terça-feira, 5 de julho de 2016

Pessoas que já fizeram depsortos de competição ou que têm filhos a praticá-los, venham a mim

Vamos aqui fazer um suponhamos. Preparados? Então suponhamos que vocês tiveram uma competição importante e até a ganharam. Subiram ao pódio, receberam medalha e tudo e tudo e tudo. Suponhamos que, em todas as competições a que vão, não têm o vosso treinador a corrigir-vos  e abraçar-vos porque, além de vosso treinador, ele também é juiz. Vai daí que estão sempre com o assistente do treinador. Até aqui tudo bem. Vamos lá então continuar a supor que, no fim na prova que vocês até ganharam o vosso treinador, o tal que esteve a fazer de juiz, vai falar com o treinador assistente e põe-se a andar dali para fora sem um ai, nem um ui. Nem parabéns, nem bom trabalho, nem merda nenhuma. E eu, parva, vou dizer ao treinador que magoou alguém, ao que ele me diz com um ar meio indignado que não percebe a minha questão porque saiu dali para fora sem falar com ninguém, que não fez discriminação. Perante isto a pessoa cala-se, se continua é coisa para ter de dizer duas ou três coisas mais desagradáveis, era bem capaz de se gerar ali um ambiente meio constrangedor.
Agora respondam-me. Isto é normal? Aquilo da relação entre atleta e treinador não é um mito, pois não? É mesmo verdade, pois é? O problema é deste treinador específico ou hoje em dia isto é mesmo assim?

49 comentários:

  1. é desse treinador especifico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já falei com várias pessoas e tudo me leva a crer que sim, que há alguns treinadores que são uns idiotas mas felizmente também os há normais.

      Eliminar
  2. Imparcialidade? Cheguei-me à frente sem experiência, mas acho que virá mais tarde os parabéns!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois que já houve treinos e não deu parabéns nenhuns. Nada. Nicles. Rien de rien. Nem uma palavra.

      Eliminar
    2. Chapadão logo! A criança merecia melhor! Mesmo que não subisse ao pódio, merecia!

      Eliminar
  3. O meu filho é treinador de ténis, quase todos os fins-de-semana acompanha alunos a torneios e, qualquer que seja o resultado alcançado, tem sempre uma palavra de incentivo, felicita-os pelo que fizeram e os parabéns são sempre dados.

    Depois de terminada a competição o juiz volta à condição de treinador, não vejo nenhum problema em felicitar o atleta, se são imparciais enquanto dura a competição, despindo a farda de juiz só lhe fica é bem dar os parabéns a quem vence.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora nem mais. Também me parece que os sucessos têm de ser comemorados. Mas ali só se diz o que está mal, nada de abraços e felicitações.

      Eliminar
  4. Cá estou eu, que fiz desporto de competição e que desisti precisamente por causa do treinador.
    Tenho propriedade para dizer que deve haver uma linha (bem vincada hum?) que separa o treinador amiguinho do treinador austero, que não está ali para brincadeiras. Mas nem 8 nem 80.
    O meu era tão meu amiguinho que um dia, estava eu a saltar o cavalo, quando ele entendeu que havia de me meter a mão ali de uma maneira mais, digamos que, amiga. Foi logo de bonió. Eu já tinha 14 anos e na verdade já nem idade tinha para aquilo, mas foi o mote para desaparecer. Mas sim, merecia um par de estalos, porque abandonar um atleta no pódio, das duas uma, ou é um anormal, ou é um grande anormal. Respeito pelo trabalho e dedicação dos outros é bom e toda a gente gosta. Especialmente se é aluno e nos enche de orgulho. Isso é grave. Ela pode desmotivar à séria.

    Parabéns à miúda. Gostava de saber quem ela é, por acaso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ela não desmotiva que eu faço bem o meu trabalho de casa. Mas estou aqui pocessa da vida, caramba. Já bem basta não ter o treinador ao lado como os restantes atletas. Está lá sempre o assistente que não faz mais nada a não ser conversar. E agora isto? Caramba é que só me apetece dar-lhe com um pano encharcado nas ventas.
      O problema é que não há alternativas...

