quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Se me tivessem apetecido blogs nas férias #1

Poderia muito bem ter dissertado sobre a falta de coerência que é desejar caçar um caçador de leões ou de girafas.
(e já nem vou falar da diferença entre homens e animais, não vale a pena...)
(nem da indignação que não suscitam as centenas de mortes diárias, de crianças por sub-nutrição, também não vale a pena...)

46 comentários:

  1. Pipocante Irrelevante Delirante5 de agosto de 2015 às 19:35

    Todos os dias morrem humanos, por estupidez ou maldade de outros humanos. Ainda assim, "faz parte" ser contra a pena de morte. Já o dentista, é balazio nele.
    O alcatrão e as penas, os enforcamentos, as multidões enraivecidas, nunca passaram de moda.
    Pobre Cecil.
    O dentista é um imbecil.
    Merece ser punido, mas não por uma corja de ignorantes que se acha bússola moral disto tudo.
    Fui.

    ResponderEliminar
  2. Tem mais ou menos razão.
    Foi matar o leão por pura diversão. Não houve nenhum motivo valido para o ter feito, não consta que tenha sido em legítima defesa.
    E o facto de morrerem crianças sub nutridas não significa que não nos possamos indignar com estas caçadas bárbaras, sem explicação.
    O que eu não entendo é a legitimidade de quem diz que devemos matar quem matou. Quer dizer: isso não é ser tão assassino quanto o assassino? "Ah, ele matou primeiro", sim, mas tu mataste em segundo e isso faz de ti tão merdas quanto ele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não defendi a caçada desportiva. Defendi?
      (é não ligar... desagradam-me estas indignações "internéticas", com julgamentos públicos...)

      Eliminar
    2. Não nos esqueçamos que há autorizações do governo do pais em questão para estas caçadas, pq de facto, infelizmente, o ecossistema está de tal forma desequilibrado que é preciso matar animais. E' a vida.

      Eliminar
  3. Bem vinda de volta Picante.
    Fazias cá falta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O aborrecimento é que continuam a não apetecer-me blogs.
      (mas tenho dez posts ali em rascunho, dependendo de me apetecer mais ou menos buzz publicarei uns ou outros...)

      Eliminar
  4. Ui, isto é dirigido também à S*?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei. Ela deseja caçar o caçador?

      Eliminar
    2. Também serve para a maçanita..... se pudesse matava o gato mas tadinha, já não pode ver um cão preso :P

      Eliminar
  5. É verdade, os media deviam publicar com mais regularidade artigos ilustrados com fotos de crianças subnutridas, de preferência com um capitalista ao lado. Decerto iríamos indignar-nos com mais facilidade. É que assim uma pessoa nem se lembra que existe subnutrição no mundo e tem tendência a indignar-se com outras questões. Eu, por exemplo, sempre que leio/tenho conhecimento de qualquer atrocidade lembro-me da fome no mundo e já me sinto um pouco menos indignada com essa atrocidade "menor"; fico caladinha e quietinha no meu canto, afinal há sempre algo muito mais importante com que me inquietar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é disso que trata o post, como muito bem sabe.
      Mas sempre lhe vou dizendo que a indignação das redes sociais, com rabos alapados no sofá, não serve rigorosamente para nada a não ser, talvez, para fazer sentir melhor quem se indigna por meia hora (até se resolver indignar com outra causa qualquer, obviamente...)

      Eliminar
    2. Desculpe Picante, eu vou roubar e usar essa última frase para esfregar no focinho dos defensores facebookianos da moral e dos bons costumes, que querem matar o dentista, as outras que bateram no miúdo da Figueira da Foz, o polícia de Guimarães, e por aí fora.Espero que não se importe.Obrigada!

      Eliminar
  6. É impressionante como em actos isolados cometidos contra um animal... conseguem os média / redes sociais comentarem até à exaustão. Vivemos numa sociedade em que as vidas humanas são mais banalizadas que a pobre morte do leão Cecil. Não defendo, como é óbvio, estas atrocidades mas... a vida humana está acima de qualquer coisa. Não vejo tanta indignação com a morte dos refugiados que todos os dias perdem a vida no mar.
    Ainda sou do tempo que quando se noticiava a morte de alguém na tv (morte de causa não natural) era um choque.
    Sou muito antiga... tenho 36 anos.

    CM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. Ainda ontem li que as autoridades italianas tinham resgatado 400 refugiados. Mais 25 mortos e centenas de desaparecidos.
      (meia dúzia de comentários...)

      Eliminar
  7. Picante, já cá se sabe que só nos podemos preocupar com injustiças para com os animais quando todos os problemas do mundo que não os envolvam estejam resolvidos. A União Zoófila é que ainda não sabe disso, pelos vistos. Parece que anda a pedir colaboração para dar uma vida digna à bicharada que lá mora, mas eu tratei logo de lhes dizer que primeiro estão as crianças em África.

