terça-feira, 6 de outubro de 2015

No rescaldo das legislativas

As pessoas que se dispõem a emigrar face ao horroroso e dramático resultado eleitoral, fruto de 37% dos votantes serem más pessoas, xenófobas, racistas, católicas, fracas de caridade, avarentas, fascistas e sei lá eu que mais miminhos já li por aí, é bom que se apressem a marcar os voos, em chegando ao Natal eles aumentam obscenamente.
De nada.

38 comentários:

  1. http://youtu.be/cMuIamJspRw

    É básico, eu sei, mas não resisti.

    ResponderEliminar
  2. Eu estou desiludida com o resultado das eleições porque penso que o país piorou consideravelmente nos últimos 4 anos, em questões que considero essenciais: emprego, saúde e educação. E porque efetivamente a maior parte dos portugueses está a viver pior, sem emprego, sem oportunidades, sem perspetivas de futuro. Faço parte de uma minoria que, apesar de cortes no vencimento e aumento inacreditável dos impostos que pago, continuo a viver sem grandes dificuldades. Com menos, mas ainda com suficiente. Mas tendo os meus dois filhos em escolas públicas e fazendo parte das respetivas direções de associações de pais, tenho acesso a informação que me deixa doente. Não fazem ideia da realidade que se vive em alguns agregados familiares. Eu não fazia.
    Ainda assim, não insulto quem votou na coligação e obviamente aceito que venceram as eleições, vivo numa democracia e se 37% dos votantes escolheu assim, assim será.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cristina, dada a situação das finanças Portuguesas não sei que muito mais haveria a fazer. Poderíamos ter feito como a Grécia? Não podíamos. Penso (espero) que o pior já passou, que a recuperação seja lenta mas sustentada.
      Mas tem razão, há situações aflitivas, crianças cuja única refeição é feita na escola.

      Eliminar
    2. Sim, a única refeição é feita na escola e, para cúmulo, a única distração que têm em casa é o ultimo modelo que saiu da PlayStation. Uma tristeza.
      Ah, e dentro dos bolsos, em vez de uma maçã, levam um telemóvel 4G.
      No Verão, claro, podiam jogar na rua com uma bola de trapos, mas estão demasiado ocupados nos festivais de verão.

      Eliminar
    3. Quem tem idade para ir a festivais de Verao, já passou a idade normal para jogar na rua com bolas de tramos (Anikibobó much?). Aceitando que a primeira ideia pode ser válida, o aumento da pobreza nos últimos anos (mais do que quatro seguramente) traduz-se em realidades de famílias que nem electricidade podem pagar, quanto mais playstations. Havia gente que antes ia ao futebol quase todos os domingos e deixava os livros escolares com a conta pendurada na livraria da vila, mas os tempos mudaram. Das muitas pessoas que antes eram remediadas, uma parte podia fazer parvoices dessas, a outra remediava-se a dar o que realmente importa aos filhos. Hoje, muitos sobrevivem e pouco mais. Sem rock nem luxos.

      Eliminar
    4. Se calhar devemos parar de fazer generalizações ponto. N é correcto fazer com quem vota à dta (ou à esq, ou onde seja) mas tb n será bonito fazer destas. Essa onda do país andar a viver ciima das possibilidades tb já cansa um bocadinho. Ou a máxima do "passa fome mas anda num carro melhor q o meu"...just saying.

      Eliminar
    5. Pois eu conheço pais cujo unico rendimento é o RSI, os miudos têm fome mas as mães todos os dias tomam o pequeno almoço na padaria (sim, todos os dias, não me perguntem de onde vem o dinheiro) e os pais passam a vida no café, além disso quase todos os pais que passam dificuldades (que eu conheço) fumam (ora só nisto são quê 200€/mês?!).

      Ps: Eu sei disto porque vi. Porque trabalhava numa padaria nas férias de verão (coisas que as senhoras jamais aceitariam que os filhos fizessem) e por lá todos conhecem a história... Dificuldades?! Sim, alguns... acredito que aqueles a quem realmente faz falta são precisamente aqueles a quem as ajudam nunca chegam pois não sabem aproveitar-se do sistema ou têm vergonha de pedir ajuda.

      Vamos falar daqueles muito pobres cujos filhos só vestem roupa de marca? Ou daqueles que ainda gozam os pobres que não a têm?

      Há de tudo na esfera do que é denominado pobreza, uns são pobres de dinheiro, outros de cultura e rectidão.

