segunda-feira, 11 de maio de 2015

Das dúvidas

Quantos posts será possível fazer-se sobre uma porra de uma cirurgia rotineira?
Caramba... Deus lhe dê muita saudinha, sim?

31 comentários:

  1. Pipocante Irrelevante Delirante11 de maio de 2015 às 10:41

    O tornozelo é o calcanhar de aquiles de um homem.

    As melhoras

    ResponderEliminar
  2. Quem, quem , quem?? :D

    ResponderEliminar
  3. Hahahahahahah E acho que não ficou por ali!

    ResponderEliminar
  4. Aposto que já está a pensar em ir tirar o apêndice e a vesícula, só para ter assunto para mais 2 anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao lhe des ideias, faxavor! :D

      Eliminar
  5. Pipocante Irrelevante Delirante11 de maio de 2015 às 13:19

    Ainda do assunto anterior

    Isso das imagens de crianças na internet tem o seu quê de assustador, não se sabe quem as vê, grava e/ou transmite a outros e com que intenções, mas na minha opinião esse não deve ser o argumento para evitar colocá-las. O medo é real e fundamentado, mas não podemos viver com medo. Há pedófilos ou simplesmente pessoas mal intencionadas na internet, como as há no mundo físico, temos de saber viver com esse facto.
    Onde acho que os pais falham, é na (não) protecção da intimidade e privacidade dos filhos. O problema é que os próprios pais acham natural exporem-se, logo medem os filhos pela mesma bitola. Só que os adultos tomam decisões racionais, e têm de aceitar as consequências, já as crianças não têm essa capacidade, daí o nosso dever de as proteger. Ainda mais interessante é o facto dos bloggers se queixarem que o ciberespaço é duro e violento, mas no entanto exporem os seus filhos naquele. Ou seja, admitem que há pessoas de má índole pela net afora (por maldade, falta que fazer, o que for), mas depois admiram-se que essa maldade se vire contra os seus. Só mesmo de gente que acha que consegue manter o seu mundo cor-de-rosa estanque.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu, por acaso, acho que o problema também reside no primeiro ponto. Isto pode ser um chamariz para gente depravada, a qual não só fica a conhecer hábitos familiares, como histórias pessoais daquelas crianças (podendo criar um sentimento de identificação e cobiça). Acho isto tão perigoso como andar a pé à noite numa zona mal frequentada. É um "por-se a jeito" totalmente desnecessário.

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante11 de maio de 2015 às 14:30

      Eu compreendo que sim,e não acho que devam publicar pormenores de rotinas. Daí a não colocar uma foto tirada na praia porque alguem pode cobiçar a menina em trajes menores... esse risco EXISTE, mas não acho que deva ser factor de dissuasão.
      Mas toca num ponto interessante que é o da cobiça da vida alheia. Esses (as) bloggers que vendem a imagem essencialmente querem provocar cobiça nas suas seguidoras/clientes. O objectivo é que queiram ser como elas, viver a vida delas. E umas malucas podem querer mais que um Mateus, podem querer o Mateus.
      Enfim, podíamos discutir isto eternamente, ou no pelo menos num programa de meia hora na Sic Mulher.

      Eliminar
    3. A questão passa muito por aí, não é?
      Eu posso identificar-me com uma criança que passa na publicidade, achar que é, por exemplo, parecida com um filho meu que faleceu ou com o filho que eu idealizava ter. Posso também ser um depravado e achar que aquela é a criança que me deseja e que ela até está a sorrir para mim a namoriscar comigo, etc.
      Mas é-me quase impossível descobrir quem é aquela criança, é impossível saber a sua nacionalidade, proveniência, país, idade real, etc. É-me impossível chegar a ela por muito más intenções que eu tenha.

      Já com os filhos de algumas bloggers não é nada difícil saber onde estão, que sitios frequentam, com quem estudam, quem são os avós, os nomes das pessoas significativas, etc.

