sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Talvez não seja verdadeiramente feminista, afinal...

Passo os olhos pelas notícias, chama-me a atenção um artigo sobre o piropo, parece que há mulheres que apelidam o piropo de "experiência sexual não consentida e sem contacto físico", enquanto se dizem vítimas desse fenómeno. 
Eu sorrio e fico a pensar que elas são umas felizardas, na verdade não têm nada de verdadeiramente preocupante nas suas vidas.

(a não ser o facto de serem meio histriónicas, claro está...)

36 comentários:

  1. Se uma pessoa até vem aborrecida cá com alguma coisa da sua vida e passa por nós alguém que nos chama linda...se calhar não devia, mas isso é coisa para me fazer sorrir por dentro, embora por fora não o demonstre.
    Bom fim de semana Picante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais. Não percebo tanta preocupação e alarido com a coisa.
      Bom fim‑de‑semana Claudia.

      Eliminar
  2. Ser feminista não significa exatamente ser uma gaja irritante neurótica com extremo ódio aos homens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei disso mas se não extremar a coisa não faço posts, não é?

      Eliminar
    2. Tem razão *pancadinha nas costas*

      Eliminar
  3. Então, já me mentalizou que aquilo não passa de um chorrilho de publicidade encapotada como gosta tanto de dizer, ou ainda não é desta?
    Ele é a escola de inglês da filha, ele é a Magmaphoto, ele é as merceditas da filha, o Hotel da Música... Da Chicco nem vale a pena falar, que seja a ser pornográfico. Até o berço antigo mostrou só para ter pretexto para retornar à Chicco. Hoje é o pó de talco...

    Sobre o facto de vir discutir a laqueação para o blogue, isso então é que é melhor nem falar. No meu tempo, coisas dessas eram discutidas na esfera mais privada, de preferência só com o marido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca disse que ela não fazia publicidade encapotada, aliás cheguei a fazer posts sobre isso, lembro-me do caso do leite para intolerantes a lactose, por exemplo.
      Mas muito do que a acusam, não faço ideia se é ou não publicidade, se comprou os produtos ou se lhe foram oferecidos. Há imensa gente que fala de marcas e não as recebeu, comprou-as, gostou e fala sobre isso. Não tendo uma certeza razoável das coisas, opto por não falar sobre elas, é um direito que me assiste.
      Caramba, até parece que a defendo, limito-me a achá-la natural, é uma personagem que me é simpática porque a acho humana e com poucas peneiras, ao contrário de muitas outras. Há muitas outras bloggers de quem não falo, não percebo esta insistência toda...

      Eliminar
    2. Não percebes a insistência? Repara, com todo o meu respeito, pois o blog é teu, mas tu nem sequer publicas algumas criticas educadas a essa blogger. Aquilo que não aceitas nela, apontas a outras. Eu percebo que simpatizes com ela, mas já pensaste que o que move as pessoas a apontarem determinados comportamentos a certas blogguers, é exactamente o mesmo motivo que as leva a apontar a esta?

      Eliminar
    3. Ainda ontem rejeitei uma sobre publicidade ao hotel para onde foi. Tive o cuidado de ir ver o post. Nem sequer há um link para o hotel... Efectivamente aquilo é publicidade, ironicamente não ao hotel.
      E rejeito algumas críticas menos simpáticas porque não têm positivamente nada a ver com o contexto. Faço o mesmo relativamente à PN, por exemplo, que é uma personagem que acho francamente desprezível.
      A verdade é que ando a afunilar cada vez mais os comentários que deixo passar, isto estava a transformar-se num antro de mal-dizer, independentemente dos posts, aproveitavam para vir cascar em todo e qualquer blogger. E isso incomodou-me.

      Eliminar
  4. O que eu me ri!!!! Ahahahah :D

    http://apenultimabolachadopacote.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que o video que deixo em link demonstra bem qual é o problema dos piropos (pelo menos no meu entender): não são todos, não são os que olham ou os que dizem "bom dia" ou "olá". O problema mesmo está em rapazes, como aquele, que a persegue durante mais de 4 minutos seguidos, insiste e não respeita o facto de ela o estar a ignorar. Mas para isso já há legislação, não já? Com os outros, por vezes, até sorrimos internamente (ou quando são muito engraçados por vezes nem conseguimos disfarçar o sorriso).

    http://www.youtube.com/watch?v=b1XGPvbWn0A

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que esse rapaz vez não tem, nada a ver com piropos.
      No fundo, a questão é que há gente extremamente mal educada, que ofende e humilha, apenas porque é mais forte e pode. Se acho bem? Não, não acho. Mas também acho que não se resolve com legislação.
      E eu reservo-me o direito de gostar de galanteios. Gosto e não quero que legislem sobre isso.

