sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

E tu, Picante? Não tens um recado a dar aos senhores do Google, sobre aquilo da pornografia?

Não. O Xilre já disse tudo sobre o assunto, muito melhor do que eu diria. Mas fica-me a dúvida sobre o que os senhores da Google considerarão ser pornografia, até que ponto poderemos nós ir sem os ofender, sem que nos cortem o pio e nos privatizem os blogs à força, como se nos apontassem uma arma à cabeça.

Digam-me, senhores puritanos bacocos de trazer por casa. Isto é permitido? Ou será excessivo?


E isto? Pode?





E aqui? Sexo explícito?



Pessoas, não sei se me mude para o clix, se para o sapo, se para o wordpress. Que me dizem? Qual é o melhorzinho?

É que, correndo o risco de ser censurada, aos senhores do Blogger só tenho a dizer isto:


A coerência é tão bonita, pois é?

Agora o que é realmente surreal é que a mesma pessoa que disse "ah é parvo, desnecessário e totó mas não me choca" venha,. de repente, assumir uma posição completamente diferente, dizendo de peito feito que " há coisas mais graves mas isso não significa que se esqueça o resto, há lugar para a revolta e mais, devia haver lugar para respeito e tolerância em relação a quem se revolta", só porque aqui a vossa Picante acha que invasões de tipas mascaradas de cães são estúpidas e ridículas. É, sei lá... dar-me um bocadinho de importância a mais, não é? Ou será apenas ridículo? Mais ou menos ao nível de andar a alertar adultos para os problemas das más companhias, quais teenagers influenciáveis? 
Pronto, pronto... sarcasmo mode off.

(se eu podia pôr aqui um link? podia... mas tenho preguiça)

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

No fundo acho que poupei quinhentos euros

Os tipos lá daquele sítio onde faço a revisão ao automóvel disseram-me que a coisa haveria de ficar pelos quatrocentos e trinta euros. Mais coisa menos coisa. Fiquei satisfeita, fico sempre satisfeita quando, no mesmo mês conjugo revisão, dois pneus novos e iuc. Acontece que, duas horas depois de lá ter deixado a viatura, recebo um telefonema que eram precisas pastilhas e calços e não sei quê, que a coisa ficaria por mais oitenta euros. Disse que sim, pois se é preciso, é preciso, que poderia eu fazer? Às quatro da tarde recebo um sms que me informa estar o automóvel pronto a ser levantado, mediante o pagamento da módica quantia de novecentos e oitenta e cinco euros. Depois de recuperar da apoplexia, lá me pus a caminho, uma boa meia hora a pensar na descompostura que lhes ia dar, se haveria de exigir o pagamento em suaves prestações, que haveria de lhes chamar de incompetentes e irresponsáveis para cima. Paguei quatrocentos e vinte e quatro euros. Sofresse eu do coração e ainda lhes enviava a conta do cardiologista.

De todas as coisas que não percebo

a que mais me intriga actualmente é tentar perceber por que razão foi Boyhood candidato ao que quer que seja. Caramba... três horas de puro tédio, vocês haveriam de ter avisado.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Aquele momento

Em que, para variar, escreves uma coisa que não faz as pessoas bocejar de tédio.

(mas o que eu queria mesmo dizer é que descobri dois blogs promissores, ambos no masculino, isso é que é uma coisa de valor)

E então, Picante? Porquê é que desgostas tanto das feministas?

Basicamente é por as achar estúpidas. Poderia estar aqui com eufemismos mas a verdade é que não consigo deixar de as achar estúpidas. E ridículas.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Tanto para escrever, tão pouco tempo para o fazer

Estou para aqui na dúvida, não sei se vos fale de um pneu rebentado em plena A1, uma porra de um prego, não sei como é que aparecem pregos nas estradas, se há quem se divirta a espalhá-los por aí, poderia contar-vos uma divertida história acerca de um macaco que deu de si e deu cabo de um automóvel, poderia ter sido pior, uns três segundos antes e teria dado cabo da minha mão, eu gosto desta coisa de ter duas mãos, por outro lado não sei se fale do nervosismo de uma primeira competição daquelas mesmo à séria, correu bem, claro que correu bem, corre sempre bem, poderia favor-vos disto tudo, em tendo tempo claro, mas a verdade é que só tenho dois ou três minutos e ainda estou para aqui estupefacta, nunca pensei ver alguém, que veste como veste, desdenhar do Ellie Saab da Emma Stone, que aquilo era parecido com cocó, ou lá o que era, que o Chanel da Julianne tinha bicho e que o decote da JLo era do Bronx. Não visse eu, com estes olhos que a terra há-de comer, as fatiotas com que nos brinda e ainda poderia achar que se falava a sério. Agora assim...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Não é que interesse muito

Mas este blog voltará ao normal. Com anónimos e tudo. Assim a vida cá fora o permita e me dê algum tempo para o moderar, coisa que se tem revelado completamente impossível, nestes últimos tempos.
Se eu o podia deixar sem moderação e aberto a anónimos? Podia, claro que podia, mas acontece que a blogoesfera já tem uma ETAR.

