quinta-feira, 23 de junho de 2016

Frases que em tempos me faziam argumentar e agora apenas suscitam um revirar de olhos

Entre os meus animais e muitos homens, nem hesitaria, salvaria primeiro os meus animais.
Não há animais maus, o que há é maus donos.
Pobre animal, foi morto sem culpa nenhuma.
Os animais só nos dão amor e carinho.
Já disse que não há animais maus?
Quem gosta de corridas de touros não pode ser boa pessoa.
Uma pessoa que não goste de animais não presta.
Mas que culpa é que teve o animal? Castiguem os donos.
A vida dos animais vale tanto como a das pessoas.

Revirar de olhos. Enorme. 

189 comentários:

  1. Eu também acredito profundamente (factos científicos comprovam) que quem não gosta de chocolate e vinho, não pode ser boa pessoa. E quem é alérgico ao chocolate, está possuído pelo demónio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ahahahahahahah

      I, tendo a concordar consigo. Junte-lhe o gin e está feito.

      Eliminar
    2. Hey!! Parou! Não gosto de gin.

      Eliminar
    3. Pffff nunca me enganaste, sempre soube que eras má rês...

      Eliminar
    4. Vá lá, vá lá... Vá lá que não concluiste que sou suburbana...

      Eliminar
    5. Esta NM não diz nada de jeito, sempre a pôr-se em bicos de pés e a bajular a dona do blog e o resto da matilha.

      Eliminar
    6. Nê, há quanto tempo não vinham com a conversa da matilha? Saudades, caramba.
      (Mas a dona Joaquina tem razão, não dizes nada de jeito, acabaste de dizer que não gostas de Gin)

      Eliminar
    7. Picante, dá aí uma beca de atenção ao Anón. que o gajo está carente.

      Eliminar
    8. De quem falas? Quem é que anda carente?

      Eliminar
    9. Ahahahahahahah tão burra, carai...

      Eliminar
    10. Pah... A Pipas haveria de ter usado o termo correcto. Dona Joaquina.

      Eliminar
    11. Excelentíssima Senhora Dona Joaquina, se fáxavor.

      Eliminar
  2. Já eu reviro os olhos a este post... Que mania tão insistentemente constante de criticar os outros só porque são diferentes de si Picante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só agora é que reparou? Deve ser uma mosca morta e aqui, longe das pessoas, é que solta a franga. Tristeza.

      Eliminar
    2. Dizer abertamente que se coloca a vida de animais à frente de vidas de crianças em perigo por as mesmas não lhes disserem nada emocionalmente, afirmar que a morte de centenas de pessoas não lhe diz nada emocionalmente comparando com a possível morte do cão...opa não é ser diferente, é mesmo não ter valores humanos.

      E nem é dar o mesmo valor a pessoas que a animais, é colocar os animais acima de pessoas. Afirmar que não se sabe se se salvaria uma criança ou o animal é...indescritivel e não no bom sentido.

      Eliminar
    3. Hã? Quem é que disse isso?

      Anónimo, ainda bem que me avisou, nunca mais vou fazer posts a dizer o que penso, não quero que tenha de revirar os olhos por causa das minhas opiniões. desculpe, sim?

      Eliminar
  3. Olha, e eu conversa directa até já me passou o revirar de olhos. Demasiada importância, nem um revirar de olhos merecem.

    ResponderEliminar
  4. Se a culpa é sempre dos donos e não há animais maus, então alguém que me explique como é que eu, que já tive vários animais, cheguei a ter um cão mau (que mordia a tudo o que mexe sem qualquer razão) e outros absolutamente carinhosos com toda a gente incluindo crianças. Eu trato todos os animais da mesma maneira, mas acontece que cada bicho é um bicho e não devemos meter tudo na mesma cartola.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caramba eu também já tive um cão mau como as cobras, diabo do cão até à minha mãe e irmãos rosnava. Um belo dia, a minha mãe resolveu estender a roupa e não reparou que estava ali o cão, o tipo abocanhou-lhe os tornozelos e ela ia saindo disparada pela janela. Levá-lo à rua era um desafio, não podia ver um cão macho que se atirava logo, soltá-lo estava completamente fora de questão. Mas a culpa devia ser nossa, está certo.

      Eliminar
    2. não se trata de culpa, mas de responsabilização. e sim, os donos são sempre os responsáveis pelas acções dos seus animais de estimação (que, nem sempre, são amorosos e fofinhos como o cãozinho da scottex). assusta-me tanto a histeria absurda dos fundamentalistas dos animais, quanto me assusta a desresponsabilização de quem os tem.

      quanto ao resto, concordo consigo, Picante.

      Eliminar
    3. Flor, obviamente que os donos dos cães são responsáveis por eles, isso nem está em questão. Este cão, que por acaso nem era de raça dita perigosa, mordia, eu não tinha a menor confiança nele, vai daí que saía sempre à rua preso. Eu só o soltava se o levasse de madrugada. As pessoas t~em de ter a noção.

      Eliminar
    4. Por norma quem mais se desresponsabiliza são precisamente os fanáticos. Pelo menos é o que tenho visto.

      Eliminar
    5. Esterilizar o cão, não? Se a mãe não morreu por causa do cão morre por ter uma cria como tu. Vergonha alheia...

      Eliminar
    6. Exato. Eu tenho um caniche. Ele por vezes é mauzinho e até já tive fanáticos dos animais a admitirem que gostam de cães mas não gostam do meu. Se o meu cão tentar ferrar alguém (raramente o faz, a não ser que o chateiem, entrem em minha casa antes de mim ou um familiar ou que seja alguém com os copos), a culpa não é minha, porém se o conseguir fazer já é, pois como dona do cão tenho que saber controlá-lo e andar com ele preso na rua.

      Eliminar
  5. A mim reviram-se os olhos o estômago....olhe revira-se tudo, só tenho medo que o meu filho um dia por qualquer motivo esteja ao cuidado de pessoas como estas (escolas, campos de férias, atl, etc)....espero é que pessoas como estas nunca tenham filhos que isso era caso para chamar a protecção de menores...ou como se diz..."uns criam-se outros são criados (de qualquer maneira)"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aicante confiava os seus filhos aos cuidados dela? Eu não confiava o meu....

      Eliminar
    2. Devia era chamar a proteção de menores para aqueles que ensinam os filhos a maltratar animais.

      Eliminar
  6. Era interna-los. Ou, melhor ainda, po-los numa situação, juntamente com alguns animais, em que precisassem de ser salvos para podermos ver até que ponto manteriam as suas opiniões.

