terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Ainda sobre a semana quente

A culpa também é do Islão. Uma religião é os seus livros e aquilo que os seus fiéis fazem dela.

Muslim Opinion Polls, a "Tiny Minority of Extremists"?


"Strive hard against the unbelievers and the hypocrites and be
unyielding to them; and their abode is hell, and evil is their destination."
 
Quran 9:73

Have you heard that Islam is a peaceful religion because most Muslims live peacefully and that only a "tiny minority of extremists" practice violence?  That's like saying that White supremacy must be perfectly fine since only a tiny minority of racists ever hurt anyone.  Neither does it explain why religious violence is largely endemic to Islam, despite the tremendous persecution of religious minorities in Muslim countries.
In truth, even a tiny minority of "1%" of Muslims worldwide translates to 15 million believers - which is hardly an insignificant number.  However, the "minority" of Muslims who approve of terrorists, their goals, or their means of achieving them is much greater than this.  In fact, it isn't even a true minority in some cases, depending on how goals and targets are defined.
The following polls convey what Muslims say are their attitudes toward terrorism, al-Qaeda, Osama bin Laden, the 9/11 attacks, violence in defense of Islam, Sharia, honor killings, and matters concerning assimilation in Western society.  The results are all the more astonishing because most of the polls were conducted by organizations with an obvious interest in "discovering" agreeable statistics that downplay any cause for concern.
(These have been compiled over the years, so not all links remain active.  We will continue adding  to this).

