sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Temas fraturantes

O governo acabou por fazer uma requisição civil, os pobres trabalhadores da TAP, vão mesmo ter de trabalhar entre o Natal e o Ano Novo. E o direito à greve? Onde fica? Acho mal, caramba... A sério que acho mal... Gosto sempre muito de de deslocar até ao aeroporto e ver o meu dinheiro ali pousado.

33 comentários:

  1. Claro, Picante. Haja alguém que nos guarde as carradas de dinheiro, que asseguo que o dinheio caia certinho nas suas contas e, já agora, umas quantas regalias, todas elas absolutamente fundamentais, e ai de quem lhes belisque o direito fundamental à greve. Até porque o que é que interessa esperar um ano inteiro para visitar a família por ocasião do Natal? Realmente, há passageiros muito miudinhos... O ano tem tantos dias e o Natal é quando o homem quiser, visitem a família noutra ocasião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta greve é absolutamente vergonhosa. Não só os motivos são riduculos, mas quem são os trabalhadores da TAP para quererem armar-se em accionistas e investidores, como o momento é revelador do mais profundo desrespeito pelos Portugueses.
      As greves da TAP já nos custaram milhões. Mas não faz mal, nós cá estamos para pagar o preço de ter uma empresa bandeira, com gestão ruinosa...
      Oxalá seja privatizada. Com tudo o que isso implica. Cambada de miúdos mimados.

      Eliminar
    2. O problema esse picante. A TAP não só tem um dos melhores gestores, na área, como é altamente rentável. E há um embuste que se cria à volta dessa ideia, criada pelo próprio Governo, de "vamos vender isto, porque dá muito prejuízo". Mais ou menos como aquela ideia de que os maquinistas da CP ganham rios de dinheiro quando, das que já acreditou nessa ideia, pedi para ver vários recibos de vencimento a pessoas que trabalham na empresa e não, não ganham nem de longe esses valores. Não ganham. Mas é claro que o Governo não quer privatizar a CP, essa empresa com gestores de topo que gera lucros atrás de lucros. Mas a CP Carga, a única empresa da CP que apresenta lucros substanciais, já pode ser privatizada.
      Os trabalhadores da TAP não são acionistas nem investidores. São stakeholders e tem um interesse legítimo sobre a empresa. Oxalá não seja privatizada. Tal como qualquer pessoa acho que o Estado não se deve livrar do património que gera riqueza. Só por esse motivo.

      Eliminar
    3. Agora falta saber onde foste irónica. Em cima ou em baixo?

      Eu concordo com a Mirone. A greve é um direito, sim, mas eles também têm deveres, que não cumprem.
      Não dá para manter os tachinhos e os "direitos" que mais não são que regalias vergonhosas pagas por todos nós. Não dá. Foram casos como este que nos levaram e continuam a levar à bancarrota... sinceramente, acho que deveria ser feita uma razia à função pública, tirar-lhes os direitos extremos, igualá-los à função privada: mesmas horas de trabalho, mesmos ordenados, mesmas consequências para os incompetentes e a quem não apetece trabalhar (olho da rua).
      Íamos ver um aumento de produtividade imenso. De seguida era criar leis penais, daquelas que punissem severamente quem mostrasse ter gerido de forma ruinosa uma empresa e obrigá-los a pagar cada tostão perdido pela incompetência. Se não tivessem bens, era fazer como se faz aos pobres - congelar ordenados, tirá-los da conta ainda antes de terem acesso ao mesmo - isto feito até terem pago os milhares que nos fazem perder diariamente. Para além do mais, qualquer pessoa com este tipo de prática deveria ficar afastado eternamente de qualquer cargo público.

      Mas que sei eu de economia ou de leis? O TC é que sabe... aliás eles nem aprovam as leis que tentam passar uma reforma porque não devem, não vai respeitar a lei da equidade... com certeza não tem nada a ver com o facto de, ao passarem essas leis, eles mesmos serem também prejudicados. Claro que não. Equidade é mantermos tudo como está agora: privados com todos os deveres, públicos com todas as regalias. O facto destas regalias serem ruinosas para o Estado e para todos os portugueses, o facto de pagarmos mais impostos por isso, o facto de em breve a Seg Social não ter dinheiro para as nossas reformas porque afinal a S.S. também tem que dar dinheiro para a ADSE que até operações estéticas paga... não. Isso não vale a pena mudar. Isto é que é equidade.

      Eliminar
    4. Anónimo 13:47,

      Ou falamos de uma coisa ou falamos de outra.

