quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Mudam-se os tempos, a parvoíce, essa, aumenta

Por causa do post de ontem fiquei a pensar, aqui para comigo, que, se o Titanic naufragasse hoje, haveria por aí muito fanaticozinho do animal a gritar "o meu cão primeiro!", "o meu cão primeiro!".
Aquilo das crianças, mulheres, idosos e homens, está completamente ultrapassado, os cães haveriam de entrar logo após as crianças, afinal o homem é causador de tanto mal no mundo, o cão, esse, só dá amor e carinho.

(depois disto começo a achar muito mais normal o fanatismo religioso...)

91 comentários:

  1. Ora, Picante, isso era quando havia heróis de capa e espada...

    ResponderEliminar
  2. Está parva?
    Crianças num sitio daqueles??? Que ideia a tua, valha-te deus.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Direi mais: O que, crianças ANTES dos cães?

      Eliminar
    2. Realmente.... Onde é que eu tinha a cabeça? Onde? As incomodativas das crianças antes dos cães... Minha Santa Teresinha me valha!..

      Eliminar
    3. As crianças não são aqueles seres que não são permitidos/pelos pais/amigos/pessoas no geral, de não frequentar espaços públicos..porque incomodam?

      Eliminar
    4. Claro que os cães iriam primeiro. As crianças, esses seres barulhentos que tanto incomodam por aí, em particular nos restaurantes...
      Já não há pachorra para tanta parvoíce à volta dos cães.
      Este texto diz tudo o que eu queria dizer sobre o assunto. Vale a pena ler:

      http://afarmaciadeservico.clix.pt/2014/10/se-os-animais-falassem.html

      Eliminar
  3. Picante, mais do mesmo? Deixe lá isso, já passou.

    ResponderEliminar
  4. Picante, não quis comentar ontem porque fiquei tão chocada com certos comentários que não tenho a certeza se seria bem educada na minha resposta. Aqui em Espanha houve mais preocupação com o abate do cão do que com a auxiliar infectada. Nos debates televisivos, de um lado estão os que falam do Excalibur, de outro os que culpam a enfermeira porque tocou na cara com as luvas (dizem que foi assim que se contaminou, até acredito, mas há que formar as pessoas). Ninguém discute que o pessoal médico teve um curso de 20(!!!) minutos para se preparar para o protocolo (que saiu hoje, sim, hoje). Toda a gente fala de um cão, inclusivamente o marido da senhora, que manda um vídeo mostrando mais preocupação com o cão que com a sua mulher. Não entendo este mundo, sinceramente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois. Aquilo era um post sobre contagio e a (minha) descrença na preparação de Portugal para enfrentar uma crise epidémica.

      Eliminar
  5. Matar o cão porquê, Picante? Acho que seria uma excelente cobaia para estudos científicos e de investigação à cura do Ebola, não acha? Mas para o humano, matar, isso sim, é solução! Que estupidez tremenda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Joana, o que muita gente desconhece é que usar o cão para investigação implica matá-lo e estudar os seus tecidos.
      O critério usado foi a segurança...
      (o post do ébola contém muitos comentários sobre o assunto, caso esteja interessada)

      Eliminar
    2. Picante, seguindo a mesma linha de raciocínio, não percebo porque não matar a senhora também. Usava-se o critério da segurança e deixava de haver qualquer hipótese de contágio, não concorda? Arrumava-se logo com o assunto, tal e qual como se fez com o cão. E mais lhe confesso, Picante, quem sabe se a crueldade matasse, não restariam apenas os cães.

      Eliminar
    3. Joana, disse o quê?!

      Eliminar
    4. Oh Joana.... Mas como é que ninguém pensou nisso antes? Nalpam em Serra Leoa, Nigéria e Sudão. Já!

      (Vá, chegue aqui ao pé da tia Picante, a tia explica-lhe... Não se mata a senhora porque ela é uma senhora, não é uma cadela. Percebeu? Óptimo, agora vá em paz...)

      Eliminar
    5. Isto é falar para surdos porra. Nunca vi.