      Eliminar
    2. Possessa, cara Picante. :)

      Eliminar
    3. Pano encharcado nas bentas? Andas a ler as crónicas do Claudio Ramos :))))

      Eliminar
    4. Olá Picante
      Não me leve a mal mas é "possessa", não "pocessa".Voltando ao que é realmente importante,e dizer ao senhor para colocar a imparcialidade num sítio que eu cá sei...
      Ass:Língua Afiada

      Eliminar
    5. Boa noite, Picante. Escreve-se "possessa". Não precisa de publicar o meu comentário.

      Eliminar
    6. Possessa, claro. Tenho de mudar as lentes, não vejo uma palavra do que escrevo no TM.

      Não tem nada a ver com parcialidade ou falta dela, o torneio tinha acabado.

      Eliminar
  5. Se é o treinador e simultaneamente juiz é natural que queira manter um certo distanciamento durante as provas. Imaginemos que um atleta de outra equipa assistia ao tal abraço (bastava ouvir um comentário como "depois falamos melhor"), no meio de tanta emoção - nunca é fácil digerir uma classificação menos boa - podia pensar que tinha havido favorecimento. Também não será fácil.
    Quem sabe depois, no próximo treino, não sai o tal abraço e a palavra de reconhecimento e incentivo.

    Parabéns à vencedora!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mirone, não é durante as provas. As provas já tinham acabado.
      (obrigada)

      Eliminar
  6. Não me parece normal, a minha faz um desporto de competição e a treinadora está sempre lá, para ralhar, chamar a atenção e abraçar. Mas não acumula com outro cargo de juiz.. pode ser essa a diferença...
    Existia num clube perto uma treinadora assim (bons resultados +/pedagogia 0)assim que apareceu outro clube as miúdas começaram a sair, até que tiveram de "dispensar" a treinadora....Não percas as esperança e parabéns à miúda !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois que aqui também sai gente às paletes. O único senão é que não há grandes alternativas, em saindo tem de se largar a competição. Já me decidi e não gosto da maneira como a componente emocional é trabalhada, não gosto mesmo nada.

      Eliminar
  7. Pipocante Irrelevante Delirante5 de julho de 2016 às 22:15

    É complicado manter o distanciamento entre o juíz e o treinador. Já fui atleta de baixa competição, mas não em desportos que tivessem avaliação, por isso esse problema nunca se pôs comigo ou com colegas, mas a Mini-Me anda precisamente na ginástica e, embora estando em classes de formação, o que mais ouço são papás a refilar sobre notas e preferências do treinador em relação a X ou Y.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Preferências haverá sempre. Até porque há atletas melhores e com mais potencial que outros, é a vida. Mas eu nem me queixo disso, queixo-me da falta de reconhecimento do esforço, é uma coisa que deve ser feita a qualquer nível, quer se trate de uma criança que fica a meio da tabela, quer se trate do campeão nacional.

      Eliminar
  8. O treinador não abraça, não felicita, e vais tu tirar explicações com ele. Ai estas mãezinhas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tirei qualquer explicação, limitei-me a transmitir uma informação, para minha surpresa irrelevante. Se tivesse tirado explicações, de seguida teria tirado a miúda dali, eles não teriam gostado do que eu teria para dizer.

      Eliminar
  9. Eu teria a mesma atitude que o treinador! Ainda me acusavam de parcialidade ou favorecimento da minha atleta! Seria para p bem da atleta! Ficaria muito mal fazer de juri e depois felicitar publicamente a minha atleta! Sou treinador dela, na privacidade do treino, digo o que tenho a dizer! Ela saberia que tenho orgulho dela!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois que não sabe, a questão é mesmo essa.

