quinta-feira, 31 de março de 2016

E eis que na Alemanha aparecem comboios com carruagens destinadas exclusivamente a mulheres

Estou convencida, e oxalá esteja errada, de que os direitos das mulheres ocidentais serão inferiores, daqui a meia dúzia de anos, àquilo que eram nos anos setenta.
E nem quero pensar no que acontecerá aos homossexuais, no dia em que um grupo destes selvagens imbecis achar que é ofensivo andarem de mão dada na rua, por exemplo.
É para nossa protecção, dizem eles, assumindo que não conseguem controlar um bando de selvagens para quem a mulher ocidental não passa de uma reles prostituta, por andar de pernas ao léu no meio da rua, cabelo descoberto, em óbvia provocação ao viril macho.
Caramba, no dia em que me disserem que me devo enfiar numa carruagem só de mulheres, para minha protecção, esse será o dia em que me estarão a privar dos meus direitos fundamentais à liberdade. E será também o dia em que correrei ao pontapé quem tiver a ousadia de me dizer tamanha alarvidade.
Onde está a esquerda agora, pergunto eu? Sempre tão preocupada em defender os direitos das mulheres e minorias? Por que razão não gritam agora bem alto e não dizem que isto é um ultraje?

quarta-feira, 30 de março de 2016

Eu nasci para vos mostrar a luz

Caramba, Ministro. Achei que soubesse. Elas gostam que lhes abram as portas e as deixem passar, que digam que pagam a conta, que lhes falem de livros difíceis e de músicas eruditas, que lhes mostrem restaurantes finos em sítios longe daqui, e em sítios perto também, gostam que as conduzam na dança e de danças em locais inóspitos. Se tiver um cão, tanto melhor. Gostam de surpresas românticas, daquelas em que o galã lhes diz para ir ter ao aeroporto sem se preocuparem com a mala.
E pare de falar calão, elas não gostam de tantas asneiras. Pode dizer uma, de quando em vez, desde que venha a propósito e as faça rir. Elas gostam de quem as faz rir e deixa no ar a ideia de que está intelectualmente um degrau acima delas, é aquilo de jogar uma liga acima. 
Se morar em Oeiras, fale de Cascais. Caso tenha nascido no Concelho da Amadora, conte-lhes os encantos das casas senhoriais da vila de Sintra.
Arranje expressões que sejam só suas, diga que as coisas são como são, por exemplo. 
Ah! E nunca se esqueça. Deve sempre mostrar-se inacessível. Sempre. Por mais desesperado que possa estar. Toda a gente sabe que não há homens interessantes disponíveis, veja lá bem o Ministro que até há quem pergunte pela internet onde é que se podem conhecer homens interessantes.
Vá em paz, e que o Senhor o acompanhe.

terça-feira, 29 de março de 2016

Não percebo nada disto

A Catarina Martins, que tanto berrou antes de Luaty ter sido efectivamente condenado, agora que o foi nem pia.
Assim como o Jerónimo.
E como os tipos do PS.
Alguém, com uma ideologia mais à esquerda que a minha será capaz de me explicar os motivos intrínsecos à coisa? É que eu não percebo nada disto, não sei se já disse.

I just love the irony

Anda para ali uma mulher há tanto tempo a fazer publicidade aos Açores, coroa-se embaixatriz ou lá o que é, e vai-se a ver e os malandros dos tipos do turismo lá dos Açores oferecem a viagem mas é à outra.
Que injustiça, senhores!...

segunda-feira, 28 de março de 2016

Pipoco faz uma censura velada ao Vaticano, por não ter acolhido refugiados, e Picante pergunta

Como será que Pipoco, O Salgado, esperaria que eles fossem integrados, depois de acolhidos no Estado do Vaticano? Será que poderiam ser Cardeais? Arcebispos? Membros da Guarda Suíça? Talvez Camerlengos?
Dúvidas. É isto a minha vida.