    ResponderEliminar
  7. Digamos que teria dúvidas se salvaria o gato ou a gata antes de salvar o gajo da contabilidade que já tentou me fazer a folha umas quantas vezes.
    Tal como as pessoas, há animais maus que ainda ficam piores mediante o ambiente onde vivem.
    Os animais para além de amor e carinho, dão despesa, chatice e preocupação. Não basta gostar de animais para os ter, é preciso ter a noção disso tudo.
    Eu não gosto de corridas de touros. Se gostava que elas deixassem de existir? Não, mas mudava algumas regras. O Toureiro podia usar outra coisa sem ser uma faca afiada para espetar no lombo do touro, que em calhando nem é mau nem fez mal a ninguém e preferia estar mil vezes no pasto em vez de estar alí. Podia ser uma ventosa ou assim.
    Eu não gosto de baratas, as baratas são animais (insectos, eu sei, mas ainda assim animais) e também não gosto de algumas pessoas (também são animais). Sou má pessoa? Se calhar até sou.
    A vida dos animais vale mais que a vida das pessoas? Não, mas voltamos ao primeiro tema, duvida grande entre salvar os meus gatos ou o gajo da contabilidade que fez queixa de mim ao administrador porque não lhe atendi o telefone (pessoal) a um DOMINGO. Muitas dúvidas.
    Picante, desta vez não concordo contigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portanto acha natural que se afirme que a morte de centenas de pessoas é menos relevante que a morte do próprio cão?
      Ou natural que se afirme que não se sabe se salvaria ou não uma criança em caso de necessidade? (porque estaria a salvar o animal)?

      Há pessoas neste mundo que eu posso dizer convictamente que detesto e ainda assim salvaria primeiro essas antes de salvar um animal.

      Eliminar
    2. A vida humana está sempre primeiro. Sempre. Eu também gosto mais da minha cadela que de desconhecidos. Mas a vida humana está primeiro, ponto final. É que nem discuto isto.

      Eliminar
    3. Devo ser mesmo muito má pessoa, há apenas meia dúzia de pessoas que eu poria a vida delas à frente da vida do meu cão, simplesmente porque é um ser maravilhoso que faz parte da minha vida, os outros que não conheço não, perante uma escolha ( que ainda bem que n tenho de fazer ) entre um desconhecido ou o meu animal, este estaria sempre em primeiro, e pouco me rala se acham que não tenho a sanidade mental no sítio!

      Eliminar
    4. Concordo 100% com o anónimo das 14:55

      Eliminar
    5. Imaginemos um homem que espanca e viola uma criança e imaginemos um cão que defende essa criança e ataca o homem. Qual salvariam se estivessem ambos em perigo?

      Eliminar
    6. O homem. Não há discussão possível. Caberá depois à justiça julgá-lo pelos seus crimes.
      Não podemos ser nós a decidir que uma vida tem mais valor que outra, foi esse tipo de raciocínio que conduziu ao holocausto.
      Por mais vontade que me desse de salvar o cão, ainda que fosse o meu cão teria o dever de salvar o homem.

      Eliminar
    7. Eu aí ia buscar a criança e não salvava nenhum.
      É o meu calcanhar de Aquiles, os pedófilos, para mim morriam todos.

      Eliminar
    8. Ai meu Deus..... Salvava o violador da criança em vez do pobre animal que a estava a defender.... Isso é que é jogar com o baralho todo? Mas alguma vez a vida desses vermes tem alguma espécie de valor?!! Por mim eram mortos na hora, essa gente nem justiça merece, é por andarem com pezinhos de lã que hoje matam amanhã estão cá fora, a senhora diz isso porque está no campo das hipóteses, mas num caso real com um filho seu ia ver quem é que ia salvar..... É tudo muito bonito até nos acontecer a nós! Há situações e situações como o caso do gorila que aconteceu há umas semanas, óbvio que se ia salvar a criança mas que a vida de um animal pode ser tão ou mais importante que a vida de um ser humano pode, ponham me a frente um traste ou um rafeirito e já lhes conto uma história, há pessoas que nem deviam ter nascido, serem extintas era um favor! Acho este exemplo que deu deplorável

      Eliminar
    9. Pois por mim também seriam condenados à morte. Por tribunais e não por mim que não sou Deus. Mal de nós no dia em que nos acharmos no direito de catalogar e condenar as pessoas.
      Salvaria o humano, por mais reles e abjecto que fosse.

      Eliminar
    10. (pelo menos gosto de pensar que o conseguiria fazer, para mim é isso que seria correcto)

      Eliminar
    11. Eu a anónima do calcanhar de Aquiles também é a favor da pena de morte como recurso legal para os pedófilos e não por vingança.
      No entanto, caso a criança fosse filho meu duvido que quisesse justiça. Acho que o que queria era vingança (sendo mesmo muito honesta).
      Recentemente tive essa discussão com o meu marido e um amigo em comum, eu acredito que todos esses casos devem ser levados à justiça, de uma forma racional, cognitiva e não emotiva acredito piamente nisso. Simplesmente não sei se seria capaz de agir de forma racional se alguém fizesse algo do género a um filho meu.

      Eliminar
    12. Salve lá quem você quiser... eu não tenho a mínima dúvida de que salvava mil vezes primeiro o meu gato do que algumas bestas (humanas) com quem tive o desprazer de me cruzar.

      Eliminar
    13. Gostar de animais não é a mesma coisa que mandar pessoas para a câmara de gás. Nem exagerou nem nada.

      Eliminar
    14. Concordo com os anónimos das 21:31 e 01:03.

      Eliminar
    15. Não é Deus e o tribunal e os juizes são,por acaso?
      Essa ao lado...

      Eliminar
    16. São a lei. Parece-me fácil de entender, ora faça lá um esforço...

      Eliminar
    17. Não preciso fazer esforço nenhum, peço pois, o favor de não me tratar como se fosse uma "parvinha", que não sou. Sou advogada, conheço o Direito e sou contra a pena de morte. Acresce que acho toda essa visão extremamente retrógrada e pouco esclarecida para quem se choca tanto com as frases descritas no post.
      Pese embora todos sejam livres de emitirem as opiniões que entenderem, continuo a achar que o argumento "Por tribunais e não por mim que não sou Deus. Mal de nós no dia em que nos acharmos no direito de catalogar e condenar as pessoas" não faz sentido nenhum. Os juízes são pessoas. E pessoas bem falíveis, afianço-lhe.

      Eliminar
    18. Ai, pronto! Se é Advogada....
      (é das fraquinhas, não é?...)

      Eliminar
    19. Com provocações de baixo nível não dá mesmo para discutir ideias. E certamente não é consigo que discutirei as minhas competências, até porque não tenho de lhe provar nada.
      Usando a sua linguagem, passo à frente esse tipo de diálogo "fraquinho".
      Fique bem, Picante.

      Eliminar
    20. Sim, porque é de um elevadíssima nível atirar com a nossa formação à cata de alguém. Como se o curso de Direito fosse uma coisa que distinguisse alguém. E ainda por cima remata com uma conclusão sem lógica. Mas eu explico, é óbvio que não me cabe a mim, meta pessoa julgar ou aplicar penas a ninguém, não vou armar-me em Deus, não tenho qualquer legitimidade para dizer que a pessoa A merece menos viver que a B. Isso compete aos tribunais e aos juízes que, sendo pessoas e não uma entidade divina, com todas as falhas que as pessoas podem ter, têm essa função na sociedade. Seria de prever que um advogado soubesse isto.

      Eliminar
    21. Pois eu também não sou particularmente fã da pena de morte mas tenho em mim algo contra os abusadores de menores que me ultrapassa, como disse, é o meu calcanhar de Aquiles. Tudo o que envolva crimes contra crianças revolta-me e a meu ver a sociedade e as leis deveriam estar feitas de modo a que os inocentes fossem sempre protegidos, principalmente aqueles que são completamente incapazes de se defender.

