quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

A contar vamos todos poupar!

Olá, olá!
Vai ser fácil que vai! Nem precisam de ser organizados, ter objectivos a prazo ou saber tirar fotografias! Tampouco será necessário ter um mano! Nada, de nada!
Eu explico, afinal nasci para espalhar o bem. Se me estão a ler é porque têm um computador. Se têm um computador, têm uma folha de cálculo. Folha de cálculo são três palavras portuguesas (dois nomes e uma preposição) e significa que é uma folha que serve para fazer contas*. Ora se têm uma folha de cálculo, basta criar um ficheiro com as vossas despesas. Escrevem lá tudo o que gastam em cada mês, se quiserem podem fazer uns gráficos e tudo. Sabiam que as folhas de cálculo também servem para fazer gráficos?
E pronto! Ficam a saber que tipo de despesas fazem e onde gastam o vosso dinheirinho, que tanto custa a ganhar.
(caso não alterem comportamentos, não pouparão um cêntimo, mas ao menos também não ficam mais pobres por terem gasto dinheiro em objectos trementamente úteis e inovadores, né**?...)

*Sabem o que são contas, não sabem?
** Minha Santa Teresinha, o que isto me custou a escrever...

30 comentários:

  1. Eu, que sou super organizada e poupada, não preciso de nada dessas tretas, mas há quem precise. E com floreados para ajudar. Uma simpes folha não chegaria, né?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não percebi esse caramba Pic!
      E achava eu que te referias ao livro que a outra recebeu no Natal afinal é uma app?

      Eliminar
    2. O caramba era a propósito de todos aqueles floreados. Acho que sim, que é uma app.

      Eliminar
    3. Ok ok, sorry.
      De todo o modo era para tu veres.

      Eliminar
  2. Folhas de cálculo?! Gráficos?! Fazer contas?!
    Mas eu não me sento à cabeceira daquelas mesas de madeira onde se decide o que é importante, Picante, acha que consigo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obviamente que sim, Mirone.
      (é aquilo de nos superarmos diariamente...)

      Eliminar
  3. Era só que faltava fazer contitas à vida e depois ficava a saber que não posso ir para aquele hotel chique a valer e nem bober o vinhito boooom como tudo.

    ResponderEliminar
  4. é mesmo bober, como dizem no nuorte carago. haha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bober? Aí está uma palavra que nunca tinha ouvido (lido).

      Eliminar
  5. Estou a apanhar bonés...
    Uma pista?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipocante Irrelevante Delirante8 de janeiro de 2015 às 12:24

      O Jamor tem uma. Não sei se é aberta ao Público.

      Anyways
      Uma das musas, penso eu, que vi apenas de relance, terá comprado (?) uma app que faz a gestão financeira do agregado familiar, coisa inovadora (tipo, imprimir fotos) e nunca antes vista, e indispensável.
      Acho

      Eliminar
    2. Aaaaaaaaaah...
      Este olá, olá! levou-me a outras paragens.

      Eliminar
    3. Por acaso pensei nisso. Mas o tom do post pedia este "Olá, Olá!", achei mesmo apropriado.

      Eliminar
  6. Pipocante Irrelevante Delirante8 de janeiro de 2015 às 12:13

    Sou mesmo um burro...
    Já há mais de 15 anos que usava uma folhita de excel (pub) para registar as contas (até ao mais pequeno café), de modo a saber para onde ia o carcanhol, e para saber qual o défice/superavit mensal.
    E para ter a noção de futuras despesas (tipo, o selo do carro, seguros) periódicas.
    Afinal, mais uma vez (tal como com as calças rasgadas), era um homem à frente do meu tempo.

    PS: o meu banco disponibiliza esse serviço no ebank, registando tudo quanto é pagamento, transferencia, etc...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também sou uma verdadeira visionária, fazia exactamente o mesmo. Ainda o faço para as grandes parcelas.
      Deveria era ter vendido a minha folha de cálculo, isso é que era...

      Eliminar
  7. Isso, inventem, inventem. Um dia destes ainda me hão-de dizer que para fazer continhas nem preciso tirar o lápis de trás da orelha, querem ver?.