      Eliminar
    6. Pois é anónimo das 16:46, a pobreza extrema em Portugal é um mito.

      Eliminar
    7. Há escolas que distribuem lanches extra a meio da manhã de 2ª feira. E em que o almoço é reforçado. Não diga asneiras anónimo, existem crianças com fome, sim, ainda bem que essa realidade lhe passa ao lado, asseguro-lhe que é aflitivo.

      Eliminar
    8. Pois anónimo das 20:46..lá está, generalizações. Obviamente q as pessoas q atendia na padaria (e a quais conhecia a todas os rendimentos) são sensivelmente 40% do nosso país, assim por baixo.
      Bem olhe, n vou dizer mais do q já foi dito acima.
      Mas aqui entre nós, aqueles q recebem o RSI e passam sérias dificuldades, n fumam e n tomam pequenos almocos fora (pois anónimo das 20:46, já sei q conhece mto bem o país e q essas pessoas p si n existem, mas finja lá q existem algumas) tb devem gostar imenso de ler o seu comentário e de serem rotulados como acaba de fazer.

      Eliminar
    9. Desculpa lá "me, my shit and I" mas eu não disse que não existiam nem que conhecia todos os casos, conheço é muitos que são assim. Também não disse que achava que não existia ninguém que passasse mal... ora vá lá reler e interpretar.

      Sei bem que a fome existe e que há pessoas que passam mal, sei também que são essas as que menos insistem e mais vergonha têm em pedir.
      Lá porque trabalhei numa padaria isso não faz de mim inferior ou pessoa que não sabe de nada e a quem precisam de explicar as coisas como se fosse atrasada mental... estudos pagam-se com trabalho, eu paguei com o meu, há quem o pague com o dos papás.

      E faço-lhe um desenho (como me fez a mim) o nosso problema é que os 40% que vão para quem não precisa fazem muita falta a quem precisa mas tem medo, receio de pedir ou é mal aconselhado pela SS e acaba sem os direitos que deveria ter. Como não estão habituados a fazer tramoias, não sabem mexer-se nos meandros e conseguir todos os apoios que até teriam direito.
      Um dos grandes problemas em Portugal, por exemplo, é a burocracia que pequenas coisas exigem, é termos 25% das crianças em risco de pobreza (dados INE) mas grandes falhas em termos de funcionamento de CPCJ, escolas e afins que não sinalizam as crianças atempadamente e de outras instituições que falham em dar o apoio atempadamente.

      E falei dos casos esdrúxulos que conheço/conheci porque me revolta imenso ver pessoas realmente com fome, frio e a precisar de serem ajudadas enquanto outras se aproveitam do sistema, enganam, mentem e conseguem tudo.

      Eliminar
  3. Quem diz esses, diz o próprio governo. Pode ser que nem chegue ao natal. Tudo é possível, certo?
    Certo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estejam descansadas porque o Presidente da Republica não pode dissolver a assembleia nos seus últimos seis meses de governação, nem o novo Presidente da República pode dissolver a assembleia nos seus primeiros seis meses de governação.... Assim sendo e como as presidenciais são em janeiro pelo menos até junho temos o governo inicial que for formado!!!!! Tanto criticam e depois não sabem o básico.....

      Eliminar
    2. Errado.
      Porque você não sabe as regras básicas da constituição.

      Eliminar
  4. Ora eu, que fui devidamente apelidada de ESTÚPIDA com todas as letras e em maiúsculas, vos digo que é só consultar os sites de duas belas companhias aéreas low cost a operar a partir de Lisboa e Porto... Tem voos desde € 15,49, € 19,00, € 22,00... e estamos a falar de destinos como Londres, Bristol, Madrid, Bremen, Roma, etc. É só escolher!! E, já agora, além de voos baratos... nunca se atrasam (ao contrário da TAP que NUNCA consegue manter um horário) são eficientes e profissionais (apesar da raspadinha e das brincadeiras) é muito simpáticos (ao contrário da maioria das hospedeiras da TAP que parece que têm o rei na barriga, esquecendo-se, muitas vezes, que estão no avião para servir os passageiros).
    BOA VIAGEM E VENHAM VER A FAMÍLIA NO NATAL E EM AGOSTO,! Aproveitam e matam saudades do bacalhau, do queijo e dos chouriços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E mais uma vez generalizações...
      Viajo imenso e garanto que nem todas as hospedeiras da TAP são trombudas, Existem, mas não são todas. E não se esqueça que os voos são baratos mas têm custos acrescidos em coisas básicas

