quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Nos blogs é igual

Devo ser a única blogger que nunca apanhou um susto valente dentro de um táxi, a maioria dos condutores de táxi com quem me cruzei não diziam impropérios no transito, tampouco me tentaram aldrabar, acho que só o tentaram fazer duas vezes, uma em Lisboa, a querer pôr um computador no porta bagagem e outra em Roma, aquilo deu uma discussão jeitosa mas isso agora também não interessa nada.
O que eu queria mesmo dizer é que gente mal educada, mal formada ou trafulha há em todas as profissões.

42 comentários:

  1. O importante é não assumir que meia dúzia de maçãs podres fazem a árvore. Da meia dúzia de vezes que andei de táxi na vida, sempre fui bem tratada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meia dúzia? Isso só é compreensível se não viajar e se não sair à noite!

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante10 de setembro de 2015 às 13:16

      Sério?
      Não há mais transportes?

      Eliminar
    3. Eu andei muito menos vezes, umas 3 ou 4 vezes. Já viajei muito e saio à noite... Também não gosto de Táxis, tal como não gosto da Uber. Gosto do meu carro, chega-me.

      Eliminar
    4. Não sou de Lisboa por isso não, não há mais transportes à noite :) e se quiser beber um copo ou ir para o aeroporto não levo o carro.

      Eliminar
  2. Não há nada... Não há gente mal educada, mal formada nem trafulha nos blogs!

    ResponderEliminar
  3. Ó Picante, já estava 'ralada' a pensar que só eu nunca tinha apanhado um taxista psicopata/ordinário/ mal-cheiroso!!!
    Posso, no entanto, afirmar, com toda a certeza, que conheço algumas bloggers mal educadas/mal formadas e com um ego enoooooorme!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por favor não vamos entrar em pormenores. Senão a lista é quase infindável...

      Eliminar
  4. Contam-se pelos dedos de uma mão as vezes que andei de táxi em Portugal, sendo que a última foi há cerca de dois anos. Não me recordo de nenhum incidente em especial, suponho que o serviço tenha sido bom, senão lembrar-me-ia. Mas que o que vi ontem não foi bonito, aí isso não.

    ResponderEliminar
  5. Pipocante Irrelevante Delirante10 de setembro de 2015 às 10:57

    Nos anos 80, labrego que chegasse a santa Apolónia era presa fácil para taxistas que gostavam de mostrar a cidade.
    Realmente, a situação melhorou, e hoje temos mais civismo e respeito do que há 30 anos.
    Claro que há casos e casos, quem nunca foi mal tratado num café ou restaurante? É caso para deixar de comer fora? Usar casos particulares para marcar uma posição geral é tão básico e redutor que...

    ResponderEliminar
  6. Experimenta ir andar de taxi em Shangai :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu ja andei e nunca tive problemas. Ensinaram-me as regras e qual a cor de taxi que tinha sempre de apanhar. Foi sempre sem stress. Mas ja foi em 2009 acredito que ja esteja diferente.

      Eliminar
  7. É claro que é em todas as profissões. É como se os piropos fossem exclusivos dos trabalhadores da construção civil. Mas se neste momento a greve é dos taxistas é deles que se fala. Não íamos estar agora a falar dos pilotos da TAP ou do metro.

    ResponderEliminar
  8. Eu andei 1 vez de taxi (com 3 amigas adolescentes) depois de ter perdido o autocarro e fui roubada. Na altura éramos menores (16/17 anos) e não quisemos levantar ondas mas fazendo as contas, ele levou-nos um preço de outro por quilómetro.

    No entanto, não é por isso que nunca mais andei num pois acredito piamente que cada profissão tenha burlões e trafulhas, no entanto, para mim o modelo usado pelos taxis é obsoleto e acho que a Uber entre outras fazem muito bem em acabar com os monopólios criados.
    É como em tudo na vida, todos os sectores se revoltam assim que passam a ter concorrência que os obrigue a fazer preços de jeito.

    ResponderEliminar
  9. Desculpa lá o off topic mas já viste onde a estupidez chega? Querem tirar a cruz da bandeira Suiça...e logo da Suiça cuja cruz em nada implica que o Estado seja completamente laico!!

    http://ipco.org.br/ipco/noticias/islamicos-pedem-tirar-a-cruz-da-bandeira-da-suica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh minha gente, essa notícia é de 2011. É no que dá a ignorância, e depois torna-se viral. Entretanto já passaram 4 anos e ninguém alterou um dos símbolos de soberania de um país.

