terça-feira, 31 de maio de 2016

Há muito tempo que não me acontecia

Ficar com uma imensa cara de parva, a olhar para alguém, sem qualquer capacidade de resposta, enquanto puxava da carteira para retirar o dinheiro que me estavam a cobrar, por uma boleia não solicitada, e pensava que a falta de berço pode ser uma coisa tão má como qualquer doença.

Caramba, o mínimo, depois de lhe ter perguntado "quanto é que precisas", sem sequer olhar para o papel que o tipo me estendia, era ter-lhe cobrado o dinheiro das empadinhas que suas excelências enfardaram, é que ainda me comeram nove euros em empadas, senhores!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Eu também já fui assim

Cheia de certezas sobre educação. Que as crianças precisam de desenvolver a autonomia, que não fazem mais que a sua obrigação quando tiram boas notas, que têm de se organizar sozinhos, que os pais não devem fazer mais que responder às suas dúvidas, que temos é de os ensinar a pensar cabendo-lhes a eles solucionar os problemas, que é impensável recompensar uma boa nota materialmente, que não fazem mais que a sua obrigação quando tiram boas notas, não sei se já disse.

E na teoria contínuo a concordar com tudo, é verdade que a única coisa que exijo aos meus filhos é que ponham o melhor deles naquilo que fazem, que lhes dou todas as condições para que sejam excelentes alunos, que acho que têm de ser autónomos e que lhes passo a mensagem de que todos temos um trabalho, ir à escola e obter bons resultados é o deles. Isto é fácil, tremendamente fácil, quando se tem um filho que desde sempre obteve resultados entre os 90 e os 100%. Torna-se demasiado fácil comentar com os outros pais, os que se queixam de terem de estudar com os filhos, que aquilo é a obrigação deles (miúdos), dizendo em tom condescendente que é preciso as crianças desenvolverem a autonomia, que Deus me livre de passar horas à frente dos livros a estudar com os meninos, que eles têm mais é de aprender sozinhos, quando muito com alguma orientação, que se os outros conseguem eles também.

E depois? Bom, depois Deus Nosso Senhor pôs-me frente a frente com uma filha insegura, que pura e simplesmente congelava à frente da matemática, dizia não sou capaz, completamente em pânico e de lágrimas nos olhos. E eu estudei com ela, expliquei vezes e vezes sem conta os mesmos raciocínios, procurei métodos alternativos para a ensinar a pensar (obrigada método moderno), inscrevi-a num desporto de competição para que percebesse que com muito esforço tudo se alcança. Tudo horas roubadas a mim própria.

Se eu podia tê-la deixado entregue a si própria, continuando com as máximas sobre independência e autonomia? Se podia tê-la deixado continuar com notas de 50% ao invés dos 85% actuais? Pois podia, mas decidi que não, apesar de isso significar que hoje em dia (ainda) anseio pelas férias escolares tanto quanto eles.

Eu também já fui assim, não sei se já disse, tonta e arrogante.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Estou para aqui meio dividida, não sei de pule de contentamento ou se deite as mãos à cabeça de preocupação

As férias estão prestes a começar, mais duas semanas de aulas e eu posso largar os livros de História, Ciências, Português e Matemática. Eu até gosto bastante de História, até achei engraçado relembrar acontecimentos passados, havia datas que já se me haviam varrido, a Matemática também é muito engraçada, já não me lembrava como é que se calculavam ângulos, mas Ciências, senhores!... Em verdade vos digo que não percebo como é que gostava daquela porcaria, estou fartinha de filos, chaves dicotómicas, exoesqueletos e o raio que os parta a todos.
E se por um lado é tremendamente entusiasmante, a ideia de poder estar três abençoados meses sem estudar, por outro fico para aqui a pensar que raio vou eu fazer aos miúdos durante três meses, uma pessoa precisa de trabalhar não faço ideia que hei-de fazer aos emplastros meus ricos filhos durante três longos e enormes meses.
Alguém que avise o ministério de educação que as férias dos adultos só duram um mês, por gentileza.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Que estás a fazer, Picante?


Já não tenho idade para isto, é o que é...

Vocês não sei

Mas eu, cada vez que mini Picantes faziam uma coisa mesmo nojenta, do tipo brincar com a água da retrete, comer do caixote do lixo ou cheirar o rabo ao cão, primeiro ia a correr registar o momento para o blog, só depois é que os afastava e dizia que não, que aquilo não se fazia, que era uma grande porcaria e poderiam apanhar doenças. Afinal há que priorizar, não é verdade?

