terça-feira, 11 de outubro de 2016

Pobre Martim, havias de ser meu filho e levavas era uma tareia das antigas

E daí talvez não fosse necessário chegar ao ponto de lhe dar uma sova mestra e de o pôr de castigo aí até aos 36 anos, mais coisa menos coisa, afinal eu nunca fui pessoa de desculpabilizar as asneiras do meu rico filho, sempre lhe ensinei que cada acção gera uma reacção, que há uma linha clara que separa o certo do errado, que a sociedade condena as acções erradas, que ele inclusive há acções que, se praticadas a partir dos dezasseis anos, são susceptíveis de dar cadeia por entrarem da categoria de crime.
O pobre do Martim, tão injustiçado que é pelos professores, tem como entretém criar contas de facebook com o nome e fotografia dos colegas de quem não gosta, de maneira a injuriar de puta para cima algumas das meninas. Quando finalmente entra na sua própria conta tem por costume dizer que comeu esta ou aquela "gaja", a qual invariavelmente é uma puta. Mordi a língua para não dizer ao meu filho que as gajas que o Martim come se chamam, na melhor das hipóteses, mão direita, em vez disso disse-lhe apenas que os rapazes que se gabavam das suas conquistas, além de serem uns imbecis mal formados (coisa plenamente corroborada pelas infracções legalmente puníveis que faz no facebook), normalmente não conquistavam era mesmo nada.
O ano promete.

(e vocês? também têm livre acesso aos chats das turmas dos vossos filhos?...)

72 comentários:

  1. Mas isto em que idade? As redes sociais nas mãos de pessoas assim tão pérfidas, são um terror...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas este é o resultado de anos de desresponsabilização. Que outra coisa se poderia esperar?
      (início da adolescência)

      Eliminar
  2. Esse Martim vai longe se não lhe puserem já limites. Lamentável.

    ResponderEliminar
  3. Mas o Martim ainda tem acesso a um pc e tlmv? Diga-me Picante que sabe que o Martim foi severamente punido. Eu não quero acreditar que os pais não fizeram nem fazem nada. Custa-me saber que miúdas tenham de conviver com mini trastes destes. Esses pais não vêem o tipo de criança que estão a criar? Que, ou um dia bate com a cabeça e tem uma epifania e melhora, ou isso vai ser sempre a piorar se não têm mão nele??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai ser, vai ser. A coisa só foi descoberta recentemente.

      Eliminar
  4. Eu ainda não tenho filhos (tenho 29 anos), mas quando era adolescente (13 anos) tinha na minha turma um desses Martim, só que, na altura, ainda não se usava a internet como hoje, então as ofensas eram mesmo ao vivo. De modo que o "Martim" (que eu mal conhecia, pois tinha entrado para uma turma nova esse ano) achava por bem chamar puta a mim e a outras colegas minhas. A 3a vez que o fez foi durante uma aula de Educação Física, ao que eu cheguei ao pé dele e lhe dei um bofetão na cara com toda a força que tinha e disse que ele não se atravesse a voltar a chamar isso a mim ou a outra rapariga. Ele ficou todo vermelho e começou a chorar, os colegas viram e gozaram com ele para todo o sempre. Nunca mais se meteu connosco. As nossas mães foram chamadas e a minha mãe deu-me razão (e o director de turma também), contou-me isso passados uns anos (porque na altura tiveram de fazer o discurso de que não se bate nos colegas, bla bla bla).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nos meus 12 ou 13 anos tenho a ideia de os rapazes da minha turma serem uns bebezolas e estarem mesmo muito longe destas confusões.

      Eliminar
    2. Ah na minha não. Nessa altura (ano 2000, por aí) já havia namoricos, rapazes que se achavam no direito de apalpar as raparigas, fumar ganzas atrás de um pavilhão mais escondido, miudos a atacar a garrafeira dos pais em dias de tarde livre (true story), apostas de actos sexuais caso a lista da associação de estudantes que se apoiava perdesse, trocas de sms e marcação de encontros à porta da escola com rapazes mais velhos (com aqueles nokia 3310), conversas no mIRC, etc. Eu sempre me mantive relativamente longe dessas coisas, mas tinha imensos colegas que o faziam. Daí achar estranho quando as pessoas dizem que a geração actual está perdida... este tipo de coisas sempre existiu! Eu nasci nos anos 80 e toda a minha geração passou por isso e não se deu assim tão mal. São fases e há sempre quem se envolve mais ou menos nesses comportamentos e é perfeitamente possível passar a adolescência à margem deles.