      Eliminar
    2. Por acaso também viajo bastante, nem sempre nas low cost e, garantidamente que as hospedeiras da TAP são, em grande número, pouco simpáticas e com uma atitude muito altiva em relação dos passageiros. Claro que há excepções, o problema é que, comparado com outras companhias aéreas, já não se livram da 'fama'.
      De qualquer forma, ninguém ali vai fazer amigos para a vida, é um meio de transporte e, também não esperamos encontrar motoristas da Carris amáveis e cordiais com todos os utentes.
      Agora a questão de cumprir ou não horários... é bem verdade! A TAP é incapaz de cumprir!!

      Eliminar
    3. Sim porque no final nem fica muuuuiiiitttoooo mais barato, nem nada.
      Para viagens de 1/3 horas deve ser mesmo muito necessário e essencial o preço da TAP...por isso é que todas as concorrentes foram à falência...

      Eu não sei se todas as hospedeiras são trombudas ou não, não andei assim tanto pela TAP. Bastou-me uma meia dúzia de experiências negativas seguidas para nunca mais querer meter lá os pés. Chamar arrogantes e prepotentes eu até acho muito brando.
      Aliás eu cheguei a ir apanhar um avião a Madrid, numa companhia área conceituada porque os voos de lá ficavam-me a 1/3 do preço da TAP, num voo de 8horas, com todas as comodidades... tem explicação para isso? Chama-se especulação. Aliás a especulação via-se muito bem nos voos onde eles tinham o monopólio.

      Eliminar
    4. Estranho...eu tenho a opinião oposta. Sempre gostei muito mais das hospedeiras da TAP do que das easyjet. O pessoal da easyjet sempre me pareceu muito arrogante e cheguei a ouvi-los gozar com passageiros. Das da TAP não tenho razões de queixa.

      Eliminar
    5. Eu também gosto da TAP, Maria, só não gosto é dos atrasos da TAP, aquilo era oferecer-lhes um relógio.

      Eliminar
    6. Ah isso dos atrasos e das trombas cheira-me que vai acabar!! E mais não digo senão os funcionários públicos insultam-me já! Estou a generalizar, eu sei, assim como sei que também há dos bons, eu própria já encontrei alguns raros dessa espécie! :D

      Eliminar
    7. Nota-se que viajam pouco. Eu viajo de avião praticamente todas as semanas, em várias companhias aéreas, e a TAP passou um período complicado em termos de horários mas isso está totalmente ultrapassado. Presentemente é até das mais pontuais. Quanto a simpatia de pessoal de bordo há de tudo, quer na TAP quer nas restantes. Impossível dizer que uns são mais simpáticos que outros. Na generalidade as da TAP costumam ser mais simpáticas que a maioria das outras companhias. (não, não sou funcionária da TAP nem tenho qualquer interesse pessoal na TAP. É apenas a minha observação de passageiro muito frequente)

      Eliminar
  5. Há um livro que gostava que lesses: A Crise A Troika e as Alternativas Urgentes. http://ladroesdebicicletas.blogspot.pt/2013/09/hoje-e-em-coimbra.html
    No início do livro (que já é de 2013) está aquilo que eu entendo que toda a gente devia ler, para perceber de quem é afinal a culpa de estarmos onde estamos politica e economicamente e sobretudo por sucessivos governos terem deixado para escanteio a parte mais importante de todas: a Justiça!

    Vale muito a pena e talvez esteja esgotado, mas é procurar se houver interesse. Acho que toda a gente o devia ler.
    É livro de números e não há ali ficção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que a Uva gosta de apoiar em escritos alheios para formar a sua opinião e até os seus posts, mas era bom que a Uva e as pessoas em geral se convencessem de uma vez por todas que a culpa "de estarmos onde estamos politica e economicamente" é... nossa!
      Sim, espantemo-nos: a culpa é de todos nós. Já era altura de assumirmos os nossos atos e deixarmo-nos dessa coisa de sacudir a água do capote. Seria um primeiro grande passo para reverter o que está mal.

