quarta-feira, 20 de julho de 2016

Das coisas que me fazem sorrir condescendentemente

Perder mais que meio dia. Um dia vá... a organizar uma festa de aniversário de crianças. É que fico sempre com uma sensação esquisita de que a festa é mais para as mães que para os filhos. Mas que sei eu? Tenho sempre uma dúzia de crianças felizes em casa, gomas, batatas fritas, pães de leite e bolo feito pelo aniversariante. Não percebo nada dessas festas para mãezinhas.

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Os problemas dos homens

Acharem que os bonecos daqui dos blogs têm vida própria e como tal podem dizer o que bem lhes apetecer que, beca, beca, beca, isto é só um boneco, eu cá não tenho nada a ver com isso, até sou de uma moral irrepreensível.
Revirar de olhos. Enorme.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Do horror. Outra vez.

Agora foi Nice. Um camião TIR que entra por uma multidão adentro. Vejo nas noticias gente a correr, crianças pela mão, falam em dezenas de corpos espalhados pelo chão, para já são setenta mortos, diz que há reféns e um motorista abatido muito depois da hora devida.
Egoisticamente não consigo deixar de pensar que, ainda esta semana, estive no Festival ao Largo com as crianças, penso no que terror que teria sentido se a coisa se tivesse passado ali.
Eu não sei como é que isto se resolve. Mas acho que era capaz de ser boa ideia não receber indiscriminadamente todos os que cá querem entrar. Era isso e ser implacável com aqueles que, já cá estando, se recusam a tolerar, atenção que eu disse tolerar, não disse adoptar, o modo de vida ocidental. Farta desta merda, caramba, a democracia tem de ter limites à própria da democracia.

Paz às suas almas, rezo a Deus para que os que ficaram mais pobres encontrem forças para lidar com isto.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Grandes exemplos de ética nisto daqui dos blogs

Dar uma no cravo e outra na ferradura, que é como quem diz ser a Suíça, mesmo que isso vá contra os princípios que apregoamos aos quatro ventos.

É isso e deixar censuras veladas no ar, daquelas que não nos comprometem, podemos sempre negar tudo, mas que pronto a farpa fica lá, derivado de ser sempre mais interessante dizer alguma coisa que ficar calado.

Picante canta e... encanta

Pois que aqui está o tão aguardado vídeo, as minhas desculpas por estar de lado, não percebo nada desta porra, ele no computador está como deveria estar, no telemóvel também, acontece que tive de o passar para o UTube para o poder pôr no blog e ficou nestes preparos.
Mas o que interessa é a intenção, queríeis ouvir-me a cantar, pois que aqui estou eu a cantar.


(no meio de uma multidão, é verdade, mas isso agora não interessa nada...)

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Picante pergunta

O que estará o caro leitor disposto a fazer por mim, se eu vos der o link da Maria copiona?

(Maria, caso não tenha percebido, a ideia era a Maria apagar os posts plagiados, ficávamos assim, eu a saber que a Maria fez uma coisa feia, a Maria a corrigir a coisa feia que fez, que isto toda a gente merece segundas oportunidades e pronto, era escusado ir a coisa mais longe. Ou, em preferindo, eu ensino-a a fazer links para os posts de origem, que sou muito boa alma. Que me diz?...)

Em verdade vos digo

Que, a julgar pelas respostas ao post anterior, a maior parte de vós é de uma curiosidade incrível, cerca de metade são indecisos e há umas três ou quatro pessoas cheias de vontade de me ver fazer uma tristíssima figura, que isto quem canta nem sempre seus males espanta.

O leitor decide

Partilho, aqui no blog, o link do FB de uma senhora que já tem idade para ter juízo e deveria ter melhores coisas para fazer que plagiar meia blogolândia? É que se fossem só posts meus, da Sexinho da , da São João, da MJ, da Mirone, da Palmy ou do Salgado, a coisa ainda ia. Mas não, Senhores! A mulher mistura posts tremendamente inteligentes (meus, claro), com citações do Pedro Chagas Freitas e com outros blogs que eu não vou aqui referir que é para não me enervar... Se é para alimentar todo um FB à custa de blogs alheios, o mínimo que poderia fazer seria não misturar blogs comme il faut com blogs do povo, caramba! É que assim não há condições! Minha senhora, tenha lá juizinho, sim? O que está a fazer é um bocadinho, como hei-de dizer? Hum... feio. É isso.

