segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Houve mais um atentado terrorista na Europa? Nada temeis, Picante ensina como proceder

Depois de Madrid, Paris, Londres, Bruxelas ou Nice seguiu-se Barcelona e não sei o quê na Filandia. Por esta altura o protocolo já deveria ser sobejamente conhecido por todos. Mas, no improvável caso de se olvidarem, a vossa Picante mostra o caminho da luz.

Artigo 1º
O cidadão caucasiano ocidental deverá fingir que não sabe que o atacante é muçulmano. Quando finalmente a comunicação social revelar a religião do atacante o cidadão ocidental deverá simular genuino choque e surpresa.
Artigo 2º
O cidadão não associará a religião do atacante ao Islão e deverá repetir a seguinte mantra dez vezes:
 - o sucedido não tem nada a ver com o Islão, o Islão é uma religião de paz e amor, isto é um caso isolado fruto de uma mente perturbada, é um indivíduo com perturbações mentais, não é terrorismo e muito menos tem qualquer relação com o islão, não podemos culpar uma religião inteira pelo acto de um demente.
Artigo 3°
O cidadão caucasiano deverá mostrar-se deveras surpreendido ao tomar conhecimento de que o presumível atacante se chama Mohamed ou Assad ou Mustafa ou algo que o valha.
Artigo 4º
Quando a comunicação social não esconder mais que se tratou de um atentado em nome de Allah, o cidadão ocidental deverá racionalizar e lembrar-se de que o terrorismo faz parte do dia a dia das grandes metrópoles, London mayor dixit.
Artigo 5º
O cidadão ocidental deverá acender velas, participar em vigílias ou marchas pela paz e mudar a sua fotografia nas redes sociais, substituindo-a por uma bandeira do país atacado; o seu estado passa a ser um Je suis qualquer.
Artigo 6º
O cidadão deverá repetir exaustivamente que não tem medo e que não mudará o seu modo de vida, enquanto grita que o verdadeiro perigo é a islamofobia.
Artigo 7º
Todos os que pensem que as migrações têm de ser controladas são racistas, xenófobos e islamofóbicos.
Artigo 8º
Começar tudo de novo no próximo atentado.

68 comentários:

  1. Até hoje ainda não a vi a apresentar a solução. Não é um ataque a si, mas qual a resolução que tomaria? É que mais importante que atacar, parece-me mais útil solucionar o problema.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oras, anónimo, a solução é evidente: açambarcá-los a todos,- esses do islão e assim, que essa malta já se sabe é toda ruim desde que nasce, e lhe não bastassem os genes ainda são industriados em série para o ódio irracional contra o ocidente caucasiano, - e acabar-lhes com a raça! Não sendo possível juntá-los a todos, cada um de nós deveria fazer a sua parte - em avistando um era limpar-lhe logo o sebo, assim a uma meia dúzia era amandar-lhes com um autocarro para cima, por exemplo.

      Eliminar
    2. Não há uma solução mágica, quem dera que a tivesse. Mas, mandasse eu, e começaria por fechar todas as mesquitas onde se prega o radicalismo, expulsar todo e qualquer cidadão estrangeiro que cometesse um crime assim como todos os imãs que radicalizam estes jovens, proibir a sharia na Europa ao invés de fechar os olhos, expulsar todo e qualquer muçulmano que recusasse a integração. Quem abomina o modo de vida ocidental e recusa liminarmente a integração não tem lugar em solo europeu.
      Não resolve tudo mas é um princípio.
      (Fechar à porta a refugiados não está em causa nas as portas têm de ser abertas com regras)

      Eliminar
    3. O portuga já não podia levar o vira além-mar, ohhhh...