      Se há pessoas más na rua? Claro que sim. Por isso é que não deixo o meu filho sozinho na rua, por isso é que o vou buscar, por isso é que não ando na cidade sozinha à noite com ele nem o deixo andar lá sozinho (entre muitas outras coisas).
      Mas será que podemos comparar o "ladrão fortuito" com alguém que faz stalking? Nenhum de nós está livre de ter um vizinho tarado, um auxiliar na escola pedófilo, um abusador num parque que tenta raptar o nosso filho. Fazemos tudo o que está ao nosso alcance para o evitar, fazemos o possível para estarmos atentos, ver os sinais, etc. Mas isso justifica o resto? O outro lado?

      É que, como já foi visto com aqueles "escândalo" recente onde uma determinada personagem decidiu dizer que uma familia X era a Picante e seus filhos, isto pode dar para o torto. As bloggers tem quem as ame e quem as odeie, existem pessoas paranóicas e doentes, pessoas que quererão a sua vida e outras que fariam quase de tudo para se vingarem. E se essa pessoa for aquela que está do outro lado?

      Quem garante que eu ao olhar para aquela fotografia/aquelas crianças não ganho uma cisma com elas? Quem garante que não vou começar a ir à porta do colégio que frequentam, quem garante que não as vejo na rua, as persigo, etc? Por exemplo, eu posso ser paranóica. Vocês não sabem. Eu podia ser aquela pessoa que depois de ver um simbolo de um determinado colégio me colasse à porta do mesmo para ver se via AQUELA criança a passar. Depois, imaginemos que um dia a mãe até se atrasa e eu chego perto das crianças e digo-lhes, por exemplo, que sou a tia de uma amiga (retiro o nome do blog) e que a mãe deles me pediu só para os levar ali aquele sitio X porque ela teve um pneu furado e, como sei tanto sobre a sua vida (porque quem é obcecado sabe tudo e lembra-se de tudo e as ditas bloggers contam demasiado nos seus blogs), elas irão acreditar que eu as conheço e até podem vir comigo. E depois? Depois é o "ai meu Deus".

      Desculpem-me mas fazer isto a crianças é, para mim, negligencia.

      Sigo um fórum que é o "fórum da casa" e neste momento existe lá um aviso porque há um fulano a visitar locais de obra de pessoas que postaram algumas fotos da casa que estão a construir. Alguns nunca imaginariam que fossem descobertos, outros deram dados de mais. Facto é que nenhum achou piada à visita surpresa...

      Eliminar
    4. No fundo, um blogger que dê o nome acaba por ser uma figura pública. Obviamente de reduzida dimensão, não há assim tanta gente a ler blogs.
      Parece-me que alguns se expõem em demasia. Uma fotografia em biquini é mesmo só uma fotografia em biquini. Não tem qualquer problema para 99.9% das pessoas. Mas eu detestaria saber que um anormal qualquer se poderia excitar a olhar para uma fotografia de um dos meus filhos, que eu tinha publicado na net, ali para toda a gente ver e para meia dúzia de pessoas me vir dizer "ai que amor".
      E se a verdade é que o mais provável é que não haja perigo físico para as crianças, o saber que pode haver e que a culpa seria minha é, para mim, elemento suficientemente dissuasor. E depois os miúdos não são tidos nem achados, acaba por ser uma falta de respeito de quem os deveria resguardar.

      Eliminar
  6. O que me surpreende é o tempo e a pachorra que vocês têm para ver merdas dessas!!! Por isso, qto a mim, as vossas diferenças não são assim tantas!! Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como tempo e pachorra? Então aquilo não me aparece no feed? Basta ler a primeira frase.

      Eliminar
    2. Faz boas escolhas para o seu feed, não há dúvida!

      Eliminar
    3. Os blogs de que gosto estão ali ao lado.
      O feed serve para saber o que se passa quando os meus leitores não têm a bondade de me informar.

      Eliminar
    4. Fã N.• 1 da Filipa Brás12 de maio de 2015 às 02:26

      Olhe dona picante eu agradeço lhe.
      Para mim isto é como andar no 12 ano e não ter pachorra para ler as obras obrigatórias (com a diferença que nos blogs não se perde nada em não ler o original). De modo que venho aqui ler os hot topics/resumos. Beijinhos.