    ResponderEliminar
  8. Terem gasto ou terem gastado? A primeira (gasto) usa-se com o verbo "ser", a segunda (gastado) com o verbo "ter", sim?
    http://www.ciberduvidas.com/pergunta.php?id=14113

    ResponderEliminar
  9. e indo ao google e procurando até se encontram uns modelitos em excel bem catitas para fazer isso.

    De qq modo sugeria que a primeira medida para poupar fosse: "Não comprar livrinhos bonitos mas verdadeiramente desnecessários para fazer uma coisa que podia fazer perfeitamente de borla no Excel"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que era uma app, não sei bem que li aquilo a correr.

      Eliminar
  10. Eu tou a leste para quem se destina isto...

    Já agora eu cá também acho muito fácil perceber-se isso mas há quem não entenda que para se ter, a menos que se tenha nascido rico, é preciso poupar. Mas não falta aí a algumas pessoas a noção que não é por ganharem o ordenado mínimo que não conseguem pagar os "grandes sonhos" mesmo quando lhes explicam que só precisam de poupar. Aí eles dizem-nos que nós não percebemos nada e que não conseguem poupar. Mas para soutiens de 50€ já há dinheiro, para bujigangas, para jantares/lanches fora semanalmente... é. É dificil compreender essas pessoas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui ui ui, vai levar com bomba! É que pode escarrapachar-se toda uma vida nas redes sociais, mas não se pode tecer qualquer comentário que não seja bajulador.
      Só por causa das cócegas, o cão e as gatas deviam roer ou para-quedas! LOL

      Eliminar
    2. Cada um terá as prioridades que terá. E convenhamos que há famílias, a quem é difícil poupar, o ordenado mínimo é fome.

      Eliminar
    3. Anónimo, era disso que se falava? Não percebi que fosse mas nem vou dar azo a que se levante a lebre, ok? Vou rejeitar, não é por si, obviamente.
      (este assunto já me cansa...)

      Eliminar
    4. As prioridades são e devem ser de cada um. Já levar com o tipico discurso do "coitadinho" faz-me alguma confusão. Não me parece que, no caso em questão, seja dificil poupar um pouco mensalmente, em querendo. Não querendo está no direito só não convém é dizer que não pode, não consegue ou blablabla.

      Se não pudesse poupar nenhum também não haveriam folgas para luxos (digo eu que não percebo nada disto). E digo eu que quando ganhava o ordenado mínimo e o marido idem, tendo um filho, sendo que ainda estudava conseguia poupar dinheiro todos os meses (e sempre paguei renda e todas as contas). Se passava a vida a gastar dinheiro em cafés, restaurantes e bugigangas? Não. O dinheiro não dá para tudo. Ponto. Ou bem que temos as nossas prioridades bem definidas e aceitamos as consequências ou então mudemos hábitos para termos o que queremos.

      Não gastar mais do que o que temos parece-me fundamental, privarmo-nos que umas coisas para termos outras é o mais elementar dos conhecimentos de qualquer pessoa (que não seja rica).
      A vida pode dar muitas voltas mas pessoas com esse tipo de ideia bem que podem ganhar 2000€ que não vão conseguir mudar a forma de agir: "chapa ganha, chapa gasta". Eu conheço uns quantos casos que ganham perto de 2000€ mas têm que pedir todos os meses dinheiro aos papás e, apesar de terem vindo a subir o rendimento mantém a mesma prática: o patrão dá aumento e eles metem-se logo mais num crédito ou noutra coisa qualquer que os faz ficar a "zero" no final do mês.


      Quem não consegue poupar ganhando pouco também não consegue ganhando muito pois assim que tem mais dinheiro disponível irá gastá-lo desmedidamente [e refiro-me obviamente a quem gasta dinheiro mensalmente em "luxos" sendo pequenos ou grandes, não me refiro a quem fica sem dinheiro ao fim do mês depois de ter as despesas fixas pagas]

      Eliminar
  11. Eu sou tão à frente, mas tão à frente, que em pegando numa simples folha de papel e numa caneta resolvo o problema, ah e só agora reparo, a Arrumadinha é tão à frente como eu.
    Boa tarde, Picante.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu prefiro o excell. Bolas, aquilo é tão inútil que dá dó.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.