    Não perca o seu tempo de férias precioso com isso. Ande lá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, Ana... Eu tenho destas esquisitices, é não ligar, coisas cá minhas.
      Continua a chocar-me que haja mais indignação nas redes sociais por causa do leão, da girafa ou da cadela enterrada viva, que por causa dos que se afogam ou do russo que matou os seis filhos.
      E, não sei se já disse, o julgamento, perseguição e condenação públicos, no FB, incomoda-me.

      Eliminar
  8. A verdade, infelizmente, é que criamos mais empatia com animais do que com humanos - o que não é de admirar tendo em conta a escumalha humana que vagueia neste mundo.

    ResponderEliminar
  9. Que divertida. E o julgamento, perseguição e condenação públicos que faz aqui no blog diariamente já não a incomodam? Tenha juízo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não consegue perceber a diferença entre dizer que uma determinada atitude é desprezível ou que A ou B são despreziveis, embora aí todos castigá-los, lamento.

      Eliminar
    2. Adeus. Ando demasiado bem disposta para aturar póneis e poletes.

      Eliminar
  10. Anónimo, fez-me abrir um blog para confirmar o que suspeitava. Retire o adjectivo e eu publico.
    Suponho que quem tenha gatos seja mesmo assim, eles andam por onde querem, não são propriamente animais obedientes. Essa é uma das razões por que eu nunca terei um gato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bolas, estava eu a ir tão bem nestas coisas de saber do que falas... tinhas de estragar tudo!!!
      Ihihihih... pode ser que com mais comentários eu chegue lá???
      :-)

      Eliminar
    2. Ou seja, o Anónimo insurgiu-se contra a querida S* que tem um enxame de gatos em casa que andam por cima do fogão, entre outros sítios bizarros, pois não foi? Pois.

      Eliminar
    3. Eu não tenho gatos. Mas conheço quem tenha. Há-de explicar-me como é que se consegue impedir os gatos de andarem por onde querem, a menos que estejam presos ou não entrem em casa. Uma pessoa abre uma porta e puff. Passam que nem relâmpagos.

      Eliminar
    4. Picante, só para esclarecer, critica os blogs todos com excepção da S* porque?
      Se fosse a maçã, a pmd... a deixar gatos andarem na banca da cozinha era logo um festival!
      E antes que pense o contrário, não posso com estas duas bloggers e apoio sempre os seus post's. Todavia, esta dualidade de critérios torna o seu raciocínio bastante incoerente.

      P.S. tive gatos a vida toda, nunca um gato meu se pôs na bancada da cozinha. Adivinhe lá porque

      Eliminar
    5. Maria, eu até lhe poderia responder um "porque não me apetece". Acontece que o comentário era mais que uma crítica. Como de costume, aliás.
      (Há uns anos recolhi uma gata abandonada, não deveria ter mais que uns três ou quatro meses, meiguíssima, andava atrás de mim como se fosse um cão. Adivinhe lá para onde é que ela saltou mal entrou na cozinha? Várias vezes, mesmo depois de vários "nãos" e palmaditas? Não percebo quase nada de gatos mas sempre ouvi dizer que eles não são obedientes, fazem o que bem lhes apetece.)

      Eliminar
    6. Deixe lá, Maria. Não são só os comentários sobre S* que não são publicados. Há mais, há mais. Há mais "protegidas"...

      Eliminar
    7. Tem toda a razão Anónima. Quando as pessoas, a propósito de nada, insistem em vir aqui dizer que A ou B são um nojo eu tendo a rejeitar os comentários, usufruindo dessa possibilidade que o blogger me dá. A de rejeitar comentários ofensivos e fora de contexto.

      Eliminar
    8. Claro que pode e deve rejeitar.
      Creio é que não percebeu uma coisa. A picante não deixa que venham aqui dizer "ah e tal a S* usou uns calções que lhe ficam muito mal" mas deixa "A pmd fica com ar de p### com aquele vestido".

      Ofensa gratuita não. Mas fazer o mesmo tipo de crítica que a picante e não aceitar leva a crer que de facto há bloggers que são protegidas. E se isto é um blog de escárnio e mal dizer também também devia dar uso à liberdade de expressão para TODAS

      Eliminar
    9. Eu não disse que a Cocó é um nojo e, no entanto, não publicou o meu comentário.