Dos óscares

Mas alguém falou dos filmes? Ou continua tudo ocupado com os vestidos?

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

sábado, 14 de fevereiro de 2015

E então, Picante? Estás num jantarinho romântico, num restaurante sofisticado, com o teu macho alfa?

Hum.... Não.

Nem de propósito lembrei-me que preciso de sair e está a chover

"Illusion is needed to disguise the emptiness within"
Arthur Erickson

É um bocado isto, não é? Uma citação que ouvi, em Criminal Minds, um destes dias.
Lembrou-me imediatamente isso de, por aqui, sermos quem quisermos, mostrarmos o que nos apetecer, sempre só virtudes. Mas depois lembrei-me que isto são meros blogues, servem apenas para nos divertir, sou mesmo tonta, eu...

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Aposto que a blogoesfera também não vai

Diz que o Fifty Shades já vendeu mais de 40.000 bilhetes. Que as sessões estão todas esgotadas, que tão cedo não há bilhetes.
Vocês, que também não leram o livro, não vão, pois não? Estaria capaz de apostar, logo eu que nunca perdi uma aposta...

Ainda querem ser todos Tsipras?

Os Gregos não querem pagar os juros do empréstimo ao BCE, eu percebo-os, claro que percebo. Pois se a mim também me custou tanto pagar o juros do empréstimo à habitação que contraí... Claro que os percebo. Já a bolsa é capaz de não ser tão compreensiva quanto eu...


A notícia integral, aqui.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Os problemas dos homens

Insistirem em meter o nariz em assuntos de mulheres, ainda que tendo sido avisados que, nesse particular, "pilinha não entra".

Verdades Picantes

Venham as das botas pelo meio da coxa, as que usam vernizes de cores inenarráveis, as das calças de cintura tão descaída que se lhes vê o rego, as maluquinhas da Zara e da H&M. Mandem-me as dos péssimos casacos, as que trocam os copos de vinho, as que gesticulam com os talheres, as que não sabem articular uma frase, as fracas de raciocínio, as falhas de sentido de humor, as que usam calão em jantares com tias idosas, as ratas de sacristia ou as intelectuais de esquerda.
Mas pelo amor de Deus poupem-me às sonsas, não suporto gente sonsa, mas é que nem com molho de tomate.

(e vê-las a falar com eles? hum? aquele arzinho de quem não prate um prato e nós a ver que não?...)

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Do fim de semana de horrores

Um sábado frio a fazer de motorista, ele é a ginástica, ele é o polo aquático, depois vem o Inglês, trabalhos de grupo lá onde o diabo perdeu as botas, a Igreja que é o próprio do antártico, enfim, uma pessoa fica contente por o Sábado chegar ao fim. Nem sei muito bem porquê, Domingo houve torneio, a criança perdeu três dos quatro combates, que os outros tinham mesmo muita força e não sei quê, estava um frio de rachar, os pavilhões desportivos devem ser os locais mais frios do mundo, digo eu que me desloco frequentemente a pavilhões desportivos. Ainda está uma pessoa a recuperar das trombas da criança, aquilo perder é que nem a feijões, a pessoa pergunta-lhe o quê que aprendeu com as derrotas, que da próxima vez será melhor, que ninguém consegue ganhar sempre, que o importante é mesmo aprender com os erros para não os repetir, mas dizia eu que ainda uma pessoa esta a recuperar de uma tarde inteira de trombas e eis que leva um balde de água fria aos noventa e quatro minutos, de repente é o telemóvel que desata a apitar, o facebook ganha vida, raios partam os meus amigos que são mesmo engraçadinhos.
Mas depois uma mulher dá uma volta aqui pelos blogs e depara-se com uma coisa em bom, alguém que mais parecia ter ido embora faz um post, uma mulher dá uma gargalhada, daquelas cá do fundo, caramba Pedro M. veja lá se aparece mais, sim?
Ah... E o concerto do Abrunhosa foi uma coisa bastante aceitável, afinal não se perdeu o fim de semana.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Picante, essa visionária, sempre três passos à frente das outras bloggers

Agora que toda a gente aderiu à água lisa com gás, tenho o prazer de vos apresentar o futuro. Uma inovação tremendamente maravilhosa que vos irá enlouquecer de desejo. Uma coisa nunca antes vista, um pequeno passo para a Coca-Cola, um enorme salto para acamada do ozono e para as barrigas inchadas! Nunca mais a vossa vida será a mesma! 
Senhoras e Senhores, tenho o prazer de vos apresentar a última invenção Picanteana. É o delírio! O êxtase! O nirvana!