      Eliminar
    4. @A Mais Picante concordo com tudo menos com o fechar de mesquitas, pois o problema está nas pessoas e não num local construído, tal como os policias, políticos, banqueiros corruptos, padres pedófilos. Tudo o que é radical/extremista não pode ter lugar aqui e já se viu o resultado que tem essa gente na cadeia e deu para ver que nessa religião há bons/maus princípios, quando tem de se entregar uma declaração de registo criminal. O muçulmano integrado e trabalhador, como tenho conhecido vários não são o problema (não direi não o serão), mas basta vir esses imãs e estragam tudo o que a civilização ocidental proporciona, basta ver alguns pequenos documentários para ver que um país com uma "no-go zone" é inadmissível.
      Para rematar estava a ver a Rainews24 ainda há 2 ou 3 dias e vi imagens dum telejornal que enfim só se costuma ver em blogs/sítios extremistas muitas vezes com imagens muito duvidosas, mas naquele caso não, julgo que era numa praça em Roma, por curiosidade, fiz um zapping e não encontrei mais informações nem no jornalismo escrito, que foi muito estranho esse esquecimento.
      Em relação ao Mayor, não sei, mas pelos países árabes, os atentados são diários e a matar 10 ou 20 pessoas, rapto de 200 e por cá nem tão pouco isso.
      Quantos cidadãos muçulmanos existem em França? Quanto actos terroristas são cometidos por ano? Em comparação de percentagem de crimes, esta malta bate aos pontos o caucasiano, não iliba o caucasiano de nada, mas coloca-os (aos muçulmanos) numa posição pouco desejável.

      Eliminar
    5. Eu refiro-me a mesquitas não oficiais, acho que é normalmente nessas que isso acontece. Em acontecendo numa das outras expulsa-se o imã e pronto. Tem de haver maneira de acabar com a doutrinação de ódio.

      Eliminar
  2. Acho que queria dizer "nada TEMAIS", não?

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que este post não é politicamente correcto e, por não seguir o protocolo em vigor, opino que deverias ser apagada das internetes para todo o sempre. Isto como sanção mínima, obviamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será que a Isabel Moreira ou uma das histéricas do BE vai recomendar a minha expulsão? Ai minha Santa Teresinha...

      Eliminar
  4. É realmente assustador que seja permitido disseminar este tipo de mensagens de ódio e xenofobia. Seja na internet, seja noutro lugar qualquer. Com a diferença que este tipo de discurso não faria parte de nenhuma conversa em que se pudesse identificar a sua autora. Somos todos anónimos mesmo. Numa coisa concordo consigo: o problema são as religiões. Mas todas, não exclua a sua. É tão sensato associar todo o Islão a estes ataques como o todo Catolicismo à pedofilia praticada por muitos/demasiados dos seus queridos padres. Seja coerente. Havemos de chegar a uma sociedade em que as pessoas não sentem necessidade de acreditar em deus/es para serem felizes. Até lá, seja tolerante. Tal como eu sou consigo e com qualquer outra pessoa que tem crenças diferentes das minhas. Que discurso tão, tão assustador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo das 11.37, sejamos tolerantes enquanto a religião da paz e do amor atropela cidadãos a seu bel prazer.....que nunca lhe toque a si ou a alguém dos seus...os outros ...olha paciência e tolerância não é?

      Eliminar
    2. Anónimo das 11:37,
      Tirou-me as palavras da boca. Bravo.

      Eliminar
    3. Concordo plenamente. Tirou-me as palavras da boca.

      Eliminar
    4. Olá anónimo das 12:38,
      Nem encomendada a sua resposta tinha servido melhor o meu propósito. Por razões que nada interessam, passo muito tempo em Bruxelas. Eu estava no metro em Bruxelas em março do ano passado quando aqueles loucos resolveram explodir-se e explodir-se também o aeroporto. Fui uma das muitíssimas pessoas que tiveram que ficar retidas nos prédios à espera que aquilo acabasse e se fizessem as buscas que havia a fazer. Sem acesso à internet, não lhe consigo descrever o medo que senti tanto por não saber o que se estava a passar, como por não saber se já tinha acabado o que quer que estava a acontecer ou o que ainda iria explodir. Também não lhe consigo descrever como foi ter que me meter num avião a seguir para vir para Lisboa. Portanto, medo há. Aliás, acredito em absoluto que o discurso deste post e desta autora seja motivado por um medo que é real: pode acontecer aqui e agora. Aqui e agora. Cabe-nos a nós manter-nos sãos e não cair na loucura de nos tornar-nos nisto: medrosos e merdosos. Racistas e xenófobos. Cabe-nos a nós, como a parte racional da equação, educar os nossos filhos na tolerância e mostrar-lhes que não somos como eles. E cabe-nos também a nós não sermos hipócritas e aceitar que, sim, é um problema de religiões. No plural. Há que ter coerência e não podemos pôr-nos neste pedestal que aqui se vê.