      Eliminar
    2. A legislação não resolve tudo mas, por norma, é o primeiro passo que se dá para alterar mentalidades. Eu também gosto de galanteios foi isso mesmo que quis dizer mas não gostaria que me seguissem como o dito rapaz fez.

      Eliminar
    3. Eu percebi. E acho que não me expliquei bem. O rapaz não se limitou a dizer um piropo, intimidou-a, assediou-a. Bastava que lhe tivesse tocado para ela poder apresentar queixa.
      O que penso é que o piropo ordinário, que quase não aparece no video, um "hi, beauty" não entra nessa categoria, não se resolve por legislação, resolve-se por educação. Até por dificuldades práticas. Como é que se prova? Acaba por ser um "ele disse" contra "eu digo". Se ria impossível levar as coisas a tribunal...

      Eliminar
  6. Ora bem. Eu, Corvo, autoridade máxima sobre beleza feminina, declaro que a Pipoca + Picante tem as melhores e mais esculturais pernas da bloga.
    E não se fica por aqui. O corpo mais elegante e o ventre mais sedutor. Pode não ter o melhor ar, simplesmente porque não dá para ver, mas só por metade da esbelta figura declaro que tem o melhor oxigénio da feminilidade vigente.
    Sem direito a discussão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, Corvo, vá lá... agora a sério...

      Eliminar
    2. Agora a sério, pois!
      Qual a dúvida? Uma Escultura!

      Eliminar
    3. Como Escultura? Aquilo é carne e isso, não é de pedra...

      Eliminar
  7. Mas que exagero tremendo... não façam as coisas mais do que elas são. Há piropos e piropos.

    ResponderEliminar
  8. Um bom fim-de-semana com piropos se tiver de ser assim!

    ResponderEliminar
  9. Pipocante Azevedo Delirante1 de novembro de 2014 às 14:10

    Experiência sexual sem contacto físico?...
    Gostava de saber a opinião do Bill Clinton sobre o assunto.

    Já agora... galar (não sei se este termo ainda se usa) em silêncio um traseiro ou uma boa prateleira conta como ESSCF? Ou apenas se o alvo se aperceber? Dúvidas, dúvidas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende do olhar. Em a presumível vítima se apercebendo, poderá sentir-se violada no seu direito de mostrar as mamas. Ou intimidada por se saber mais fraca e ter receio de que lhe salte para cima. Aí passará a ser tentativa de sexo, não consentido, com contacto fisíco, mas como já está legislado...

      Eliminar
  10. isto não tem nada que ver com o post mas então o super mega espetacular limetree vai morrer e a blogolândia não tem nada a dizer? ou já não eram embaixadoras/promotoras/super fãs e eu não dei conta?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Morreu? Perceberam, finalmente, a inutilidade daquela porcaria?

      Eliminar
    2. diz que precisavam de investimento para manter aquilo sustentável, ou quê.
      é procurar a notícia que ela anda por aí.

      só por curiosidade, fui à procura do "selo" que conhecia num blog e ele desapareceu. evaporou. sem uma única palavrinha daquelas mais sentidas de despedida. não acho bem.

      Eliminar
  11. Raios, a Picante a escrever Piroco e eu a ler, consecutivamente, Pipoco.
    Só percebi quando cheguei a "felizardas".
    Está mesmo na minha hora de tomar a medicação e recolher à caminha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pipoco? Felizardas? Humm... não me parece, diz que o mercado está em baixa...

      Eliminar
    2. Nunca está em baixa para um bom profissional, um experiente cujos serviços pagam-se muito caro.
      Pessoalmente considero não haver praticamente mais ninguém capaz de exercer tão bem o ofício, tanto seguindo os métodos mais modernos, como segundo os ritos mais ancestrais.