Outra vez o post das sete

Não querias mais nada, pois não Xaxia? A paciência é uma virtude...

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Post das sete horas

O tipo que conduzia um mercedes uns três furos acima do meu começou por fazer sinais de luzes, incomodado com a minha velocidade de cinquenta e dois e meio kms / hora. Pelo espelho vi-o tentar meter-se à esquerda, mas a fila de automóveis que passavam ao dobro da velocidade era compacta, nós íamos devagar demais para que ele mudasse de faixa sem provocar um acidente. Vi-o aborrecer-se e passar das luzes à buzinadela e da buzinadela ao encosto ostensivo à traseira do meu automóvel.
Quando o rapaz, também ele já impaciente, me perguntou por que razão não andava eu mais depressa, que estava a dar cabo do trânsito em geral e do sujeito que se deslocava no mercedes uns três furos acima do meu, em particular, respondi-lhe que a polícia costumava estar ali, do lado direito. Ali mesmo, disse eu, ali onde está aquele automóvel azul com as janelas abertas e dois senhores lá dentro. Disse isto ao mesmo tempo que o tipo que conduzia um mercedes três furos acima do meu me ultrapassava, para aí ao dobro da velocidade a que eu seguia, que era de cinquenta e dois e meio kms por hora, não sei se já disse.
Deve ter pago alguns trezentos euros de multa.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Pequenas grandes coisas

O rapaz, de alva vestida, a reafirmar, no meio de um coro de vozes extremamente juvenis, "Creio em um só Deus Pai todo-poderoso, criador do céu e na terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis..."

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Picante também tem uma palavra a dizer sobre aquilo da Mais Doce e da Rita Pereira

Aquilo não era um vestido, era um despido. Vocês não sei, mas eu cá não conheço despidos que não  sejam a puxar o ordinareco.

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Uma no cravo...

O PSD deve estar a alucinar, sabe Deus que eu estou a pontos de achar as amebas com mais sentido lógico que o geniozinho que puseram lá na (des)educação, mas algum dos sociais democratas me haveria de explicar, muito bem explicadinho, por que razão é que faz sentido manter protocolos com colégios privados quando as escolas públicas limítrofes têm capacidade excedentária. A sério. Expliquem-me como se eu tivesse 5 anos. Por favor?

Do último ponto de honra da esquerda bloquista

Barrigas de aluguer? Ou, como gostam de lhes chamar, gestação de substituição? Caramba, é um rotundo não.
E não me venham com merdas, não acredito, nem por um bocadinho, que uma mulher tenha um filho, nove meses na barriga, e consiga não se sentir mãe da criança. A maior parte das mulheres, vá... que também há aquelas que matam ou maltratam os filhos.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Das coisas a que não resisto

Tive 92% no teste para a carreira diplomática. Errei sete perguntas. Sete perguntas a que sei agora as respostas. Duvido que me seja útil, esta sabedoria recentemente adquirida, mas sempre ouvi dizer que "o saber" não ocupa lugar.
E é isto, achei que gostassem de saber. 

Se gostarem destas coisas é ir aqui.

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Devo estar a ficar mole, isto já não é o que era

Já lá vão os tempos em que não perderia a oportunidade de fazer um post tremendamente condescendente e moderadamente irónico, caso desse com os olhos num qualquer post em que alguém se assumisse como burro pessoa pouco esperta. Mas acontece que não tenho vagar e me falta a vontade.
Tenham um excelente fim de semana, pessoas!

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Picante pede ajuda aos seus leitores

Aqueles sites que agora invadem o FB, com Stan Smith, NB, Flux, Super Star e nem sei mais o quê, a 40€, vendem ténis verdadeiros ou aquilo é contrafacção? É que nas fotografias parecem mesmo verdadeiros, fiquei na dúvida se se vão abastecer a outlets ou se é apenas candonga da boa. Alguém já encomendou? Contem-me tudo...

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Picante sugere às educadoras presentes para o dia das (algumas) mães

Era porem as criancinhas a fazer um Zé Povinho em argila, eventualmente um boneco das Caldas para oferecer a todas as mães que se aborrecem muito com as prendas pouco bonitas que as suas crianças fazem na escola...

(Mas que sei eu? A mim nunca me passaria pela cabeça emoldurar uns riscos na parede, limito-me a ter umas estrelas duvidosas na árvore de Natal, umas molduras de material reciclado com uns dizeres de "crida" mãe, na estante, e outras coisas igualmente feias e sem qualquer préstimo, a não ser lembrar-me a carinha de felicidade e puro amor com que foram oferecidas)