domingo, 4 de outubro de 2015

Das legislativas II

A Catarina Martins está ali na televisão a dizer que não vai aprovar um governo de direita. E convida os restantes a seguirem o seu exemplo. Foi isso que enterrou o Costa. 
Well done. Daqui a um ano teremos maioria absoluta, estes cabrões hão de se convencer que têm de respeitar a vontade do povo. O povo não quer um governo de esquerda.

52 comentários:

  1. O povo tem síndrome de estocolmo... e eu tenho pena e vergonha deste eleitorado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também. Não percebo como é que o PS teve os votos que teve.

      Eliminar
    2. :)
      É pena não existir uma alternativa com plano concretos e bem pensados. Eu até gostava do plano de alguns, tirando o "pequeno pormenor" de quererem sair da UE e da moeda única (queria ver como nós ficaríamos...)

      Eliminar
  2. A Canavilhas com aquele sorrisinho seráfico também disse exactamente o mesmo.

    ResponderEliminar
  3. Mas a verdade é que o parlamento é maioritariamente de eaquerda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas completamente dividido. A oposição tem o dever ético e moral de negociar. Não de inviabilizar no matter what...

      Eliminar
    2. Até porque temos exemplos do que é acontece quando as minorias extremistas fazem quando chegam ao poder (Grécia é só um deles)

      Eliminar
    3. Todos de esquerda, mas todos com ideias muito diferentes e fraturantes em relação a Portugal na Europa. por isso, pergunto, de que vale a maioria no parlamento ser de esquerda?

      Eliminar
    4. De acordo com o que tenho ouvido, para derrubar a direita e governar à força. Um notável exemplo de espírito democrático.

      Eliminar
    5. Exactamente com fez Passos Coelho à 4 anos para chegar a primeiro-ministro, que chumbou tudo e mais alguma coisa

      Eliminar
    6. Isso não é verdade. Antes de ter chumbado o PEC 4 fartou-se de deixar passar coisas com as quais não concordava.

      Eliminar
  4. Calma Picante. Não ganhou? Então?! Tantos nervos porquê? Calma. A má educação nem é uma coisa sua. Quer ver como não fica bem? Os cabrões de direita hão de se convencer que perderam a maioria. Não é bonito pois não? Chamar cabrões, assim, aos outros com quem não simpatizamos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque me enerva ouvir estes arrogantes de tampa dizer que não viabilizam aquilo que o povo democraticamente disse que queria.
      Se os do meu partido algum dia tiverem o desplante de dizer tal coisa, também lhes chamarei cabrões.

      Eliminar
    2. Insiste no exagero de linguagem e desculpe mas está com pouco discernimento. O povo disse democraticamente que não quer um governo de direita a governar sozinho, sendo assim terá de engolir o sapo de ter de dialogar com a esquerda. Foi isto que o povo disse que queria. A esquerda está no seu direito de não querer o diálogo nos termos da direita, arrogantemente ou não.

      Eliminar
    3. Cara anónima, a matemática é uma ciência exacta, não há grande volta a dar à coisa. À direita ganhou. Se a esquerda, que não apresentou um programa conjunto e que não tem ideias comuns sobre uma variadissima panóplia de temas chave se unir para inviabilizar um governo democraticamente eleito, então está a negar a democracia, está a dizer que os interesses partidários estão à frente dos interesses de Portugal e da vontade da maioria dos portugueses. E se tiver o desplante de o fazer é porque não passa de um conjunto de cabrões, sim.

      Eliminar
    4. Na realidade, quem ganhou foram os votos em branco e abstenções que dizem claramente que a maioria dos portugueses não quer nenhuma das opções governativas presentes (é pena no nosso país os votos em branco não contarem para nada)
      Por outro lado, se a maioria dos votos válidos deu vantagem à coligação à direita, mais portugueses votaram neles do que no PS ou no BE ou afins... por exemplo o PS vai juntar-se a um qualquer partido que defenda a saída do euro só para poder governar? Mas quem votou para sair da UE não quer o PS porque esses assinaram com a troika e concordaram com a entrada, além disso nunca defenderam a saída...
      Acha que quem votou neles por motivos diferentes não se vai achar enganado se agora afinal mandarem todas as suas ideias e propostas ao ar só para poderem mandar?