      Não sou a favor da existência ou convivência de pedófilos em sociedade. A castração química não resulta, além de que imensos dos abusadores sexuais de menores não são pedófilos no sentido psicológico da doença pois não têm atracção sexual por menores. Portanto, a meu ver esses ainda são piores que os pedófilos que sentem atracção sexual. Estes além de agirem, a meu ver, por pura maldade são também aqueles que usualmente são agressivos e magoam seriamente as crianças. Os pedófilos na sua maioria são mais "gentis" (até me dá a volta ao estômago a escrever isto) mas em termos de consequências físicas no ato em si os pedófilos não tendem a deixas as vitimas com leões internas, por exemplo. E se a senhora é advogada e percebe disso de se ser Deus ou não, neste aspecto eu também sei do que estou a falar.

      Até ao momento não há absolutamente nada no mundo que seja 100% eficaz ou sequer mais de 50% eficaz para o controlo de impulsos sexuais dos pedófilos, portanto, daí que no mínimo dos mínimos para mim todos aqueles que já abusaram de uma criança deveriam ficar eternamente afastados da sociedade.

      Enquanto mãe tenho sérias dúvidas que conseguisse ser racional num momento desse género. E aliás não segui a área da justiça na minha área precisamente por saber que tinha de lidar com pedófilos e com os advogados dos mesmos enquanto os ditos tentam passar as culpas para as vitimas que "provocam" os inocentes dos adultos que posteriormente os abusam... não dá. E se não tenho capacidade para ouvir certas coisas relacionadas com os filhos dos outros por me apetecer protegê-los e fazer desaparecer a pessoa que tanto mal lhes fez, tenho basicamente a certeza que se fosse um filho meu não conseguiria ser racional.

      Eliminar
    22. Relativamente à questão dos juízes não tomarem sempre as melhores decisões, isso é um problema de qualidade e também das nossas leis, dúbias e passíveis de diversas interpretações.
      No entanto, ainda assim parece-me que de uma forma global um juiz, isento e neutro, é mais capaz de decidir seja o que for sobre a pena de um individuo do que as pessoas envolvidas no mesmo, os populares, ou os advogados que são pagos para defender até o pior dos criminosos e, mesmo sabendo da culpa dos seus clientes, procuram das voltas e voltas na lei, todos os "furinhos" e mais alguns, para que os criminosos continuem à solta e sem qualquer punição.

      Eliminar
    23. Eu sou um ser humano horroroso....concordo inteiramente com o anónimo que não hesitaria em salvar o seu gato em vez do execrável tipo da contabilidade ou o chefe...
      Já se fosse o irritante e maléfico cão do meu vizinho que morde nas canelas de toda a gente, deixava-o lá..tal como a tanta gente que não faz falta nenhuma ao Planeta. O cãozinho que se encarregasse deles.
      E claro que as Touradas são algo medieval e que deveria obviamente proibido em qualquer país da Europa civilizada.
      Mas como nós somos muito mais Norte de África que Europa...

      Eliminar
  8. ENOOOOOORRRMMMMEEE revirar de olhos. Continuo sem conseguir entender as pessoas que comparam a vida de um animal à de um ser humano.É verdade que há ser humanos que não merecem o ar que respiram e nem sequer deviam ter nascido mas isso é outra estória. Eu gosto muito de animais mas nunca por nunca a vida de nenhum animal é mais valiosa do que a dos meus filhos. E gostava de saber se esses maluquinhos dos animais são todos vegetarianos e não matam moscas ou mosquitos, ou formigas quando lhes invadem a casa. Claro que não, porque as vidas de todos os animais são importantes não só a dos cãezinhos e gatinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há pessoas e há FILHOS. Os filhos não são "pessoas". Os FILHOS são apendicês nossos que doem mais do que o nosso corpo. Não misturar as coisas. Por um FILHO mata-se o que for preciso, até mesmo pessoas.

      Eliminar
    2. Em termos de valor, as vidas dos nossos filhos não são melhores que a de qualquer outra pessoa. Não há pessoas de primeira e de segunda e não, não se tira a vida a ninguém por causa de um filho, a menos que este esteja a ser atacado e então o caso muda de figura.

      Pipinha, hi five.

      Eliminar
    3. Há sim, pessoas de primeira e de segunda e tenho aqui uma lista imensa. Infelizmente pouco tempo para a desdobrar.

      Eliminar
    4. Primeira vez que concordo com a Filipa Brás.

      Eliminar
    5. Cá beijinho, vá.
      Aos poucos vou conquistando os anónimos, até estou emocionada.

      Eliminar
    6. Qual beijinho, qual quê... continuo a detestá-la.

      Eliminar
    7. Não percebo como é possível alguém detestar a nossa caracolinhos d'oiro..

      Eliminar
    8. Ora foda-se, íamos tão bem lançados.
      Não há maneira de revertermos a situação?

      Eliminar
    9. Às vezes tem piada, admito isso, mas o mau feitio é inultrapassável. Também não esqueço que levou a Luna a encerrar o blog. Você é uma bully.

      Eliminar
    10. Mentira! Calúnia! Falsidade! Foi o Pipoco que levou a Luna a encerrar o blog. Ora vá lá ver se não foi. Até me lembro de ter feito um post sobre isso e tudo...

      Eliminar
    11. "Você é uma bully".

      Ai que eu fico-me já aqui.

      Anónimo, você está a falar comigo ou com a Picante? Pela Santíssima Trindade, vocês não me baralhem.

      Luna? Quem é essa?!

      Eliminar
    12. É claro que estou a falar consigo, Filipa.

      Eliminar
    13. Com esse delay todo, foi-se-me a pica toda.
      Talvez numa próxima, quem sabe?

      Eliminar
  9. Mais que um revirar de olhos, dão-me vontade de rir. Bando de gente frustrada que procura nos bichos o amor que não recebe das pessoas, vá se lá saber por quê.

    ResponderEliminar
  10. Ver a caixa de comentários de um certo coco é que dá um belo revirar de olhos. Eu, se fosse uma alface, tinha medo de tanta gente boazinha para com os animais. E também das tontinhas das mães manipuladas pelas criancinhas. E das espertalhonas que pensam que há que gerar polémicas e comentários que o supermercado e as viagens não se pagam sozinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou só deixar isto aqui: https://www.youtube.com/watch?v=o0VrZPBskpg

      Eliminar
    2. A Nádia não percebeu nada, pois não? Bem me parecia...

      Eliminar
    3. Não? Se o anónimo tivesse noção de quantas vezes "percebi" o argumento das alfaces...

      Eliminar
    4. Não percebeu, está visto! Não é sobre veganismo, é sobre manipulação. Há que ver todo o bosque e não apenas a árvore.

      Eliminar
    5. Ora, estou-me nas tintas para a blogger em questão, para as polémicas e para os motivos que a levaram a publicar aquele post. É um post, num dos blogs mais visitados de Portugal, que alimenta a discussão sobre o veganismo. E isso vale por si só.

      Eliminar
    6. Pipocante Irrelevante Delirante23 de junho de 2016 às 17:00

      Crianças de 6 anos a tomar decisões de vida?
      W
      T
      F
      ????

      Brincamos?

      Aos vegetarianos que o são pela componente ecológica, informem-se sobre o preço de manter explorações agrícolas (sim, idem para a pecuária, ou pesca).

      Ah... e os atuns também são gente. Perdão, animais. Com sentimentos.