quinta-feira, 24 de março de 2016

Avulsos

Cada vez tenho menos tempo para isto dos blogs. Logo agora que até estava a pensar em encher Spicy kids de lama e pedir um patrocínio a um Spa, é que umas massagens vinham mesmo a calhar.
Parece-me menor, o impacto nas pessoas dos actos terroristas, menos tempo de antena, menor reacção nas redes sociais, menor choque enfim, afinal já vimos NY, Londres, Madrid ou Paris, isto falando só de locais que nos falam mais ao coração. Não quero viver num mundo onde nos habituamos a que energúmenos se explodem ao lado de quem tiver a má sorte de estar no local errado, a nefasta hora.
O rapaz quer andar de metro sozinho. Acho que vai continuar a ir para a escola de automóvel.
Parece que o Pipoco desistiu disto dos blogs. É uma pena, o tipo sabe escrever e tinha piada, eram uns jogos de ténis engraçados.
Por estes dias, a minha menina tornou a competir. Uma queda no mortal roubou-lhe um lugar no pódio. Tive de lhe secar as lágrimas, de a abraçar com força, estava inconsolável, nem o saber que ficou em quarto lugar, apenas a uma décima do terceiro a animou. Lá se decidiu a sorrir quando viu as notas da escola, ela é a prova provada que com muito trabalho e esforço tudo se consegue. Enche-me de orgulho, a minha menina.
Eu não percebo nada de segurança mas ouço dizer que os terroristas estavam referenciados, que os serviços secretos sabem onde eles se reúnem e o diabo a quatro. Não consigo compreender como é que continua a entrar na Europa gente que foi passar uma temporada à Síria, por que raio é que não fecham as mesquitas sinalizadas como extremistas e porque caralho é que não autorizam escutas a esta gente ou não retiram nacionalidade a extremistas radicais. Se as liberdades individuais tiverem de ser sacrificadas em prol da segurança, seja. Eu gostava de poder mandar os meus filhos para um Erasmos sem morrer três vezes de cada vez que ligasse a televisão ou o rádio.
Parece que há por aí um blog novo, um tal de Ministro. Há quem jure que aquilo é o Salgado ressuscitado. A julgar pelo que li, acho é tão competente nisso quanto o Tiago Brandão, lá naquilo da educação. Ainda assim tem valor, qualquer tipo que aguente uma Maria Alice terá todo o meu respeito.
O imbecil do Miguel Tiago relacionou os actos terroristas com os desaires sociais provocados pelas politicas de direita, fascistas, com toda a certeza, é que só faltou dizer. Anseio pelo dia em que esta gente de esquerda abra a boca sem ser para comer ou debitar alarvidades mas talvez seja melhor esperar sentada.
Já é quase fim de semana. Outra vez. O tempo passa cada dia mais depressa e eu cada vez vejo pior. Isto anda tudo ligado.

sexta-feira, 18 de março de 2016

No fim de semana passado

Vi uma menina de sete anos chorar convulsivamente pela mãe. Vi essa menina ser consolada por outra menina de doze anos, sua irmã. Vi os melhores amigos da menina de doze anos consolá-la e abraçá-la. Vi esses melhores amigos desmancharem-se e serem consolados pelos seus próprios pais. Vi pais que não conseguiram, eles próprios, conter as lágrimas porque dificilmente me lembro de ter presenciado um acontecimento tão pesado e triste. Tive de autorizar o meu filho a entrar num cemitério porque ele não colocou sequer a hipótese de não acompanhar a amiga. Vi uma miúda perfeitamente revoltada e o coração apertou-se-me ainda mais um bocadinho. Pensei várias vezes que a vida era mesmo injusta, que às vezes Deus despeja-nos verdadeiros baldes de trampa pela cabeça abaixo, que gostava de ter muito mais fé e confortar-me plenamente com aquilo de Santo Agostinho "se me amas não chores" que acho tão, mas tão bonito, e ainda assim me parece insuficiente.
Mas depois vim à bloga e pensei que estava a ser tonta, afinal todos tínhamos os dois joelhos inteiros e a vida continuava, igualzinha para toda a gente, que isto uma pessoa morre e no dia seguinte o sol levanta-se igual, afinal tomorrow is another day, podemos ir correr maratonas se quisermos. Só que não queremos. Mas gostávamos que todos os problemas que nos fazem chorar e precisar de colo fossem ninharias, lá isso gostávamos.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Coisas novas

Pôr de parte os saltos, ir trabalhar de sabrinas, redescobrir o prazer de andar, aventurar-me no metro.

É a economia, estúpidos!

