terça-feira, 1 de março de 2016

Portugal dos Pequeninos

A celeuma sobre o livro de Henrique Raposo, parece que lá pelos lados das azinheiras o querem calar à força, já se fartou de ser injuriado nas redes sociais e tudo.
A prepotência de João Soares, realmente filho de peixe sabe nadar, a educação é uma cena que não assiste àquela família.
O McDonalds que tem com medo de discriminar ou ferir os sentimentos, ou nem percebo muito bem o quê, dos meninos e meninas de cinco ou seis anos e que vai abolir os brinquedos menino / menina que dá nos happy meal, passa tudo a ser unissexo.

Estou farta dos Portugueses. Ok... De alguns Portugueses.

32 comentários:

  1. O livro de Henrique Raposo parece-me bastante interessante.

    Picante, neste caso o mal não é só de alguns portugueses é de muitas nacionalidades. Está disseminada esta parvoíce de se ir atrás uns dos outros. Os guerreiros do teclado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Os guerreiros do teclado"... :DDDDD

      Eliminar
    2. Também me pareceu bem interessante, eu sou suspeita, gosto muito dele.

      Eliminar
    3. que espanto... o rebanho dos fachos.

      Eliminar
  2. Pipocante Irrelevante Delirante1 de março de 2016 às 16:35

    As coisas que um gajo aprende em vindo aos blogues.

    (Soares nunca desilude... pai, filho, sobrinho, o que for)

    ResponderEliminar
  3. Querida Picante, eu também estou que não posso com o que por aí se vai passando...

    ResponderEliminar
  4. Eu acho mesmo que a divisão entre brinquedos de menina e de menino é um disparate. Sim, ninguém proíbe que um menino peça o brinquedo de menina, mas sabemos como as coisas são na prática. Não é aceitável que um rapazinho não possa ter, se quiser, Nenucos e bonecas (e pela experiência que tenho com crianças, ambos os géneros gostam de todos os brinquedos, exceto os que já têm as cabecitas muito formatadas). Filho meu há-de ter carrinhos, bonecas e brinquedos didáticos, seja menino ou menina :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é aceitável?
      Olhe, o meu brincou com casinhas, bonacas, bolas e carros. Sempre lhe dei liberdade de escolha, o contrário é que seria discriminação.

      Eliminar
    2. Ainda bem, Picante. Mas bem sabe que nem sempre é dada essa liberdade, e passarmos a ver os brinquedos como coisas para brincar e não "de menino" ou "de menina" é um passo significativo.

      Eliminar
    3. O meu pequeno brinca com o que quer, tem bonecas (que eram minhas), nenucos... por acaso prefere carros e tractores! Mas de vez em quando também pega nas bonecas, nunca lhas escondi, até fiz questão de lhas colocar no cesto com todos os brinquedos. Já pegou em barbies, nunca lhas tirei. E se for ao Mac com ele pergunto-lhe que brinquedo prefere, se ele quiser o de menina, peço esse sem qualquer drama. Acho a mais perfeita idiotice retirar-se essa distinção.

      No meu tempo de miúda se brincasse como um menino (jogar bola, subir árvores) era apelidada de Maria-rapaz, muitas foram assim apelidadas, cresceram sem dramas e não menos mulheres!!

      Eu acho que hoje em dia as pessoas gostam de inventar problemas onde eles não existem, não sei se para chamar a atenção. Complica-se tudo!

      Eliminar
    4. E o que impedia um pai/mãe de menina de escolher o brinquedo de menino, ou vice-versa? Quer ver que os senhores do MacDonald's recusavam?
      Realmente não deve haver mais nada importante a mudar neste país.

      Eliminar
    5. Anónimos, todos sabemos que um menino podia pedir o brinquedo de menina e vice-versa. A questão é que não há brinquedos de menina ou de menino, há brinquedos. Onde está a complicação, mesmo? Aliás, a medida da McDonald's só veio simplificar.

      Eliminar
    6. O McDonalds é aquele veneno que todos nós concedemos aos nossos miúdos de vez em quando. À dias a senhora perguntou-me "quer os ninjas ou os póneis" (ou algo do género) pareceu-me uma boa forma de perguntar. Não me perguntou menino ou menina... se o meu filho preferisse póneis levava um pónei. Da mesma forma que tem uma cozinha de brincar e não é menos homem por isso...aliás o pai dele cozinha e eu garanto que é uma característica bem apreciada por mim ;)

      Eliminar
    7. E eu não vejo mal nenhum em chamar-lhes brinquedos de menina ou menino, assim como não vejo mal existirem WC masculinos e femininos. A maldade que vocês vêem, está na vossa cabecinha. Senão eu começo também a exigir poder ir ao WC dos homens, porque me apetece e acho discriminatório não poder lá entrar e começo a exigir que os WC deiam para entrar tudo à molhada, só porque acho discriminatório eu não poder entrar no WC dos homens! Vêem, se me apetecer chamar chamar a atenção para merdas sem interesse nenhum, também chamo!! Para mim é disto que se trata, estupidez e falta do que fazer. Simples!