Mas com isto já me esquecia que o post é um leitor decide e que há que decidir alguma coisa. Quereis o link de uma página de FB que é toda ela um plágio ou quereis que responda ao desafio da nossa Pipinha e prante aqui um vídeo da vossa Picante a cantar?

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Melhor jogador do euro? Está certo.


Isto há de acompanhar-te toda a vida, chien. Oxalá te orgulhes. Não foi suficiente.

E nem precisámos de partir as pernas a nenhum deles...


Nem sei o que me deu uma satisfação maior, se ganhar o caneco, se derrotar os franceses.

(E os nossos meninos? Grandes! Enormes...)


sábado, 9 de julho de 2016

Ando muito angustiada, nem queiram saber

É que eu gostava muito, mas mesmo muito, de também participar naquela brincadeirinha dos bloggers que recitam poesia, cheguei a gravar o meu poema preferido de todos os tempos e tudo, estava tão tremendamente feliz por partilhar a minha bela e dulcíssima voz convosco que nem cabia em mim, tamanha a felicidade.
Mas, isto há sempre um mas a complicar a coisa, mas, dizia eu, que acontece que tenho para aqui dois contratempos que me estão a impedir de aderir a este magnífico e soberbo desafio. O primeiro é que gravei a minha tremendamente bela récita no ditafone e agora não a sei passar para aqui. O segundo é que fiquei a pensar que talvez isto seja coisa perigosa e leviana, que talvez me descubram o IP da voz ou do vídeo ou lá o que é, e que depois as pessoas a quem faço bullying, as minhas pobres vítimas, portanto, poderiam ir a correr à PJ fazer queixa desta que vos escreve, que goza com aquilo dos puns, da depilação genital e dos tops que vai-se a ver e afinal são pijamas e isso.
De maneiras que estou para aqui sem saber que faça.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

E então lembrei-me de Garcia Márquez

Saphire Bombay, disse-lhe eu, enquanto sorria e o olhava nos olhos, acrescentando que o queria à antiga, só com tónica e limão. Sem mariquices, portanto. E para ali fiquei eu, a fitar o mar e a bebericar o meu gin tónico nada maricas, acenando de tempos a tempos com a cabeça, afinal ela não queria ouvir o que eu tinha para lhe dizer, apenas precisava de falar. E para ali ficou ela, a justificar-se, certamente que leu a estupefacção e indignação nos meus olhos quando me disse que precisava de se resguardar, que o tipo era doido e que, enfim, lhe daria o que ele queria só para ter paz de espírito. Não lhe cheguei a dizer que não se recupera o tempo perdido e que não, que elas não a iriam perdoar, que o mais provável será não perceberem e apenas verem alguém que não teve amor suficiente para lutar por elas, que ele há escolhas impossíveis.

terça-feira, 5 de julho de 2016

Pessoas que já fizeram depsortos de competição ou que têm filhos a praticá-los, venham a mim

Vamos aqui fazer um suponhamos. Preparados? Então suponhamos que vocês tiveram uma competição importante e até a ganharam. Subiram ao pódio, receberam medalha e tudo e tudo e tudo. Suponhamos que, em todas as competições a que vão, não têm o vosso treinador a corrigir-vos  e abraçar-vos porque, além de vosso treinador, ele também é juiz. Vai daí que estão sempre com o assistente do treinador. Até aqui tudo bem. Vamos lá então continuar a supor que, no fim na prova que vocês até ganharam o vosso treinador, o tal que esteve a fazer de juiz, vai falar com o treinador assistente e põe-se a andar dali para fora sem um ai, nem um ui. Nem parabéns, nem bom trabalho, nem merda nenhuma. E eu, parva, vou dizer ao treinador que magoou alguém, ao que ele me diz com um ar meio indignado que não percebe a minha questão porque saiu dali para fora sem falar com ninguém, que não fez discriminação. Perante isto a pessoa cala-se, se continua é coisa para ter de dizer duas ou três coisas mais desagradáveis, era bem capaz de se gerar ali um ambiente meio constrangedor.
Agora respondam-me. Isto é normal? Aquilo da relação entre atleta e treinador não é um mito, pois não? É mesmo verdade, pois é? O problema é deste treinador específico ou hoje em dia isto é mesmo assim?

sexta-feira, 1 de julho de 2016