O Manel Caldeira Cabral é um tipo inteligente, é que não tenho a menor dúvida, a comprová-lo tenho na memória centenas de conversas e acesas discussões. Que percebe muito mais de economia que eu também é uma certeza, ou não tivesse ele toda uma carreira construída apenas a ler livros e ensinar jovens, nesse particular.
São estas duas certezas, a de que ele é um tipo inteligente e sabe de economia, que me deixam perfeitamente perplexa com aquilo de ele pedir aos Portugueses que não abasteçam em Espanha. Mas será que ele se esqueceu que um dos princípios básicos da economia é a lei da oferta e da procura? Que tudo, mas tudo na vida, tem um custo de oportunidade?
Fica-me a desconfiança de que, em entrando para um governo, as pessoas perdem inteligência e senso comum mas, em contrapartida, ganham um sentido de humor perfeitamente distorcido. É que não encontro outra explicação.

quarta-feira, 16 de março de 2016

terça-feira, 15 de março de 2016

Do assédio verbal

Será que desta vez a Luna se aborreceu a sério e não volta? Espero que não. As feministas fazem-nos falta e não tenho a menor paciência para as capazes.

(além do que me daria um trabalhão tornar a mexer ali, na coluna da direita...)

segunda-feira, 14 de março de 2016

São opiniões, Senhores, são opiniões!

Também não é publicidade, pois não?

info@erc.pt

É o mail da entidade reguladora para a comunicação social, caso se tenham esquecido...

Ainda disso da publicidade

E depois a pessoa cruza-se com este post e pensa que sim senhores, que ali está uma opinião sincera, que aquilo é a autora do blog a pensar no bem das suas póneis leitoras, um post tremendamente desinteressado, ou não estivesse ele num blog profissional que vive de publicidade. Afinal a autora deu-se ao trabalho de ir procurar fotografias da gama, preços, informação técnica, gosto especialmente do cheirinho bom, tudo isto a troco de nada, que maravilha senhores!
Ainda por cima, dado que todooooossss os posts publicitários estão assinalados, ao contrário deste, a pessoa fica convencida que isto é mesmo sincero, não é verdade? É essa a ideia, não é? Eu também ficaria, não fora ter lá deixado um comentário em que perguntava se aquilo era publicidade, comentário esse que não chegou a ver a luz do dia. Nem percebo porquê, fui muito bem educada, pedi desculpa caso estivesse a julgar mal a coisa e tudo... Mas esqueci-me de agradecer, talvez não tenha sido publicado porque me esqueci de agradecer o esclarecimento, antecipadamente. Foi isso de certeza...

info@erc.pt

É o mail da entidade reguladora para a comunicação social. Pensei que talvez gostassem de saber...

sexta-feira, 11 de março de 2016

Ontem

Abracei uma menina de doze anos, ela fez-se adulta e agradeceu-me o apoio. Não sei o que doeu mais, se os agradecimentos daquela menina que cresceu à força antes do tempo, se ter visto os seus melhores amigos a consolá-la e abraçá-la. Ontem não foi um bom dia.

quarta-feira, 9 de março de 2016

Uma pessoa fica com o nervoso, é claro que fica

Pais que projectam nos filhos aquilo que gostariam de ter sido mas nunca conseguiram, por boas ou más razões.

Caramba, há lá uma miúda, na ginástica, que passou para a elite, deu-se o caso de a miúda não ter aguentado a pressão, andava triste que dava dó, sempre com dores de cabeça ou barriga, tudo lhe servia de desculpa para não treinar, morria de medo do treinador, a miúda dava dó, não sei se já disse. Um dia meti o nariz em assuntos alheios, disse aos pais que talvez fosse melhor passá-la para uma classe ligeiramente menos exigente, que tinha apanhado a criança a chorar, com dores de barriga e medo de as participar ao treinador, que eles vissem lá isso porque a miúda não andava feliz.
Disseram-me que sim, que tinha muita razão, mas que a Matilde estava a evoluir que era uma maravilha, que lhes tinha sido participado que aquilo era material para levar à Europa. Apesar disso, da Europa, lá o pai se decidiu a mudar a criança de classe, derivado dela lhe ter dito que queria largar a ginástica, e se a miúda gosta de ginástica.
Encurtando a história, a Matilde passou para uma classe ligeiramente menos avançada e voltou a sorrir. Há uns dias atrasado cruzei-me com o pai, ambos à espera das meninas, quando lhe pergunto se também desce responde-me que não, tem de falar com o treinador, quer saber quais os planos que o ginásio tem para a Matilde, que ela regrediu imenso, se não voltar já para a elite nunca mais apanha as outras, que assim a tira da ginástica, parecendo que não aquilo ocupa-a umas três horas por dia e é tempo que rouba aos estudos.
Lembrei-me que em tempos também perguntei ao meu chefe quais eram os planos que a empresa tinha para mim, não tinha era dez anos, e desejei-lhe um bom fim de semana.

terça-feira, 8 de março de 2016

Até se me dão os nervos

Adultos que dizem "top" e "cheio de pinta".

