quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Em verdade vos digo

Que a palavra é aquilo que de mais valor temos, aquilo que ninguém nos pode tirar e que nos define enquanto pessoas.
(há por aí muita gente que não faz a mais pequena ideia de que raio estou eu a falar...)

20 comentários:

  1. Palavra e espinha dorsal, essa coisa tão demondé... Tens razão, sim, infelizmente muita gente não sabe o que isso é.

    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida.
    E a sua "amiga" não pára de lhe ir fazendo a folha com indirectas. Acho estas situações tão pueris...
    (E por favor, não insulte a minha inteligência.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquilo não pode ser para mim. Até porque se fosse seria um post mesmo estúpido que eu não me indignei com rigorosamente coisa nenhuma. Além de que quem tem telhados de vidro não atira pedras, toda a gente sabe isso.
      Se fosse para mim seria um "aqui, aqui" muito desesperado. E não pode ser que não há qualquer razão para isso, além de que lhe tenho a inteligência em bastante melhor conta.

      Eliminar
    2. Se achasse mesmo que aquilo não era para si, não a tinha tirado da barra lateral. Eu pedi-lhe que não insultasse a minha inteligência.

      Eliminar
    3. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.
      Nunca perceberei essas vossas deduções que invariavelmente acertam ao lado. Não tenho de lhe explicar rigorosamente nada mas tirei porque não me identifico com o rumo que o blog seguiu. Acresce que não percebo metade dos posts por opção minha. Se voltar ao que era volta para ali, simples assim.

      Eliminar
  3. Numa pessoa que alimenta o diz que disse é no mínimo não ter palavra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é letras, pois não? E aquilo das composições era um martírio, pois era?

      Eliminar
    2. Não "são" letras Picante, ai ai, eu ainda tenho desculpa, ia no Metro...

      Eliminar
    3. de letras. Faltou ali o "de"
      (O metro altera o sentido das frases?...)

      Eliminar
  4. A palavra fiel,
    Nem sempre respeitada,
    Por vezes doce como o mel,
    Outras vezes mal amada,
    Ninguém a pode tirar,
    Define personalidades,
    Permite dialogar,
    Ou dizer umas verdades,
    Muito boa gente,
    Pensa que pode gozar,
    Mas existe outro que sente,
    Que tudo pode mudar,
    Picante continue assim,
    Com o seu humor especial,
    Se falarem diga que sim,
    O resto será normal.


    O que eu gosto das palavras.

    ResponderEliminar
  5. Sei do que fala, mas não de quem fala...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, aqui fala-se sempre do mesmo...

      Eliminar
    2. Não faz ideia de que situação falo e tampouco teria forma de saber de quem falo. Ao que sei, não trago a minha vida para o blog mais que isto.

      Eliminar
  6. Sei do que fala quando diz "Que a palavra é aquilo que de mais valor temos, aquilo que ninguém nos pode tirar e que nos define enquanto pessoas.", obviamente a situação específica não faço a mínima, mas pensei pelo segundo comentário que era alguma coisa de blogues...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a ver com blogs. Já estou cansada de dizer que os posts que têm a ver com blogs dizem isso mesmo na etiqueta.

      Eliminar
  7. Pode não ser para a pessoa já referida (eu também pensei que fosse) mas acho que começa a descrever essa pessoa em questão também.

    No entanto, o espaço é dela e ela tem razão quando diz que faz lá o que quer. Simplesmente ultimamente parece que o registo é forçado e quase como resposta às criticas que obteve.
    No entanto, quem se expõe publicamente também estará sempre sujeito a escrutínio.
    Não sei o que se passa, se é um boneco, se lhe apeteceu espingardear mas de um blog com um humor mordaz no ponto, passou a algo que nem sei bem o que lhe chamar mas concordo com a anónima de cima, várias situações parecem muito pueris (uma delas a "birra" com a Picante).

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.