      Eliminar
    7. Um vegetariano não come atum. Informe se também de quantos kg de vegetais são precisos paara alimentar um animal criado para ser comido. Crianças de seis anos a fazerem escolhas e mães que as respeitam porque são válidas.
      Cansam me os carnistas que por nao serem capazes de fazer o melhor pela sustentabilidade do planeta, criticam quem o faz.

      Eliminar
    8. Eu estou-me positivamente nas tintas para que as pessoas comam carne ou não. E compreendo perfeitamente que certos animais nos "falem mais ao coração", eu seria incapaz de comer cavalo, sabendo que era isso que comia.
      Independentemente disso, não acho normal um pingarelho de seis anos decidir uma coisa destas e os pais acatarem a decisão, lamento mas há certas coisas que não são as crianças que decidem, e a alimentação é uma delas. Na minha opinião, claro...

      Eliminar
    9. Pipocante Irrelevante Delirante23 de junho de 2016 às 20:50

      Sustentabilidade do planeta e agricultura não combinam.
      Ou pensa que os vegetais para alimentar esta malta toda vem da horta do senhor Manel?

      Eliminar
    10. Duh!... Vêm do supermercado, claro!

      Eliminar
    11. PID, criação animal e sustentabilidade do planeta é que não combinam. Saberá, porventura, quantos kg de plantas são necessários para produzir 1kg de bife? Sabe que as vacas comem, certo? Caramba, tanta gracinha, tanto à-vontade e ousadia nos comentários, mas intelectos tão diminutos e perceções tão toldadas pelo que vos dá jeito.

      Picante, estando-se nas tintas para se as pessoas comam carne ou não, espero que mostre a mesma tranquilidade face a uma criança, alimentada vegana desde o nascimento, que aos seis anos quer comer carne e os pais não a deixam - o caso simétrico do que defende. É que isto tem que dar para os dois lados.

      Eliminar
    12. Um pingarelho de seis anos continua a ser um ser humano de seis anos. E obrigar uma criança dessa idade a comer carne quando passou pelo trauma de saber como é que a comida chega à mesa é completamente desumano. Obrigá-la a comer um bife quando acabou de saber que a vaquinha morreu é nojento. Assim se criam complexos e manias nas alimentações de futuros adultos.

      Eliminar
    13. Claro que sim, Nádia. Desde que esse tipo de alimentação não lhe prejudique a saúde, a decisão é dos pais e não da criança.
      Agora lembrou-me uma vegan que conheço, tem dois filhos, diz ela que as crianças não comem carne porque não querem, que preferem o tofu, a soja e mi mi mi. Ora, eu conheço o pai das crianças, é vê-los a atirarem-se ao belo do bife cada vez que estão com o pai.

      Nádia, o homem, pelo seu número faz mal ao planeta, não há grande volta a dar à coisa.

      Anónima, não seja dramática, a grande maioria das crianças sabe que come vaquinhas e franguinhos. Complexos é mas é o caracinhas.

      Eliminar
    14. Pois é, tem razão. Esqueci-me que deve ser mestre em psicologia infantil.

      Eliminar
    15. Mas a anónima é, não é? É essa a razão em existir no trauma das criancinhas que comem carne.

      Eliminar
    16. Pipocante Irrelevante Delirante24 de junho de 2016 às 01:41

      Ha gente com compreensão difícil. A pecuária e a agricultura são prejudiciais ao meio ambiente. Ambas. Não é uma mais que outra... mas ha quem use o argumento da sustentabilidade para defender a alimentação à base das plantas, esquecendo o que faz aos solos a agricultura, a desflorestação, a irrigação, a inserção de fauna externa, e tudo o mais que balança o equilíbrio natural.
      As únicas actividades naturais são a caça e a pesca, porque a predação faz parte do ciclo da vida. Claro que o Homem é em número excessivo, e alimenta-se para lá das necessidades.

      Ja agora, o aconteceria aos porcos e vacas, sem pecuária? Quem os criaria, e para quê?

      Eliminar
    17. Tudo o que sejam animais de consumo desaparecia porque não eram necessários tipo vacas, porcos, galinhas, coelhos, patos, cabras, ovelhas, etc...

      Eliminar
    18. Carnistas!!?? Lol.

      Eliminar
    19. Ou não, os cães e os gatos não são animais de consumo e nem por isso estão extintos. E os leões, tigres, elefantes, etc, também não são animais de consumo e (ainda) não se extinguiram.

      Eliminar
    20. Estou para ver quantas pessoas quererão ter galinhas e porcos como animais de estimação e, já agora, centenas de ovelhas.

      Além disso, caso não saiba, os cães e gatos são alimento em diversas culturas pelo mundo fora, assim como esses animais selvagens e outros.

      Sair da bolha às vezes dá jeito.

      Eliminar
    21. "Estou para ver quantas pessoas quererão ter galinhas e porcos como animais de estimação..." - era capaz de ficar admirada, realmente sair da bolha era capaz de ser boa ideia.

      Eliminar
    22. Existem algumas pessoas, a questão é que para a quantidade de animais produzidos a maioria da população teria de ter disponibilidade para isso. E isso não acontece.
      Ter um porco como animal de estimação é capaz de ser menos frequente do que ter tigres, chitas e leões como tal. Também havia um homem que tinha um crocodilo e que gostava de passear com ele pela trela, ou aquele que tinha um "papa-formigas" mas o caro anónimo saberá que essas pessoas são raríssimas, tão raras que quando acontece é sempre um fenómeno.

      Por exemplo, a India estaria certamente disposta a acolher muitas vacas mas por cá quantas pessoas iriam alimentar, cuidar e limpar uma vaca? E no resto do mundo?

      Tem noção que as percentagens de pessoas com esses animias de estimação são ínfimas, certo?
      É que estou mesmo a ver a maioria das pessoas que tem esses animais a cuidarem, a gastarem dinheiro para alimentação e abrigo em animais cujo retorno é zero. Sim, sim... e depois os outros é que vivem na bolha.

      Eliminar
    23. E que retorno têm os cães e os gatos, diga lá. E mesmo assim as pessoas gostam deles. Eu acho que todos nós vivemos na nossa própria bolha e temos dificuldade em aceitar o ponto de vista dos outros, eu, pelo menos, tenho.

      Eliminar
    24. Os gatos e cães como os vê na nossa sociedade não são igualmente tratados em todo o mundo. Sabe disso? Em muitos locais continua a servir de alimento e continuam a ser criados par tal. E em imensos outros locais todos os animais domésticos continuam a ter funções específicas. Se perdessem a função perdiam o lar.
      Em vários locais do mundo existem todo o tipo de hábitos alimentares que diferem do nosso.

      Além do mais os gatos e os cães sempre tiveram funções importantes na nossa sociedade, estes foram domesticados e sobreviveram como tal precisamente por terem funções específicas. Os gatos só eram mantidos como animais de estimação pelo controlo da população de ratos (e suas possíveis doenças) e os cães para serem cães de guarda ou caça. A grande maioria dos animais domésticos portugueses até há cerca de 2 gerações atrás existia apenas por terem "retorno".

      Não me custa aceitar o ponto de vista dos outros, simplesmente acho que os seus argumento revelam falta de conhecimento.