Um dia houve um tipo que não veio atrás de mim, quando eu amuei em plena Madeleine

De todas as coisas engraçadas, não há nada mais engraçado que ver uma criança amuada, cheia de vontade de ir brincar, uma tromba até ao chão, encostada a um canto só porque quer levar a dela avante. Aquilo chega a dar dó, uma pessoa olha para a criança, vê que ela está toda roída, quer ir ter com as outras meninas, só não quer é dar o braço a torcer. Nove em cada dez vezes a criança ficará para ali, amuada a um canto, a olhar disfarçadamente as outras. As outras? Bem... Nove em cada dez vezes dizem-lhe que não seja parva e que vá brincar. E depois vão à vida delas. Elas a brincar, a amiga amuada a um canto, morta por se lhes juntar.
Em adultos é simplesmente ridículo.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

E tu, Picante? Que fazes nos tempos livres quando está frio e não apetece sair?

Pintamos areia.


O quê? Não pode ser? Era para dizer que brincávamos à plasticina? Hã? Não pode ser uma plasticina qualquer? Oh...

Uma espécie de mantra

A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.
A próxima vez que me vestir às escuras e praticamente de madrugada, lembrar que tenho de me ver ao espelho, principalmente se tiver uma reunião de trabalho.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Estou para a aqui a pensar

Se escrevo ou não sobre o assunto quente do dia.

(é que eu queria retirar a moderação de comentários e, por enquanto, não há condições...)

O Veuve, O Porsche, Os Laços e A Esperteza

Enquanto eu dava a sopinha à irmã, e a frutinha, e a papinha, e tudo e tudo, ia sempre buscar uma garrafa de Veuve Clicquot e dizia Porsche 911. Eram uma alegria, estes momentos passados em família, uma verdadeira comunhão de sentimentos e amor. A mais pequena entretida a comer tudo como uma child super crescida, o mais velho a beber Veuve, tenho sempre um Porsche no frigorífico, é a maneira de eles se habituarem às coisas boas da vida, eu cheia de pinta e muito feliz.

(E o pai? Ora, o pai...)

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Que me dizem?

Talvez este seja o tempo de retirar a moderação de comentários aqui do blog. Acho sempre que quando confrontadas com a liberdade total as pessoas tendem a cumprir regras e portar-se ordeiramente.

Picante, num tremendo gesto de rasgo literário, pede ajuda ao leitor, num exercício de interacção e verdadeira confraternização

O melhor é nem pensar
e o que li tentar ignorar
dizer bom dia às pessoas
o que me vai na alma calar.

Posta perante o rir ou chorar
posso sempre tentar calar
mas não consigo, é mais forte que eu
aquilo até dores de barriga me deu.

Fosse eu fruta de comer
diria bufa-te prá i até esquecer,
mas em pequena a mãe ensinou
ele há coisas que mulher decente resguardou.

Perdoem se estou fora de mim
estaria capaz de fazer rimas sem fim
mas li um poema, fiquei confusa
daqueles tão maus que até dão...

(completem vocês...)

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Venho só aqui dizer...

Que em Março é a feira da mulher. Achei que gostassem de saber, sempre podem ir planeando a lista de compras com antecedência e claro, sempre se preparam para a publicidade das do costume. Estamos ansiosas, ok? Nada de nos desiludirem...

Estava a dar a minha volta pelos blogs do costume

E, de repente, deparei-me com um comentário que me pôs a pensar, de facto nunca estive em Auchwitz, Buchenwald, ou Dachau.  Quando estive na República Checa, Theresienstadt estava no programa, acabei por optar não ir, em vez disso voltei à ponte D. Carlos, perdi-me voluntariamente pelo centro de Praga, entrei em lojas e vi cristais. Pela mesma razão não fui ao ground zero, não tenho uma fotografia dos trabalhos de reconstrução.
Ainda me lembro da sensação que tive quando fui ao Coliseu de Roma, o ar oprimia, parecia que as pedras contavam histórias sobre os que lá sofreram. E foi há muito mais tempo, supostamente numa época muito mais bárbara. Supostamente.

(ontem vi The night will fall)