      Eliminar
    5. O Anónimo das 15.38h é engraçado. Então não sabe como temos tempo? O tempo que eu despendi a ler isto é mais ou menos o mesmo que "perdeu" por cá :)

      Eliminar
  7. Fã n.• 1 da Filipa Brás11 de maio de 2015 às 15:38

    Olhe dona picante, vou deixar de vir aqui.
    Uma pessoa fica a ver navios e depois não pode opinar. Não há ninguém que dê uma luz?

    Agradecida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fã n.• 1 da Filipa Brás11 de maio de 2015 às 15:45

      (Deixar de vir aqui é uma maneira de tentar saber de que(m) fala. É dramático mas possa ser que resulte. Alguém?)

      Eliminar
    2. É alguém que não tem blog mas a quem não faltam posts de encher chouriços... :P

      Eliminar
    3. Fã N.• 1 da Filipa Brás12 de maio de 2015 às 01:34

      Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh obrigada!

      Eliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Entao, picante, nao vais falar daquilo da sic e das orelhas de um miudo de 16 anos?
    Pelo vidtos, nao faz mal, o puto qur se faca a bida! Agora, gozar com posts de pessoas que ja tem boa idade para ter juizo, alto e para o baile!!, isso e que nao!, que os trollers sao maus e elas, coitadinhas, sao umas vitimas. E preciso ter lata!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um orelhudo que cantava mal num programa que goza com as pessoas que cantam mal e com o qual provavelmente o puto já deu umas valentes gargalhadas? Haja paciência para pseudo vitimas de pseudo bulling (eles sabem lá o que é o verdadeiro bulling)!!!!

      Eliminar
    2. Por acaso aquilo das orelhas era escusado. Mas é verdade que aquela gente tem obrigação de saber ao que vai. E deviam ter a noção. Caramba...

      Eliminar
    3. Fã N.• 1 da Filipa Brás12 de maio de 2015 às 02:28

      Se me permitem não concordo.
      Toda a gente sabe ao que vai e sabe que pode ser gozado por cantar mal. Está certo. Gozarem com o aspecto físico de uma pessoa já me parece me excessivo.

      Eliminar
    4. Sim, o puto descobriu agora que as orelhas podiam ser alvo de chacota, querem lá ver. Engraçado é quando dá entrevistas a dizer que esteve muito mal, sem sair do quarto. Sim, não sai do quarto mas deixa entrar jornalistas para dar entrevistas e fazer fotografias. Mais um que quer ser famoso e como não consegue pela voz que seja por ser coitadinho.

      Eliminar
    5. A questão não é se o miúdo se está ou não a fazer de coitadinho. A questão é que havia muito para gozar, bastaria pegar na voz dele. Não havia necessidade de lhe ir gozar as orelhas.

      Eliminar
    6. Picante, agora esteve mal. Gozar é gozar. Orelhas ou voz. É mais legitimo gozar com a voz do que com as orelhas? Só porque estava num programa onde supostamente estava a ser avaliado pelos dotes vocais? Não servia, diziam simplesmente "pode sair, obrigado".

      Mas atenção que nem estou a referir-me à situação em concreto, somente ao que disse acima. Sobre o "caso" (que para mim é um não-caso), acho tudo um enorme disparate. Não sair de casa? Deixar de ir à escola? Os pais a permitir tal? Os professores/escola a apoiarem? Francamente! O rapaz não sabia que tinha orelhas grandes? Que a televisão passa imagens, não somente a voz que ele devia achar que era espantosa? Foi a primeira vez que a Sic (bem como as outras televisões) gozou um concorrente de um de seu programa? Ou melhor, foi a primeira vez que uma televisão se serviu abusivamente de alguém para aumentar audiências?
      E o país não pára de falar do assunto, blogosfera incluída?
      De facto, Portugal é um país muito pequenino...

      Eliminar
    7. Vamos lá a ver. Aquilo é suposto avaliar talentos. E goza os não talentos que vão lá, convencidos que são bons. Goste-se ou não, é esse o formato do programa. Daí que é normal que as pessoas sejam gozadas quando não acertam duas notas seguidas.
      Já gozar aparências físicas parece-me despropositado e fora do formato do programa (nunca tinha visto, suponho que não seja recorrente).
      Se o miúdo se está a aproveitar? Se calhar está. Sinal de que não é tão parvo quanto a SIC o quis fazer.
      E pronto, o assunto hoje é bullying.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.