quinta-feira, 30 de abril de 2015

Em verdade vos digo

Se oferecesse a senhora minha mãe qualquer presente retirado das "dicas" super top e amorosas com que as Rosinhas têm a amabilidade de nos encher, por estes dias, não sei o que aconteceria. Provavelmente mandar-me-ia internar. Também poderia ser que me deserdasse, não sei. Sei que coisa boa não sucederia.
E agora vou almoçar, à vossa.
(sim, podem imaginar um flute no ar...)

terça-feira, 28 de abril de 2015

Ó Senhor! Senhor! Ó Senhor!.. Sim, é consigo mesmo, senhor...

De nada adianta mudar o título se não eliminar o post, ele mantém-se no link. Uma pessoa vai para dar um ar da sua graça e qual não é o seu espanto quando verifica que isso dos sonhos não passa de um second best, o senhor quer mesmo é que o DESlarguem.
De nada.
(e eu deslargo, é claro que deslargo, não há necessidade de se ser desagradável, pois não é?)

Dos suspiros

Em querendo arrancar suspiros a meia blogoesfera é fazer um blog da felicidade. Falar-nos sobre motivação, mostrar-nos que querer é poder, que com muito esforço e  persistência não há qualquer tipo de limite à nossa capacidade de obter. Expliquem-nos de como o espírito controla o corpo, que a capacidade de ser feliz reside na disponibilidade mental de apreciar o nascer de um novo dia, uma onda a rebentar na areia, um arco-irís que surge por entre a tormenta. Ilustrem tudo isto com fotografias bonitas de novas cozinhas rústicas, mesas repletas de scones e compotas de mirtilos, sumos de goji e pães de cereais estaladiços, acabados de sair do forno. Vendam-nos mantas com nomes sugestivos... motivação, esplendor, alegria, concórdia...
Mostrem-nos tudo isto, diariamente, várias vezes ao dia. E nós suspiraremos. De tédio.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Agora escolha ou Quando o telefone toca ou O leitor decide

Faço um post a explicar, detalhadamente, a tremendamente difícil arte de como arrancar suspiros a meia blogoesfera? Ou falo da flexibilidade e tolerância dessa instituição que é a Igreja Católica?

sábado, 25 de abril de 2015

Que estás a fazer, Picante?

Daquilo da liberdade do 25 de Abril e do pelame

Para o ano hei-de lembrar-me de fazer uma promoção oferecendo uns tops de uma marca conceituada. Talvez Zara ou Primark, não sei. Eu ofereço os tops, vocês queimam uns soutiens. Que me dizem?
Caramba, gostava de saber quem são os criativos por trás de tão engraçadas campanhas. É que a mim, só me passa pela cabeça que foi o 25 de Abril que permitiu estes tipo de patacoadas sem autorização dos vossos maridos.

sexta-feira, 24 de abril de 2015

E agora falemos de coisas verdadeiramente importantes

Um produto que aumenta os níveis de antioxidantes e nos tira vinte anos de cima? Ou dez, descontando o efeito exponencial jornalista? Ainda por cima sob a forma de chocolate? Quer dizer que agora temos uma desculpa super plausível para ingerir 7.5gr de chocolate por dia? Obrigada, meu Deus, por mais esta alegria.

A vida é tão bonita, pois não é?

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Os problemas dos homens

Não perceberem o exacto momento em que ficaram a falar sozinhos continuando, por isso, a puxar-nos a saia, qual criança pequena.

Agora o que é mesmo divertido, coisa para me pôr a rebolar no chão a rir

É uma blogger fazer "publicidade" a tops brancos que, vai-se a ver e são... pijamas!

(a sério que a menina vai sair nesses preparos à a rua? Olhe que, em calhando, serão transparentes, veja lá isso...)