      Eliminar
    6. Olhe, tia Picante, sabe que mais? Que o Ebola não se chegue, mas é cá para os nossos lados. Quanto ao resto, seria um debate interessante. Talvez um dia, na companhia de um bom chá.

      Eliminar
    7. Em não insinuando que abater o cão é semelhante a abater a doente, será com o maior prazer.

      Eliminar
  6. Ahahahahahah tão bom picante!

    ResponderEliminar
  7. também eu Picante, também eu.
    É como aquele ditado, nunca há só um teimoso porque "uma pessoa nunca teima sozinha".
    E o fanatismo e fundamentalismo tanto podem vir de um lado ou de outro, da esquerda ou da direita, dos liberais ou consevadores, dos defensores animais ou dos outros...
    da wikipédia: "Fanatismo (do francês "fanatisme") é o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema, historicamente associado a motivações de natureza religiosa ou política"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora....
      (Eu até lhe explicava mas ficaria a saber tanto quanto eu, isto somos só nós a falar...)

      Eliminar
    2. A Picante nem se dá conta da tristeza do que é falar de aprovar o abate dum cão inocente, mas nem toda a gente é desumana como a Picante e um cão é uma vida que merece tanto respeito como a dos humanos.
      As suas palavras a gozarem com o sacrifício do pobre animal diz muito sobre si.
      É só isto que tenho a dizer.
      Passe bem.

      Eliminar
    3. Pardon my french mas vá dar banho ao cão. Onde é que me vê a gozar com a morte de animais?
      Foi um sacrifício necessario, em prol de um bem maior: a segurança do homem. E daqui não arredo. O cão não tem o mesmo valor que o homem,
      nunca teve e nunca terá.
      É muito feio distorcer assim as coisas...

      Eliminar
    4. Nem parece seu. É feio, mas traz audiência. :)

      Eliminar
    5. E os porquinhos, vaquinhas, galinhas e outros bichinhos mortos e incinerados em pilhas gigantescas porque podiam contagiar os humanos com os seus vírus...
      Ahhh... esses não são animais...
      Tenho cães, gatos, periquitos e outros em casa. Adoro os meus bichos, trato-os com todo o carinho. Fazem parte da família, podem até dormir na minha cama mas... Não estão nem nunca estarão acima da segurança dos Seres Humanos da minha família.
      Dão-nos carinho e amor, são fiéis, espertos, etc. e tal mas... são animais, não se confundam as coisas.
      Em caso de risco, neste caso um potencial risco é certo (tal como no caso dos milhares ou até milhões de galinhas e outros pássaros mortos na altura do H1N1), optou-se por colocar a segurança Humana acima de qualquer sentimento de compaixão por um animal.
      Acredito que faz sentido, mas isso sou eu..

      Eliminar
    6. tenho MEDO de viver aqui, com gente desta, juro. Entre os filhos e os cães , escolhem os cães?????????????

      Eliminar
    7. É triste que as pessoas não percebam que apesar do cão não ter sintomas de estar infectado com ébola (nem está estipulado para os cães um tempo médio de incubação desta doença), pode ser um reservatório do vírus. Desta forma poderia dessiminar a doença pelas fezes, urina, saliva etc. Não acho que tenha sido uma decisão de menteassassina como ouvi por aí. Assassino seria as autoridades espanholas fecharem os olhos a essa possibilidade. Se o abate do cão evitar o contágio, de pelo menos uma pessoa, já valeu a pena. E ainda há pessoas no FB (já me encarreguei de desamigar a pessoa em questão) a dizer que se fosse uma criança não se procederia assim, mas como era de um cão que se tratava nem se pensou duas vezes.

      Eliminar
  8. Olha prefiro os meus cães do que certos humanos e crianças não as aprecio!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso és tu! O mundo não é governado por ti, o sol não gira à tua volta. A sociedade foi construida com base em valores que permitem a pessoas como tu exporem a sua opinião, mas não a sua ditadura.

      Eliminar
    2. Ainda bem que os seus pais apreciavam crianças!!!!!!