      Eliminar
    5. Tem graça que sobre aquele senhor amoroso nazi que abalroou uma multidão com um carro e matou uma manifestante anti-nazi nem sequer uma única palavra.

      Eliminar
    6. Anónima 19.43 calma que lá chegarei.

      Anónima 11.37, os padres pedófilos, que também os há, não violam criancinhas em nome de Cristo pelo que esse argumento não faz o menor sentido. O problema também é o Islão, embora como é óbvio só uma ínfima minoria dos muçulmanos seja terrorista,
      Isto não é um discurso de ódio, aliás os muçulmanos infieis (moderados) são as primeiras e maioritárias vítimas desta gente. Mas eu acho que querer isolar o Islão do problema enquanto somos tão tolerantes que nos vergamos a gente totalmente intolerante que recusa aceitar e despreza profundamente os nossos valores não é solução. O que se passa na Suécia está aí, bem à vista de todos e não é bonito de se ver. Em Inglaterra, uma imbecil de esquerda teve a enorme lata de sugerir que as vítimas de violacao de Birmingham (brancas, violadas por paquistaneses, um crime de racismo, portanto) ficassem caladas para não gerar islamofobia. Isto seria por demais ridículo se não fosse tão aviltante. Basta!

      Eliminar
    7. Já agora o que se passa na Suécia que eu vivo cá e não me sinto propriamente no fim do mundo? Vejo muitos posts a falarem do que se passa na Suécia mas enquanto expatriada não consigo perceber que ameaça terrível paira sobre as nossas cabeças em particular

      Eliminar
  5. Quando a Euskadi Ta Askatasuna voltar a rebentar bombas nas Ramblas, ou em qualquer outra parte de Espanha, em nome da independência vai chamá-los de muçulmanos?
    E o Ira? Também eram ou são muçulmanos?
    Ó Picante vá lá escrever discursos para o Trump que ele tá bem necessitado por causa #daquelacoisaquenãotemnadaavercomasalteraçõesclimásticas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Vou chamá-los de terroristas a menos que se rebentem em nome de Allah.
      Há um site giro que mostra todos os atentados terroristas no mundo, onde e por quem foram efectuados. Dê uma espreitadela, vai ver que acha engraçado.

      Eliminar
    2. Anonimo das 13:04 o que é o rabo tem a ver com as calças? Nada não é? Pois.....

      Eliminar
  6. Sempre certeira, Picante. Já tinta saudades. :)

    ResponderEliminar
  7. Picante gosto de vir ao seu blog para ler a critica acutilante à blogosfera e à idiotice que se lê por estas bandas.
    Mas este post é duma estupidez assustadora. Medo, muito medo de pessoas assim. Antes a publicidade camuflada, as pseudo tias que cresceram nos subúrbios mas tratam os filhos por você.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este post, modéstia à parte, até é muito engraçado, uma verdadeira pérola de ironia.

      Eliminar
  8. Porque os cristãos são todos paz e amor não é? Aqui ninguém mata ninguém

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Matam, claro que matam. Não o fazem é em nome de Cristo.
      Eu não falo aqui dos milhares de muçulmanos que matam gente pelos mais variados motivos, ou falo? Mas se quiser poderemos ter um tête-à-tête sobre crimes de honra, é um bonito costume.