      Eliminar
    25. Nota-se falta de capacidade de aceitar o ponto de vista dos outros e falta de argumentos e de conhecimento, nota-se.

      Eliminar
    26. "simplesmente acho que os seus argumento revelam falta de conhecimento." - claro que sim, eu não sou especialista na utilidade ou não de todos os animais como a cara amiga. E escusava de postar dois comentários seguidos a chamar-me ignorante.

      Eliminar
    27. A questão não é ser especialista ou não, se não sabe do que fala diga-o. Foi simples, não foi? É que, no fundo, só lhe custa mesmo é admitir a provável extinção de várias raças ou, pelo menos, da ocorrência de uma dizimação enorme das mesmas.

      Em vez de se armar em vítima, poderia simplesmente ter ido ao google antes de se sair com o comentário "E que retorno têm os cães e os gatos, diga lá. E mesmo assim as pessoas gostam deles." Ou poderia ter estado atenta nas aulas de biologia, ciencias, história, etc, onde certamente lhe foi explicado várias vezes o motivo pelo qual os animais foram domesticados e que todos eles tinham as suas funções. E provavelmente também lhe terão sido explicados os motivos pelos quais os gatos domésticos se tornaram tão populares no ocidente.

      Eu não sou especialista na utilidade. Tenho uma coisa chamada conhecimento geral e este é dos mais básicos.
      Além do mais, por norma quando não sei do que falo não afirmo a pés juntos e bato o pé até ficar sem argumentos sem sequer me dar ao trabalho de pesquisar ou de me informar.

      Eliminar
    28. Obrigado por "dos mais básicos", lá conseguiu, assim como quem não quer a coisa, meter mais um insultozito. Sabe lá você o que eu aprendi ou não. Não concordo consigo, nem que seja a maior especialista mundial da matéria. Para uma pessoa tão inteligente (cof, cof), não percebeu ainda que tenho uma opinião diferente e não vou nunca concordar consigo?

      Eliminar
    29. A questão é que afirmar com as palavras todas que não se sabe e não se quer saber é mais honesto que inventar argumentos da treta e falar do que não se sabe.
      É básico, sim, se se sente ofendida por isso o problema não é meu. Instrua-se. Tal como já disse, não sou especialista nenhum, nem preciso de ser porque qualquer pessoa que tenha estudado deve saber isto, a menos que tenha andado a passear livros.

      Eliminar
    30. Argumentos da treta foram os que você apresentou. Esteja descansada que prepotentes com a mania que sabem tudo a mim não me ofendem.

      Eliminar
  11. Eu reviro os olhos com pessoas que teimam odiar / gozar com pessoas que respeitam e gostam de animais. Não percebo, juro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, anónimo. Que horror, a compaixão, esse defeito tão grande.

      Eliminar
    2. Eu também não percebo o seu comentário, respeitar os animais é muito diferente de igualá-los a pessoas.
      E isso do ódio é coisa sua, não diga tolices.

      Eliminar
    3. Eu não percebo é como a diferença entre não se endeusar animais seja sinónimo a odiá-los.

      Eu não sou a favor da tortura animal, não sou a favor de animais fechados em zoo´s (apesar de compreender que muitas vezes é essencial mantê-los lá), não sou a favor de animais que não venham à rua e estejam fechados num mini-zoo a que alguns chamam apartamento. Não sou a favor das touradas como actualmente são feitas e não sou a favor de nada que leve ao sofrimento animal para mero divertimento.

      Isso é diferente para mim de os endeusar e de achar que os mesmos valem mais que a vida de uma criança ou de fazer campanhas contra pais/crianças porque "coitadinhos dos animais", por "não haverem animais maus" e que certamente são todos provocados de alguma forma para atacar.

      O problema do fanatismo é mesmo isto: ou se odeia ou se ama (num patamar doentio) os animais.
      As pessoas que gostam, que não lhes fazem mal por prazer, só porque consideram anormal que se coloque os animais (alguns, que isso dos insectos ou outros animais não amorosos não são animais) mas que quem não coloca os animais fofos e amorosos acima da vida de uma criança então já é sinal que se goza e não se respeite animal nenhum.

      Não sei bem o que considerar destas pessoas mas acho que era giro serem sujeitos a avaliações psiquiátricas e psicológicas.

      Eliminar
    4. anónimo das 13:34 é mesmo isso.

      Eliminar
    5. Sou o anónimo das 11:39. O problema é que a maior parte das pessoas que aqui comentam e a própria autora não estão só a falar de pessoas fanáticas. Claro que, como em tudo, há exageros. No entanto parece que as pessoas estão incomodadas com uma corrente que não é recente mas se está a tornar normal, que é de respeitar animais. Pessoas que se tornam vegetarianas ou veganas, pessoas que não aceitam que a caça de animais quase extintos ou caça desportiva (tipo matar um leão só porque é fixe), pessoas que gostam tanto dos seus animais de estimação como um membro da família (não é a vossa família, o que é que interessa os amores destas pessoas?). Eu acho muito bem que se deva divulgar o respeito por animais e que a alimentação vegetariana esteja acessível a todos. Não concordo com desrespeito para com outros seres humanos relativamente a animais (do género tu comes carne, és um assassino) nem nada que se pareça. Mas não me parece que sejam só esse tipo de pessoas que estão a ser satirizadas...

      Eliminar
    6. Pipocante Irrelevante Delirante23 de junho de 2016 às 16:58

      Eu gosto de animais. Eu respeito animais.
      Se vir alguém a tortur um cão porque sim, leva logo no focinho.
      Mas os animais não são pessoas. Nem são equiparáveis a pessoas. Ponto.
      Têm o seu lugar na sociedade, são companheiros na cidade, colegas de trabalho no campo, fonte de alimento ou sustento em muitos lados. Mas continuam a não ser pessoas.
      Não sáo objectos, nem devem estar sujeitos a caprichos. Mas não pessoas.
      Não têm sentimentos humanos como responsabilidade, livre arbítrio, nem se regem pelas regras da sociedade humana. Por isso mesmo o Zico nunca poderia ser levado a tribunal.
      Os animais não são pessoas.
      E sim, servem de alimento. Temos pena, mas é assim.
      É fo..do ser uma vaca em Portugal, como é lixado ser uma zebra no Serengueti.
      Mic down

      Eliminar
    7. Anónimo das 16.34h, parece-lhe mal, não sei de onde tirou a conclusão de que não respeito animais, não gosto deles, não os trato bem ou sou a favor da caça desportiva.
      Toda a minha vida tive animais, sempre os tratei lindamente. Mas lá está, nunca os deixei dormir na minha cama e nunca lhes dei mais valor que a pessoas. Trato-os como animais e tenho a certeza de que são felizes.

      Eliminar
    8. O que diriam a Picante, o PID e a maioria dos comentadores que por aqui andam se soubessem que há biólogos e etólogos a defender que os cetáceos devem ser considerados pessoas não humanas? Sim, pessoas. Parece-me que a maioria de vós falha em perceber que estas questões "dos animais" não só sentimentais ou emocionais (e para algumas pessoas, não são mesmo nada disso) - são questões éticas, sujeitas a análises científicas e a argumentos morais. Há tanto disparate na forma como, culturalmente, construímos os universos da humanidade e da animalidade... um exemplo é a forma como falamos em "animais" (todas as espécies, de mosquitos a chimpanzés) e "humanos", estabelecendo assim uma barreira entre "nós" e "eles". Isto é-nos muito útil, porque permite-nos colocar uma vaca no mesmo patamar que uma pulga e, algo em que tropeço quase diaramente, encontrar mais paralelos entre uma vaca e uma alface que entre uma vaca e um humano. Desculpem, mas isto é cegueira e preconceito. Encarem o assunto de frente, sem desonestidade intelectual, sem mesquinhez, e talvez percebam uma coisa ou outra.