      Eliminar
    3. também tenho uma amiga assim, que não gosta de crianças...incomodam para caraças...mas olhe, alguém que lá está em cima tem-lhe dado uma lambadas valentes, mesmo sem ter filhos! LOL

      Eliminar
    4. Só é pena que os seus pais não tivessem pensassem o mesmo (criancinhas,! que horror, nem pensar). Essa é que é essa. Do que nós nos livrávamos!

      Eliminar
    5. Então, as pessoas têm todo o direito de não apreciarem crianças, isso não faz delas más pessoas e quanto aos pais gostarem todos das suas crianças, sabem também todos que não é verdade, é ver o que alguns lhes fazem, coisas de verdadeiros monstros. Respeito imenso pessoas que dizem abertamente que não gostam de crianças, não tenho respeito nenhum por aqueles que sem gostarem nem terem paciência para elas as põem no mundo para depois as andarem a tratar mal.

      Eliminar
  9. A ordem seria: 1º os donos dos cães. Depois os cães que lhes dão tanto amor e carinho. E depois, isto no caso de haver espaço, os seres humanos desprezíveis e que não amam as pessoas que são amadas pelos seus cães.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu amo pessoas e amo a naturesa e animais(atenção que eu disse animais e não exclusivamente cães,) e acho o seu comentario NOJENTO e mesmo assim eu o/a salvaria se me pusessem nessa situação.

      Veja bem a diferença.

      Eliminar
    2. Não sei se percebeu, mas o que eu disse foi com total ironia, e muito no seguimento do que aqui foi dito. Obviamento que eu também o salvaria a si. Como é lógico!

      Eliminar
  10. Isso é tudo inveja de existirem animais mais amados do que muitas pessoas?
    É que, caso não saiba, há pessoas que não merecem 1% do amor que muitos animais têm.
    Parece-me que a picante queria ficar com o amor todo para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tsss, tsss... sua açambarcadora.

      Eliminar
    2. O argumento da inveja também já chegou a este tópico? A inveja é o novo "a culpa é do governo" não é?

      Eliminar
    3. Este ganha o premio do melhor comentario : O

      Meu Deus, fico chocada com o grau de loucura de algumas pessoas, é muito grave.

      Eliminar
  11. O que chamas de fanatismo, eu chamo de inteligência. Gostava deste blog mas sinceramente mudei de ideias quanto a si. Perdeu uma leitora, embora saiba que se está a borrifar para isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh... Não diga isso, Sra.
      Sra! Ó Sra! Senhooooooraaaaa... Não vá, por favor! Sra!
      (Olha... Foi...)

      Eliminar
    2. Fanatismo não é inteligencia e muitos comentarios que li aqui são de fanaticos.
      Se não compreende isso é porque não é inteligente.
      Fanatismo é uma coisa seria e grave.

      Eliminar
  12. Penso que entendo o seu objectivo com este post…e já que é assim… cá vai. Existem cães que merecem viver mais que certos “seres ditos humanos”.
    Se EU tivesse de escolher, entre deixar viver um homem com HIV que decidiu “vingar-se do mundo”, violando outros seres humanos (uam das vitimas é minha amiga) e um cão como o Haatchi (ler aqui: http://www.tvi24.iol.pt/internacional/cao/owen-e-haatchi-uma-amizade-incondicional), sem sombra de dúvida que salvaria o cão.
    Porque como em tudo na Vida existem “cinzentos”. Nem tudo é branco, nem preto. Precisa-se URGENTEMENTE de bom senso e respeito por todos os seres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordamos que há seres humanos desprezíveis, mais valia estarem mortos ou nunca terem nascido.
      E é só isso.