      Eliminar
    2. Não é só nossa. É muito nossa, claro que é. Sucessivos governos a alimentar boys. Corrupção. Lobbys. Mais corrupção. Justiça que funciona mal e tardiamente. Subsídios desbaratados ainda da antiga CEE.
      Mas não esquecer que fomos "comidos" pelos alemães nas negociações. Pagaram-nos para queimarmos vinhas, para não percar, destruímos muita da nossa riqueza. Junta-se a isso uma crise internacional et voilà. Está o prato feito.
      (mas tínhamos de pagar e endireitar o país, isso para mim é muito claro)

      Eliminar
  6. Antes de mais, sempre votei, mas sou uma leviana do voto porque não voto sempre no mesmo partido, para além de que, saltito entre correntes políticas diferentes, então, durante a minha vida de votante, tenho andado alegremente a votar, ora no PS, ora no PSD (agora coligado com o CDS), conforme acho que é mais apropriado, porque acredito naquilo de o voto ser uma arma estratégica consoante os contextos, para além de que, nestas coisas, os programas contam, já para não falar nas pessoas, sim, afinal, para além das siglas e das ideologias, são mesmo as pessoas que põe a mão na massa. Se esta mania de catalogar já é coisa antiga, estou a tomar conhecimento através dos blogs que leio, que agora é coisa elevada ao seu expoente máximo no maravilhoso mundo das redes sociais, talvez seja caso para terem um curto circuito quando aparece assim gente saltitante que não dá para arrumar em caixas e colar lá os adjetivos que tão carinhosamente escolheram. Eu estava aqui mesmo agora a pensar num adjetivo para as pessoas que chamam nomes feios às outras só porque essas outras votaram em partidos, ou correntes políticas, se preferirem, diferentes das suas, mas não vou dizer, se o fizesse, estaria a colocar-me no mesmo patamar e desculpem-me a arrogância, mas, neste caso, faço questão de ficar num patamar superior.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, é isso mesmo Claudia, é mesmo questão de ficar num patamar superior!!

      Eliminar
    2. Há discussões em que nem vale a pena entrar. É deixá-los a falar sozinhos, só tenho pena é que não cumpram as ameaças e não se metam mesmo nos aviões.

      Eliminar
  7. Eu não me piro porque sei que haverá certamente eleições antecipadas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode ser que a coisa lhe corra mal...

      Eliminar
    2. Que eleições antecipadas? O Ps junta-se à coligação. Está dificil?! Nem tem outra hipótese.
      Senão, há eleições antecipadas, acontece como ao Cavaco há uns anos, quando o bolachas o mandou dar uma curva e ele ganhou logo a seguir com maioria. O povo não gosta de instabilidade, se o PS ou a esquerda a provocarem, levando a eleições antecipadas (mais dinheiro gasto), o povo não perdoa e dá a maioria à coligação (a Catarininha (bloquista) está a ajudar à festa com aquele atentado todo à democracia e sede de poleiro!), o PS sabe disto, e como não está para perder chucha "ajunta-se". Ou porque acham que o Paulinho já pediu o ministério dos negócios estrangeiros? Deixando de lado o cargo de vice-1ª ministro? Acham que é para mim, não??!!

      Eliminar
  8. Para ler e entender....

    http://expresso.sapo.pt/politica/2015-10-06-Ha-muitos-modos-de-formar-Governo.-e-nem-sempre-com-o-vencedor-das-eleicoes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li. E também já opinei sobre isso uns posts abaixo, já não sei bem em qual.
      Para alguém fazer uma coligação e governar com um mínimo de estabilidade, é necessário que haja um mínimo de convergência de ideologias e politicas. Ora, isso não acontece na esquerda maioritária (O PS não é um partido de esquerda mas até dou isso de barato). O ponto de encontro terá de ser feito entre o PaF e o PS, tal como aconteceu várias vezes no passado, não é novidade nenhuma o que digo.

      Eliminar
    2. Creio que um entendimento entre o PaF e o PS é bem mais viável do que entre o PS e os outros de esquerda (isto tendo em consideração os programas).

      Eliminar
    3. Acho que faz muito mais sentido a coligação (que já é uma coligação) juntar-se ao PS.
      Podem não se dar bem, mas dão-se mil vezes melhor do que qq um dos outros.
      O bloco de esquerda destilou veneno a campanha toda contra o PS, foi odio atras de odio.
      O PCP é alienado, não gosta de ninguém.

      Para alem disso o bloco de esquerda e o PCP querem sair da EU e voltar ao escudo, o PS não, o PS quer trabalhar com a união europeia.
      Como é que isso é compatível?

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.