      Eliminar
    2. Acho que aqui está o "busilis" da questão! O elogio e o abraço terão que ser dados, as pessoas não adivinham! Sinto isso todos os dias, na vida e na profissão! Estamos cá sempre para dar nas orelhas, já elogiar deve pagar imposto

      Eliminar
  10. Não percebo como um treinador pode ser jurado. Não faço ideia se é prática vulgar, mas não me parece correcto.

    Depois, parece-me que quem se põe nessa situação nunca teria coragem para cumprimentar a atleta. Em privado...pois que me parece ser também uma abécula. E apostaria que está cheio de medo que o acusem de não ter julgado as atletas correctamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitos são-no e sim, é prática vulgar. Tem tudo a ver com carácter, eles não beneficiam os seus atletas. Mesmo que quisessem não poderiam, as notas são dadas por vários juízes.

      Eliminar
  11. Fiz ginástica de competição durante cerca de 10 anos e posso dizer que acabei por sair por causa da treinadora. Desmotivei mesmo por causa dela e do ambiente que acabou por ficar... Mas espero honestamente que não seja o caso. Parabéns à sua menina e força! É um desporto espectacular :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ali também sai muita gente que as miúdas chegam a uma certa idade e não estão para aturar certos tratamentos. E é uma pena, por vezes vão embora miúdas que poderiam ir bastante mais longe.

      Eliminar
  12. Por essas e por outras é que o meu filho nunca irá praticar desporto de competição. Pratica desporto sim, mas para brincar, para se divertir e porque é saudável. Há gente que não interessa a ninguém nesses meios, desde treinadores como esse a paizinhos que projectam nos filhos aquilo que nunca conseguiram ser, tornando-os alvo de uma pressão enorme e desnecessária. A Picante tem toda a razão - ele não devia comportar-se assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gente que não interessa a ninguém há em todo o lado, isso difocilmente é razão.

      Eliminar
  13. Mas qual o problema do júri felicitar o vencedor? Acho que só fica bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A competição já tinha acabado e toda a gente sabe que o júri também é treinador. Aliás não é caso único. Foi desinteresse, mesmo. E foi feio.

      Eliminar
  14. Mesmo que o júri não seja treinador só lhe fica bem felicitar o vencedor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não os conhecem tudo bem. Mas caramba... estando com eles seis dias por semana, várias horas por dia? Idiota, pah. Não me ocorre outra palavra mais simpática.

      Eliminar
  15. O meu filho pratica karate, por enquanto os torneios ainda são só a brincar, apesar de pertencer o clube à Federação Francesa de Karate. De qualquer maneira o seu mestre, que além de treinador é também jurado (e número 2 ou 3 a nível francês, não percebo nada daquilo, nem gosto :P ) sempre que acaba a competição tem uma palavrinha de felicitação e pancadinha nas costas para quem ganha, e uma palavrinha de incentivo e respectiva pancadinha nas costas para quem perde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, R. é mesmo disso que sinto falta. Ali só se apontam as falhas.

      Eliminar
  16. Eu não gosto de ginastica de competição (por ex. acrobática), ou melhor, adoro ver desde que não praticada pela minha filha... nem sei se teria estofo para aguentar tanta falta de humanismo que vejo no ginásio. O que me faz mais confusão, não é o facto de em determinada altura as miudas desistirem, porque isso faz parte da vida e das escolhas delas. O que me faz mais confusão é que as que desistem nunca mais vão ao ginásio, o que me dá a entender que não guardam boas recordações!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu conheço várias que desistiram da competição e limitaram-se a entrar na demonstração. Ou que passaram a uma competição mais leve, que também a há.
      E acho que a falta de humanismo apenas depende do treinador, conheço treinadores impecáveis, são exigentes mas também festejam as vitórias e enxugam as lágrimas nas derrotas. Tem tudo a ver com liderança, um treinador é um líder.
      (e todos sabemos que há muitos líderes que são um cocó...)

