sexta-feira, 15 de maio de 2015

E agora falemos de coisas realmente importantes...

E aquilo de mudarem o nome à Anita? Hum? Não há direito, caramba, Martine é nome de mulher da rua...

48 comentários:

  1. Cara Malagueta, que se lixe a Anita! Preocupante é como se vai passar a chamar o "Factos de Treino"!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há crise porque com o acordo facto mantém o C.

      Eliminar
    2. Eu estou em DESacordo com a trampa do acordo. Por aqui nada muda.

      Eliminar
  2. Estou com a Mais Doce. É só um nome, por sinal aquele que os autores lhe deram quando a criaram, não vai mudar nada da nossa vida. Lá está, tudo é motivo para as pessoas se indignarem na net.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas estão indignadas? Sério?
      (mas muda na vida na pobre Anita...)

      Eliminar
  3. Ela sempre se chamou Martine.
    Alguém se lembrou que em Portugal Anita seria giro. Ela é Belga, não é da Amadora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um nome estrangeiro, foi por isso que o adaptaram, deviam querer maior identificação das leitoras. E, por cá, Anita esteve em voga, suponho que o Marco Paulo não tenha sido muito alheio a isso.

      Eliminar
  4. Pipocante Irrelevante Delirante15 de maio de 2015 às 16:48

    E Martina é nome de lésbica.

    Olhe, com isto tudo, eu já dormia, era o que era...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há nomes específicos de lésbicas?

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante16 de maio de 2015 às 12:08

      Esqueci-me que não se devem usar analogias desportivas num site de senhoras :)

      Eliminar
    3. Martina Navratilova

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Enjoei. Há muito tempo. Só o cheiro me agonia.

      Eliminar
  6. Pipocante Irrelevante Delirante15 de maio de 2015 às 17:05

    Colecção martine 2015/16

    Martine faz dieta
    Martine vai ao take away do Pingo Doce
    Martine lança um pum
    Martine vai ao PT
    Martine corre a maratona
    Martine e os blogobullies
    Martine e o cão que falava francês

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fã n.• 1 da Filipa Brás16 de maio de 2015 às 09:08

      Martine lança uma coleção de xanatos
      Martine lança um livro de dietas
      Martine lança uma coleção de vernizes
      Martine e as histórias recambolescas sobre os sogros

      E a minha preferida...

      Martine faz caridade

      (estou mesmo orgulhosa. Martine é mesmo empreendedora)

      Eliminar
    2. Martine perde os três
      Martine e o flamingo cor de rosa
      Martine vai ao museu e pinta um quadro
      Martine DESnuda-se

      Eliminar
    3. Martine traz uma mine

      Eliminar
    4. Martine lança um blogue de escarnio e maldizer

      Eliminar
    5. Martine anda de transportes publicos

      Eliminar
    6. Martine comemora no Marquês

      Eliminar
    7. Pipocante Irrelevante Delirante18 de maio de 2015 às 06:54

      Martine apanha a primeira piela
      Martine leva da polícia

      Eliminar
    8. Martine odeia anónimos

      Eliminar
  7. Isto últimamente é só assunto para movimentação das massas nas redes sociais. Primeiro a miúda abusada (aborta ou não aborta). Depois o orelhas (cantava mal como tudo). E ainda não acabou o linchamento popular virtual por causa das pitas soqueadoras e eis que uma nova missão se avizinha: fazer com que a malta da editora se arrependa amargamente da mudança que pretende efectuar, com boicote e quiça extinção da mesma. Portugal anda numa agitação....
    ps: não meto tudo no mesmo saco, claro está. É só fazer a passagem dos últimos dias virtuais e ver que o povo anda sedento de sangue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não se esqueça do rapaz assassinado e acabei de ler que há um novo caso de bullying, o do autocarro de Leiria. É um fartote.

      Eliminar
  8. Pior é ter a filha da Cocó a apresentar o 2º(!!!) livro da + doce no Chiado.

    Dai-me paciência

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que tem ela a ver com a Anita? Nada, não é?...

      Eliminar
  9. E a filha da outra? Haja amigas

    ResponderEliminar
  10. É assim que se faz a vida.
    Meter os miúdos a trabalhar de tenra idade. Sem sopas de cavalo cansado, claro.

    Realmente ela disse que tinha falta de dinheiro...

    Já sabemos que adora a bloger, mas caramba!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Meter os miúdos a trabalhar..." (...) "trabalhar"??!! ... Oh God!....

      Eliminar
    2. Será no sentido de render? Género render visitas para o blog e ganhar iogurtes?

      Eliminar
    3. Pois... Deve ser... A questão é que ou se opta por expor os filhos ou não (e sobre isso já sabes a minha opinião). Mas dizia eu, se se opta por fazê-lo, qual é o problema de a menina ir apresentar um livro infantil? Até acho, aliás, uma coisa bem engraçada...