      Eliminar
  5. ai picante com caraças, já estou suficientemente puta da vida com a adolescência (cor de rosa, vejo agora) dos meus!!!

    [onde se põe a marcha a trás?????]

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bom era... Quanto mais crescem maiores são as dores de cabeça.

      Eliminar
  6. E na pior das hipóteses o puto é canhoto :) e a palmira é mesmo de esquerda :D


    Já quando eu andava no secundário apesar de nc ter havido coisas desse género a pessoa mais destabilizadora era a que era defendida pela mãezinha. Ele era o pior aluno da turma (em termos de notas), tinha muita dificuldade de aprendizagem. Mas...ele nem durante os testes se calava. Sempre mimimimi. A maezinha nc fez nada. Lol. Passado 8 anos... o dinheiro compra tudo e o menino está a tirar medicina :) espero que n venha exercer para portugal porque ja basta a quantidade de médicos broncos que andam por aí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa transparecer no comentário alguma dor de cotovelo.

      Eliminar
    2. Não entendo.. Não estão sempre a dizer que quem tem vocação deve poder ir para medicina, irrespectivamente da média? Não estão sempre a dizer que os marrões que querem ir para medicina não deveriam entrar à frente dos que têm "vocação" mas não têm notas?

      Adiante, penso que não se pode julgar para sempre uma pessoa com base na imaturidade que demonstrava em criança/ adolescente. O pior aluno da minha turma, o que nunca se concentrava, o que falava nos testes, o que simulava o acto sexual contra a porta do cacifo, acabou por crescer e amadurecer. Acabou por subir as notas, foi para direito e hoje é um excelente advogado, um senhor muito respeitoso e bem educado. Toda a gente merece a oportunidade de crescer, mudar, amadurecer e lutar pelo futuro com que sempre sonhou. Há quem nunca mude, mas há quem saia da "idade da parvoíce". É injusto que eternamente se ache que não merecem nada do que alcançam na vida.

      Eliminar
    3. Por acaso, no caso específico da medicina, acho que deveria haver um qualquer teste de vocação. Ser marrão (e para se entrar em medicina apenas é necessário ter uma excelente capacidade de estudo e memória) não deveria ser suficiente para exercer a profissão.

      Eliminar
    4. Eu estive em turmas com grupos de rapazes muito maus (portavam-se incrivelmente mal, estavam sempre a falar, a desrespeitar os professores, chegaram a levar bombinhas de mau cheiro para as aulas, nos intervalos atiravam balões de água contra as miudas, levavam colegas "ao poste", roubavam as bolas de miudos mais novos que estavam a brincar e chutavam-nas para cima de pavilhões, etc), que sempre tiveram notas apenas razoáveis (tipo média de 12/13 no Secundário) e hoje são economistas e gestores nas KPMG, Deloitte, E&Y e bancos desta vida.

      Eliminar
    5. E os bancos andam como andam!

      Eliminar
    6. Não me diga que é dos que foram para a República Checa tirar medicina e cá não conheciam uma letra do tamanho de um burro??? ahaha

      Eliminar
    7. Pipocante Irrelevante Delirante11 de outubro de 2016 às 17:07

      Está provado que os quadros de topo das grandes consultoras e instituições financeiras têm traços psicológicos semelhantes aos de um sociopata. Portanto, nada de novo.

      Mas sim, um puto imbecil pode tornar-se num adulto decente. As pessoas não mudam, mas evoluem na sua personalidade.

