segunda-feira, 15 de junho de 2015

Por vezes ouço pessoas de esquerda dizerem coisas que me levam a crer que elas não são de esquerda por desejarem uma sociedade mais igualitária, mas apenas pelo prazer de retirar aos que têm mais que elas. Estive num jantar onde uma fulana disse cobras e lagartos das casas novas, que as velhas é que eram e não sei o quê. Rematou com uma pérola sobre os automóveis alemães serem coisa de noveau-riche exibicionista. Ora ela nunca morou numa casa nova, a dela nem elevador tem. Ah!... E não tem automóvel. 
Ela intitula-se de esquerda. Eu chamar-lhe-ia outra coisa.

36 comentários:

  1. "são de esquerda (...) apenas pelo prazer de retirar aos que têm mais que elas" ... ?!?!?...
    ...
    (o olhar parado, com ambos os olhos arregalados)

    ...

    É pá, ó Luis Miguel...

    ResponderEliminar
  2. Eu sou de esquerda e não sou canhota. Adoro carros alemães e casas novas. E se me permites, dinheiro a rodos também não desgostava de ter. Agora dava-me jeito.
    Não invejo o que os outros têm nem me interessa o que têm os que têm. A minha cena é preocupar-me com os que não têm e arranjarem-se soluções para esses, se preciso for, redistribuindo melhor a despesa e a receita do Estado.
    Acho que essas pessoas a que tu chamas de esquerda têm outro nome.
    Invejosas.
    Dá-lhe um Mercedes Classe C a ver se ela o vai doar ao banco alimentar. Era o ias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mais ou menos isso, é. Não quis ferir susceptibilidades.
      (e a viagem? catita?)

      Eliminar
    2. A viagem foi mesmo fixolas pah. Ainda não estou bem aterrada mas aqui no Rule of Law já estou bem enterrada. De onde é que aparecem tanto papeis e cenas maradas para resolver, em 4 dias úteis de ausência? Alguém me explica como se eu fosse mesmo muito loira?
      Julguei que os deixava todos agarrados às sardinhas e às marchas e vai na volta, pimbas. Tudo agarrado aqui à loira. JAsus! (Pode-se falar em JAsus aqui neste blog não pode? É da casa não é?)

      Eliminar
    3. O drama de voltar de férias é idêntico em todo o lado.
      Mas é tão bom...

      Eliminar
  3. Querida Mais Picante,
    Soa-me familiar... Aliás, ainda na semana passada percebi um "pato bravo". Mas, como era em latim, achei sexy e (pseudo) intelectual. Eu preferia que aprendessem a conduzir pela direita. Os que têm automóvel, evidentemente.
    Boa tarde,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não consta que os patos sejam bravos. Isso é mais com os gansos, acho eu.

      Eliminar
    2. (e não me fale em latim que me lembra a última ideia peregrina do Crato, tenho ganas de lhe dar uns tabefes)

      Eliminar
    3. A ideia não podia ser mais sensata. A aprendizagem do Latim é fundamental para quem pretende usar de forma correcta a Língua Portuguesa. Como disse Afonso da Maia o Latim e a base ....

      Eliminar
    4. Ensinar latim e grego a crianças de 1º ciclo? A sério? Nem comento.

      Eliminar
    5. A partir do nono ano, acho fundamental. Fui professora de Português durante 40 anos, sei do que falo.

      Eliminar
    6. Eu acharia bastante mais útil dar mandarim ou russo, embora por razões diferentes da que aponta.
      Até percebo que se dê latim no secundário, a quem pretenda tirar humanísticas (não sei se ainda é este o nome da área?). Mas também lhe digo que o meu irmão teve latim, salvo erro na universidade, não lhe serve rigorosamente para nada.
      Parece-me que desde que as pessoas leiam escreverão correctamente.
      E dar latim ou grego no ensino básico acho um disparate. Mas eu também acho que os actuais conteúdos programáticos são um perfeito disparate, em muitas das disciplinas, como tal...

      Eliminar
    7. "A partir do 9º ano" é uma realidade tão distinta do 1º ciclo que são realidades incomparáveis.
      O latim não é a base, será o aconchego. Tentar dar umas aulas de latim a crianças de 6 anos é evidenciar ignorância. Incluir algumas noções em programas de ensino avançados, talvez valesse a pena. Mas eu não sou professor de português...