      Eliminar
    2. Não o fazem em nome de cristo??????Se calhar nem ouviu falar de Lutero, ou mais atrás, ou mais à frente...

      Eliminar
    3. Não sei se sabe mas nós já estamos no século XXI. Comparar os atentados das Ramblas a Luteto ou à Santa Inquisição é só parvo.

      Eliminar
  9. Fartei-me de rir com o seu post. Eu sei que devia era chorar, porque a situação não é mesmo para brincadeiras, mas olhe sou daquelas pessoas que é dada à risota, mesmo em situações sérias.
    É claro que estou de acordo consigo (mesmo sendo eu uma perigosa esquerdista...). Tira-me do sério ler comentários sobre a islamofobia e considerações semelhantes. Quem é que tem praticado estes atentados???? Que irritação não chamarem os bois pelos nomes. Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ando doente com esta onda do politicamente correcto, tudo o que é esquerda (ou muita da esquerda, vá...) agora pegou em meia dúzia de temas populistas para embandeirar em arco. Este é um deles.

      Eliminar
  10. "O cidadão caucasiano ocidental"!!! Mas então e outras raças não caucasianas não são alvos destes atentados também na Europa? Não se podem queixar, é isso? Nem revoltar?
    Então uma pessoa de raça negra esfaqueada em Londres (como aconteceu)não tem voz?
    Ai Picante, Picante, quanta parvoíce vai nessa cabeça...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E os próprios muçulmanos que são vitimas do auto-proclamado Estado Islâmico? Aqueles desgraçados que vêm os seus filhos raptados para serem treinados como soldados e as suas filhas violadas e transformadas em escravas sexuais? Devem ser metidos no mesmo saco que aqueles loucos que andam a matar meio mundo sabe-se lá porquê? Só porque nasceram no lado errado do mundo e professam a mesma religião que aqueles terroristas? Acho doentio estas generalizações, e patético que continuem a acreditar que só na Europa se ande sofrer com estes loucos.

      Eliminar
    2. Anónimo das 21.53, está a referir-se aos Yazidis, não é? Aquela etnia muçulmana que por acaso até é cristã, pois é?...

      Anónimo 16.36, realmente é de uma ignorância atroz eu ter falado em cidadão caucasiano para me referir aos europeus. Como é possível? Toda a gente sabe que em Inglaterra, por exemplo, a grande maioria dos habitantes são pele-vermelha, principalmente depois de virem a Albufeira em Agosto.

      Eliminar
    3. Cara Picante, se alguma vez foi a Londres deveria saber muito bem que a sua população é do mais inter-racial que pode haver.
      Se há cidade onde se vê uma grande quantidade de raças por m2, essa cidade é Londres. Portanto sim, foi ignorante.

      Eliminar
    4. Londres está repleto de migrantes, é um facto. Acontece que nem Londres é a Europa, nem os migrantes são originalmente naturais de Londres, quando muito alguns deles nasceram lá, filhos ou netos de migrantes. Pior que um ignorante só outro ignorante que teima em ensinar os outros.

      Eliminar
    5. Os Yazidis são cristãos?! Muito se aprende neste blog...

      Eliminar
    6. Mas foi você que deu como exemplo Inglaterra ou estou errada?

      Eliminar
    7. Picante gabo-lhe a paciência... Tenho a sensação de que as pessoas são burras e ainda gostam de o ser. A interpretação de textos não é para todos realmente. Eu acho que devem continuar na onda do politicamente correcto que vão no bom caminho (not). Depois quando sofrermos na pele um atentado quero ver se o discurso é igual. Já vi mais longe de acontecer....

