terça-feira, 4 de abril de 2017

Acabou de acontecer

E lá estava ela, irritadíssima, feições alteradas, a gesticular, automóvel em contramão, parado na minha faixa de rodagem. E lá estava eu, sorriso nos lábios, enquanto aumentava o volume da música o suficiente para não lhe ouvir a voz, pé no travão no último instante, aquele instante que significa a diferença entre bater ou não, e lá continuou ela a gesticular, muito zangada porque eu não fazia marcha atrás para ela poder usar a minha faixa, e eu continuava a sorrir e, em verdade vos digo, não há nada que me divirta tanto quanto deixar alguém a gritar sozinho.

31 comentários:

  1. Este fim de semana também levei com uma alma em contra mão , numa via rápida aqui no norte . Tá tudo louco .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não não , uma "dermatologista".

      Eliminar
  2. Ora aí está algo que não entendo: gente com raiva na estrada. Tem piada (embora não dê para rir), já que 9 em cada 10 vezes não têm razão. Mas, enfim, a falta de bom senso dá-lhes para atacar a buzina, puxar do vernáculo e mostrar como são excelentes condutores a fazer ultrapassagens perigosas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Raramente a razão assiste aos tipos que desatam a insultar os outros aos berros, isto de acordo com a minha experiência, vale o que vale.

      Eliminar
  3. Picante e as suas parábolas ;)

    ResponderEliminar
  4. Secalhar estava atrasada para ir a clínica de nutricao!! Agora andam todas a emagrecer!! Ehehe (ok, e eu cheia de inveja!)

    ResponderEliminar
  5. O que mais adoro são pessoas a reclamar na estrada sem razão. A última (que vejo acontecer todos os dias...) foi na rotunda do Relógio, eu estava na segunda faixa a contar da direita, ia sair na segunda saída depois do semáforo. Quando o verde caiu uma abécula à minha esquerda mandou-me um buzinão porque queria sair na primeira saída e eu estava à frente... e foi a reclamar por ali fora. Ainda me ri bastante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As rotundas são coisa para me tirar do sério. Gente que corta algumas 3 faixas porque já estava na rotunda e acha que tem prioridade! Fico doida.

      Eliminar
    2. Lamento mas o outro condutor tinha razão! Quem está na faixa mais à direita tem que sair na primeira saída...

      Eliminar
    3. Eu lamento é que as pessoas falem do que não sabem. Ninguém pode mudar de faixa para outra que esteja ocupada. E se a faixa da direita estiver livre eu posso entrar na rotunda e ocupá-la, não tenho de estar preocupada a pensar se o tipo que está duas entradas atrás,na faixa de dentro, resolve atravessar três faixas de seguida achando que tem prioridade porque já estava na rotunda.

      Eliminar
  6. E as gajas são do piorio
    Assinado: Uma gaja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso são mais agressivas ao volante, são. Os homens deixam passar, elas lá devem achar que se lhes parte uma unha por darem passagem...

      Eliminar
  7. Pipocante Irrelevante Delirante4 de abril de 2017 às 21:04

    Encontrou a Mirone no transito?

    (isto anda tao calmo... a ver s'anima)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahahahahahah!
      (era uma metáfora. http://mirone.blogspot.pt/2017/01/como-assim-sou-eu-que-vou-em-contra-mao.html)

      Eliminar
  8. :DDDDD

    tenho estado a viver perto de Guimarães, dir-se-ia longe do fastidioso trânsito do Porto. infelizmente, por aqui há uma porção significativa de rústicos (ébrios logo de manhãzinha) que usam a estrada toda.
    compreendo agora a longa fadiga no semblante da minha psiquiatra.
    mundo de doidos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é mais mundo de mal educados. Sério, anda tudo com demasiada pressa e agressividade.

      Eliminar
    2. Guimarães é terra de gente dura , para ser simpática , e olhe que eu sou de cá . Mas realmente anda tudo muito nervoso .

      Eliminar
  9. Eu não conduzo, mas não estou livre da loucura do trânsito. Outro dia, a atravessar a rua pela passarela com a minha filha de quatro anos, a respeitar o sinal verde para peões, quase fomos atropeladas. E, "to add insult to injury", foi xingada pelo senhor em questão que disse-me que eu "deveria atravessar mais ali adiante", a apontar para um ponto indeterminado. Madness.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quanto a isso das passadeiras também tem muito que se lhe diga. Não digo que seja o seu caso mas já tive de travar forte porque os peões se atiram para as passadeiras sem verificar se podem ou não atravessar.
      Por mais que tenham prioridade, ninguém a discute, não terão medo de levar com um automóvel em cima?

      Eliminar
    2. têm prioridade a partir do momento em que colocam o pé na passadeira, não antes. E antes implica ver se vem algum carro que não tenha oportunidade de parar...

      Eliminar
    3. Eu nunca atravesso se há um carro por perto, não me joguei. Sempre olho, principalmente se estou com minha filha, a questão é que o senhor vinha a alta velocidade e a passadeira é logo após uma esquina. Eu não tinha como o ver antes de atravessar. Não sou irresponsável.

      Eliminar
  10. Mas como é que as suas leitoras não alcançam o duplo sentido e se põem aqui a comentar o trânsito?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora... e haveriam de comentar o quê?...

      Eliminar
    2. Do despeito de não conseguirem manterem um bom sorriso, porque palitar os dentes com garfos de plástico não é coisa lá muito eficiente.

      Eliminar
    3. Não sei nada disso de palitar dentes, garfos de plástico é coisa de festa de criança, não entendo que terá isso a ver com gente que se exalta sem que lhe assista a razão, nem com gente que se limita a gozar a coisa em silêncio, é o silêncio que exaspera, sabe?

      Eliminar
    4. Sei, o silêncio ensurdecedor. É desse que fala?

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.