      A mim cheira-me a desespero pelo poder. O Costa sempre o mostrou ter e não me admira nada que faça até um pacto com o diabo para o conseguir. Depois será o salve-se quem puder.

      Os portugueses o que disseram claramente com os votos foi:
      1) não queremos nenhum
      2) a coligação à direita é aquela que mais convenceu
      3) o PS foi atrás da coligação, apesar de falar bem e prometer muito, parece que convenceu menos do que deveria
      4) o BE teve uma vitória no que concerne a aumento de votos mas ainda assim ainda nem aos calcanhares do PS chega e em comparação com a coligação ainda nem há comparação possível.

      Fazer agora arranjinhos para poder existir uma coligação de esquerda é ir contra a vontade do povo, é ir contra a democracia.

      Eliminar
  5. O parlamento é maioritariamente de esquerda, o povo quer um governo de esquerda. 'Well done', 'cabroes' e deduções erradas tudo no mesmo texto. Brilhante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desconhece a diferença entre maioria e maioria absoluta, não desconhece? Só isso justifica o seu comentário...

      Eliminar
  6. Seja mais inteligente a analisar. (É-lhe dificil, eu sei, mas tente. Está tudo nas entrelinhas) Ela está somente a pressionar o PR para que este emposse o governo que a ela lhe convém. Simples, não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dado que o Presidente não se chama Sampaio não há esse risco.
      (E porque raio iria o PR chamar a constituir governo um conjunto de três partidos que não se entendem? Que têm programas e pontos de vista diferentes? Que não foram escolhidos pelos portugueses? Ora tenha dó...)

      Eliminar
    2. Então? Já repensou o que disse acima? Acima no post e acima na resposta ao meu comentário?
      Já percebeu que nem sempre tem razão, nem sempre tem a lucidez suficiente para analisar as situações e que, quando lho fazem notar, a insolência nem sempre é a melhor via para a resposta?
      Ora tenha dó... é só o que me apraz dizer.

      Pois é, minha querida Picante. Como era muito óbvio (menos para si, claro), aquela maluca estava a fazer o joguinho dela, não estava propriamente a dizer balelas. E agora estamos todos nas mãos do Cavaco e prever que desfecho vai ele dar a esta trapalhada toda é mais difícil do que perceber o que queria dizer a maluca da Caty na noite das eleições.

      E infelizmente eu acho que há mesmo a possibilidade real de ele dar cobertura a esta pouca vergonha.

      Eliminar
    3. Um comentário que se inicia com um "seja mais inteligente, sei que é difícil mas..." dificilmente terá uma resposta muito cordial, não lhe parece?
      E a questão não é ela. É ele. É verdade que nunca pensei que a ambição política de Costa chegasse a este ponto, de sacrificar o país e o próprio PS, apenas para se manter secretário geral. E contínuo a acreditar (a esperar) que o PR não vai em balelas. Para bem de todos, que isto é demasiado mau para ser real, mais cedo ou mais tarde vamos pagar a factura.

      Eliminar
  7. É bom saber que não moro sozinha neste país. Obrigada Picante!

    ResponderEliminar
  8. E eu até lhe achava graça Picante, agora só a acho patética nessa declaração, saber perder a miopia absoluta com elegância, não é para todos....estão todos nervosos pq agora têm de respeitar o voto dos portugueses que não os querem a mandar sem prestar contas de nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nervosa está a esquerda que, não tendo ideias comuns e não se entendendo quanto a princípios básicos de governação, quer governar à viva força, desrespeitando a vontade da maioria dos Portugueses. O PAF ganhou as eleicões, teve mais votos e mais deputados, não há grande volta a dar à coisa.
      E, a esse argumento ridículo de 60% nºão ter votado PAF, responde-se com um: 70% não votou PS, 80% não votou BE e 90% não votou CDU.
      Não sei quem é que está nervoso aqui, repito.