      Eliminar
    8. LOL boa sorte para esse jovem fazer o exame de acesso à especialidade.. nem o dinheiro lhe vai comprar a nota.. Quanto aos testes de vocação ideia muito engraçada na teoria, na prática e atendendo como funcionam as coisas em Porugal, a coisa ia funcionar por cunha e não por verdadeira vocação. O dinheiro aí sim nessas coisas falam mais alto.

      Eliminar
    9. Qual é o problema de ir para a República Checa mesmo?

      Eliminar
  7. É pá! isso vai muito violento, para a minha pobre mente! O meu ainda está só na fase de dar beijos na boa a uma miúda gira e cheia de pinta, do alto dos seus 7 anos. Acho que não tenho vontade de o ver chegar aos 16. Boa sorte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É aproveitar, Bailarina, é aproveitar bastante.

      Eliminar
  8. Não percebo. Se é assim tão expedita e assertiva, por que é que não usou essa mesma convicção para colocar a PN na ordem quando ela praticou tantos crimes internéticos? Ah, pois, espera, isto é tudo garganta, pois não é?

    Outra coisa: cuidado com essas certezas e cuspidelas para o ar quanto ao seu filho. É que por melhores que sejam as suas intenções, os seus sermões, os seus constantes e seguros avisos ao moço, um dia destes chega aquela coisa chamada adolescência e... vai tudo por água abaixo. Lá vai ter que engolir uns sapitos, uns atrás dos outros. Não aqui no blogue, claro, aqui vai ser sempre a mãe durona que, por causa disso, soube manter o filho na linha e o seu filho vai ser sempre um exemplo de rectidão. Mas fora daqui, aí junto da sua consciência... cuidado com os sapos que se avizinham.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo o que a Picante tem contado, o filho já está na adolescência. Há mesmo meninos mais bem educados do que outros.

      Eliminar
    2. Porque, estimada Anónima, as coisas dos blogs se resolvem nos blogs e as coisas de fora dos blogs se resolvem fora dos blogs.

      Para seu azar o meu filho é adolescente. E não sendo nenhum poço de virtudes e perfeição, também não é uma criança mal formada. E, pasme-se! É um miúdo bem educado, de acordo com as informações que professores e outros adultos com quem se relaciona me transmitem.

      (se é leitora antiga, como parece ser, saberá que o ano passado a criança teve um comportamento algo desadequado e nós nos vimos obrigados a agir, aliás até fui aqui bastante censurada por ter dito que lhe tinha anulado a festa de aniversário por que tanto ansiava...)

      Eliminar
    3. Ó senhora, inicio da adolescência não é adolescência, inicio da juventude/idade adulta. Essa fase é uma flor, comparada com o que a espera. Pode ser que tenha sorte. Pode ser. Mas...
      Ó menina, por mais bem formados que sejam, vá por mim: há coisas que nos custam tanto, mas tanto a engolir. Sabe porquê? Precisamente porque são bem formados (não se preocupe, eu acredito que o seu o seja, fique lá tranquila). Por sabermos a educação que lhes demos, as regras que lhes impusemos e o quão educadinhos que são, é que nos custa ver tanta, mas tanta coisa...
      Vá acalme-se lá, está aqui a falar com uma mãe também rigorosa e famosa por ter mão pesada na educação do seu "gordinho", embora já esteja numa fase mais avançada da coisa. Mas depois vem a vida, sabe, a própria vida, aquela que choca connosco de frente e...

      Eliminar
    4. Picante, não sei que idade tem o seu, mas os 14 anos também são terríveis. Muito.

      Eliminar
    5. Estou calma, caramba. Isto somos nós a falar.
      Sei bem que no melhor pano cai a nódoa e que, por mais valores que lhes passemos, chega uma altura em que só podemos soltá-los, erguer as mãos ao céu e rezar para que não tomem as decisões erradas. A vida é uma lotaria, infelizmente.
      Abraço

      Eliminar
    6. Ah bom! Pronto, assim é outra coisa. Porque quando eu vejo pessoas cheias de certezas e com a conversa do "havia de ser comigo...". Mas assim agora já nos estamos a entender melhor.
      Abraço

      Eliminar
    7. Fui só eu que entendi que a picante falou essencialmente do comportamento anormal dos pais defensores dos filhinhos mal comportados? E não propriamente dos mal educados em si, ou dos adolescentes, chamemos assim então!!