      Entre dar direitos e deveres, aos senhores da TAP, como por exemplo horas de trabalho, sabe perfeitamente que, por razões de saúde, entre outras, cientificamente provadas, os pilotos da TAP (e de qualquer outra companhia aérea em qualquer parte do mundo) têm redução de horário certo? Sabe que é uma profissão de desgaste rápido, não sabe? Sabe que tem um regime especial de reforma exatamente por causa disso, não sabe? Adiante.

      Se se refere à função pública, propriamente dita, não me repugna que trabalhem mais horas. Não creio que vão produzir mais, certamente iriam estar no serviço a jogar mais candy crush saga, mas também deverá saber que o horário não foi alargado em parte pela pressão desses grandes abutres do Estado que são os presidentes de câmara. Mas isso dava para outra conversa. Aqueles, no fundo, a quem cabe fiscalizar o trabalhador, como certamente o seu patrão a fiscaliza a si, mas isto quanto toca a votos sabe como é... É fechar os olhos e fazer de conta que não se vê nada.

      Quanto às "leis penais", elas já existem. Mais do que "leis penais" existe um regime próprio de responsabilização de gestores públicos. Alguma vez foi aplicado? Pois. É mais ou menos como aquela história do BES (embora não sendo um gestor público de que falamos)... não vai dar em nada. E sabe porquê? Porque os deputados alinham na palhaçada como vemos nas comissões parlamentares, que aquilo já dava para fazer uma série com várias temporadas e um spin-off com o primo Ricciardi.

      Sem a querer ofender, de longe, de facto parece-me que de leis percebe muito pouco. Já leu alguma das decisões do TC? Analisou-as ao pormenor? Percebeu a diferença entre direitos em formação e direitos adquiridos? Percebeu que nem tudo é intocável? Percebeu que o TC afirmou claramente, numa das decisões, que é preciso urgentemente reformar e convergir a caixa geral de aposentações com a segurança social? Os juízes afinal não é só equidade e mais não sei o quê...

      De resto o que lhe posso dizer é que a solução só mesmo queimando a Constituição, como parece querer o nosso Primeiro-Ministro, excepto quando os deputados lhe pediram autorização para aceder às declarações de IRS (no fundo, para que não houvesse nenhuma suspeição sobre se ele terá ou não se aproveitado indevidamente de subsídios enquanto era deputado). Eu cá sou mais por aquela máxima do "quem não deve não teme", mas o Senhor lá invocou aquela coisa sem finalidade alguma que dá pelo nome de Constituição para invocar o direito à privacidade...
      Além disso, viver num Estado Democrático de Direito acarreta coisas chatas como respeitar direitos adquiridos. Lá está, a solução só mesmo com uma ditadura.

      E quanto ao facto de dizer "em breve da segurança social não terá dinheiro para as nossas reformas". Não sei como lhe dizer isto, mas já não tem. Consultou o orçamento do ano passado da segurança social (é autónomo da Orçamento de Estado)? Pela primeira vez, na nossa história, foi deficitário. Algum português tem realmente consciência da gravidade disto? Não. E quem foi o Primeiro-Ministro que teve a infeliz ideia de ir buscar dinheiro a esse orçamento, intocável, para fazer face a outras despesas? Alguém sabe quem foi? Foi responsabilizado? Pois.

      Eliminar
    5. Motivos ridículos? Não me diga que a Picante andou a ler este artigo http://observador.pt/2014/12/17/o-que-os-sindicatos-exigiram-para-aceitar-privatizacao-e-parar-greve/ e acreditou em tudo?

      Eliminar
    6. Lol, mais um a acreditar na propaganda. A ADSE é auto-financiada. E ninguém põe umas tetas novas pela ADSE. Já o SAMS... que por acaso é privado...

      Eliminar
    7. O SAMS é privado mas é pago pelos bancários que contribuem todos os meses para o mesmo. E exactamente por ser privado, dá igual o que permite, é como um seguro de saúde privado.
      Quanto à TAP, podem ter toda a razão do mundo (não acho que tenham), mas esta greve saiu-lhes mal, a população em vez de apoiar ficou desiludida com a possibilidade de que 110 mil pessoas não possam viajar no Natal, o que é vergonhoso, porque quem paga o salário sim ou sim são os passageiros.