      Eliminar
    3. Diz que os suspiros são danosos para a saúde. Demasiado doces, além de engordarem dão cabo dos dentes.

      Eliminar
  12. Claro que não há ali publicidade nenhuma. Foi um fim de semana cálido, repousante, em que os 2 links que ali estão, bem como toda a descrição do magnifico local, são pura generosidade da parte dela. Porque nenhuma de nós acredita que o fim de semana foi oferta, pois não? Ná... Ela pagou e pagou naturalmente o preço justo, que pagaria qualquer outro cliente. Olhe, que pagaríamos eu ou a Picante. Só que gostou tanto que resolveu publicitar o fantástico local no blogue que criou e mantém desinteressadamente...

    Outra coisa que eu gosto muito é que, quando lhe convém, está muito, muuuuito cansada, tão, mas tããããõoooo cansada que tudo na vida dela parece estar no limite. Quando dá jeito, afinal, sempre dá para mais uma viagem, umas férias, uma festa até às 2 da manhã, um mercadito que afinal resultou um baby-shower... Tudo, claro, com a "compreensão" de Baby M...

    Mas é obvio que ela é natural. Qual é a dúvida?

    ResponderEliminar
  13. Acho que trazer ah luz este tema nao faz destas mulheres umas desocupadas sem assuntos mais importantes na sua vida. Nao deixa de ser assédio e é importantes que as pessoas (homens e mulheres) comecem a ganhar consciencia que nao têm o direito de fazer determinados comentários a quem quer que seja, e especialmente a adolescentes de 12 anos, que estao a passar por uma fase de crescimento complicada. É necessário chamar a atencao agora para prevenir que as generacoes futuras passem por este tipo de situacoes em público, ou pelo menos, nao as sufram tanto ou saibam como defender-se. Felizmente, o ser humano tem a capacidade de questionar as coisas e mudar o que nao está bem, nada deve ser tratado como um tabu, como um "sempre foi assim..."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sendo advogada, parece-me que até há legislação para isso, pelo menos no caso de homens feitos vs menores de idade.

      Obviamente que acho condenável ouvir obscenidades. É nojento e provavelmente já todas as ouvimos, em várias idades. Acontece que acho que, parar, reverter este processo, passa por educar e não por criminalizar. Até porque toda a gente sabe que não aconteceria rigorosamente nada....

      Imaginemos que vou na rua e um tipo diz-me uma alarvidade, daquelas mesmo nojenta. Vou fazer o quê? Levá-lo à polícia? Pedir-lhe que se identifique para apresentar queixa, posteriormente? Apresentar queixa com uma descrição do homem? Sabemos bem que a criminalização não resolveria rigorosamente nada a não ser aumentar o número de queixas arquivadas. A meu ver a solução passa por sensibilização e educação. Ensinar de que toda a gente tem de ser tratada com respeito, seja homem ou mulher. Passa pelos pais mostrarem-se tão preocupados quando um filho colecciona engates, como se mostram quando é uma filha. Passa por ensinar que o sexo com amor é muito, mas muito melhor. Passa também por as mulheres responderem à letra (garanto-lhe que já calei muito homem e nunca me tocaram num só fio de cabelo). Passa, essencialmente, por mudar atitudes em toda a sociedade.

      Eu não sou anti-feminista, muito pelo contrário, acho que a mulher, sendo diferente que é, tem de ter exactamente os mesmos direitos que o homem. Mas irrita-me profundamente esta visão redutora e intransigente de que a mulher é uma vítima e vive em constante medo de ser assediada ou violentada só por sair à rua com uma saia curta. Não é verdade. Agora é verdade que o mundo não é justo, que há gente má, que há gente mais forte e que o mais forte pode exercer a sua dominância sobre o mais fraco, se assim lhe apetecer. É a história da humanidade e não há lei alguma que o mude.

      (não reli e está longo.... espero que tenha conseguido ser clara)

      Eliminar
  14. Há piropos e piropos. Eu lembro.me de estar grávida é um homem qualquer passar por mim e dizer "Ahhhh mãe do céu" e só me deu vontade de rir. Tudo na vida tem um limite, e se tem de haver legislação para que haja um travão ao "fazer-se a corte verbalmente", pois que a criem.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.