Terrorism
ICM Poll: 20% of British Muslims sympathize with 7/7 bombers
http://www.telegraph.co.uk/news/uknews/1510866/Poll-reveals-40pc-of-Muslims-want-sharia-law-in-UK.html
NOP Research: 1 in 4 British Muslims say 7/7 bombings were justified
http://www.cbsnews.com/stories/2006/08/14/opinion/main1893879.shtml&date=2011-04-06
http://www.webcitation.org/5xkMGAEvY
People-Press: 31% of Turks support suicide attacks against Westerners in Iraq.
http://people-press.org/report/206/a-year-after-iraq-war
YNet: One third of Palestinians (32%) supported the slaughter of a Jewish family, including the children:
http://pajamasmedia.com/tatler/2011/04/06/32-of-palestinians-support-infanticide/
http://www.ynetnews.com/articles/0,7340,L-4053251,00.html
World Public Opinion: 61% of Egyptians approve of attacks on Americans
32% of Indonesians approve of attacks on Americans
41% of Pakistanis approve of attacks on Americans
38% of Moroccans approve of attacks on Americans
83% of Palestinians approve of some or most groups that attack Americans (only 14% oppose)
62% of Jordanians approve of some or most groups that attack Americans (21% oppose)
42% of Turks approve of some or most groups that attack Americans (45% oppose)
A minority of Muslims disagreed entirely with terror attacks on Americans:
(Egypt 34%; Indonesia 45%; Pakistan 33%)
About half of those opposed to attacking Americans were sympathetic with al-Qaeda’s attitude toward the U.S.
http://www.worldpublicopinion.org/pipa/pdf/feb09/STARTII_Feb09_rpt.pdf
Pew Research (2010): 55% of Jordanians have a positive view of Hezbollah
30% of Egyptians have a positive view of Hezbollah
45% of Nigerian Muslims have a positive view of Hezbollah (26% negative)
43% of Indonesians have a positive view of Hezbollah (30% negative)
http://pewglobal.org/2010/12/02/muslims-around-the-world-divided-on-hamas-and-hezbollah/
Pew Research (2010): 60% of Jordanians have a positive view of Hamas (34% negative).
49% of Egyptians have a positive view of Hamas (48% negative)
49% of Nigerian Muslims have a positive view of Hamas (25% negative)
39% of Indonesians have a positive view of Hamas (33% negative)
http://pewglobal.org/2010/12/02/muslims-around-the-world-divided-on-hamas-and-hezbollah/
Pew Research (2010): 15% of Indonesians believe suicide bombings are often or sometimes justified.
34% of Nigerian Muslims believe suicide bombings are often or sometimes justified.
http://pewglobal.org/2010/12/02/muslims-around-the-world-divided-on-hamas-and-hezbollah/
16% of young Muslims in Belgium state terrorism is "acceptable".
http://www.hln.be/hln/nl/1275/Islam/article/detail/1619036/2013/04/22/Zestien-procent-moslimjongens-vindt-terrorisme-aanvaardbaar.dhtml
Populus Poll (2006): 12% of young Muslims in Britain (and 12% overall) believe that suicide attacks against civilians in Britain can be justified.  1 in 4 support suicide attacks against British troops.
http://www.populuslimited.com/pdf/2006_02_07_times.pdf
http://www.danielpipes.org/blog/2005/07/more-survey-research-from-a-british-islamist
Pew Research (2007): 26% of younger Muslims in America believe suicide bombings are justified.
35% of young Muslims in Britain believe suicide bombings are justified (24% overall).
42% of young Muslims in France believe suicide bombings are justified (35% overall).
22% of young Muslims in Germany believe suicide bombings are justified.(13% overall).
29% of young Muslims in Spain believe suicide bombings are justified.(25% overall).
http://pewresearch.org/assets/pdf/muslim-americans.pdf#page=60
Pew Research (2011): 8% of Muslims in America believe suicide bombings are often or sometimes justified (81% never).
28% of Egyptian Muslims believe suicide bombings are often or sometimes justified (38% never).
http://www.people-press.org/2011/08/30/muslim-americans-no-signs-of-growth-in-alienation-or-support-for-extremism/
Pew Research (2007): Muslim-Americans who identify more strongly with their religion are three times more likely to feel that suicide bombings are justified
http://pewresearch.org/assets/pdf/muslim-americans.pdf#page=60
ICM: 5% of Muslims in Britain tell pollsters they would not report a planned Islamic terror attack to authorities.
27% do not support the deportation of Islamic extremists preaching violence and hate.
http://www.scotsman.com/?id=1956912005
http://www.danielpipes.org/blog/2005/07/more-survey-research-from-a-british-islamist.html
Federation of Student Islamic Societies: About 1 in 5 Muslim students in Britain (18%) would not report a fellow Muslim planning a terror attack.
http://www.fosis.org.uk/sac/FullReport.pdf
http://www.danielpipes.org/blog/2005/07/more-survey-research-from-a-british-islamist
ICM Poll: 25% of British Muslims disagree that a Muslim has an obligation to report terrorists to police.
http://www.icmresearch.co.uk/reviews/2004/Guardian%20Muslims%20Poll%20Nov%2004/Guardian%20Muslims%20Nov04.asp
http://www.danielpipes.org/blog/2005/07/more-survey-research-from-a-british-islamist
Populus Poll (2006): 16% of British Muslims believe suicide attacks against Israelis are justified.
37% believe Jews in Britain are a "legitimate target".
http://www.populuslimited.com/pdf/2006_02_07_times.pdf
http://www.danielpipes.org/blog/2005/07/more-survey-research-from-a-british-islamist
Pew Research (2013): At least 1 in 4 Muslims do not reject violence against civilians (study did not distinguish between those who believe it is partially justified and never justified).
http://www.pewforum.org/uploadedFiles/Topics/Religious_Affiliation/Muslim/worlds-muslims-religion-politics-society-full-report.pdf
Pew Research (2013): 15% of Muslims in Turkey support suicide bombings (also 11% in Kosovo, 26% in Malaysia and 26% in Bangladesh).
http://www.pewforum.org/uploadedFiles/Topics/Religious_Affiliation/Muslim/worlds-muslims-religion-politics-society-full-report.pdf
PCPO (2014): 89% of Palestinians support Hamas and other terrorists firing rockets at Israeli civilians.
http://www.jihadwatch.org/2014/08/poll-89-of-palestinians-support-jihad-terror-attacks-on-israely
Pew Research (2013): Only 57% of Muslims worldwide disapprove of al-Qaeda. Only 51% disapprove of the Taliban.  13% support both groups and 1 in 4 refuse to say.
http://www.pewglobal.org/2013/09/10/muslim-publics-share-concerns-about-extremist-groups/
http://www.pewglobal.org/2013/09/10/muslim-publics-share-concerns-about-extremist-groups/