      Eliminar
    9. Eu abomino a caça desportiva, não só lá na África onde é fixe ser contra mas por cá também onde homens feitos saem de espingarda em riste para passar "domingos bem passados" e isto equivaler a passar uma tarde a matar e a esfolar animais. Não contam comigo para os apoiar.
      Ninguém me encontrará a apoiar touradas onde os animais são magoados, ninguém me encontrará a apoiar nada que cause sofrimento animal.

      Tenho um cão que adoro, não tenho mais animais porque considero que é uma grande responsabilidade e não creio que tivesse tempo ou dinheiro para lhe proporcionar uma boa qualidade de vida.

      Em relação aos vegans e ao vegetarianos tenho para mim que é importante manter o equilibrio, procuro no entanto só comprar a pessoas que sei que tratam bem e não produzem em massa.
      Se formos bem a ver o impacto no habitat, morte animal, poluição, entre outras milhentas coisas que a importação em massa de vegetais de todo o mundo faz...venha o diabo e escolha. E, segundo a minha nutricionista, se fosse suposto nós não comermos carne teríamos um organismo preparado para ser somente vegan. Ela é contra e é contra que se implemente isso em crianças (ela é da área, eu não).

      Mas gostava de perceber onde raio vem a ideia que o facto de "eu" (e outros tantos) considerar que qualquer criança humana merece prioridade num salvamento signifique que passe a vida a maltratar animais ou que ache aceitável que se magoe os mesmos por seu bel-prazer.

      Eliminar
    10. Diria que baleias e golfinhos são baleias e golfinhos, não são pessoas. Simples.

      Eliminar
    11. Nos Açores comem-se golfinhos.
      Era só isto.
      Ah!, e ser o centésimo comentário.

      Eliminar
    12. Pipocante Irrelevante Delirante24 de junho de 2016 às 01:46

      Pessoas não humanas?
      São animais. Os níveis cognitivos podem ser diferentes, mas um golfinho ou um polvo valem o mesmo.
      Da jeito é aplicar o conceito dos Porcos a esta discussão, ha animais mais animais que outros, quando chega a hora de pisar um aranhiço.

      Eliminar
    13. Completamente de acordo, que crime tão repugnante, gostar de animais.

      Eliminar
    14. Eu acho que era melhor avaliar psiquiatricamente quem acha que gostar de animais e tratá-los bem é uma coisa má.

      Eliminar
    15. Bem dito, Nádia.

      Eliminar
    16. A sério? Nunca mais vou aos Açores.

      Eliminar
    17. Não é tratá-los bem que é uma coisa má, é o fanatismo e extremismo de colocar até a saúde de pessoas em causa pelo bem-estar dos animais.
      Será que agora ficaram sem argumentos e deu-vos para distorcer palavras ou será somente a falta de capacidade cognitiva mesmo para compreenderem que ali em cima ninguém é a favor de se maltratar animais?

      Eliminar
  12. Eu tenho é pena de quem têm animais melhores do que pessoas! é porque sempre teve azar com as pessoas que conheceu! Eu salvava primeiro o meu cão e depois o Jorge Jesus! Isso faz de mim o quê?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum... Pouco coerente? Desculpe mas nesta questão de valor de vida não cedo nem que as vacas ganhem asas.

      Eliminar
    2. Era ironia Picante! Sou mesmo "daquelas" que não comparam nunca, nem na vida, nem na morte animais com pessoas

      Eliminar
  13. ADORO os amigos dos animais! Se malta que um dia se passa e mata a família à facada, mas cãozinhos que se passem e corram tudo a dentada JAMAIS. Tadinho do bicho que só precisa de carinho e amor e o andaram a chatear.

    ResponderEliminar
  14. Não há paciência. Essas pessoas devem ter tido sorte, de nunca terem visto um bicho mau. Nem nunca terem sido preteridas por um cão, gato, lagarto. Conheço uma senhora que se incompatibilizou com a filha, que tinha acabado de ter um bebé e cujo marido estava desempregado, que deu o cão que tinha por não conseguiu ter dinheiro para os dois. Basta dizer que essa pessoa vive com cinquenta gatos e cães...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Doente e incoerente. Se o amor ao animal era tanto porque não ficou ele com o dito? Santa paciência.

      Eliminar
    2. Pois anónimo, pelos vistos não tinha espaço. Lembro-me ainda que esta mesma pessoa teve em tempos um gato terrível, que arranhava as pessoas todas e era positivamente agressivo, e não se podia dizer nada porque o gatinho não tinha culpa. Deixámos de frequentar a casa da pessoa, claro está,.

      Eliminar
    3. Com 50 gatos, um cão a mais ou a menos não faria muita diferença não é...? (credo)

      Eliminar
  15. Pipocante Irrelevante Delirante23 de junho de 2016 às 13:28

    Os animais não são bons nem maus. São animais. Podem ser domesticados, manietados, mas o instinto é mais forte.
    Cães e gatos são ambos domésticos, mas têm comportamentos distintos.
    O que é errado é a humanização das bestas, isso só nas fábulas. Os lobos, por exemplo, são fiéis às companheiras. São portanto melhores que os humanos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Peço desculpa mas há cães maus. Ou agressivos, se preferir. E gatos também.
      (e não me estou a referir a raças perigosas)

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante23 de junho de 2016 às 16:54

      Esse conceito de "bom" e "mau" é humano. Os cães são agressivos ou não conforme a sua natureza, e conforme se sentem ou não ameaçados.
      Por norma, os coelhos não são "bons" e as cobras "más". São como são.

      Eliminar
    3. Bom, então aquele era agressivo. Ameaçado nunca se sentiu a não ser por outros cães alfa, assim na loucura.

      Eliminar
  16. Se tivesse de escolher entre um dos meus animais de quem tanto gosto e um humano qualquer que não me diz nada escolheria sem dúvida os meus animais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que um dia que precise de ajuda não encontre pela frente alguém igual a si. Ia ser desagradável.

      Eliminar
    2. Está a ver picante, este tipo de comentário nem vale o revirar de olhos.

      Das duas uma:
      Ou está a gozar para provocar uma discussão
      Ou é um acéfalo que é melhor ter dó,do que nos chatearmos.

      No entanto achava giro que está gente estivesse marcada na testa, para numa situação de incidente os meios de socorro salvarem primeiro os bichos, e depois se houvesse tempo salvarem os acéfalos

      Eliminar
    3. R, adorei esta resposta! Adorei.

      Eliminar
    4. É isso mesmo R.
      Como aquelas teorias do gorila. Em caso de ataque por animal selvagem era interessante sabermos quais são as pessoas que não se importavam de sacrificar a própria vida pelo do animal.

