quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Ainda querem ser todos Tsipras?

Os Gregos não querem pagar os juros do empréstimo ao BCE, eu percebo-os, claro que percebo. Pois se a mim também me custou tanto pagar o juros do empréstimo à habitação que contraí... Claro que os percebo. Já a bolsa é capaz de não ser tão compreensiva quanto eu...


A notícia integral, aqui.

27 comentários:

  1. Pipocante Irrelevante Delirante11 de fevereiro de 2015 às 10:18

    Quem é "a Bolsa"? É uma pessoa, um grupo, o quê?... Tem conta no Bes, no Hsbc, paga luz e água, desconta?

    Eu não sou Syriza (nem sou Charlie), mas isto resume-se à imagem que temos de Deus: o que perdoa, ou o punitivo.
    Há quem ache que devemos dar a outra face, outros defendem que se arranque os olhos aos gregos.
    Simples como isto.
    A solução sim, é mais complexa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu diria que a solução passa por duas vertentes distintas. Por um lado não gastar mais do que aquilo que se ganha, por outro reformular as contribuições dos ditos países ricos, que cometam os pobres à força toda, aquando das negociações para a entrada na então CEE.
      Terá de haver distribuição de riqueza, sim. Mas também terá de haver reformas profundas. Se limparmos a divida aos Gregos daqui a um mês estão novamente endividados. Ora eu posso perceber pouco disto mas não consigo mesmo entender porque raio os cabeleireiros terão direito a uma reforma aos quarenta anos, ou lá o que é...

      Eliminar
  2. A minha visão é que alguém tem de levantar primeiro a cabeça, ou não tarda nada andamos todos a fazer a saudação nazista. Sobretudo agora, que a gordurosa veio vomitar que temos todos de nos 'habituar' à soberania.
    Eu cá estou contente.
    Não sei se vai bater tudo certo ou se vai tudo bater no fundo, mas que é um abre-olhos é!
    O Syrisa foi a vontade do povo Grego como o PSD foi a vontade dos portugueses (que votaram)
    Temos de respeitar isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos, sem dúvida. Não é isso que está em causa.
      Mas aquilo é tudo irrealista, não é à chantagem que lá vão. Pelo menos espero que não, seria uma profunda injustiça para a Irlanda e Portugal, além de um péssimo sinal aos restantes países. E se a seguir é a Espanha? Ou Itália? Como é?

      Eliminar
  3. Isto quando a pessoa se coloca muito a jeito por vezes acontecem destas coisas!

    ResponderEliminar
  4. Os gregos irão bater no fundo. Sozinhos ainda será pior. Há uma coisa que me conforta no espírito grego e que de certa forma invejo e me encanta. Ser, nem que seja por um dia, um irredutível gaulês. Ter orgulho de não me vergar. Estou enjoado do nosso amodorrado servilismo. É que andar sempre curvado, deixa o recto muito exposto o que dá sempre azo a que alguém possa pensar que pode abusar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão é que os gregos já tiveram o recto irremediavelmente exposto quando tiveram que recorrer ao dinheiro alheio, tal como nós portugueses, dada a quantidade de dias que lhes dá para serem irredutíveis gauleses, vai dai, falar-se em orgulho em não se vergar, depois de terem lá ido pedir dinheiro aos outros, para aguentar a própria casa, é coisa para não ser muito bem vista e não dar grande azo a peito feito, assim só por uma questão de vergonha na cara, que uns confundem na minha opinião muito erradamente, com servilismo. Se se pode fazer alguma coisa, estou certa que sim, que era o que Portugal também devia fazer, apresentar um plano com pés e cabeça que visasse o crescimento económico, pedir um tempo sem pagar o que lhes é devido, para dar tempo ao crescimento que se prevê decorrente do tal plano, sensibilizar para o exagero do montante dos juros, aí sim empenho numa negociação, mas sempre deixando claro que não se pretende fugir às responsabilidades anteriormente assumidas, é que peito feito, com muito orgulho e sem vergar em malta que se auto colocou de calças na mão, é coisa para começar assim logo por irritar alguns, nomeadamente aqueles que já lhes foram passando dinheiro para as mãos, em alturas que eles souberam que tinham de estrategicamente encolher o peito, curvar-se e deixar assim o recto um pouco à mercê.

      Eliminar
    2. A questão é que até para se ter orgulho será necessário ter autonomia financeira. Coisa que me parece que a Grécia não tem.
      Não comecem a fazer reformas profundas que não vale a pena.