O link original:  http://www.thereligionofpeace.com/pages/opinion-polls.htm

26 comentários:

  1. Perante estes número (e eu, que sou uma mulher de números), o que há a dizer??
    E cá estamos nós, a sociedade da tolerância, e que temos de ser muito tolerantes... Quando o contrário não é de todo verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso de a intolerância gerar intolerãncia tem de ser visto sob as duas perspectivas. Eu não sei como é que isto se muda (ia escrever combate), mas a verdade é que urge impor limites. Ou corremos o sério risco de, daqui a meia dúzia de anos, a Europa também ser intolerante devido à Islamização forçada.

      Eliminar
  2. Pipocante Irrelevante Delirante13 de janeiro de 2015 às 10:14

    A culpa é da crise. E da austeridade. E dos países europeus que não acolhem os imigrantes devidamente. E que não deixam as meninas usar o véu.
    Tão simples como isto.
    Ou se calhar não...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao que tenho visto, a maior parte dos Europeus que se alistam no EI são párias da sociedade. Desenraízados, fracos de cabeça. a quem lhes prometem ordem, por um lado, poder fácil por outro. É verdade que a maior parte se desiludirão, quando lá chegam e são colocados perante a perspectiva de horas a fio a lavar pratos.
      O individualismo e "o salve-se quem puder" das sociedades ocidentais, também tem o seu grau de culpa, não sejamos ingénuos. Assim como a queda de estruturas de apoio, como seja a Igreja, que funcionava como elemento de travão, conforto e integração, e que está cada vez mais fraca. Uma pena a Igreja católica não ter sabido evoluir no tempo, faz muita falta um elemento agregador moderado.

      Eliminar
  3. "Uma pena a Igreja católica não ter sabido evoluir no tempo, faz muita falta" ... O mal da religião é não ser a nossa... "a minha religião é melhor do que a tua"????... fico triste, ainda por cima não está sol .-(((((((((((((

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Católica por ser a maioritária nestes países. Estava a pensar em França. Na verdade poderá ser qualquer religião, desde que seja moderada e funcione como factor integrador.

      Eliminar
    2. Por muita estima que tenha pela Picante (e é bastante), neste ponto não posso concordar. O tal factor integrador é a globalização da liberdade e do acesso ao conhecimento (e por consequência, livre pensamento) a todos os povos. Não se chega lá através de qualquer religião, mas apenas pela verdadeira secularização da sociedade. A Igreja Católica (ou outra qualquer) evoluir é o mesmo do que tentarmos tirar a um dos refrigerantes mais conhecidos todas as substâncias que são nocivas ou aditivas. O resultado final acaba por não se poder chamar refrigerante X. A construção da moralidade é um processo constante e não pode estar enraizado em dogmas antigos, por mais que se tente eufemizá-los ou reinterpretá-los. A sociedade tem de saber adoptar um determinado comportamento porque conhece a raíz da sua implementação e reconhece os seus benefícios, estando livre para mudar se chegarmos a essa conclusão, e não se um senhor ou conjunto de senhores disser que é assim porque o Grão-Mestre dos Coelhinhos o designou dessa forma. Se retirarmos a palavra "deus" de muitos destes processos, conseguimos compreender de igual forma ou até melhor porque é que se faz assim e não assado, o que me leva a crer que certas palavras e conceitos não servem para muito (ou, pelo menos, muito menos agora por comparação há uns séculos atrás.

      Isto é basicamento só para não dizerem que só digo merda. Posta esta picuinhice de quem parece estar com o período de parte, estou completamente de acordo com aquilo que motivou o post, pelo que, pelo tempo dispendido, mais valia ter feito apenas como um dos nossos amiguitos mútuos e escrever:

      Bom post!