      Eliminar
  13. Gosto de algumas pessoas, gosto de algumas crianças e gosto do meu cão, gosto mesmo muito dele. Por isso, esta gente eu salvaria toda. Quanto aos outros, quero lá saber. Chocados? Não mais do que eu com alguns comentários mesmo safardanas que tenho lido aqui! Façam um favor, não tenham animais que é uma chatice, a gente apega-se e depois é uma merda, não tenham crianças que são chatas e dão trabalho e despesas e choram e quanto a certas pessoas epá, sei lá, amem-se e troquem elogios e palmadinhas nas costas, vocês são as maiores, as melhores, um luxo de pessoas. Onde é que vocês vivem para nós, os pobres defensores dos animais, não irmos, sempre pode saltar uma pulga, e é chato! Falem é daquilo que vocês percebem (?): roupinha e sapatinhos e dizer mal de tudo quanto mexe. Não, não é inveja, nem pouco sexo, é só a constatação que há pessoas que não prestam. Mesmo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por acaso dou-lhe razão. Alguém que me diz que põe a vida do seu animal à frente da de uma pessoa, não tem lá grande valor, não senhora.
      (Além de que isso das pulgas também é aborrecido...)

      Eliminar
  14. Cá por coisas minhas, alteraria ali a ordem "crianças, mulheres e idosos", trocando os dois últimos.
    Porque diabo as mulheres passariam à frente de velhinhos?
    Por acaso somos seres debilitados pelo género?
    Ná, não engulo essa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às tantas os velhinhos deveriam ser os últimos. Depois dos cães e dos gatos.
      Afinal, já são velhinhos, já não terão muitos anos pela frente, os animais também têm a sua dignidade, além do muito amor para dar...

      Eliminar
    2. Sabes que é mesmo assim que muitos pensam, não sabes?
      Sabes!
      Faz-me uma confusão do caraças viver numa sociedade que despreza os seus velhos, e que assim revela toda a sua ignomínia...

      Quanto ao assunto "cão", não me espanta nadinha o que ficou dito por aqui.
      A confusão mental do sentido de proporcionalidade de valor de "vida humana vs. vida animal", a inversão absurda de comparações impossíveis são "o pão nosso de cada dia" e vêm, principalmente dos que mais dizem protejê-la...assassinam aquilo por que dizem lutar com posturas absolutamente néscias e que pôem em causa tudo aquilo que pretendem defender.
      Dona de cadela muito querida, abomino tudo o que ultrapassa o racional (que, afinal, só nós, humanos, temos...)

      Eliminar
    3. A mim continua a espantar-me, sei que não devia mas continua. O pior de tudo é que algumas das opiniões são genuinamente sinceras.

      Eliminar
  15. "Porquê o cão e não a ministra????"
    O fundamentalismo e inversão de valores assustam-me e muito.
    E também me assusta ter o ébola à "porta de casa", e não saber se apanha. Assusta-me saber que ninguém está preparado e informado sobre esta peste. Isto sim é grave, bastante grave.

    ResponderEliminar
  16. Ontem nem comentei porque já estou farta de discutir este assunto, nomeadamente com alguém dos comentários ali atrás.
    Eu acho que se deva respeitar e tratar bem os animais. Num mundo justo eles deviam ter leis que os protegessem, os donos que os abandonassem seriam punidos por isso, quem lhes fizesse mal idem e até consigo concordar que uma parte dos nossos impostos (que pagam tanta merda desnecessária) pagassem vacinas essenciais , ate por uma questão de saúde publica. Isto. Apenas isto, porque querer mais do que isto e comparar os cães a seres humanos já é resvalar para o fanatismo, e isso é assustador.
    Desculpe, mas fico incrédula que me digam que o cão vale mais do que alguns humanos. Isto para mim é gravíssimo. É o tipo de pensamento que um Hitler teria por exemplo "ah, o meu bobi vale mais do que esse judeu que anda por aí, se tivesse de escolher escolhia aqui o fiel amigo! Isto pode parecer disparatado mas não é. Quando me dizem que num incêndio preferiam salvar o gato do que um pedófilo, por exemplo, eu fico arrepiada. É que cada qual tem as suas convicções, a.sua moral, as suas crenças. Provavelmente, um homofóbico jamais salvaria um gay da casa a arder, um gajo do estado islâmico deixava o cristão arder, um racista deixava lá o preto, o do Sporting deixava arder o do Benfica... Etc. Isto parece estúpido, mas quando se é fanático de uma coisa qualquer, o raciocínio logico não esta presente na equação. Por isso, sim. A vida humana tem sempre de ter mais valor, ou corremos todos o risco de ser trocados ppr um animal consoante os fanatismos de cada um.
    Fogo eu começo a acreditar que ha gente neste mundo que prefere comprar uma caixa de wiskas saquetas para um gato abandonado, do que dar um pacote de leite a uma criança cheia de fome.
    E com isto tudo, "coitadinho do cão", "pobre cão", "seres humanos injustos", "gente insensível e sem coração", mas se a enfermeira morre ou vive ninguém quer saber. Viva o bom coração, viva o peito cheio de amor canino, empatia, bondade. Mas a senhora que, sabendo que corria risco de contagio, tratou do doente infectado, que se lixe. Que se lixe o altruísmo, bondade é ter um cão!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é mesmo tolice nenhuma. Os nazis pensavam exactamente assim, seres humanos de primeira e de segunda. É claro que tratavam melhor dos seus amimais que dos seres humanos de segunda.
      Esta gente nem se apercebe do doentio que é o discurso "antes o meu cão que um violador"
      (E agora prepara-se para o brigada dos maluquinhos...)

