segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Fosse a vida como nos blogs

Tivessem as pessoas a metade do moralismo que apregoam, aqui nos blogs, seguissem elas um quarto do que por aqui apontam aos outros, lessem um décimo dos livros que dizem ler. E o mundo seria um local muito mais bonito.

9 comentários:

  1. Não sei se seria bem assim, cara Picante.
    As pessoas têm mais segredos do que se pensa, são mais disfuncionais do que aparentam e, acima de tudo, são menos boas do que julgam.
    Por isso, ainda que lessem, não significaria que entendessem, se se enchessem de moralismo, não significaria que fossem mais felizes ou realmente melhores e, mesmo que não passassem a vida a julgar os outros, isso seria uma mentira, pois todos o fazemos. Até as melhores, mais beatas, mais morais.

    Tentemos, vá, não destilar as nossas frustações, assumir que somos imperfeitos e procurar não magoar deliberadamente e o mundo seria mais justo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema, Rosa, é mesmo o falso moralismo que só existe nas redes sociais. Caramba, quem lê blogs, caixas de comentários ou reacções a notícias no FB, ainda poderá pensar que as pessoas são perfeitas. Sonsos.

      Eliminar
  2. Aplica-se a si que é um mimo.

    ResponderEliminar
  3. Na blogosfera somos todos maravilhosos e temos todos vidas felizes. Não há crise, não há dramas, não há divórcios, não existem crianças irritantes. Nem desemprego existe, tu vê lá.

    ResponderEliminar
  4. Pipocante Irrelevante Delirante26 de janeiro de 2015 às 14:14

    A blogo é um pouco como as novelas. Há os bons e os maus, os bons só fazem coisas boas, e são atacados pelos maus, que são uns salafrários invejosos e sem carácter. Os bons têm uma vida perfeita, iniciam os dias com pequeno almoço de mesa cheia (daqueles que só se veem nas tais novelas), as (poucas) agruras da vida, superam com positivismo e um sorriso nos lábios, e tudo o que fazem é pelos seus, e sem qualquer tipo de interesse próprio.
    Os maus, ou querem a vida dos bons (mas não têm capacidade, ou força vontade para a alcançar), ou querem destrui-los, simplesmente porque são maus, e como se sabe, o ser humano é uma entidade muito simples, cujos sentimentos e comportamentos são nada complexos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deu-me para ver os comentários a uma notícia no FB. Fiquei um bocado para o abananada com o que li. As pessoas não têm a noção.

      Eliminar
  5. Alto lá! Sempre avisei que sou uma pessoa medicada que nunca leu mais que algumas parcas páginas de JRS, das quais tenho opinião não fundamentada.

    Ah, a Realidade, a Realidade de quando falamos com o patrão, de quando mentimos por simpatia, de quando vamos para os sanitários chorar, de quando fazemos malandrices no chuveiro?

    Essa Realidade já nos basta fora da blogo, este mundo de sonho.

    Mas concordo, sempre me pareceu que os papa-livros não aproveitam aquilo que estão a ler. É como folhear o livro, apenas um pouco mais lentamente. Ou como diria o professor Marcelo, "este livro é muito bonito" {linda chama, a fugir para o violeta, na lareira}

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.