      Eliminar
    10. Picante, deixe lá. Eu aceito perfeitamente que considerem os gatos em cima do balcão pouco higiénico. Eu sei que o é. Assim como é pouco higiénico o cão dormir na minha cama ou as gatas (são 4!) andarem constantemente em cima de tudo o que é móvel. Das quatro gatas que tenho, só uma, que é o bicho do mato lá de casa, é que não anda em cima das coisas, pois prefere estar escondida. Pode ser pouco higiénico, eu não sou tolinha para o negar. Mas também não nego que cresci numa casa onde os animais sempre foram considerados família. Os meus animais são uma prioridade e, para quem gosta deles como eu gosto, isso acabam por ser peaners, como diria o Jesus. Não me importa. Varro a casa a toda a hora, ando sempre de pano na mão, mas tenho animais que adoro. São escolhas.

      Quem tem nojo de gatos em cima do balcão, que não tenha gatos. Os gatos não obedecem, isso é mentira de quem não tem gatos. Podem até fazer-nos algumas vontades, mas os gatos não são submissos. Já tive dezenas e dezenas de gatos, acho que me posso considerar expert na matéria. Não obedecem e eu gosto deles assim mesmo.

      Eliminar
    11. Maria, o comentário era mais que um "não gosto dos calções". Mas até esse "não gosto dos calções" eu rejeitaria se fosse descontextualizado. E regra geral os comentários sobre a S são-no sempre. Talvez essa seja uma das razões porque eu escolho não brincar com a S. A mínima piada daria origem a um festival e eu não quero, não no meu blog. Lamento.

      Eliminar
    12. Anónima das 14.18:
      Pois não publiquei mesmo. O comentário era pouco simpático e totalmente fora de contexto. Também não publiquei vários comentários sobre outros blogs. Acha que posso? Agradecida.

      Eliminar
    13. S, o problema não foi falarem dos gatos em cima do balcão. Eu também não gosto, como não gosto de animais nos quartos. Essa é uma das razões que me levam a não ter gatos.

      Eliminar
    14. Os meus filhos também são tratados como família e não é por isso que andam em cima dos móveis e das bancadas da cozinha ou dormem na minha cama... a falta de higiene nada tem a ver com serem tratados como família mas sim com falta de higiene mesmo...mas ninguém tem nada a ver com isso mesmo! Na casa de cada um manda cada um.

      Eliminar
  11. Cara Picante,
    Há algum que me custa entender: porque é que há quem se indigne contra os indignados que se indignam por causa dos animais?
    As pessoas agora não se podem chocarem com tudo o que envolveu a morte do Cecil? Porque é que não podemos ser de ambas as partes? Porque é que não nos podemos indignar com a morte por pura diversão de uma animal e simultaneamente mostrar indignação com as tragédias humanas?
    É uma coisa que me irrita ligeiramente, esta coisa de andarem sempre a apontar o dedo a quem ousa indinar-se com outras causas que não as humanas.
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ana, não é bem a indignação contra barbáries aos animais que eu condeno. É a forma como essa indignação é expressa, com desejos de matar caçadores, perseguições públicas e afins. Não é coerente a um amante da vida.

      Eliminar
  12. E quando dizem que mais facilmente ajudam um animal do que uma pessoa? Só espero que, um dia que precisem de ajuda não se cruzem com alguém que pense o mesmo.

    ResponderEliminar
  13. Já eu acho que quem não gosta de animais, geralmente também se está a cagar para as pessoas, nomeadamente as criancinhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digo-lhe que está completamente enganado/a. As pessoas que adoram animais (aquelas completamente extremistas, que se esquecem que um animal não é uma pessoa e os tratam como se fossem) não gostam de pessoas. Não estendem a mão para ajudar uma criança com fome na rua.

      Eliminar
    2. True story...
      Eu adoro animais e sou dessas que os trata como família. Para imaginarem a minha dose de "loucura" digo-vos que o meu cão dorme na minha cama, nós somos a mamã e o papá, tem festa de anos com tudo o que um humano tem direito (mais elaboradas e com mais detalhe do que as nossas), entre outras coisas do género... mas às vezes tenho um bocado vergonha dos "maníacos defensores dos animais"... são um bocado perigosos.

      Eliminar
  14. E tu, pelo que tenho visto por aqui, não queres saber de uns nem de outros. Ah! e criancinhas, só se forem brancas, lindas e loiras, vestidas de Gap ou Ralph Lauren.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que má vontade... Também gosto de crianças ruivas.... E morenas, desde que tenham os olhos claros. Caramba, sempre a dizer mal, sempre a dizer mal...

      Eliminar
  15. O melhor é não nos indignarmos por nada, a não ser que alguém (normalmente uma gaja) use botas até ao cu, organize um evento para ajudar alguém necessitado ou... glup! infâmia das infâmias, publique um texto sobre um produto qualquer sem escarrapachar no tìtulo em bold e com letra tamanho 50 que é um post publicitário.
    Isto na vida há que ter prioridades.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.