      Eliminar
    5. Essa do gotila é de bradar aos céus, nem sei quantos anormais a dizer que não, que o gorila não estava a fazer mal ao miúdo e a gente a vê-lo a ser sacudido qual boneco de trapos, sujeito a ficar sem um braço ou a bater com a cabeça na primeira pedra. Poupem-me.

      Eliminar
  17. A mim o que me custa é ver como as pessoas estão definitivamente a perder a noção de todo e qualquer bom senso. Isto está a atingir níveis inconcebíveis. Há dias morreu Mestre Batista e foi vergonhoso ler os comentários à notícia que saiu em diversos jornais. Comentários parvos contra touradas já estamos habituados, já não se liga. mas as alarvidades e totais faltas de respeito dirigidas directamente ao senhor (que era um Senhor), deixaram-me perplexa e ciente de que isto já há muito que ultrapassou um patamar vagamente razoável para se transformar numa perigosa patologia. A sério que acho que esta questão dos animais já se tornou perigosa.

    A saúde mental dos portugueses está muito preocupante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu suponho, e espero, que não passe de um fenómeno de redes sociais, que no dia a dia as pessoas sejam normais.

      Eliminar
  18. Mas não era a própria que disse estar com problemas com o cão, logo no inicio porque ele mordia no seu "mais que tudo"? Hummm lembro-me de ter lido alguma coisa a esse respeito, só não me lembro se foi no Blog ou no Facebook.

    ResponderEliminar
  19. Como resumiu, cortante, Daniel Oliveira: «A vida do ser humano mais asqueroso vale mais do que a vida do animal doméstico de que mais gostamos. Sempre.»

    Aqui está um (outro) artigo onde se reflecte de uma forma lúcida:
    http://arrastao.blogs.sapo.pt/2731550.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por aí, é.
      O que não impede que gostemos mais dos nossos animais que de desconhecidos. Mas convém não confundir as coisas.

      Eliminar
  20. e eu só penso " mas de quem falam???? "

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu falo dos maluquinhos dos animais. Ninguém em especial.

      Eliminar
    2. Pois, a Picante atira a pedra e esconde a mão, mas só com certas "blogueiras"

      Eliminar
    3. Quer ser mais clara? é que se há coisa que eu não faço é esconder a mão. Consigo dar-lhe N exemplos para além dos blogs de gente assim.

      Eliminar
  21. O que eu gosto de ler estes comentários e os da Filipa e perceber que afinal ainda existem pessoas com cerebro que sabem o que é uma pessoa e um animal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas a Filipa tem mel? É?...
      Ela é a Filipa das asneiras, caramba.

      Eliminar
    2. Isso foi a maluquinha dos animais, a que deixa o cão comer os cagalhões dos gatos e depois lamber-lhe a tromba, o mesmo que anda onde os outros cagam e depois vai-se espreguiçar para os lençóis polares onde ela própria dorme.
      Achas mesmo que é o tipo de pessoa a quem se deva dar ouvidos?
      Invejosa.
      Não tenho mel, tenho melaço.
      Estúpida.

      Eliminar
    3. Os comentários que estão no blog da Filipa sobre o mesmo assunto Picante... aí os ciumes...

      Eliminar
    4. Ah! Não vi. Mas sim, tal como eu a Pipas é uma cvabra sem coração que acha que um cão é... um cão.

      Eliminar
    5. E a Filipa lá tem cérebro? Onde?

      Eliminar
    6. A S* é melhor pessoa do que essa ordinarona alguma vez será.

      Eliminar
    7. Anónimo das 17:26 -chamemos-lhe assim que hoje apetece-me brincar- a Filipa -já lhe disse que adoro aquelas pessoas que se referem a si próprias na 3ª pessoa no singular?- é mais asseada do que a S* alguma vez será.
      É tudo uma questão de bitola.

      Eliminar
    8. E para o anónimo das 17:24 -chamemos-lhe assim, também- ora aí está uma boa pergunta.
      Não sei, entre a minha beleza, os meus 59 kg e bom gosto para me arranjar, ficou pelo caminho. Calhando tenho de começar a escrever posts ridículos sobre assuntos que claramente não domino para fingir que tenho um, que diz?

      Eliminar
    9. Pah... Isto é tudo o mesmo anónimo, deixou-me nem sei quantos comentários seguidos, ontem a partir das cinco da tarde. Deve ter estado quase meia hora a defender os animais en quanto ofendia as pessoas. Palhaço.

      Eliminar
  22. Apesar de não entender as touradas, para mim, é incompreensível serem definidas como uma "arte", não gosto. No entanto, não hesitaria em salvar um toureiro fosse em que circunstância fosse, pois é um ser Humano que merece respeito, apesar da minha incompreensão pelo que faz. E claro que ter de sacrificar os animais em certos incidentes também me revolta.

    Agora os extremos de comparar, mais no sentido de elevar os animais em relação a um ser Humano, isso já me escapa. Para mim que adoro de paixão animais, nunca diria que são melhores os animais do que as pessoas. Porquê raio? É uma questão sem sentido, porque os animais irracionais são mesmo isso, irracionais. Transmitem emoções, não discutem connosco, não nos desiludem, talvez por isso muitas pessoas se liguem tanto aos animais domésticos, pois trazem o conforto que não encontram em muitas pessoas. Mas também há algo de egoísta nisso, o ter animais para ter companhia (é natural). O ser Humano é racional, mas como ser racional, também erra, pois não deixa de ser um animal, e disso surgem estas coisas parvas, que deviam ser um Não assunto!

    Mas parvo, mesmo parvo é dizer que há maus donos e não animais maus. Se são animais, têm instintos, e por mais domesticados que sejam, são imprevisíveis. Há logo uma falta de coerência incrível. Então os animais são maus, coitados é culpa dos donos. As pessoas fazem coisas más, mauzão que prefiro os animais! Ele há coisas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há maus donos, como há animais agressivos. Há de tudo, nesta terra de Deus.

      Eliminar
  23. Concordo em absoluto consigo, Picante.
    Assusta-me pensar que há gente que põe a vida de um animal (mesmo que seu) à frente da vida de um ser humano. Estamos numa era em que se tratam as pessoas como animais e os animais como pessoas.
    Desculpem lá, mas a vida humana é (e tem de ser) superior à de um animal. E mesmo que essa pessoa seja o nosso pior inimigo.
    Nem vou por aí de estas pessoas terem falta de noção, agora que têm caraterísticas de personalidade negativas (e para mim, graves) têm. Como a falta de compaixão, de solidariedade pelo próximo, egoísmo, etc. Tenho para mim, que esse "endeusamento" dos animais pode ter a ver com o facto deles não terem casas, carros, não viajarem... Mesmo que existam animais melhor tratados que muitas pessoas. Posto isto, tem que se salvar os animais que as pessoas é que são iguais a nós e podem ter uma vida melhor que a nossa. E isso é que não pode ser e não se quer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não faço ideia com o que tem a ver. Mas que não acho normal, não acho.

      Eliminar
  24. Anónimo das 14:55, imagine um incêndio no seu prédio. Se o vizinho do 3º D escolhesse salvar a vida do respectivo cão, que lhe faz tanta companhia no seu dia a dia, e para isso deixasse um filho seu, ou a sua Mãe, lá dentro, com consequências fatais (até me custou escrever esta frase, de tão horrível que a hipotese é para mim), também compreenderia perfeitamente? A sério???
    Achava mesmo normal perder um ente querido porque o sr do 3º D não conhecia a sua família, e como tal escolhia salvar um animal? Não ficava triste, magoada, revoltada por ter de viver uma perda tão inútil e desnecessária?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para além do mais, não prestar ajuda a um humano em perigo de vida é capaz de constituir um crime, não sei bem mas acho que existe a obrigação legam de prestar assistência.