      Eliminar
    2. A questão é a atitude, não percebe? Afinal que direitos têm estas pessoas de exigir seja o que for em termos de mudanças nos países que os acolhem?
      Na Suiça não mudou nada porque eles não são palermas. Já na Suécia as bandeiras nacionais já foram proíbidas para que eles não se sintam mal... coitadinhos...

      Eliminar
  10. Há muito que o casal PMD publicita a Uber. Chegaram ao ponto de o fazer quando, no mesmo dia, o the guardian noticiava que Uber Uk estava envolvida em fraude fiscal. O mesmo se passou em França, etc.

    Mas a Uber é fashion e tal.

    ResponderEliminar
  11. Nos anos 90 andar de táxi em Lisboa era desafiar o destino. Por motivos profissionais andei bastante e era sempre aquele momento de suspense quando entrava num táxi, pois nunca sabia com que ia apanhar. Encontrei de tudo: desde os mal-cheirosos, aos que tinham a rádio aos berros, os que fumavam, os Fittipaldi do burgo, os que não gostavam de passar factura. E também gente bem educada, civilizada, normais portanto. De uns retenho especial lembrança: aqueles que começavam a frase por: "se fosse eu que mandasse", esses sabiam como pôr o governo na linha e de passagem como endireitar o trânsito em Lisboa, deixando as vias abertas só para os que "andam aqui a trabalhar e não a passear, esses só empatam".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso ter tudo sorte. Na realidade a larga maioria dos que apanhei eram gente perfeitamente normal. Só me lembro de um realmente mal educado. E eu andava (e ainda ando) bastante de taxi.
      O pior de que me queixo é de automóveis velhos e condutores muito lentos.
      E gosto de conversar com eles.

      Eliminar
  12. Não podia estar mais de acordo consigo, Picante. Ainda me lembro bem da marcação cerrada que a Filipa fazia há uns tempos a tudo o que era classe profissional. Ele eram os professores, os enfermeiros, os educadores de infância, os médicos, eu sei lá. Vá lá que ela agora já se deixou mais disso.

    ResponderEliminar
  13. O que dizer sobre o novo look da barraca?...

    ResponderEliminar
  14. Olha que vocês falavam da mania que elas têm por fotógrafos profissionais ultra fashion, mas antes isso que esta coisa de fotografias para o blogue tendo por fundo muros cheios de verdete e portões com ferrugem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois eu, do que gosto mais é daquela parte em que se vê à légua que não foi a VFNO coisíssima nenhuma, tirou umas fotos com a filha à porta de casa e cá vai disto, que esta maltinha engole qualquer coisinha que eu lhe dê e ainda agradecem.
      Siga!

      Eliminar
    2. Eu Confesso que a acho ridícula no mínimo mas tem uma foto no instagram das jóias hlc e por isso é porque foi vfno. E ontem mostra a felicidade da criança por estar a servir de palhacinho de circo para mostrar. Se estivermos a falar da mesma pessoa.

      Eliminar
    3. Não estou a ver quem...

      Eliminar
  15. Sustos valentes nunca apanhei mas cheguei a ter de indicar a uns quantos qual o caminho que queria (obviamente o mais rápido e não aquele que eles queriam e que atravessava uma das zonas com mais trânsito e engarrafamentos da cidade). Assim como já apanhei uns quantos com o rádio aos berros, muitos sem se lembrarem bem como se conduz (eu quero ir num táxi que ande na estrada, não que voe baixinho) ou das regras do código (a não ser que agora os stops já não sejam obrigatórios para os táxis), uns a fumar dentro do táxi...

    Claro que em todas as profissões há os bons profissionais e os maus profissionais mas, por experiência pessoal, acho que a maior parte do taxistas não presta um bom serviço (não pagamos apenas pára-quedas nos desloquem, pagamos todo um serviço de bom atendimento...). Da mesma forma que acho que a maior parte dos cabeleireiros não ouve o que dizem os clientes.

    ResponderEliminar
  16. Idem. E durante 5 anos andei de taxi no mínimo 1 vez por semana. Só tive uma situação menos simpática e nem essa foi suficiente para rotular a classe. Se calhar tive mesmo muita sorte!

    Ah mas também me lembro de apanhar um taxista que gostava bastante de kizomba, "ó manina, assinhe até o trabalho corre melhore, num aicha?" - se isto contar para alguma coisa, pronto, ficabo relato!