      Eliminar
    3. Pedro, numa análise abstracta tem toda a razão. Numa sociedade pensante, com seres dignos desse nome, a religião não seria necessária. Mas acontece que as pessoas são estúpidas. Não todas, mas muitas são.
      A religião, e agora vou falar da que conheço melhor, a católica, tem bons princípios, esqueçamos a Igreja e as suas incongruências e tentemos centrar-nos apenas nos princípios. A génese do desapego, da ajuda ao próximo, do tentar ser melhor é boa. Acho que nisto concordamos. Mas o homem é naturalmente mau e a sociedade tem vindo a evoluir para um "isolacionismo", até as redes sociais contribuem para isso, dando uma falsa sensação de proximidade.
      Lembro-me de ser pequena e de frequentar as actividades da paróquia. E aquilo era realmente giro. Pouco a pouco afastei-me da Igreja por achar que não era coerente, que faziam uma coisa e diziam outra, mas isso agora não é relevante. Quando eu falo eu factor integrador era mesmo a isto que me referia, aos grupos paroquiais, às actividades e ocupação de tempos livres, as pessoas sentiam realmente que estavam inseridas num grupo. Que podiam contar com ajuda. E isso é fundamental.
      A alienação da Igreja e a sua recusa em adaotação à sociedade actual, levou a que muita gente se afastasse e fosse procurar nova "ocupação". Muitos, os párias da sociedade, pobres, ignorantes e oriundos de meios desestruturados, viraram-se para isto: um discurso radical, que lhes dá a tal pertença a um grupo e que, ainda por cima, combate a sociedade que os ostracizou e castrou (a culpa é sempre da sociedade, nunca é dos fracos - um dos assassinos de Charlie tentou ingressar numa carreira musical e falhou - era rap). Porque, convenhamos, a maior parte das pessoas precisa de um líder. A Igreja era um bom líder por pregar o bem, ser inclusiva e moderada. Não se tivessem eles posto com tretas de condenar preservativos, divórcios e afins.

      (e gosto de o ver, a sua mordacidade faz falta)
      Mas sim, na teoria, o Estado -nós- poderia substituir-se à religião. Só que não pode, não é capaz.

      Eliminar
    4. Jamais poderei aceitar a ideia segundo a qual os terroristas são pobres e ostracizados. Se assim fosse, como justificar jovens que frequentam universidades e aderem a causas que eles associam como representativas daquilo em que acreditam? E se mais exemplos fossem necessários, bastaria lembrar o que se está a passar actualmente na Nigéria, onde os rebeldes do Boko Haram dizimam populações e arrasam aldeias por inteiro.

      Eliminar
    5. São ignorantes, com toda a certeza. Mas refiro-me aos peões, não aos líderes. Ao que tenho lido, os europeus que se converteram e associaram eram mesmo uns párias da sociedade. Esta geração do "quero tudo, já" não sabe lidar com a frustração, é desestruturada. E todos nós precisamos de estrutura.
      O que se passa na Nigéria, é diferente, estamos a falar de uma luta pelo poder, numa sociedade com a cultura que sabemos.

      Eliminar
  4. A Picante poderia converter-se ao Islamismo: parece que aquilo é bastante "integrador".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não. Duvido que haja uma religião tão estúpida como o Islamismo.
      (e se quer conversa tem de desafiar, isso da Amadora é básico, as coisas realmente básicas eu ignoro, se deixar de lhe responder...)

      Eliminar
  5. (e se está sol, mudo-me já para a Amadora)

    ResponderEliminar
  6. Uma das características das religiões é serem, - não estúpidas mas, - estupidificantes. O que não quer dizer que todas as pessoas religiosas sejam ou se tornem estúpidas, só algumas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (duvido é que a coisa não seja congénita, a religião é pouco responsável, acho eu)