      A sra. perguntou-lhe se queria poneis ou ninjas, muito bem, e se tivesse perguntado se queria o brinquedo de menina ou menino? Só porque até lhe saiu assim a pergunta, qual era o drama. Se eu tivesse com o meu filho e ele quisesse os poneis eu dizia "o de menina" e depois fava-lhe o brinquedo... Não vejo drama nenhum, nem complicação. Mas se calhar devo ser eu que sou demasiado prática!

      Eliminar
    8. Não lhe chamaria prática anónima, chamaria-lhe outra coisa.

      A questão dos wcs parece-me muito descabida e não me parece ter nada a ver com o facto de considerar póneis um brinquedo de menina. O que é um brinquedo de menina? E o que é um brinquedo de menino? E porque é que lhe chamamos brinquedos de menino/menina?
      Porque é que as cozinhas, as pás, as bonecas são brinquedos de menina e os carros são brinquedos de menino?
      Pode achar-se prática, eu considero-a outra coisa. E não pretendo continuar a educar uma geração para a discriminação de sexos.

      Em relação ao wc em sua casa tem wc para sexos diferentes? Eu não tenho. Em casa dos meus amigos também partilho o mesmo wc, veja bem que até no hospital onde trabalho os wcs de serviço são unisexo. Nunca tivemos problemas com isso.

      Para mim dizer o que diz é o equivalente a ver senhoras muito felizes por os maridos "ajudarem" em casa. Como se a obrigação de limpar, arrumar, cuidar dos filhos, etc fosse delas e eles fossem uns grandes heróis por mexerem o rabo em casa.

      Ps: "deiam" é giro... um dia destes fazemos um abaixo assinado para colocar no dicionário.

      Eliminar
  5. É sair da zona de conforto, picante, é sair....

    ResponderEliminar
  6. Quando ao assunto do CCB, bom, quando um lugar é de confiança política, a primeiríssima coisa a fazer-se é colocar o lugar à disposição. É um facto, e "contra factos não há argumentos". Mas as lapas ficam ali tão bem coladas, que é uma coisa inexplicável. Pensei que fosses tu uma daquelas que dizem que os empregos não são para sempre... Não sei porque te sentes tão ofendida.
    Quanto ao HR, é mais do mesmo, nem vale a pena gastar teclado.
    McDonalds, já era tempo! Por tudo e mais alguma coisa que vem escrito nos livros e já se sabe há muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha que engraçado... E o chinfrim que foi quando o outro, agora falha-se-me o nome, não foi reconduzido? E estamos a falar de uma recondução, não estamos a falar de uma demissão. Tenha dó. Por muito incompetente que o homem fosse, e ao que li não é, fez um excelente trabalho em Sintra, tinha igualmente um excelente projecto para Belém, não é na praça pública, sob ameaça e achincalhamento que se despede quem quer que seja. Não há qualquer desculpa para a ordinarice e prepotência de João Soares.

      Eliminar
    2. Da família Soares não se espera outra coisa...
      Cambada de chupistas!!!

      Eliminar
  7. Que texto tão mal escrito...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou dedicar-lhe uma frase imensamente bem escrita:
      À merda, mas é. Toca a desamparar a loja que hoje acordei virada e sem vagar para donas Marias.

      Eliminar
    2. Hahahahahahah as donas Marias são todas aquelas que não prestam vassalagem. Picante mais vale trocar ideias com a sua família mais próxima. Acalma-lhe os nervos :)

      Eliminar
    3. Não. São só as idiotas que nem argumentar sabem, chegam aqui e dizem a primeira merda que lhes vem à cabeça.Invariavelmente são poucochinhas e mal educadas.

      Eliminar
    4. Cada um escreve o que entende, quem não quer ou não concorda não lê e muito menos responde em anónimo. Eu por acaso gostei do que escreveste e concordo, não gosto da familia Soares. Caso até gostasse e não concordasse com o que escreveste vinha aqui dar a minha opinião, com o meu nome é claro. Agora anónimos?? que falta...
      Mas não te enerves, escreve mais :)

      Eliminar
    5. eu sou a anónima das 14.45 e venho responder só agora porque já me tinha esquecido de si ehehehe....veja lá isto melhor:
      "O McDonalds que tem com medo de discriminar ou ferir os sentimentos"...
      Não percebi patavina, juro.

      Eliminar
  8. ...dos pequeninos, e com blogues à medida...

    ResponderEliminar
  9. Isto desde as eleições (aquelas em que nosso voto não serviu para nada) tem vindo a piorar. Começo a sentir-me envergonhada!

    ResponderEliminar
  10. Estou a viver no Brasil, o que se passa no MacDonald´s é só o principio de algo muito assustador que aí vem: ideologia de gênero. Ou seja, vai deixar de haver masculino e feminino. Cada um é o que quer. Vai deixar de existir aluno ou aluna e passar a ser alunx.
    Aqui já se fala muito nisso. E estão a tentar implementar essa ideologia nas escolas públicas. Isto mete-me tanto medo....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é que @ assusta, ao certo?

      Eliminar
    2. Ridículo. Parece que há quem não entenda que o problema não é a especificação do género. O problema é a diferenciação social que se faz com base nessa definição, que até é biológica.

      Eliminar
    3. Não percebo, o que é que é assustador nisso?
      O género é construído ao longo das nossas vidas, nós nascemos com um sexo, não com um género...

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.