      Eliminar
    2. O que ainda me faz mais confusão é o facto de os fanáticos defensores dos cães e gatos acharem que detêm uma superioridade moral sobre os seus pares. Eu defenderia sem hesitar a vida desses acéfalos todos tendo de optar entre a deles e a do meu cão. O inverso não sei se se verificaria.

      Eliminar
    3. Isto está tão bom, mas tão bom, que merece destaque.
      (Com a sua licença, claro...)

      Eliminar
    4. destaque à vontade, pela amostra das caixas de comentários deste tema sei que pelo menos metade dos leitores não vai entender, mas olhe...

      Eliminar
    5. Eu fico incrédula com frases como "a vida humana tem sempre de ter mais valor". Mas... porquê? Porque nós somos humanos e dá-nos jeito que assim seja?
      A realidade, que até pode cair mal a muita gente, também numa espécie de fanatismo, é que temos o mesmo valor que os outros animais. SOMOS animais. Racionais - com muita coisa que os outros animais não têm, é certo -, mas animais.
      E não vale a pena começarem com perguntas retóricas e sarcásticas porque isto é uma verdade inalienável... Ou deveria.
      Qualquer vida tem (deveria ter) o mesmo valor. Mesmo que isso vá contra o que dá jeito ao Homem, que se julga dono e senhor do universo.

      Eliminar
    6. Pipocante Azevedo Delirante9 de outubro de 2014 às 16:04

      A vida humana tem mais valor porque somos humanos. Para as zebras, a vida da zebra tem mais valor. Azebra não se vai sacrificar e deixar comer apenas porque o leão tem fome. A zebra pensa, que se f$$a o leão, o gajo bem pode aí morrer à fome. Do mesmo modo o leão não hesita em deixar um pobre antílope orfão. E se calhar nem lhe fazia mal saltar uma refeição.

      Eliminar
    7. Exacto Pipocante, é a lei biológica de sobrevivência da espécie. Nós como detentores da racionalidade temos é obrigação de proporcionar as melhores condições de vida às outras espécies animais (que, irracionais, obviamente não se preocupam com estas questões morais e éticas). Mas tudo dentro dos limites da razoabilidade e da defesa da nossa espécie, dos nossos iguais em primeiro lugar.

      Eliminar
    8. E uma mosca? É um animal de primeira ou um animal de segunda?
      E um rato?
      E um piolho?
      E o franguinho que comeu ontem à noite? É de primeira ou de segunda?

      Eliminar
    9. Querida IS, no seu comentário diz tudo, SOMOS ANIMAIS RACIONAIS. E querida entre um cão, um gato e a saúde das minhas filha...desculpe, mas não hesitaria um segundo que fosse em mandar abater o animal...
      Mas é apenas o meu ponto de vista...
      Sílvia V.

      Eliminar
    10. Pipocante: agora é que explicaste tudo!