    ResponderEliminar
  17. Também deves ser a única blogger que não quer correr a maratona, por isso... 😂

    ResponderEliminar
  18. Acho que é como tudo na vida, há bons e maus profissionais. Durante a faculdade andei de taxi umas quantas vezes, quando queria ir para casa a horas menos ortodoxas e não tinha alternativa. E já tive medo de não chegar ao destino, admito. Para não falar na cara de frete que faziam por o trajecto ser relativamente curto (eu pagava +/- 6€). Também apanhei condutores simpáticos e que me deixavam segura e à-vontade.
    Andei pela primeira vez de Uber e fiquei admirada. Eles têm carta e licenças de motoristas (aqui no Porto são da Resende). Um carro com 10.000km, a cheirar bem; o motorista cordial, de fato e gravata, nada de cigarros no canto da boca. Perguntou-me logo se a temperatura do carro estava boa para mim e disse que podia estar à vontade para usar o rádio. Nada de perguntar o caminho, levou-me ao destino pela melhor e mais curta distância, sem travagens bruscas ou condução manhosa. Por quase 30 km paguei 15€.
    Não tenho NADA contra os taxistas, mas suponho que é consensual que o paradigma dos transportes públicos individuais está a mudar. Para melhor.

    Se em termos legais a Uber não está a fazer as coisas direitinhas... Não sei. Vou observando, admito que possam ainda não ter tudo segundo o que é suposto. Fiquei com a ideia, pela conversa com o motorista, que estão a tentar. E sob o ponto de vista do utilizador posso dizer que o serviço é de longe melhor.

    Martha Monte

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em qualquer país europeu, especialmente no norte da europa os carros e os condutores são assim.

      Eliminar
    2. Pareceu-me uma amostra de civilização ;)

      Martha

      Eliminar
  19. Olá, sou a Isabel e acompanho o seu blog há bastante tempo, sou aliás leitora assídua de muitos outros blogs diáriamente, e, como tal decidi criar um blog onde divulgo os blogs que acompanho, (mas apenas escritos em português) sejam de receitas, artesanato, fotografias, moda, decoração, etc.

    Faço um pequeno tópico onde convido á visita dos blogs com hiperlink bem visível, de alguns posts do dia.
    Não faço reprodução de fotos nem textos dos autores, leio e divulgo.
    (Todas as fotos publicadas no meu blog são minhas.)

    Estou em "Conchas e Búzios" (http://conchasebuzios.blogspot.pt/).

    Resta-me apenas parabenizar o seu trabalho e agradecer uma visita ao meu cantinho quando for oportuno.


    Isabel Guerreiro
    iguerreiro2002@gmail.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo. Coloco o link no Google e aparece uma lista infindável de blogs onde esta mensagem foi colocada. Que desespero!!!

      Eliminar
  20. Por quase 30 km pagou 15 euros.

    Gostaria de saber se quem gaba estes preços considera quantos serviços é preciso fazer para que o motorista consiga o ordenado mínimo.

    Mas o que é que isso interessa quanto a merda da App é tão moderna e tal?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles não ganham à peça. Tem um ordenado de X, independentemente de quantas viagens façam - perguntei ao motorista.
      Não tem nada a ver com a app ser moderna, mas sim com o seu bom funcionamento.
      E o/a anónimo/a devia moderar a linguagem, ou anda a treinar para taxista? ;)

      Martha

      Eliminar
  21. Querida mais picante, foi à manifestação do PND, não foi? É que o que esses trastes pensam em relação aos refugiados fez-me lembrar o que li por aqui há uns dias... Que tristeza. Uma pessoa até se divertia por aqui, mas depois de um post daqueles...

    Clara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Clara, não percebeu uma palavra do que escrevi pois não? É claro que não...

      Eliminar
    2. Queria Mais Picante, quem me dera não ter percebido. Quem me dera não ter lido o que li. É porque me preocupo consigo e com o bem-estar de quem por cá passa, aconselho-a a fazer apenas aquilo em que é realmente boa: comentar as misérias dos blogues do costume.
      Já em relação a refugiados, abstenha-se de dizer enormidades. Se quer dizer disparates e mostrar que está muito à frente no seu raciocínio, junte-se ao PND... Eles também estão muito à frente!

      Sua do Coração,
      Clara

      Eliminar
    3. Toda a gente sabe que os conselhos não valem rigorosamente nada, Clara.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.