      Eliminar
    8. Ó Anónima mas eu tenho algumas certezas. Tenho certezas essencialmente quanto à maneira como eu reagiria se o meu filho chegasse a casa com sete faltas disciplinares. Lhe garanto que não teria oportunidade de fazer gracinhas destas na Internet, quanto mais não seja por deixar de a ter.
      E também tenho a certeza de que não lhe aparo golpes e não o desculpabilizo face a um docente, isso lhe garanto. Sendo um garoto bem formado, que é, também sei que está longe de ser perfeito e jamais me ouvirão dizer coisas como "o meu filho não mente, se ele diz eu acredito", como ouço a tantos pais, a maior parte com filhos que não passam de uns enormes sonsos.

      E sim, espero muito que na hora da decisão pesem mais os valores e exemplos que tem em casa mas não posso garantir que não apareça um filha da mãe de um amigo que estrague tudo. O ano passado apareceu, teve de ser roubado pelo "amigo" para perceber que os pais tinham razão, que aquilo era gente que não interessava seguir.

      Hoje ouvi uma mãe, posta perante a evidência de que o seu filho afirma que as gajas são para comer e são uma putas (assim mesmo), dizer que são coisas normais da idade, que é horrível mas que faz parte. Ora eu acho que não faz e lhe garanto que o meu filho sabe o que eu penso de homens ou rapazes que faltam ao respeito às raparigas, sabe como se sentiria se fosse com a irmã e sabe que essas raparigas são irmãs, filhas e futuras mães de alguém. Posto isto não posso garantir que ele não venha a desrespeitar alguém, claro que não posso, apenas posso garantir que faço o melhor que sei para que não venha a acontecer.
      O resto é como lhe disse, erguer as mãos ao céu e rezar.

      (anónima das 17.44, tem razão, o verdadeiro objectivo é esse, de desculpabilização em desculpabilização, os pais só prejudicam os filhos, crescem a achar que as regras são para violar, que não há consequências)

      Eliminar
  9. Ora bolas! Afinal o teu filho anda misturado com a ralé. Afinal vocês todos não passam de uma família da Amadora, de onde é mais fácil tirar a mulher do que a própria sair da mulher.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, que anda. Nós somos da Reboleira e agora a anónima apanhou-me bem apanhada. Oh Céus! Que horror!
      Toda a gente sabe que bullying, drogas, álcool ou sexo precoce é coisa de suburbano. Entre as boas famílias não há cá nada disso. Onde já se viu? Uma Pureza grávida aos 15 anos ou um Salvador de 13 alcoolizado? Que disparate, não é?

      Eliminar
    2. Que ressabiada anda a Picante. Que mal tem se for de famílias pobres?

      Eliminar
    3. Vê-se mesmo que a anónima não conhece muita gente de "boas famílias". Quanto + dinheiro e + acesso há...

      Eliminar
    4. Anónima das 12.03: isso é a sério ou está a gozar comigo?...

      Eliminar
    5. Eu não sou da Amadora mas lá estudei, no liceu, da Amadora, nos idos anos oitenta, e cá estou, eu e muita gente de bem... Alguma coisa contra a Reboleira????!!!! :)

      Eliminar
  10. Eu tenho a certeza que no "meu" tempo já existiam estas coisas todas, com excepção de serem menos faladas porque não havia cá net, nem facebook, nem instagram nem esta modernices.
    Lembro-me de no meu tempo de preparatória os rapazes apalparem as miúdas (ai a descoberta da sexualidade), e de ofenderem (possivelmente com mais recato) outras e tantas outras barbaridades do género.
    A diferença é que os paizinhos punham o pessoal na linha, não iam defender as criancinhas destes comportamentos... exigiam respeito pelos colegas, professores, etc. Hoje em dia defende-se o máximo interesse da criança permitindo fazer o que lhes dá na real gana!
    E respondendo à pergunta do post: eu tenho acesso ao face, ao e-mail, ao instagram, ao youtube, etc do meu filho (Com 12 anos é condição absoluta que eu tenha acesso) e de vez em quando "choca-me" a linguagem utilizada entre eles, mas depois lembro-me que enfim já tive aquela idade e desde que não ultrapasse alguns limites (os quais é imediatamente chamado à razão) até à data não me tem dado dores de cabeça. Alguma coisa devo estar a fazer certa....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais. Cá em casa é igual, enquanto não houver provas claras de responsabilidade não há privacidade para ninguém.