      Eliminar
  9. Eu não percebo como andamos há 40 anos que votar nos mesmos incompetentes e nem damos oportunidade aos outros. Só votei uma vez PSD e arrependi-me para a vida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ya, quais outros? O que é que o pessoal acha que um bloco, uns verdes, uma cdu vão lá fazer? Legalizar drogas, deve ser por isso!! Refiro-me ao bloco, a cdu, nem sei, deve ser por "defenderem" os funcionários... públicos, claro, porque nunca os vi a dizer para os trolhas trabalharem menos, ou irme para a reforma mais cedo, esses sim precisavam! Enfim.

      Eliminar
    2. Deve estar a referir-se ao PAN.

      Eliminar
    3. Se "os outros" fossem coerentes e mostrassem competência como alternativa, talvez a coisa se desse...

      Eliminar
    4. Ahahah, esta é daquelas ideias nada demagógicas que adoro. "Os outros" - entidade abstracta. Ou falaremos de "os outros" - jerónimo de sousa, "os outros" - catarina martins, ou melhor "os outros" - joana amaral dias? Mas parece que fica bem, queixarmo-nos de sermos sempre governados pelos mesmos e esperarmos ansiosamente pelo D. Sebastião encarnado n"os outros".

      Eliminar
  10. E eu, que não desgostava mas que não ia muito à bola consigo, e agora... ganhei-lhe uma admiração e respeito? Pois então, um bom dia cara Picante!

    ResponderEliminar
  11. Triste e lamentável é que mais uma vez não se olha a sério para os números
    47,96% dos Portugueses está-se marimbando sobre quem os governa. Feitas as contas bem feitas não é maioria dos Portugueses que prefere o PàF à frente do País, são uns míseros 19,20% e quem não vota, vota em branco ou nulo deixa que sejam esses 19% a decidir o seu futuro. Isto sim é triste

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente! Ainda hoje falava fos que slegam que não gostam de política...

      Eliminar
    2. Eu já me abstive por convicção, por protesto. Desta vez não fui capaz de o fazer, não podia correr o risco de não votar contra aqueles que não quero lá de certeza absoluta. Votei no menos mau.

      [Quando é que o voto em branco passa a ter validade verdadeira em Portugal?]

      Eliminar
    3. Eu também já o fiz. Mas desta vez não podia correr o risco.
      (isso é que era... Lugares vazios na AR...)

      Eliminar
  12. Tem noção de quem votou bloco, CDU e afins de esquerda estão completamente de acordo que estes inviabilizem o orçamento. E sim, mesmo sem o conhecer, com o meu voto espero mesmo que o inviabilizem. Chateia-a mesmo que os carrões de esquerda tenham tanto poder neste momento, não é? Olhe, tem de respeitar a decisão do povo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão, Marta, é que não têm poder nenhum. Eu vi três partidos que não se entendem, um com 18%, outro com 10 e outro com 30. Já disse que não se entendem?
      O PS não é um partido de esquerda e nenhum deles tem qualquer legitimidade para governar. Entristece-me ver que são os que mais falam em democracia que são os mais anti-democráticos.

      Eliminar
    2. "E sim, mesmo sem o conhecer, com o meu voto espero mesmo que o inviabilizem" - porquê sem o conhecer? Acha que faz sentido?

      O povo optou o que optou, mas não se iluda Marta pois todos os de esquerda querem coisas muito distintas (para mim o PS consegue ser mais de direita que o PSD...mas isso sou eu, talvez a minha memória e interpretação do programa deles tenha sido muito "deturpado"..)

      Ps: tenho a dizer que já votei no PS no passado (arrependi-me mas isso são outros quinhentos. Simplesmente não sou fanática por nenhum clube ...ups... partido.
      Tenho honestamente pena que nenhum tenha conseguido apresentar um plano válido e coerente sem meterem lá pelo meio que querem sair do euro e da UE... opá no momento actual da nossa economia isso era matar-nos a todos. De resto, havia um ou outro com o qual me identificava quase a 100% mas esse "pequeno pormenor" que mostrava bem a inconsciência politica e económica impediu-me de votar neles.