      Eliminar
  11. Estou impressionada. Genuinamente impressionada.
    Sou brasileira e temos aqui uns políticos (aprendizes de Trump e afins) de extrema direita e extrema ignorância que adorariam esse tipo de comentário.
    Como outra comentadora escreveu, eu costumava vir aqui para ler críticas à blogosfera cor de rosa, mas confesso que não virei mais. Não que isso faça qualquer diferença à blogueira, certamente.
    Continuarei, por outro lado frequentando o delicioso blogue Palmier Encoberto, no qual há, sim, críticas, mas bem humoradas e, o mais importante, a autora do Palmier não me parece compartilhar ideias que deveriam ter sido enterradas em um passado distante.
    Saudações d'além mar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lucia! Lucia! Não vá embora, por favor! Não vá! Lucia! Ó Lucia! Fique mais um bocadinho!
      Olha... foi.

      Eliminar
  12. Nao acredito que li isto...Cláudia Vicente

    ResponderEliminar
  13. "São anti-fascistas que professam o comunismo ou participam com zelo num regime influenciado por comunistas. São feministas que se borrifam para a humilhação das mulheres ciganas. São democratas que aplaudem o regime venezuelano. São lobistas “gay” que se apaixonam pela Palestina. São ecuménicos que abominam as religiões ocidentais. São opositores do racismo que compreendem os racistas do islão. São indignados com a xenofobia que insultam os espanhóis e os alemães e os ingleses que nos visitam e sustentam a nossa reles economia.
    Ainda assim, procurar calar essa gente seria imitar-lhe os princípios. O que interessa é recusar que, à conta da intimidação, essa gente nos cale a nós."
    Alberto Gonçalves

    Não poderia estar mais de acordo.

    ResponderEliminar
  14. Completamente d'acordo Picante e não te deixes calar pelos que toleram as aberrantes bestas islâmicas, enquanto atacam que nem hienas os seus compatriotas que se dignam questionar a vinda de mais refugiados, o envolvimento de emigrantes nestes atentados ou a sua ligação à religião da paz e do amor. Neste último atentado, se eles têm conseguido rebentar com a Sacra Família, como estava previsto, talvez finalmente a Europa acordasse, como foram só 15 desgraçados anónimos que morreram, vai continuar tudo na mesma. Não te cales!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Europa começa a acordar, lentamente mas acho que sim, que as pessoas estão a ficar fartas de viver com medo. Esperemos é que não se caia no extremo oposto, a extrema direita é tão má como a extrema esquerda.

      Eliminar
  15. É tão engraçado armarem-se aqui em boas cidadãs, somos todos paz e amor e coiso e tal, mas sabem que mais? Quando começarem aqui e agora a fazerem atentados nas nossas ruas, não é aqui ao lado em Espanha, é mesmo nas nossas ruas, onde podemos nós estar, os nossos, país, irmãos, filhos, amigos, aqueles que nos são mais queridos, quando os tivermos que enterrar porque um merdas qualquer de um muçulmano em nome da sua suposta religião, assim o manda não ter qualquer respeito pela sua vida ou a dos outros, eu quero ver onde vai estar esta corrente de aí somos todos humanos, e somos todos paz e amor, essa gente é um perigo, e devia ser expulsa para os seus pais de origem, sou a favor da imigração, mas para trabalhar, inserir se no país que acolhe, respeitar os seus costumes e quando não se está satisfeito siga, já chega de paninhos quentes, esta gente não vai lá com tretas dos direitos humanos, tenho imensa pena pelos muçulmanos que não fazem mal a uma formiga, mas infelizmente são uma minoria, infelizmente paga o justo pelo pecador, vivemos tempos difíceis, vivemos tempo de medo. E não vai ser com brandos costumes que vamos travar isto, recambiar esta malta toda para a porcaria que são os seus países, aquela gente nasceu no meio do lixo e não são povos que querem melhor, que querem uma vida digna para os seus filhos, só querem guerras, são fanáticos, só vêm uma coisa à frente, matar em nome do seu Deus, pois seja, vão lá matarem-se uns aos outros e deixem os países dos outros em paz que ninguém os chamou cá, cá queremos gente trabalhadora, que luta por um futuro melhor, que se integra, farta de parasitas e do politicamente correto! Não há politicamente correcto com estas raças, são piores que animais, vá apedrejem-me lá em praça pública que ao menos tenho coragem para dizer em voz alta aquilo que muita gente pensa mas parece mal dizer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "voz alta"? "aqui?"
      este blog é só piadas de péssimo gosto...