      Eliminar
  4. Pipocante Irrelevante Delirante15 de junho de 2015 às 17:36

    Não diria tanto tirar aos outros o que têm a mais, mas antes tirar aos outros o que eles não têm, nem que seja por opção. Conheço um indivíduo que não tem carro por opção (poderia comprar, tem posses para tal), e que optou por pagar mais por uma, digamos que velha, num bairro típico de Lisboa, em vez de adquirir uma casa nova, e mais espaçosa numa zona mais periférica (até pagando menos). E por vontade dele, éramos todos assim.
    Faz parte da esquerda querer que todos pensemos como nós, sendo que, claro, nós é que estamos certos.
    (não é à toa que os regimes de esquerda se dão mal com essa coisa das democracias)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, esta não tem dinheiro. E parece que tem raiva a quem tem.
      (e depois eu ponho-me a gozar e ela zanga-se...)

      Eliminar
    2. Sabe que às vezes também gozo com as pessoas que se dizem de direita...e zangam-se. Talvez sejam problemas sem tendência politica. Pronto, a Picante teve necessidade de desabafar, e aqui estamos para a ouvir. Beijinhos

      Eliminar
  5. As pessoas de esquerda são estranhas...
    Principalmente quando vão para a televisão dizer o programa comunista.
    Que aumentam salários, que dão abonos, que dão, dão, dão...

    ResponderEliminar
  6. Ainda não conheci um verdadeiro comunista, daqueles que dão o corpo ao manifesto. É só abrir a boca para dizer que são comunistas e depois vamos a ver e não são nada. São uns parvalhões que só querem ser o certo das atenções num jantar ou outro tipo de convívio. Entre um "Noveau-riche" e burguesinha armada em revolucionária, diria que não há grande diferença, não passam de pessoas que vivem das aparências sem o verdadeiro conteúdo.

    ResponderEliminar
  7. Ou então não é de facto materialista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conheço ninguém que verdadeiramente não o seja. Todos temos as nossas taras...

      Eliminar
    2. Sim, mas para algumas pessoas essas taras são prioridades e para outras não.

      Eliminar
  8. Não sei o que é isso de esquerda e direita. Em rigor sou social democrata, embora nenhum miserável partido deste país tenha qq ideologia, excepto talvez o pcp que ainda louva a república progressista da coreia do norte enquanto os surdos aplaudem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em bom rigor falamos de socialistas da ala mais à esquerda.

      Eliminar
  9. A tua amiga é uma jacobina, sans cullotes. Na corte francesa, os jacobinos ocupavam o lugar à esquerda e os girondinos à direita. Os jacobinos eram os camponeses pobres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suponho que houvesse muito jacobino mais preocupado em aumentar a sua própria riqueza (ou diminuir a pobreza), que em diminuir a alheia...

      Eliminar
    2. Anónimo de 00:58 :na corte francesa ? Reveja lá o manual de história...E à esquerda e á direita de quem ou de quê ?

      Eliminar
  10. Eu adoro casas velhas (para mim são antigas). Se forem todas em pedra, então, que regalo (e moro numa assim). Por acaso considero-me de esquerda. Mas, em contrapartida tenho uma bomba de um carro alemão... Tenho de resolver este paradoxo ideológico...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto. Mas prefiro viver no conforto das novas. Aliás, o que eu gosto mesmo é de uma casa nova que mantenha a fachada antiga. Ah! E que tenha garagem. Infelizmente são demasiado difíceis de encontrar. E as poucas que existem são obscenamente caras.
      E não há nada como um carro alemão topo de gama, digam o que disserem.

      Eliminar
  11. Cada um com a sua panca. Mas acho q no caso desta senhora, é mais como a uva disse acima, inveja e não "esquerdismo".
    Já eu tenho um carinho especial pela direita católica. Daquela mm fervorosa. Mas cujas filhas e namoradas dos filhos depois faziam umas incursões a Badajoz, a comprar caramelos, seguramente. Mas vão todos à missa aos domingos, com a sua melhor fatiota, isso é q interessa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, tambem gosto muito dessa direita católica, não só pela razão que deu, mas por aquela que sendo nitidamente homo, vota sempre contra essas coisas pouco ou nada bíblicas (são os piores!).

      Eliminar
    2. Sim, sim. Aquilo era exemplo das mtas coisas q me incomoda neles. Esse é outro :)

      Eliminar
    3. Hipócritas e ressabiados, o tipo de "esquerda" de que a picante fala e estes "católicos". Têm algo em comum, querem impor aos outros as suas ideias sobre como viver e desconfio que devem ser extremamente infelizes.

      Eliminar
  12. Essas pessoas não são de esquerda são pobres de espirito e de carteira.....esquerda é querer que os que têm menos tenham o mesmo que os que têm mais......uma sociedade mais equalitária para melhor....

    ResponderEliminar
  13. Essa que se diz de esquerda é uma inbejosa carago!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.