(e eu que nem tinha reparado na coisa, valem-me as minhas anónimas boas)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Das perdas que afinal se convertem em ganhos

Aqui há uns dias, dizia-me a I., que tinha retido uma coisa que eu lhe disse. Ora dizia-lhe eu que acreditava nas pessoas e esperava sempre o melhor delas. E é verdade. Nem sempre foi assim mas a vida pôs-me frente a frente com uma equipa que me obrigou a repensar todo o modus operandi a que estava habituada. Sendo directa, eles eram fracos, francamente fracos. Depois de dois ou três dias a lamentar-me, ai ai ai que isto é uma cabala do universo, ai ai ai que quem se vai lixar vou ser eu, ai ai ai que não consigo fazer tudo sozinha, ai ai ai que me vou desgraçar, pus-me a fazer aquilo que de melhor sei fazer. Dei corda ao tico e ao teco e reorganizei aquela malta toda. A verdade é que a coisa correu bem, corre sempre bem, eu sobrevivi incólume e aprendi a retirar o que de melhor havia em cada indivíduo. Porque é um facto que todos temos coisas boas. Esta capacidade, de se ver o lado bom das coisas, pessoas neste caso, está provavelmente muito ligada ao meu optimismo, eu sou aquela pessoa capaz de ver sempre o copo com água, ainda que ele esteja vazio. E às vezes até está.
Mas o que eu queria mesmo dizer é que, recentemente, perdi uma pessoa, alguém que foi importante e em quem maioritariamente via coisas boas. Nem sei bem quando a coisa começou, quando foi que perdi a faculdade de lhe ver as características positivas, quando me começou a desagradar uma coisa aqui, outra coisa ali, nada de muito importante, até que, de coisa pouco importante em coisa pouco importante, lhe perdi o respeito. E é lixado uma pessoa ter uma decepção, até podemos esquecer, e eu esqueço, até podemos perdoar, e eu perdoo, mas nunca mais as coisas voltam ao mesmo, as coisas não mais serão como eram. No fundo talvez não tenha perdido nada, não podemos perder aquilo que nunca realmente foi nosso. E depois, eu acho sempre que quando Deus nos fecha uma porta abre uma janela, lá está, é o meu optimismo a falar, vai daí que Deus foi generoso comigo, desta feita abriu-me seis janelas. E que janelas, senhores, aquilo mais parecem portas de varanda, de tão grandes que são, de tanta luz que dão.
E é isto. Gosto muito das minhas janelas, não sei se perceberam.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Gostei e comprei

Adoro o branco. Tenho dezenas de panos brancos para limpar a louça, além de serem um clássico e darem bem com qualquer tipo de louça, são muito fáceis de lavar. Em caso de uma mulher transpirar um bocado dos sovacos também dão um jeitão, agarra-se no paninho e já está, sempre evitamos ficar com aquelas pinguinhas, a escorrer pelo sovaco, que dão muito mau ar, até parece que acabámos de vir do running ou assim... E nem sequer há o problema de ficar com manchas amarelas, em se tendo um bocado de cabeça, lava-se as manchinhas com sabão azul e branco, deixa-se estar em sabonária e pronto. Se a mancha persistir podemos pôr um bocadinho de lixívia, como é branco não faz mal. Adoro panos brancos, não sei se já disse. E tenho-os às dezenas, não sei se sabem.




sábado, 18 de abril de 2015

Dos risos fáceis

Que diz o tomate à sua mulher?
Tomatasme.

(também sei a do tubarão, caso estejam interessados...)

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Um dia...

Apagas todos os posts fofinhos em que gozavas despudoradamente os pais do teu marido, assim como aqueles em que partilhavas proezas a dois, de foro mais intimo, vá...
Ontem foi o dia.

(mas o carácter, esse, não o consegues apagar tu)

#jesuischarlie

A blogoesfera já foi mais digna

Recentemente, houve quem achasse que tinha descoberto a minha verdadeira identidade. Em virtude de essa pessoa ser bem formada, optou por não revelar publicamente essa presumível identidade. Em vez disso parece que resolveu ir, para o facebook, dar pistas sucessivas às suas cegas seguidoras ou, eventualmente, contar em privado a algumas, não sei. Sei que não tardaram em vir aqui depositar comentários onde constavam nomes completos, moradas, nomes de filhos, etc. da pessoa que acreditam estar por trás da Mais Picante, numa clara tentativa de intimidação.