      Eliminar
    2. Enquanto a coisa não nos tocar directamente usaremos as redes sociais para mostrar o quão tolerantes somos e para dizer que os outros, os que querem algum controlo nas migrações, são uns nazis.
      Este bem que poderia ser um dos artigos lá de cima...

      Eliminar
    3. Voz alta porque aquilo que escrevi aqui, digo lá fora também, não apenas atras de um teclado e quer saber mais pessoas demonstraram pensar o mesmo que eu..... e se este blog é só piadas de mau gosto tem bom remédio, passe à frente e vá ler coisas cor de rosa e de como a vida é perfeita com as filhas perfeitas e com o marido perfeito!

      Eliminar
    4. Anonimo das 20:35, olhe gosto de si ;)!

      Eliminar
    5. Eu também gosto do anónimo das 20:35. E de todos os que pensam como ele. E de mim, que penso exactamente o mesmo.

      Eliminar
  16. É um problema do ser HUMANO, e quanto mais for alimentado com este tipo de post menos tolerante o ser HUMANO será.
    Eu devo viver numa utopia, só pode, este tipo de comentários não deveriam de existir.
    Não podemos globalizar, existem radicais e extremistas em todas as religiões, fados, credos, cores, países, continentes e planetas.
    Não concordar, não, mas se formos todos radicais que mundo será este, onde vocês vão deixar os vossos filhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, existem radicais em todo o lado. Nem todos se explodem em nome de Allah mas é verdade que existe fundamentalismo em todo o lado. Até lhe dou um exemplo: as galinhas do BE

      (diga-me lá quantos atentados terroristas houve em nome de qualquer outro Deus que não Allah no séc XXI...)

      Eliminar
  17. São os meus amigos muçulmanos que abanam a cabeça e dizem "os europeus são tão ingénuos"... a nova era começou na Europa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vais fazer como o d. Afonso Henriques e correr com os Mouros 🚚💣✈️🕌

      Eliminar
  18. Só é pena que estas alminhas puras e de corações lavadinhos que se insurgem porque são todos uns intolerantes que condenam o islamismo, porque, segundo estas alminhas santificadas gente má há em toda a parte, que nos atentados ocorridos pelo mundo não tivessem lá os filhos, os pais, os irmãos, as tias e tios, cunhados e primos, enfim; todos os familiares e amigos.
    Mas não se preocupem que o terror está prestes a acabar. Dentro de cinquenta anos, ou menos, todos seremos muçulmanos e o amor e harmonia a todos abençoará.
    Entretanto e até lá, pode ser que com um pouco de sorte vejam os vossos filhos lerparem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não seja assim, deixe que se safe uma ou outra alminha...

      Eliminar
    2. Pois, nem tanto ao mar nem tanto à serra. Condescendo e que se safe...uma.
      A santificada alminha pura e bela da anónima das 00:48.
      Quanta sublimidade de amor universal a abençoada alma não derrama. Nem a Virgem pelo Anjo Abençoada se lhe assemelhava. É que nem aos calcanhares lhe chegava.
      Essa que se safe que de exemplos purificadores está o mundo bem necessitado.

      Eliminar
    3. Corvo, onde está "lerparem", devia estar "os vossos filhos fazerem CABUM com um cinto de explosivos à cintura".

      Eliminar
    4. Exactamente. E que façam CABUM dentro de casa com a família toda reunida, e que se safe a alminha mais pura de entre eles para depois vir dar exemplos de moralidade e perdão preconizando o amor e harmonia entre povos.

      Eliminar
    5. Leu o "Submissão" há pouco tempo, foi?

      Eliminar
  19. Ó corvo cuidado com as santinhas, olhe que a Picante não larga a igreja.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.