminar
    2. Lápis,
      O seu comentário é de tal maneira desonesto, deturpa de tal maneira a verdade, que nem sequer me merece mais que um encolher de ombros. Estou como S. Tomás - tem razão irmão, mas é que tem mesmo muita razão.

      Eliminar
    3. Anónimo, desconheço a identidade do representante de um movimento partidário de que me fala. Seja como for, com uma faixa de vinil ou de papel pardo, concordará que tanto era legítimo alguém manifestar-se pelo que aconteceu este ano como era legítimo alguém apontar o dedo a todos os culpados através daquela faixa. Ou não? Ou na manifestação só se podia instigar a turba contra este Governo?
      Acredito que lá se estivesse a manifestar independentemente de ser esta ou outra solução governativa a comandar os nossos destinos, mas estou certo que a grande maioria das pessoas que lá estavam não concordava consigo. Estava lá porque queriam "fazer sangue" e para mostrarem ao Governo que eram muitos. A iniciativa foi obra do Rui Maria Pêgo, certo, mas rapidamente foi engolida pelo oportunismo da direita. E a prova disso está no ataque aos rapazitos da faixa de vinil.
      Provavelmente, ainda estaria a protestar enquanto eu via na televisão essas cenas de pancadaria. Só assim se explica que não tivesse ouvido repetidas vezes "abaixo a geringonça" enquanto o ensaio de porrada decorria.
      Terá todo o direito a manifestar-se, é evidente, embora não perceba muito bem quais são os resultados práticos dessa manifestação para diminuir a dor de quem tudo perdeu ou para mudar o curso da história. É por isso que neste assunto em particular concordo em pleno com D. Pipoco.

      Eliminar
    4. E o que dizia a faixa?

      Eliminar
    5. Obviamente o contrário da outra.

      Eliminar
    6. Governos PS, PSD e CDS: culpados! Alguma mentira?
      E mesmo que fosse, não tinha lugar numa manifestação? Pois, a esquerdalha é que é perigosa, mas acaba vítima da direita ultra-reaccionária

      Eliminar
    7. Se o lápis acha que num protesto é igual uma faixa de vinil de mais de dois metros a uma cartolina escrita à mão, é consigo. Eu não acho.
      As pessoas foram por iniciativa própria e os cartazes que levavam reflectiam isso, foi isso que vi. Esses senhores não. Foram com o líder do MAS que se escudou naqueles jovens (o que convenhamos, é muito bonito...), esses sim com um propósito claro que era o de destabilizar um protesto que se dizia desde o início que era apartidário e que se era assim que se afirmava só tinha que ser respeitado como tal. O protesto aliás começou no Porto e só depois o RMP convocou o de Lisboa.
      Como o lápis viu os 30 segundos que passaram na tv só com isso, não viu as outras mais de duas horas que o protesto levou. Como não viu as outras dezenas de protestos que houve em todo o país porque não os quiseram mostrar. Porque é que foi engolido pelo oportunismo de direita? As outras dezenas de protestos também foram? Foi perguntar a todas as pessoas se era sangue e a demissão do governo que queriam? Não. Por isso não afirme o que não sabe e o que não presenciou. Muito menos quando pessoas que lá estiveram lhe estão a dizer que tal não aconteceu. O oportunismo que houve, aliás como se vê com qualquer coisa que seja minimamente desfavorável a este governo, foi a imediata conotação com a direita, caída do céu aos trambolhões.
      Os resultados práticos são demonstrar que estamos aqui, que não esqueçemos, que iremos reivindicar promessas. Foi mostrar às pessoas afectadas, que ao contrário de S.Bento, estamos atentos e iremos tentar fazer por elas. Infelizmente o povo português faz-se ouvir pouco, deviam fazê-lo mais vezes.
      Maria

      Eliminar
    8. Esqueceu-se do fascista... e homofônica e xenófoba. Então?...

      Eliminar
  9. A Picante basicanente foi à caixa de comentários do Pipoco e pegou nas sábias palavras do Impontual e (in)verteu-as aqui transformando-as num post sem sentido.

    AC

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sério? Mesmo?
      (que droga fumará, caramba?...)

      Eliminar
    2. Nenhuma, provavelmente.
      Chuta p'ra veia da pesada

      Eliminar
  10. Já acabaram?
    Óptimo!
    Conclusão.
    Todos bons rapazes.

    ResponderEliminar
  11. E para quando um post bafiento sobre o o acórdão igualmente bafiento daquele juiz bolorento? Ah é tal, as mulheres são tratadas com igualdade, elas é que se põem a jeito, com as suas roupas descaradas, com as suas infidelidades, não é?!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.