      Eliminar
  7. Às religiões, bem como aos estados, interessa encarreirar as pessoas, enfileirá-las, amansá-las, domesticá-las, transformá-las em manadas, que digam Amém a tudo o que meia dúzia de iluminados decidiram definir como certo, porque assim são mais facilmente manipuladas, porque em terra de cegos, quem tem olho é rei e se todos vissem o mesmo e tivessem acesso às mesmas oportunidades, como é que existiam os senhores do mundo ao longo dos tempos? chefes de estado, bispos, traficantes, terroristas, falsos profetas, donos disto tudo e por aí fora. É assim que o mundo tem pulado e avançado e todos, mas todos temos culpa no cartório, temos todos tido culpa e esqueletos no armário, a coisa tem-se dado à vez, desde que o mundo é mundo, desde Adão e Eva como escreveu o Xilre. Mas, ainda assim, creio que evoluímos e muito e estamos muito melhor que na Idade Média, altura em que a igreja católica esteve em todo o esplendor do seu pior, se calhar os outros estão agora na Idade Média lá da religião deles e cegos nunca faltam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Cláudia. As religiões são aquilo que o homem faz delas. Não culpe a religião, ela não tem nada que ver com isso, só depende do homem. Olhe lá o Papa Francisco... Existissem mais assim e as coisas não seriam como são.
      (os outros estão na idade do ferro, pelo menos metade deles estão)

      Eliminar
  8. Mais filosofia e menos religião. Deixemos às crianças o direito de escolha quando crescerem sem doutrina. Se os crentes lessem a bíblia e o corão ficariam escandalizados. Eu fiquei.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Filosofia requer reflexão e inteligência. Um dom que não foi equitativamente distribuído.

      Eliminar
    2. Ahahahahahahahahahahahahah! Indeed não foi, Picante... é que são DOIS dons, tá a ver, riqueza? Ahahahahahahahahahah! Aliás não são dons, nem inatos, minha flor, mas a "conversa" talvez não seja do seu interesse.

      Eliminar
    3. Eu, em querendo, também posso desconversar. Sou bastante boa nisso. Em querendo...

      Eliminar
    4. E em querendo conversar, é capaz? Pelo que posso concluir daquilo que a Picante tem dito, as coisas são mais ou menos assim: A Liberdade é uma coisa muito bonita, que até defende de modo incondicional, MAS NEM TODOS terão a inteligência (chamemos-lhe assim) suficiente e adequada ao seu exercício, daí a importância de instituições integradoras, como a igreja, que servirão para orientar aqueles que, sozinhos, não seriam capazes de alcançar o sentido (único) da vida... Diga-me se a interpretei mal ou se é mais ou menos isto. (só cá venho porque em tempos julgo ter lido a Picante a dizer que gosta muito de debater assuntos e esgrimir argumentos)

      Eliminar
    5. Está a misturar coisas. Eu não disse isso, não relacionado dessa maneira.
      Disse que a liberdade era bonita, sim. E que deveria ser preservada. Acho que quase todos concordaremos que é preferível viver numa sociedade onde as pessoas não são presas, mortas ou agredidas por expressarem as suas convicções.

      Disse também, noutro contexto, que a religião moderada faz falta. Tentei perceber quem eram os europeus que se convertiam ao EI. Em comum têm o serem jovens, oriundos de zonas pobres, nos limítrofes das metrópoles, empregos precários ou insucesso nos estudos. Não tendo visto uma amostra representativa, concluí que se tratava de pessoas descontentes com o que a sociedade tinha para lhes oferecer, desintegradas.
      Por outro lado, é sabido que o ser humano precisa de "pertença" e integração, precisa de objectivos. E que a sociedade ocidental está desumanizada, hoje em dia é muito o "cada um por si". Juntei a isso o declínio da Igreja, que em tempos funcionou como entidade agregadora e inclusiva, aquilo do rebanho, se quiser. Além de ocupar as pessoas, dava-lhes um sentido para a vida e a promessa de uma outra vida melhor. As pessoas, muitas delas pelo menos, precisam de achar um sentido para viver, de pensar que não estão cá por acaso, que quando acabar acabou. E a religião promete isso mesmo, é uma clara forma de liderança, para o bem ou para o mal.
      E, sim, há gente estúpida, seja por ignorância, seja por falta de confiança, seja pelo que for, que vai em cantigas e promessas. Há dúvidas? A História está cheia de exemplos.
      E concluí que uma religião moderada, na impossibilidade de o Estado dar o tal conforto espiritual, faz falta. Foi só isso.
      (li algures, não me lembra onde, que o cristianismo foi adoptado por um imperador romano para isso mesmo, era uma religião pacífica, permitia pacificar as pessoas e evitar muita dor de cabeça, facilitando a "governabilidade".

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.