      Eliminar
    8. Nem a TAP é rentável, que tem um prejuízo acumulado de centenas de milhões, nem a greve é a primeira solução. Eu sou a favor de greves... como último recurso. Esta greve, nesta altura, é um contra-senso. Se a TAP é de utilidade pública, não podendo por isso ser privatizada, nada como dar cabo no Natal a uma série de gente, não é? Onde é que fica a utilidade pública?

      Eliminar
    9. O único contra-senso é o governo insistir na alienação de uma holding lucrativa que só passou a apresentar prejuízos, porque fez um negócio com a Varig completamente desastroso.

      Eliminar
    10. Curioso como há ainda quem não perceba o conceito e o objetivo de uma greve. Triste!

      Eliminar
  2. Também não gosto muito, confesso, mas custa-me ainda mais ver "o meu dinheiro" ser vendido a preço de saldo. Especialmente quando é uma empresa portuguesa, das poucas, que gera por ano 34 milhões de lucros. Embora se diga o contrário, porque interessa dizer o contrário claro exatamente para privatizar o quanto antes.
    Quanto à época escolhida, é bastante infeliz claro que é, mas também assegura que tem bastante impacto, como é suposto que tenham.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. onde é que estão esses relatórios e contas em que se diz que a tap gera 34 milhões por ano de lucros? é que se assim é, realmente n vale a pena vender. empresa q da lucro n se vende... o administrador sabe disso?

      Eliminar
    2. Penso que se fizer um esforço de pesquisa pode ir buscar os tais relatórios ao site da TAP. Até lá dou-lhe um cheirinho:

      http://www.tapportugal.com/PressRelease/pt/tap-com-resultados-positivos-pelo-quinto-ano-consecutivo

      Por acaso é o administrador que vende a empresa ou a decisão cabe ao accionista que é o Estado?

      Eliminar
    3. As pessoas falam sem conhecimento. A TAP não é só a TAP, S.A. Podemos falar dos prejuízos de novecentos e tal M de euros ou vamos continuar a falar dos lucros de 34 M da TAP, S.A.?

      Eliminar
    4. Então já que estamos a todos a falar com conhecimento vamos trazer um bocadinho de rigor aqui para a conversa. É a TAP SGPS que, nas contas consolidadas, apresenta prejuízos? É isso que está a dizer? Ainda assim não responde à minha pergunta: para quê privatizar a única participação que dá lucro, a TAP S.A.? Parece-lhe lógico? É mais ou menos como o objetivo de privatizar a CP Carga, a única empresa do grupo CP que apresenta resultados positivos, e o Estado continua com as restantes empresas que apresentam prejuízos. Parece-lhe lógico? Eu respondo: não, não tem lógica nenhuma.

      Eliminar
    5. A reprivatização é da holding. Não da TAP, S.A., obviamente. Quanto à CP não me pronunciei e não o vou fazer. Só respondo pelo que eu disse. Tem mais dúvidas ou vai continuar a dizer o que lhe vai na alma só porque sim?

      Eliminar
  3. Eu dava-lhes a greve. E quem paga os prejuizos provocados pelas desistências de voo? Meninos é o que são. Têm todas as regalias e mais algumas e ainda se queixam. Mas para obterem as credenciais necessárias e abandonarem o emprego para ir trabalhar para o Dubai, isso já se pode. Direitos e deveres muito mal conjugados, é o que se vê por aí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Houve muitos despedimentos, há pessoas a fazerem o trabalho de várias.
      A TAP é uma companhia aérea segura, se temos a segurança em risco em voos algo se passa.

      Eliminar
    2. A chantagem e o medo podem muito. Existem 12 sindicatos metidos ao barulho, respeitantes a vários sectores em greve. Se um administrativo tiver que trabalhar efectivamente e não andar a beber cafezinhos de meia em meia hora, o avião cai? Os pilotos têm que respeitar o tempo de pausa obrigatório de acordo com o nº de horas de voo. Isso acontece obrigatóriamente, não será por isso que o avião cairá. Ínúmeros trabalhadores passam mais tempo a preparar-se mentalmente para trabalhar, do que efectivamente a produzir, daí o medo da empresa ser privatizada. Eu como portuguesa quero a TAP estatal, quero também é que se faça uma boa reforma e se ponham as pessoas a produzir. Sei do que falo.

      Eliminar
    3. Técnicos de manutenção! Quais pilotos???
      E já agora, obrigatoriamente não leva acento. De nada

      Eliminar
  4. Pipocante Irrelevante Delirante19 de dezembro de 2014 às 13:26

    Como gajo que ontem passou umas boas horas à espera de comboios vários.. F$%&$%& TODOS!!!!!