A verdade é que eu sou a Mais Picante. Ainda que se soubesse, que eventualmente se venha a saber, que me chamo Ana Filipa, Susana, Sofia, Graça ou Pureza, aqui, serei sempre a Mais Picante. E continuarei a ser incómoda, se assim me apetecer. Porque vivemos numa sociedade livre. Porque tenho esse direito.

As pessoas em geral, blogoesfera em particular, podem achar que este blog é uma coisa de extremo mau gosto. Têm essa liberdade. O que não têm é a liberdade de ameaçar, intimidar e fazer devassa da vida privada de outrem.

Acho lamentável que as póletes não tenham a noção da gravidade e possíveis consequências judiciais da perseguição que iniciaram a alguém que é real e está para além dos blogs. Pode ser que tenham sorte e que a atingida também não tenha a noção de que pode, e deve, apresentar queixa ao ministério público (não sei se acredito muito nisso...)

Deixo-vos com dois comentários fofinhos, apenas dois, entre vários que recebi:

"Tssshhhh... acho que quando saíres à rua deverias começar a, a cada dois passos, olhar para trás e para os lados, é que agora a tua morada se tornou pública (ilustrada com fotos e tudo no novo grupo do facebook) o que não vão faltar é paparazzi a querer contribuir para o gáudio geral.
What goes around, comes around ;)
Uma velha conhecida do ... " 

 "Olá ...............!
Acabei de ver uma belíssima compilação de fotos (tuas, do teu marido, dos teus filhos, do teu prédio, dos teus irmãos...) e de dados acerca da tua pessoa no facebook. Hahahahaha que máximo, juro que te imaginava mais gira, mais sofisticada... mas não, cara, cabelo e postura tão insossos, credo, estás mais para mosquinha morta do que para piri-piri. E o teu marido, a sério que não arranjavas coisinha melhor? (Pergunta retórica, evidentemente) Sim, o senhor até tem um bom currículo e um bom cargo.....  mas, convenhamos, as habilidades dele não devem passar daí... .................
Sabes, bem vistas as coisas até se compreende que sejas assim, a falta de umas (boas) quecas deve provocar meeeeesmo uma amargura terrível. E faz rugas, ainda por cima! Não é à toa que estás carregadinha delas..."

E é isto, a internet.

Tenham um bom fim de semana. Se conseguirem.

(Estou a guardar e reencaminhar, a quem de direito, todos os comentários anónimos, que têm tido a amabilidade de vir aqui depositar, assim como a fazer print screen de todas as provas do, digamos... crime)

(Não deixa de ser engraçado, e simultaneamente muito revelador, que a autora da descoberta da minha presumível identidade, depois de ter dado todas as pistas que permitissem chegar aos dados privados da alegada Picante e, por consequência, respectiva família, filhos incluídos, se encontre agora a apagar comentários que revelam o seu envolvimento na coisa. Ela deve saber bem que fez asneira e que, caso a coisa corra mal, terá que responder legalmente)

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Da nobreza

É tão conveniente fazer parecer que se é Nobre, quando afinal não se passa de um simples plebeu...
Ah! A magia do teatro!...

Os problemas dos homens

Achar que falar sobre sentimentos é coisa de meio homem.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

A dúvida que realmente me aflige, me deixa para aqui ansiosa e expectante...

É se vai tornar a haver mudança de blogs ali, na coluna da direita.

(olha... afinal acabou antes de ter começado... logo agora que já tinha aqui as pipocas e tudo)

terça-feira, 14 de abril de 2015

Somos todos Charlie, é claro que somos todos Charlie, nem sei qual é a dúvida

Se me apetecer tecer comentários sobre o carácter das pessoas, ainda que de forma irónica, não me posso admirar que as pessoas não se riam, por mais engraçada que eu seja. Ou que me respondam igual. No fundo, serão apenas as pessoas a dar largas ao Charlie que há nelas.

(e como saímos todos vivos, uns arranhões ao ego na pior das hipóteses, nem sei qual é a dúvida, é claro que somos todos Charlie)

Tenho uma coisa mesmo, mesmo fantástica para partilhar!

Só que não posso contar quase nada. Quer dizer... não posso contar mesmo nada. Mas ainda assim fixem-se neste post de altíssimo gabarito que me apeteceu fazer só porque me apeteceu fazer. 