      Eliminar
  17. Neste caso estou do lado do treinador, independentemente dos premios ja terem sido dados, ainda estavam na cerimonia . Realmente ficam suspeitas no ar quando os treinadores sao os juizes e dao os premios aos seus treinandos (por mais merecidos que sejam), quando mais distanciamento e discriçao melhor, e ele disse claramente que nem felicitou ninguem .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao ficam suspeitas nenhumas, acredite em mim, sei do que falo.

      Eliminar
  18. O meu filho não pratica desporto de competição por isso creio que não tenho muita propriedade para falar. Mas eu enquanto mãe acho que procurava uma alternativa mesmo.
    O meu filho joga hóquei em patins mas está nos níveis iniciais. Trocaram de treinador e ele passou a ter dores de barriga frequentes, a detestar o treino, a fazer febre e a ter 1001 sintomas de ansiedade antes de cada treino/jogo... 1+1 são dois pelos que nós andamos até percebermos que o problema era mesmo do treinador: humanidade zero e exigência extrema. Eram 20 meninos entre os 4 e os 7 anos e desses todos saíram do clube e foram atrás do antigo treinador que é exigente q.b. mas muito humano.

    Obviamente que estou longe de saber o que é um desporto de alta competição mas acho que qualquer pessoa que lide com crianças tem de saber lidar com as crianças. Para mim não fará sentido fazer absolutamente nada na vida se não for para ser feliz e não ter reconhecimento. Claro que o objetivo é sempre ganhar (e parabéns à sua filha) mas é preciso saber consolá-los nos momentos de derrota e demonstrar um pouco de orgulho pelas conquistas da própria campeã parece-me mais que lógico, é humano.

    No momento da avaliação em si percebo que não demonstrasse nada por motivos de imparcialidade mas depois a solo? Não compreendo.

    Não há mesmo alternativas para ela?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não compreendo. E felizmente não há alternativa, a não ser sair da alta competição. Mas a garota é feliz, na realidade é a única coisa que me interessa. Ela gosta realmente daquela ginástica, está mais interessada em evoluir que em ganhar (o que me deixa a rebentar de orgulho) e eu expliquei-lhe que as coisas são como são, que às vezes temos de lidar com pessoas menos humanas, não temos de gostar delas, temos apenas de saber lidar com elas. Ela passou o treinador para outro patamar, desligou-se emocionalmente dele. Tenho pena mas a vida é mesmo assim. Tem o reconhecimento da família, das amigas, das outras ginastas e dos pais delas. Toda a gente a parabenizou. Excepto o treinador.... (e não é nada com ela, é mesmo assim)

      Eliminar
  19. Muito necessitada essa criança. Na vida também não terá constantemente alguém atrás dela a dizer "well done!". A não ser a mãe que a deixa impreparada para o mundo real.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estive quase a não publicar este comentário. Mas depois achei que a cretinize que nele está subjacente deveria ver a luz.

      Eliminar
  20. Este é um post de vergonha alheia e que nem bate certo com o post de cima. Então para a mulher, tua amiga, sabes ver que o homem não tem mais para lhe dar. Ao treinador da tua filha, que faz o trabalho dele sem se dar a mais afectos, vais pedir-lhe que goste mais dela. Faz sentido?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este é um comentário mesmo estupido, que mostra bem que quem o fez não percebeu um boi do que leu.
      Primeiro: um treinador tem de motivar os seus alunos a fazer mais e melhor. Festejar os sucessos faz parte disso e é essencial, qualquer asno sabe isso.
      Segundo: no post de cima eu não falo de desistir de maridos, falo de desistir de filhos e de tempo perdido para sempre.

      Eliminar
  21. Cheira-me que esse desporto é ginástica: ou trampolins ou acrobática. É o normal, juiz + treinador, principalmente quando fazem provas e não há mais ninguém para ajuizar. Eu acho que hám clubes e clubes e esse tipo de atitudes só as conheço de um certo clube: comeca em G e acapa em P

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.