    A greve devia ser o último recurso, hoje é a 1ª arma. Quem puxa do bacamarte à primeira, sujeita-se a também ele levar com um balázio.

    O que não invalida o facto da TAP não dever ser vendida, muito menos na totalidade, muito menos nestes moldes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quanto à CP, Pipocante, dou-lhe rapidamente o meu ponto de vista sobre a questão.
      Lamentavelmente eu era daquelas que achava que esses maquinistas, uns grandes chulos e sem formação académica (i.e., não terão feito grande esforço/investimento, durante a vida, como normalmente faz um licenciado), ganhavam fortunas a conduzir comboios, com salários a rondar 5.000€ (com subsídios incluídos), numa empresa com uma gestão caótica que muda de gestor como quem muda de cuecas (sendo que em relação a este facto nunca vi nenhum português preocupado com a gestão da CP). Basicamente "comprava" a informação que era dada pela
      comunicação social (e transmitida por quem? Pelo governo, pois claro com a conivência de algum jornal do regime, o jornal SOL como de costume).

      Já tive oportunidade de conhecer maquinistas aos quais, de forma muito directa, expressei, o meu descontentamento por estarem a fazer greve através de greve, com total desrespeito pelas pessoas, e sem fundamento, já que ganham tanto quanto o nosso Presidente da República. Não só fiquei a saber que grande parte deles são titulares de licenciaturas (gestão e engenharia mecânica, por exemplo), mas que o salário ronda 1300€. Facto esse que confirmei pelo relatório de contas da própria empresa, após ter visto recibos de vencimento. A única diferença, em relação ao "comum dos mortais" (chamemos as coisas assim), será o facto de lhes serem pagas diuturnidades, uma raridade nos dias de hoje é certo.

      Com muita pena minha, não vejo nenhum português, antes demais, preocupado em saber quem são os gestores. Normalmente, e ao contrário do Presidente da TAP, nomeados directamente pelo seu partido político, sem qualquer experiência e conhecimento da empresa e da rede ferroviária. Preocupa-me também que ninguém queira saber que a CP renovou totalmente, no ano passado, a frota dos carros dos administradores e altos quadros da empresa, mesmo quando a empresa apresenta prejuízos. O que é que se veicula na comunicação social? A culpa do estado em que se encontra a empresa é dos funcionários, esses milionários que ganham rios de dinheiro, e que nunca se sindique a competência de quem gere e como gere (renovar frota dos carros, por exemplo). A greve deve sim ser o último recurso, o problema é quando não há outra forma de ser ouvido sem ser com recurso a ela.

      Eliminar
    2. Pipocante Irrelevante Delirante19 de dezembro de 2014 às 16:34

      1. preocupa-me (sempre preocupou) isso. Sempre houve essas benesses para os amigos de cartão rosa/laranja. Os sindicatos/trabalhadores também o sabiam, mas só se preocuparam com isso quando lhes foram ao bolso.

      2. ontem a greve foi da refer.

      Eliminar
    3. Eu ainda não percebi em que moldes é suposto acontecer a privatização. O Governo está a ser muito pouco claro.
      (ou então sou eu que ando a ler as coisas erradas...)

      Eliminar
  5. Portugal está a ser vendido às postinhas.
    Não quero ver a TAP vendida.

    ResponderEliminar
  6. Picante, já se percebeu há muito que anti greves. Pensamento uito salazarista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, Vá ver se está a chover e não me aborreça que não tenho paciência para argumentos néscios.

      Eliminar
    2. Ui que esta doeu, oh Picante! Quem fala sem (ou com escasso) conhecimento de causa sujeita-se a este tipo de comentários.

      Eliminar
  7. Eu concordo que Portugal venda todo o seu património. Porque não? Fica só um aglomerado de pessoas que vivem proximas umas das outras e, por acaso, partilham a língua entre si. Afinal de contas já somos uns anormais que nem sequer tentam entender VERDADEIRAMENTE porque é que nos revoltamos, quais são os direitos que reinvindicamos. Falamos para o ar de assuntos sérios só porque é giro e causa discórdia, sem pensar verdadeiramente que se trata de um assunto sério. Olhe, eu por mim estou muito contentinha com o que está a acontecer à PT. Siga a TAP e tudo o que houver mais. No fim, vendem-se as pessoas. De preferência as que têm cerébro primeiros, para ficar só mesmo MERDA neste país. *Vamos ver se tem coragem de publicar este comentário, cara "fracturante"

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.