(pronto... ok... só para não ficarem tristes deixo-vos um maravilhoso hashtag: #embraceyoureccentricity)

segunda-feira, 13 de abril de 2015

O meu fim de semana que mais pareceu uma maratona

Friday (6ª feira) tive um jantar com friends (amigas). Foi muito fixe, se fosse da nova geração arriscar-me-ia a dizer que foi top, mas não sou, como tal foi fixe. Já não estávamos todas juntas há long time (muito tempo), vai daí que para além da coisa durar até late (tarde) ainda surgiram várias combinações, a primeira das quais já para next saturday (próximo sábado). Por falar em sábado, quando o despertador rang (tocou) achei que ia morrer. Lá me levantei a custo para despejar uma criança no polo aquático e outra na ginástica. Antes de ir fazer o meu walking (tenho um knee (joelho) injured (magoado)), ainda fiquei um bocadinho a assistir ao novo esquema de solo de mini Picante. Pride (orgulho) pah! A professora aproveitou para me informar onde é que eu iria passar o vinte e cinco de Abril, parace que são as qualificativas para os nationals (nacionais) e eu fiquei muito satisfeita, é claro que fiquei, assim como assim já não vou ao Porto com time (tempo) vai para uns três quinze dias.
Mas dizia eu que ia para o meu walking quando uma friend (amiga) me telefonou, ai e tal, estou por aqui, vamos beber um café. E eu fui, claro que fui, um café numa esplanada é bastante mais prazeroso que uma hora de walking. Findo o walking substituído por café lá fui buscar minis Picantes, cada qual a seu place (sítio) e fomos lunch (almoçar) a casa de senhora minha mãe, onde Argos, o cão preto, nos fez tamanha festa que praticamente me deitou ao floor (chão).

To be continued (continua)...

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Em verdade vos digo

Estou fartinha, fartinha da porra do Epic Sana, além de que o Pine Cliffs é bastante mais simpático.

Se é para falar de galos...

Então eu levo a coisa mesmo a sério. E vesti-me para a ocasião, também, que eu cá não faço a coisa por menos. Fui ler umas coisas ao google e já sei tudo o que há a saber sobre galos.
Galos? Venham eles! Estou preparadíssima.

(Só não sei se faça uma canjinha, se um arroz de cabidela... Que me dizem?)

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Porque é que anda tudo a falar de galos?

Primeiro foi o Ente, a convidar-me para entrar na capoeira, depois a espetou umas andas ao galo e rodeou-o de flamingos, pobre galo, ainda se desequilibra e se espalha ao comprido, agora vem o Salgado, falar do lago Tanganica ou lá o que é, uma bizarria qualquer sobre distribuição de galinhas e galos velhos abichanados ou lá o que era, nem percebi bem, que eu cá nem percebo nada de aves de capoeira.
Sabem que mais? Como diz a minha doce e querida Pipinha, não contem comigo para essas cenas. Eu cá, a única coisa que me vem à alembradura, em se falando de galos, é que galo cantador é pouco galador.

Das colunas à direita

Por vezes lembro-me da Isabelinha, a Isabelinha tinha uma bola encarnada, nós gostávamos de jogar ao mata com a bola da Isabelinha, e com a própria da Isabelinha também, a bola encarnada da Isabelinha tinha o peso certo, nem demasiado leve, nem demasiado pesada, era perfeita para jogar ao mata. A Isabelinha era boa a jogar ao mata, o único problema era que às vezes eu matava-a, outras vezes era a Teresinha que a matava, umas bolas perfeitas, atiradas directamente abaixo dos joelhos, a fuga era quase impossível, mas dizia eu que o único problema era, por vezes, a Isabelinha morrer. Nessas alturas ficava meio aborrecida, agarrava na sua bola encarnada e ia brincar sozinha, jogava aos sete, contra a parede, muito aborrecida por estar a brincar sozinha. Depois passava-lhe e voltava, bola encarnada debaixo do braço, perfeita para jogar ao mata.
Assim são as colunas da direita, disto daqui dos blogs.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Quereis ter um blog mas não sabeis o que escrever? Precisais de publicar posts diários, várias vezes ao dia, mas estais com um blackout criativo?