      De resto, quem tem autoridade para mandar foi quem teve mais votos, quem tem mais poder na AR são os partidos de esquerda. No entanto, duvido seriamente que os ditos partidos de esquerda se juntem para votar em comum, isto porque as suas ideologias são quase opostas... acreditar que se vão juntar todos e conseguir dialogar e dar certo...basta rever o debate entre a Catarina Martins e o Costa para ver o quão falsos teriam ambos de ser (e quantas mentiras teriam dito) se agora se unissem.
      Não esquecer que quem votou BE quer uma coisa e quem votou PS quer uma completamente diferente.

      Eliminar
    3. Por muito que não se entendam há questões em que tenho a certeza votarão no mesmo sentido contra a super dupla passos/porta. E não sou fanática de partido nenhum, já votei em vários, mas sou claramente de esquerda no que diz respeito aos valores que defende (e sim, PS não é esquerda, neste momento nem sei bem o que é).
      Quanto ao pouco sentido de ser a favor de inviabilizar um orçamento que não conheço, não é bem esse o caso, pois não? A maravilhosa coligação que nos governa deu-nos 4 anos de cortes e aumento de impostos brutais em nome de um défice a alcançar, défice esse que afinal é quase o dobro do suposto... Os sacrifícios serviram mesmo para quê?

      Eliminar
    4. A Marta desconhece portanto que há uma dívida que se manteve oculta durante várias governações e que só agora viu a luz do dia (e entrou nas contas), certo?

      Eliminar
    5. Já não falando dos juros do empréstimo que isso também não interessa para nada e não pesa.

      Eliminar
  13. A leitura que eu faço dos resultados eleitorais é um pouco diferente.
    Vejamos os números.
    -38% dos votos foram para partidos da direita
    -60% dos votos foram para partidos de esquerda.
    Não percebo como conclui destes números que o povo não quer um governo de esquerda?!!?!!
    Parece-me que 38% não quer dizer que haja preferência pelas politicas de direita.
    Parece-me que 60% de votos em partidos de esquerda, quer dizer que mais de metade das pessoas que votaram Querem um partido de esquerda.
    Por isso, não percebo como a picante conclui que o povo não quer um governo de esquerda. (Ou será que o povo inclui são apenas os 38% que votaram PaF, e os restantes 60% não são dignos de fazer parte do povo?!)
    Gostaria que explicasse o seu raciocínio, se me puder fazer esse favor (a mim, que não devo ser do povo, pois estou nos 60%)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Anónima,
      Se PS, CDU e BE se tivessem apresentado coligados, ou se pelo menos tivessem hipóteses de encontrar uma larga maioria de pontos comuns, que lhes permitissem formar uma coligação, a Anónima teria toda a razão.
      A questão é que nem o PS é de esquerda, nem CDU e BE se entendem numa coisa básica e que condiciona toda e qualquer política econónica: a permanência de Portugal no Euro.
      Vai daí que estamos a falar de 4 partidos diferentes. Governa o que obteve mais votos e deputados. Mas qual é a dúvida? É o que diz a lei, já aconteceu variadíssimas vezes no passado.

      Eliminar
    2. Não sei como eram os vossos boletins, o meu tinha um sem-número de opções.
      não tinha "partidos de direita" ou "partidos de esquerda".

      Martha

      Eliminar
  14. Realmente, não prestas mesmo para nada!! Então não publicaste os meus comentários? Estás com medo? No blog da Picoca mais doce, apesar de ela ter votado na coligação, pelo menos tem coragem de publicar os comentários, coisa que tu não tens!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho por hábito publicar ofensas. Mesmo este comentário, só foi publicado para a poder mandar para a real para que a pôs.
      Tenha um excelente fim‑de‑semana.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.