      Eliminar
    11. Eu não sei mas talvez tenha a ver com a preservação da espécie, isso de a vida humana ter mais valor.
      (e claro que eticamente temos o dever de cuidar da preservação das restantes espécies, afinal somos racionais, com bastantes mais capacidades que as restantes espécies)

      Eliminar
  17. Pipocante Azevedo Delirante9 de outubro de 2014 às 15:00

    Ainda não tive tempo para ler tudo, mas já mirei por aí um "cão inocente".
    Ora bem, o conceito de inocência aplica-se aos humanos, penso eu. Aplica-se a alguém que não é culpado de determinado acto, cometido em consciência, que é algo que um animal não possui. Se um cão me ferrar uma dentada porque entrei no seu quintal, deixa de ser inocente? Afinal, está apenas a proteger o seu território, e não tem a mínima noção de quais serão as consequências do seu acto. Já uma pessoa, se ferrar um balázio num tipo que meta o pé adentro do portão, sabe que tem de arcar com as responsabilidades.
    Quem se deu ao trabalho de ler isto, já detectou por certo palavras que não se aplicam aos animais: consciência, responsabilidades...
    Isto separa as pessoas dos animais.
    Ora, podemos bem entrar numa sociedade em que os animais têm os mesmos direitos dos humanos. Mas presumo que terá de haver alterações nessa sociedade... por exemplo, eu não tenho o direito de, no meio da rua, subir o saiote de uma rapariga que passe e aviá-la logo ali, human style. Já o podengo, pode fazê-lo à vontade, e se a dita cadela refilar muito, ainda leva uma dentada na orelha. Vejo aqui uma diferença de tratamento, que terá de ser corrigida, se quisermos viver com direitos iguais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. PAD, muito obrigada pelo tempo que perde em vir aqui comentar, os seus comentários são dos meus preferidos.
      Isto está tão bom que me deu uma ideia para um post.

      (e tem toda a razão, o homem seria muito mais feliz em aviando qualquer rapariga que lhe apetecesse, não sei é se as dos piropos concordam consigo...)

      Eliminar
  18. ""Esta gente nem se apercebe do doentio que é o discurso "antes o meu cão que um violador".""
    Pode explicitar? Quantos mais comentários melhor, para o seu bog ter visibilidade...se é que me entende.
    Mil vezes ter um cão do que ter um gajo a violar-me! Mas isto sou eu que sou doutro planeta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hã? Antes querias ser violada por um cão do que por um gajo? Isso tem nome, acho que é bestialismo.

      Eliminar
    2. Isso mesmo! Deve ser bestial! A gaja de outro planeta.

      Eliminar
    3. Anónimo das 15:05 que comparação estúpida que comentário tão são sem sentido. Mania de se distorcer tudo aquilo que se lê. Já agora e pegando na sua ideia iluminada, prefere uma gajo a viola-la ou um cão a comer-lhe a cara?

      Gente parva pá

      Eliminar
    4. Eu explico.

      Porque não se pode comparar o que não é comparavel. Ninguem quer ser violado, logo "dizer antes o meu cão que um violado"r, é o mesmo que dizer "antes um ferro de engomar do que um violador", ou "antes fazer exercicios de matematica do que ser violad

      Tudo é melhor que ser violado.
      dizer antes o meu cão que um violador é uma frase do outro planeta

      Eliminar
    5. para: Anónimo9 de Outubro de 2014 às 15:50
      Olha ....vai para a escola, vai. Aprende a ler com atenção, vai lá.
      A gaja de outro planeta (estou a adorar!)

      Eliminar
    6. Eu explico a frase do outro planeta. Li, aí algures, um comentário de alguém que dizia que entre salvar o seu cão ou um violador, salvaria o seu cão, que tinha mais direito à vida.
      Realmente é de outro planeta. Além de ser crime. E extraordinariamente perigoso, já que remete para a ideia de seres humanos de primeira e de segunda. Parecendo que não, foi essa ideia que levou ao holocausto, foi só há cinquenta anos, atrás.