      Eliminar
    3. Na verdade, tendo em conta os últimos dias, isto andam uns a dar lições de moral aos outros sem terem moral para isso... À espere-se, afinal ainda não se provou que a Lagarde tem milhões depositados na Suíça. E que como ela, em organismos mundiais (aqueles que deveriam ser os primeiros a dar o exemplo) devem existir mais uns tantos. E que provavelmente nem se irá conseguir provar nada e tudo não passou de um terrível e lamentável engano.

      A única questão que se coloca aqui é: querem-se os Gregos na Europa ou não? E querendo- que plano tem a Europa para os ajudar a crescer? É que não basta andar no corta aqui corta ali, como faz Portugal, porque está mais do que provado que não trás nenhuns resultados. E que a solução infelizmente terá de ser um perdão parcial para os aliviar, tal como teve a Alemanha na década de 60. É a solução desejável? Não, claro que não. Haverá sempre alguém que fica a arder, como ficaram os credores da Alemanha naquela década.

      Eliminar
    4. Eu diria que sim, que se querem. E que sim, que tem de haver um plano para os ajudar (assim como aos restantes países do sul). Mas não sem que a Grécia faça reformas profundas e acabe corrupção instalada.

      Eliminar
  5. Pipocante Irrelevante Delirante11 de fevereiro de 2015 às 15:29

    Até dá jeito que a Grécia saia do Euro. E da própria UE. Diz que há um país que quer entrar, e que não se dá bem com eles. Um país com muitos consumid... cidadãos, e com fortes ligações migratórias à Alemanha. Há males que vêm por bem. Já agora, o adorado kosovo, esse estado adorável, é para entrar ou fica à porta?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui e o que dizer da Turquia que há anos é tão falada?
      É do melhor e com países vizinhos que são um mimo...

      Eliminar
    2. Por acaso acho que a saída da Grécia não interessa à Europa. Ou à Alemanha, se preferir. É um princípio bastante perigoso e não me parece que a Alemanha ou os países nórdicos tenham grande interesse em que o euro vá por aí abaixo.

      Eliminar
  6. Pipocante Irrelevante Delirante11 de fevereiro de 2015 às 15:32

    A Mirone também cortou o pio aos não alinhados no Google/Wordpress/whatever?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipocante Irrelevante Delirante11 de fevereiro de 2015 às 21:29

      Sim, só apareciam essas opções

      Eliminar
  7. Basicamente acho que vamos ter uma nova Cuba aqui mesmo ao lado. Espero que não aconteça uma nova invasão à Baía dos Porcos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vamos nada. Haja fé na lógica e racionalidade das pessoas, todas elas.

      Eliminar
  8. Vamos lá... Esta coisa de independência dos estados é uma brincadeira não é?
    Votar e mandar são coisas ligeiramente diferentes.

    Talvez as pessoas devessem pensar nos políticos que têm tido antes de começar a apedrejar a Alemanha.
    E talvez recordem as páginas do famoso memorando que os nossos políticos têm esquecido (sim, não é apenas esta lástima de "governo").

    Entre país falido e país de cócoras? De cócoras já estávamos, há quantas centenas de anos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que para o euro funcionar, nas regras definidas, a coisa deveria acontecer mais ou menos como nos Estados Unidos. Cada Estado tem uma certa liberdade mas há um claro controlo central. Assim como há entreajuda entre os vários Estados.
      Estamos preparados para perder soberania?

      Eliminar
    2. harmonização fiscal, boicote aos paraísos (muito mais fácil que aquilo que parece, basta vontade e menos 'consultoria' para a reforma), políticos sérios, se quotas para o tomate então também para o bmw. qual soberania cara Picante? aquela dos estados reféns da banca privada com o risco do crédito decidido por obscuras entidades além mar? gerar 'dinheiro' em supercomputadores como quem usa papel higiénico durante uma gastroenterite? vamos de vitória em vitória até à derrota final.

      Eliminar
    3. Eu ficaria satisfeita em mudar parte do que pode ser mudado. Realisticamente falando, claro.

      Eliminar
  9. Isto faz-me lembrar aquelas situações em que a professora dá um valor a mais ao menino, que coitado, não conseguiu nota suficiente para passar, só porque se baldou. E os outros, aqueles que fizeram todos os tpcs, tiveram atentos nas aulas e esforcaram-se para atingir a positiva, não têm direito a qualquer ponto extra.

    (Isto já não dá para comentar como anónimo?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É temporário. Apenas enquanto não há moderação que isto uma pessoa corre riscos mas sempre com rede por baixo.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.