Fácil. É só escolher muitas meias dúzias de bloggers preferidos. E depois transcrever os posts que eles escreveram.

(com links, claro, jamais devereis olvidar os links)

E vocês? Já fotografaram os ursos preferidos dos vossos filhos?


A Palmier deu o mote, iniciando uma discussão tremendamente importante sobre a diversidade da fauna e respectivas características...
A já o fez.
E a São João, também.
A Margarida tem uma ursinha, upa, upa!
E o ursinho da Be? Que amoooooorrrr
Até o Outro Ente tem um borboturso.
A Inês tem uma raposa, velhinha de tanto abraço, a Inês diz que é uma raposa, eu acho que é um urso, claro.
A Uva que não Passa tem um urgo lindo de morrer. 

(post em update, é avisar aí na caixa de comentários, que eu ponho aqui os links)

terça-feira, 7 de abril de 2015

Gracinha

Talvez não saiba Gracinha, talvez já não se lembre, já lá vão uns anos, desde os oitentas e noventas. Ah! Que maravilhosos foram aqueles anos... A música, o experiênciar de coisas novas, o mundo ali, à nossa frente, repleto de oportunidades à espera que as agarrássemos, os primeiros amores, as eternas dúvidas e dramas da adolescência. Talvez já não se lembre, Gracinha, de que iria dominar o mundo, mas amanhã... Hoje tinha rebentado uma borbulha horrível, um quase vulcão, hoje não sairia de casa, é que nem pensar.
Talvez tenha sido uma sorte não haver internet naquele tempo, Gracinha, talvez a sua mãe tivesse um blog, talvez lhe apetecesse dar-lhe com um pano encharcado nas ventas e o usasse para desabafar, talvez os seus amigos o lessem. 
É uma grande verdade, Gracinha. Talvez tenha sido uma sorte que não houvesse internet quando era adolescente.

Era dois tiros entre os olhos, ali mesmo no meio da testa, pum, pum, pum*

A todos os tipos que acham normal atravessar as rotundas, do centro para fora, ignorando o facto de, no entretanto, alguém ter ocupado a faixa da direita que se encontrava vazia.
Constato, algo contrafeita, que a intensidade das buzinadelas é muito maior quando viajo de cabelos ao vento, capota para trás. Já eu, aceno e envio beijinhos.

*o terceiro "pum" é da Nê...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Os problemas dos homens

Acham que somos crédulas.

(Mas eles não saberão que são sempre apanhados? Não aprendem nada com a vida?)

Gracinha

Gracinha, minha querida, há quanto tempo não visitava a sua velha tia? A menina é uma ingrata, é o que é. Desde que tirou esse seu cursinho de fotografia por email não tem olhos para outra coisa, aquilo é põe fotografia, tira fotografia, corta fotografia, torna a pôr fotografia, tira fografia, põe fotografia, elimina fotografia... A menina não leve a mal mas já pensou em esquecer essa coisa da fotografia e dedicar-se às letras? é que sempre lhe vai saindo a coisa melhorzinho, a maior parte das vezes, pelo menos. Veja lá isso, sim?

sábado, 4 de abril de 2015

Agora o que é realmente engraçado

É que há uma ou outra alma de Deus que se diverte a enviar-me os comentários rejeitados ali, num ou outro blog de referência. Não é que eu os publique, claro que não publico, pois se o autor os considera inapropriados, quem serei eu para tornar visível aquilo que ele prefere não mostrar? Assim como assim a coisa nem é comigo.
Mas que é engraçado ver até que ponto se trabalha um alter ego, lá isso é...

(a tolerância passa por aceitar a divergência, muito mais que a concordância, chego à conclusão que o meu boneco é muito mais tolerante que aqueles que aparentemente o são. Confuso? Nem por isso...)

Uma Santa Páscoa, a todos, sem excepção.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Era dois tiros entre os olhos, ali mesmo no meio da testa, pum, pum, pum*

A todas as pessoas que empregam o termo "namorido" e acham cool.

*o terceiro "pum" é para as pessoas que se despedem com "abreijos", lembrança ali muito bem lembrada, do Outro Ente