      Acho que hoje em dia é mais complicado, as redes sociais ampliam tudo, no nosso tempo sabia das coisas quem estava, as querelas resolviam-se mais depressa e com menor alarido.

      Eliminar
    2. Esse é um dos problemas dos nossos dias, a ampliação de determinados assuntos e o facto de que qualquer um pode mandar bitaites a torto e a direito sem nenhum tipo de punição... Liberdade sim mas com limites!

      Eliminar
    3. "hoje em dia defende-se o máximo interesse da criança" Concordo em tudo menos com este ponto... porque os pais julgam que estão a defender o máximo interesse da criança ao defendê-la do que é indefensável, mas não estão... não estão a pensar no seu máximo interesse mas naquilo que parece sê-lo

      Eliminar
    4. Anónimo das 12:06
      O meu comentário é efectivamente nesse sentido (possivelmente está mal explicado da minha parte) mas a realidade é exactamente essa... defende-se tanto as criancinhas (e as asneiras todas que fazem) que não se tem consciência que não se está a ajudar em nada a formação da mesma muito pelo contrário.

      Eliminar
  11. Pipocante Irrelevante Delirante11 de outubro de 2016 às 17:13

    Antes de mais... como dizia o outro, desconfio dos jovens porque também eu fui jovem.
    Todos os putos (e putizas) são uns imbecis. Faz parte.
    Cabe a nós adultos, limitar essa imbecilidade, e moldar carácter, baseado num único pressuposto: todas as acções têm consequências. Inimputabilidade é algo que, salvo raríssimas excepções, não existe.
    Depois cada um toma as suas decisões de vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem todos são imbecis, embora todos façam uma ou outra imbecilidade. E depois há os verdadeiramente imbecis, com sorte e muita paciência, moldam-se.

      Eliminar
  12. Pipocante Irrelevante Delirante11 de outubro de 2016 às 17:15

    Como complemento ao comentário anterior, e no caso do Martim, as suas acções podem ter um dos seguintes resultados no futuro:

    - uma estadia num estabelecimento prisional à sua escolha
    - uma experiência no SNS, fruto de um correctivo aplicado por quem de direito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eventualmente, um valente susto poderá evitar "ambas as duas"

      Eliminar
  13. Mas os teus filhos ainda no outro dia andavam no infantário e agora já têm idade para ter conta no facebook?

    ResponderEliminar
  14. Respostas
    1. Arrumadinha, voltaste!

      Eliminar
    2. Sou um Visconde, digamos que arrumado é verdade, mas sem mais protagonismos.

      Eliminar
  15. Se o pobre Martim fosse filho do pai que eu sou, levava mesmo uma carga de porrada das antigas e só lhe faria bem.
    Sim, sim não se deve bater nas criancinhas. Sim, sim coitadinhos dos anjinhos.
    Sim, sim devem ser coisas da idade.
    Sim, sim a violência é má.
    Sabem o que também é muito mau? O facto desta sociedade continuar a educar pequenos misóginos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sou pela pancada que não sou mas por vezes é capaz de funcionar bem mais rapidamente que a pedagogia

      Eliminar
  16. Picante, falando em pais e filhos gostava de ver um post seu sobre a polémica reportagem feita pela TVI em Inglaterra e os filhos que foram retirados aos pais....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não tive tempo para ver a reportagem inteira, só consegui ler o post da SMS, o comunicado do consulado e duas ou três tiradas indignadas no FB.
      Sinceramente? Não acredito no que dizem, que a SS inglesa se diverte a retirar criancinhas aos pais porque o processo de agências de adopção é privado.
      A comunicação social adora manipular a informação é a TVI não me merece qualquer confiança, aquilo é o correio da manhã da televisão.
      Já no caso da mulher a quem retiraram 7 ou 8 filhos era uma injustiça, porque era estrangeira e vai-se a ver as crianças não iam à escola, ficavam sozinhas em casa e viviam no meio da porcaria, muitas vezes sem ter o que comer. E a mulher a continuar a fazer meninos.