Dúvidas, é isto a minha vida

O Pau não sei quê é omnipresente? Ou será que se dá o caso de estar presente em todas as reuniões informais derivado de ser intimo de todas as It Bloggers? Ou será que elas agora andam sempre de fotógrafo atrás, não vá dar-se o caso de aparecer uma situação "blogável"?

segunda-feira, 7 de março de 2016

Em verdade vos digo

Receber produtos de uma marca para depois falar deles no blog é um pagamento tão válido como qualquer transferência bancária. É publicidade que deveria ser assinalada, de acordo com a lei. E é isto, não há muito mais a dizer sobre a coisa.

quinta-feira, 3 de março de 2016

Outros tempos

O tio Tó, tio António como passou a exigir ser tratado, desde que saiu da Damaia para desposar a tia Pepa da Quinta da Marinha, era muito querido entre amigos e família. Todos o respeitavam, era um tipo inteligente e mordaz, um espírito vivo que fazia gargalhar a mesa inteira, mas sempre com uma palavra gentil para com os mais tristes e fragilizados. Derivado disso, da graça do tio Tó, perdão, António, família e amigos aceitavam-lhe bem o moralismo excessivo, este tio tinha sempre uma palavra a dizer sobre os actos alheios, lá ia criticando os restantes comensais, a maior parte das vezes com graça, não perdoava quem não estava bem dentro dos seus elevados padrões morais. Oh! E que elevados padrões morais tinha o tio Tó, perdão, António. Aquilo era um nunca mais acabar de exigências, ora dizia aos filhos, o Tomás e a Pureza, que haveriam de tratar os outros sem a mordacidade com que ele próprio tratava toda a gente, ora oferecia livros técnicos à pobre Francisca, coitadinha da prima Francisca, o tio achava-a um nadinha ignorante e não se coibia de partilhar ostensivamente a sua própria sabedoria com ela, ora falava, emocionado, das óperas a que fazia questão de assistir desde que a senhora sua sogra, a senhora dona Maria Prudência, o tinha inserido cá nestas coisas de gente culta, enquanto admoestava subtilmente os que preferiam teatro... Não era fácil agradar ao tio Tó, perdão, António. 
Mas, dado que o tio Tó, perdão, António, tinha piada, ainda por cima dava o braço às primas mais velhinhas, deixava passar as senhoras à frente e abria sempre as portas, toda a gente lhe ia aceitando os reparos com maior ou menor serenidade.
Só a tia Pepa parecia corresponder a tamanha exigência, sempre muito serena e sorridente, pequenina e magrinha, tinha sempre a palavra certa na ponta da língua. E era um gosto ver a maneira amorosa como o tio ainda a olhava, ao fim de tantos anos. "A tia Pepa?" dizia ele, "Já não há mulheres assim, eu tive muita sorte, ela é muito melhor que eu, é ela quem mantém unida esta família, não sei o que fiz para merecer uma mulher tão bonita".
E os anos foram passando, o Tomás e a Pureza foram crescendo, tornaram-se uns jovens encantadores, sob a influência do pai, as reuniões de família foram acontecendo, sempre sob os gracejos condescendentes e moralistas do tio Tó, perdão, António, até que um dia, num dos serões, enquanto o Tomás procurava qualquer coisa na internet, no IPad do pai, cai uma mensagem nova e abre-se a janela do chat. O Tomás arregala os olhos, espantado com o que vê, não resiste e lê parte do histórico, apesar de o tio Tó, perdão António, lhe ter ensinado que era falta de respeito ler o correio dos outros e, com a voz a tremer de indignação e decepção, diz: "Oh!.. Pai!... Mas o pai engana a mãe, com outras mulheres, na internet?..."

terça-feira, 1 de março de 2016

Portugal dos Pequeninos

A celeuma sobre o livro de Henrique Raposo, parece que lá pelos lados das azinheiras o querem calar à força, já se fartou de ser injuriado nas redes sociais e tudo.
A prepotência de João Soares, realmente filho de peixe sabe nadar, a educação é uma cena que não assiste àquela família.
O McDonalds que tem com medo de discriminar ou ferir os sentimentos, ou nem percebo muito bem o quê, dos meninos e meninas de cinco ou seis anos e que vai abolir os brinquedos menino / menina que dá nos happy meal, passa tudo a ser unissexo.

Estou farta dos Portugueses. Ok... De alguns Portugueses.