terça-feira, 12 de maio de 2015

As coisas são como são

Querer imitar o original nunca é boa ideia. Pelo menos quando o original é uma quase obra de arte.
(de repente, nem sei bem porquê, lembrei-me de alguns concorrentes dos Ídolos...)

17 comentários:

  1. Sempre vai escrever sobre aquilo do bullying e das orelhas grandes?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pobre miúdo, também não havia necessidade de lhe gozar as orelhas. Os dotes vocais já dariam pano para mangas...
      (gente sem noção, caramba...)

      Eliminar
    2. Exatamente! E se acham assim tanta piada achincalhar esse tipo de deformacao, porque nao goza a producao com a vesguice do outro?

      Eliminar
    3. Mas toda a gente goza com a vesguice do outro. E com a pimbalhice da outra e com o ar de choninhas do outro-outro.
      Só porque não esperneiam nem fazem de coitadinhos não quer dizer que não saibam que são gozados.

      Eliminar
    4. Mas aqui foi a produção que gozou. E acho que não havia necessidade.

      Eliminar
    5. Sinceramente, também acho que não havia necessidade. Vi e fez-me impressão. Claro que já me tinha rido quando passou a primeira vez com ele só a cantar muito mal. Tipo: credo! que cromo!, mas quando surgem as imagens com as orelhas a aumentar de volume fez-me um bocado de impressão. Só que os dias foram passando e quando toda a gente começa com a história do coitadinho comecei a reparar noutros pormenores. De repente dá entrevista a fazer-se de vitima, a familia aparece no fb a tentar ganhar notoriadade... já havia primos por todo o lado a dizerem que vai ser pedida indemnização e comecei a ver o circo a ser montado.

      Eliminar
    6. Pipocante Irrelevante Delirante12 de maio de 2015 às 13:46

      Coitado do rapaz
      Foi a um programa de exposição nacional
      E foi gozado
      Não há direito

      Charlie o pénis

      Bullying (ou "bulling como já li)? Nem de perto.
      Se não aguentas o calor, fica longe do forno

      PS: nem vi essa treta, assumo que lhe puseram umas orelhas de dumbo(??) pós-produção, para lá dos "elogios" à sua capacidade vocal

      Eliminar
    7. Eu só vi um anúncio, não vi o programa propriamente dito. Puseram-lhe umas orelhas, mais de burro que de dumbo.
      Continuo a achar que não havia necessidade. Mas o puto é um imbecil. E os pais ainda mais.

      Eliminar
  2. Ou o proprio juri que nao consegue ser original em nada, sao copias falhadas e sem graca nenhuma.
    Nao sei porque a televisao insiste num formato que ja deu o que tinha a dar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipocante Irrelevante Delirante12 de maio de 2015 às 17:03

      Porque há quem veja.

      proxima questao

      Eliminar
  3. O original não é assim tão obra de arte. Acho até que o post dela é melhor do que o artigo dele. Que comete um erro grosseiro, incompreensível num jornalista/colunista da envergadura dele, falando daquilo que não sabe. Do que não viu. Do que apenas lhe contaram. Por causa desse erro grosseiro, passa demasiado tempo a divagar, por exemplo, sobre a postura dos jurados no caso em apreço, quando aqui a única responsabilidade é da produção da SIC: o rapaz não passou da pré-eliminatória e nem sequer foi à presença do juri.

    Aliás, não se percebe muito bem porque motivo o país todo anda a desancar nos (supostos) defeitos físicos dos jurados quando estes nem sequer foram tidos ou achados neste caso concreto (terão, sim, muitas culpas noutras humilhações deste concurso, mas não nesta), como se não se estivesse a fazer exactamente o mesmo que se está a criticar. O que, note-se, acontece também no artigo jornalistico apelidado neste post de "quase obra de arte".

    ResponderEliminar
  4. engraçado... assim de repente só me consegui lembrar de ti ;)

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.