      Que há muito mais do que aquilo que foi dito na TVI não tenho a menor dúvida. A coisa não pode ter só passado por não abrir a porta à assistente social.

      Eliminar
    2. Partilho da sua opinião, mas diga-se de passagem, aquele comunicado do Consulado é uma vergonha.

      Eliminar
    3. Pois Picante eu também penso exactamente o mesmo....

      Eliminar
    4. No caso mais mediático (não refiro nomes porque não sei se posso) andam a pedir ajuda para trazer o menino para Portugal mas a verdade é que quando a polícia e os SS ingleses descobriram várias coisas, entre elas que o pai andava no tráfico de droga, vieram para Portugal e não tiveram o mínimo pejo de deixar lá a criança!! Afinal, ela foi raptada ou abandonada??

      Deixa-me absolutamente incrédula como a maior parte das pessoas consegue só ver uma parte da questão sem se dar ao trabalho de procurar saber o outro lado. Cada vez mais se tem mais meios à disposição e cada vez mais se tem um pensamento robotizado.

      Eliminar
  17. Viu a última? A Uva Passa a fazer um post que era o copy-paste do post do blogue do marido da PN sobre a reportagem de Inglaterra e ainda por cima a dizer que era o blogue de um colega! Um colega! Ah ah ah ah ah
    Disse-lhe lá que aquilo era coisinha para vossemecê, Picante, ficar assim um bocadinho para o zangadito com ela, ela estar ali a dar cobertura às posições de um elemento daquele casal, (para mais depois do tiro no pé acerca do assunto do MAAT, onde já foi bem ridicularizada pelo Onónimo) e a gozá-la por ela se auto-intitular de colega do Rui.
    Olha! Apagou o post! Era tão lindo, chamava-se “O Outro lado da História”. Só tenho pena de não ter feito um print screen. Mas não dizem que uma vez na net, para sempre na net? Vá lá ver, vá…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem é a Uva Passa?

      Eliminar
    2. Vi a título mas quando lá fui espreitar não o encontrei, no próprio dia.
      Essa blogger faz copy paste de inúmeros artigos e de posts alheios.

      Eliminar
    3. Já descobri. Aprendi mais uma coisa hoje, maravilhas do Google. Que lindo nome para se dar a um blogue. "Melhor" que isso só Sinfonia dos Livros (sim, existe mesmo). (Anónima das 14:53)

      Eliminar
    4. Achava que tinha rejeitado isto mas afinal enganei-me. Não sei que tenho eu a ver com os posts que a Uva resolve publicar ou com quem resolve ela citar. Depois disto fez-me ir à procura do original o qual me faz muito mais sentido que a história da reportagem bacoca da TVI.

      Eliminar
    5. Anónima, isso do plágio tem muito que se lhe diga, não é verdade?
      Mas olhe, eu não sou a policia, não sei porque se me vem queixar. E sempre lhe digo que há várias maneiras de resolver essas situações, partindo do principio que isso que vem aqui dizer é verdade, claro...

      Eliminar
  18. Isso é cyberbullying em vários sentidos. Sim, tareia das grandes e castigos bem firmes.

    ResponderEliminar
  19. Picante, já que estamos numa de pedidos, que tal um post sobre o vídeo e consequente post sobre a publicidade ao medicamento para induzir o sono? Confesso que não esperava isto da MD, é mais a linha da Caco. Se criticavam a recomendação de medicamentos para gripes, que dizer da recomendação de medicamentos para regular o sono?? Que competências tem uma blogger para fazer isso?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está lá assinalado que é publicidade, vai atrás da historinha bonita quem for parvo.
      A publicidade sobre medicamentos obedece a uma série de regras, excepto nos blogs onde tudo é permitido, claro.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.