      Eliminar
    4. Nenhum. Supondo que aquilo estará cheio de crianças, nenhum. Mas que queres?

      Eliminar
    5. Ahahahahahahahah Nada... Não quero nada. Foi só para passar um bocadinho... Fiz Um Dó Li Tá e calhou-me em sorte este teu anónimo para implicar... Não te importas, ora não? :DDDD

      Eliminar
    6. Pra essa, por quem sois. Para implicativo e meio, meio implicativo.

      Eliminar
  11. Estou farta da blogo, mas há coisas que me deixam mesmo com o estogamo sensível

    Vale tudo

    ResponderEliminar
  12. Muito tristes estas notícias... Primeiro matam o McDreamy, depois travestem a Anita de Martine, and last but not least (nor final) sufocam-nos com o acordês... Estou de rastos..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim, o que me deixou realmente perturbada foi terem morto o McSteamy.

      Bom fim de semana, Maria.

      Eliminar
  13. Sim, Anita é tão mais inocente! :)

    ResponderEliminar
  14. Martine é nome de mulher de rua, "a mais picante" de que será?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então... De blogger muito inteligente, magra e divertida.
      (quase me saía um duh, quase...)

      Eliminar
    2. E feia como tudo de certeza!

      Eliminar
  15. Não gosto da mudança.
    É algo puramente emocional, de quem já recebeu livros antigos, que depois passaram a ser seus e que ainda estão como novos, prontos para mais uma geração. Mas é esse lado emocional que também me teria levado a comprá-los.

    Até podia ter saído uma Martine qualquer com uma arte distinta e com uma base histórica semelhante que desse muito sucesso mas mudaram o nome de algo que é "nosso", que faz parte da nossa infância. Sentir-nos um pouco traídos é até natural. Se inicialmente não se manteve o original e permitiram que todas as pessoas se afeiçoassem a um nome, agora acho que é uma péssima ideia trocá-lo.
    As mães que o iriam comprar motivadas pelo saudosismo, as avós que iriam comprar para os netos pelos mesmos motivos, será que optam por esse livro? Ou optam por uma de muitas outras escolhas? Quantas crianças vão dar atenção à Martine quando há tantas outras figuras com as quais se identificam mais? A identificação perde-se. Ninguém tem uma mãe ou um pai a contar o motivo pelo qual se sentem ligados à história, não há partilha de histórias associadas ao livro, não há a partilha de "como era no meu tempo".
    Até o facto de tirarem coisas como "tocar música no gira-discos" me irrita. As nossas crianças têm actualmente um ambiente diferente mas isso obriga a que não tenham conhecimentos do passado? Eu adorava quando a minha avó me falava de como era antigamente e quando me falava de coisas que eu nunca conheci. Aprender o que é um gira-discos e o facto de que antigamente não havia internet, telefones e telemóveis parece-me o mais lógico e recomendável (até em termos de cultura geral).

    Eu corri mundos e fundos para conseguir a antiga "colecção formiguinha" da Majora, isto porque a tive na infância e a mesma tinha sido o meu pai a comprar. Ele comprou-a para mim pois tinha tido um livro dessa colecção em miúdo (só 1 pois os meus avós eram mesmo muito pobres). O meu pai, motivado pelo saudosismo e, talvez até motivado por um desejo de infância não realizado, comprou toda a colecção assim que começou a trabalhar, no entanto, essa colecção acabou por oferecer a uma sobrinha que viveu com ele muitos anos. Mais tarde, quando eu nasci ele fez questão que eu tivesse a colecção completa - a mesma infelizmente desapareceu de minha casa - daí que, agora em adulta, eu movi mundos e fundos para a conseguir.
    Esta será a minha próxima prenda de anos para o meu pai e continuo à procura de outra colecção inteira para comprar para mim.

    E é isto que faz circular dinheiro, não é? A nossa afectividade pelas coisas.
    Eu adoro ler livros mas cada vez são menos os que compro em português por serem excessivamente caros mas estes "meus" não dispenso de os ter. O que gastei nos livros da "formiguinha" jamais gastaria com qualquer outra colecção em português, optaria sempre por tentar comprar no Reino Unido ou afins através de amigos ou da internet. Se esta colecção da "Martine" saísse com o nome original, com a Anita, o Pedro e o Pantufa, eu teria todo o gosto em continuá-la. Assim, terei que recorrer ao OLX e ir procurando até encontrar os livros num estado razoável e preço semelhante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, eu fiz o post a brincar mas fico com um bocadinho de pena. Eu lembro-me de ler aqueles livros, aqui há uns anos fui comprar um, com a minha criança, deliciei-me a rever aquilo, ainda me lembrava de muitas das imagens e títulos.
      É muito por razões emocionais que cá tenho toda a colecção azul, cinco, sete, mistério, quatro Torres e Sta Clara. Aquilo lembra-me outros tempos.

      Eliminar
  16. Saudações Benfiquistas, ó Picante!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.