      Eliminar
    2. Nesse caso seria crime sim, o código penal prevê essas situações. Dever de garante no caso de familiar/relação próxima, e omissão de auxilio no caso geral. Apenas excluiria a culpa, no caso de a omissão de auxílio ocorrer por colocar em risco a vida do auxiliador. Logo, salvar um cão em detrimento de uma pessoa, pode muito bem acabar mal para quem gosta mais de animais do que de pessoas.

      Eliminar
    3. Em caso de incêndio primeiro retirava todos os seres vivos da minha casa e a seguir ajudaria quem pudesse, pessoa ou animal, acho que é perfeitamente normal primeiro os nosso, os outros depois, e não vale a pena referirem ahh mas os bombeiros tb salvam quem não conhecem, sim mas é o trabalho deles, não tem de fazer uma escolha, estão ali neutros

      Eliminar
    4. Eu não acredito que o anónimo das 01.08h disse isto. A sério mas já consideraram ser vistos por profissionais de saúde mental?

      Eliminar
    5. Concordo completamente com o anónimo das 01:08.

      Eliminar
    6. Sim, num incêndio a sério a 1ª coisa em que pensavam era na quantidade de seres vivos (não vou incluir plantas nesta afirmação!) que teriam que tirar, tipo a tartaruga, fariam a contagem e veriam se tinham saído todos!! As pessoa não têm a mínima noção e depois dizem merdas sem nexo nenhum, porque por essa altura o cão/gato já teria dado de frosques há muito... Bastava abrirem a porta, caso houvesse uma porta fechada.
      Nem deviam responder a isto, porque se nunca estiveram num incêndio, nem sequer sabem como reagiriam. Provavelmente ficavam tão cagados de medo que até seria preciso era ir lá buscar-vos! Com jeitinho ainda era o cão que ia lá guiar-vos!

      Eliminar
    7. Tenho de lhe dar uma certa razão anónimo das 11.22h.
      Ainda assim, por experiência pessoal, acho que em situações onde tivesse de arriscar a vida por alguém que amo o faria. Por um animal duvido.

      Não num incêndio mas numa praia, numa situação em que o meu irmão com os seus 4 anitos foi engolido pelo mar, um mar completamente revolto (e eu que sempre tive pavor do mar assim) entrei na água no mesmo instante que o vi desaparecer.
      Sei que a minha mãe fez o mesmo apesar de não saber nadar.

      Acho que todos sobrevivemos naquele dia por um milagre. Mas eu não teria entrado no mar por um cão, isso eu tenho a certeza.

      Eliminar
    8. Anónimo das 00:49, eu entraria pelo meu cão e gostava que ao dizer isto as pessoas não pensassem que não o faria por uma pessoa, porque faria. E se tivesse que escolher entre um cão e uma pessoa, salvaria a pessoa, mesmo não a conhecendo de lado nenhum. O que me apoquenta nestas discussões é que os que gostam de animais são, na sua maioria apelidados de maluquinhos e considerados como alguém que não gosta de pessoas. Não enfiando eu a carapuça, chateia-me, porque posso ser considerada uma maluquinha (palavra de outros e não minha) que os salva, protege, que tem feito trabalho voluntário com eles, como o tem feito com pessoas. POrquer há quem adore animais, mas adore também pessoas.

      Eliminar
  25. Pipocante Irrelevante Delirante24 de junho de 2016 às 01:49

    A próxima vez que vir alguém em perigo não me vou esquecer de priorizar o valor de cada vida.
    Para mim, a minha vale mais que a de um desconhecido, por isso, que se...

    ResponderEliminar
  26. O que me choca é o exagero em tudo! Ha aqueles que adoram e defendem os animais mas depois vao de ferias e os deixam amarrados a um poste numa estrada qualquer..E depois ha aqueles que acham q as pessoas n se comparam com os animais mas passam a vida a "entalarem" os outros...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos comentários o que não falta aqui são pessoas a afirmar que salvariam primeiro os seus animais antes de outras pessoas. Isto é muito normal, certo?
      É que eu não acho mesmo nada normal..

      Eliminar
    2. Anda aqui um maluquinho dos animais. Um daqueles que me fazem revirar os olhos. Deixou aqui alguns vinte comentários.

      Eliminar
  27. Por acaso, eu também acho que quem não gosta de animais, provavelmente também não gosta de pessoas e definitivamente não é boa pessoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só por acaso, claro. Olhe e de baratas? Podemos não gostar de baratas? E matá-las derivado daquilo nos meter um nojo enorme?

      Eliminar
    2. Eu tenho para mim que pessoas como a dita que afirmam piamente que encharcavam os filhos com medicamentos por causa dos animais não gostam de pessoas.
      Uma coisa é gostar-se de animais, outra é desrespeitar completamente a saúde de uma pessoa ou tratar outras pessoas como completamente descartáveis só porque estes não amam os nossos animais.
      Há ali uma pessoa que diz não amar os animais do companheiro mas diz que os trata bem, diz que cuida deles, etc simplesmente não gosta dele e a primeira resposta que recebe é que deveria ser descartada pelo companheiro.
      Mas depois se algum ser humano descarta um animal é o fim do mundo.
      Sou só eu que acho esta lógica muito hipócrita? É colocarem a vida dos animais muito acima da vida dos humanos.


      Já diria a Filipa, nessa sua lista entram as Osgas, as lesmas, as aranhas, as tarântulas, as baratas, as cobras, os lagartos? Ou será que só entram os animais fofinhos?

      E, já agora, não sei onde leu isso de não gostar de animais mas não os tratar como pessoas, colocá-los acima do bem estar de tudo e de todos não é o mesmo que não gostar deles (volto a indicar a lista de cima para perceber se haverá para si também animais de 1ª e de 2ª).

      Eliminar
    3. Por acaso há, mosquitos, varejeiras, baratas e assim insetos em geral não me tocam o coração. O que quer, processe-me.

      Eliminar
    4. Veja lá se não quer ser vista como essas pessoas horríveis que não gostam de animais.
      Afinal entra realmente na lista, não é? Ou haverá uma lista predefinida de animais que temos de venerar e daqueles que podemos odiar para sermos considerados boas pessoas?
      Tipo quem não gosta de cães e gatos são más pessoas, seguindo-se um quem tem animais como ratazanas ou cobras como bichos de estimação são nojentos?

      E as moscas?! Então mas...animais tão queridos, voam e tudo...

      Eliminar
  28. Embora seja inquestionável que do ponto de vista ético qualquer vida humana é sempre mais valiosa, estou desconfiada que a maior parte das pessoas, se tivesse que escolher entre salvar o seu carro ou um ser humano, escolheria salvar o seu rico carrinho, quanto mais o bicho lá de casa...
    (Em relação à questão dos animais, tenho constatado demasiadas vezes que os mais acérrimos defensores da boa índole natural dos animais não têm nenhum de estimação. Os que os têm costumam ser muito mais moderados...

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.