segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Mas às vezes também tenho certezas...

Ontem ficámos todos a saber para que irá servir a subvenção vitalícia de Maria de Belém.
Adoro a ironia Divina!

17 comentários:

  1. Acho que todos deviam pagar do próprio bolso.
    Poupavam-nos a muita macacada patética

    ResponderEliminar
  2. Não consigo perceber determinadas posturas. Mas alguém com a devida noção da realidade acreditava que os 4 candidatos menos votados teriam a mínima das hipóteses de alcançar outra que não fosse aquela posição (mais décima, menos décima)? Quem enterrou ali dinheiro foi para quê exactamente?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Maria de Belém nem nos seus piores pesadelos imaginou este cenário.

      Eliminar
  3. Até parece que temos muito que ver como é que ela, os outros, vão pagar a campanha. Já nem durmo, a pensar no assunto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devia importar-se, sabe?

      Eliminar
    2. A lei relativa ao finaciamento das campanhas eleitorais define regras.
      A parte de subvenções atribuidas pelo Estado sai do bolso de todos nós (os que pagamos impostos), só por aí já devia merecer algum interesse da sua parte, anónimo das 15:49.
      A outra parte, relativa a donativos privados, não é merecedora de menos atenção. Imagine que um determinado grupo económico contribui para uma campanha com uns largos milhares/milhões. Será legítimo que nos questionemos se, depois de eleito o candidato, ele se vai preocupar com a defesa da constituição, conforme jura, os interesses do país e dos seus cidadãos, se os interesses do tal grupo que o apoiou financeiramente.
      Para os desinteressados há sempre uma solução simples, deixar que os interesses e vontades de outros se sobreponham aos seus (que, aparentemente, são nenhuns).

      Eliminar
    3. Obviamente que temos. Se não formos alheados temos.

      Eliminar
  4. Postagem pequena e que me fez pensar... para onde vamos, para onde iremos...!!! Muito bom!

    ღ www.amigadelicada.com

    ResponderEliminar
  5. A senhora bem sabia que havia uma hipótese de não receber um tostão do Estado pela campanha quando foi jantar bifanas em Vendas Novas. Vai que tinha ido a um restaurante cheio de estrelas Michelin? Ah pois, a fortuna que aquilo teria custado.

    (quanto à subvenção vitalícia, mais que discutir a forma como vai ser usada, se para pagar a campanha que a levou a um derrota humilhante se para pagar latas de laca ou compras de supermercado, que isso pouco me interessa, resta saber até que ponto são mesmo necessárias. Mostrem-me um político que, efectivamente, depois de abandonar a vida política tenha ficado numa situação económica tão débil que não tivesse meios de subsistência).

    ResponderEliminar
  6. A semana passada uma deputada do PS , já puxei pela memória mas não me lembro do nome da senhora , diz que conhece inúmeros casos de deputados que ficaram em situações muito complicadas por lhes ter sido retirada a tal subvencao . Ora eu , pessoa de Guimarães , onde a maioria das pessoas ganha o enorme salário mínimo , onde o valor das rendas tal ali taco a taco com a mensalidade de um empréstimo habitação , coisa que merecia um estudo , inúmeras pessoas perderam as suas casas e estão a passar , essas sim , dificuldades , não vejo ninguém preocupada com elas . Essa gente devia ter vergonha na cara . Nem posso falar disto que fico nervosa .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devem ter sido situações complicadas como mandar a empregada e o motorista embora.

      Eliminar
  7. que outras "profissões" tem este tipo de regalias? não digo exactamente estas regalias mas algo comparável. é porque quero ver se ainda vou a tempo de mudar de curso!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.