      Eliminar
    7. Quanto estupidez Picante. Sou a gaja de outro planeta e a que falou do cão e do violador.
      Copio lá de cima para facilitar a vida: "Penso que entendo o seu objectivo com este post…e já que é assim… cá vai. Existem cães que merecem viver mais que certos “seres ditos humanos”.
      Se EU tivesse de escolher, entre deixar viver um homem com HIV que decidiu “vingar-se do mundo”, violando outros seres humanos (uam das vitimas é minha amiga) e um cão como o Haatchi (ler aqui: http://www.tvi24.iol.pt/internacional/cao/owen-e-haatchi-uma-amizade-incondicional), sem sombra de dúvida que salvaria o cão.
      Porque como em tudo na Vida existem “cinzentos”. Nem tudo é branco, nem preto. Precisa-se URGENTEMENTE de bom senso e respeito por todos os seres."
      Quando se tem um blog e se quer acompanhar e respeitar os comentadores não se escreve "Li, aí algures". A sua interpretação das "coisas" é extraordinariamente infeliz.
      Escusa de publicar este comentário.

      Eliminar
    8. Li mesmo aí algures. E não foi nesse comentário, já agora, foi numa resposta a outra comentadora.
      Eu não faltei ao respeito a ninguém. Já a senhora...

      Eliminar
  19. Se as coisas não fossem muitas vezes desprezadas, tipo isto não é nada comigo e vai passar, se calhar já se tinha acordado mais cedo para a realidade e as medidas adoptadas teriam sido mais assertivas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ca nervos. O seu sobrenome deve ser eco ou oca :D (Arrumadinha)

      Eliminar
    2. Por acaso o meu sobrenome tem muito que se lhe diga, mas ficamos assim!

      Eliminar
  20. Se há coisa que me encanita é queles que usam argumentos como "há animais melhores que certos humanos", "há animais com mais compaixão que certos humanos"

    Pois há, deve haver porque há humanos desprezíveis, mas o contrário também é verdade. O facto de haver seres humanos desprezíveis não justifica que se coloque qualquer vida animal acima da vida humana em geral. Se fosse sido uma galinha? um pato? um hamster? uma cobra? tenho para mim que não havia esta discussão, porque mesmo para os fanáticos dos animais há animais de 1ª e animais de 2ª.

    Para além disso conseguiram que a morte do dito animal fosse mais importante do que as vidas todas que já se perderam e continuam a perder neste surto. Alguêm sabe alguma coisa da dona do cão? Pois bem me parecia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que piorou. E que entretanto há quatro suspeitas de ébola em França.
      (muito animal vai dar nas vistas...)

      Eliminar
  21. Bravo... isto é tudo para ter audiência? era leitora assidua do seu blog... era... e sim sou mais uma que gosta de animais como sempre gostei e não de modas como alguem escreveu e a forma como escreveu sobre esse assunto diz muito sobre si...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses comentários, em jeito de ameaça, são exactamente para quê?
      A ideia é sugerir-me que opiniões devo ter? Sobre que temas escrever? Não me deixe na expectativa. Por favor...

      Eliminar
  22. Ó meus amigos ize, não havia nexexidadezz, o blog é um bom blog, não havia nexexidadez ize destas polémicas ize. Ide, ide dar banho ao cão izezzz.
    Diácono Remédios

    ResponderEliminar
  23. À revista Maria,
    revista Maria, tenho uma pulga na rata, um carrapato nos pêlos do cagueiro, um chato no bigode e uma lêndea no sovaco. Será que é justo acabar-lhes com a raça? Não são espécies em vias de extinção?
    Mamulenga Cagaita

    ResponderEliminar
  24. Para quem não me conhece de lado nenhum, dizer que eu não tenho qualquer valor, é de ... valor, sim senhora! É algo assim mesmo muito bom! Gostava imenso que dissesse isso na minha cara, assim frente a frente. Talvez tomasse de repente aquela postura muito sua:"publiquei, mas não subscrevo", "concordo, mas só em parte", "ela é que é a responsável, eu apenas sou a mensageira". Ou então, quando o tema é muito melhor tratado e desenvolvido pelos comentadores do que propriamente pela autora, é vê-la dar o dito por não dito, meter as mãos pelos pés e, acredite, dá para perceber a ausência de coluna vertebral. E eu sei que você sabe que isto é verdade. Fiquemos assim, vocês cheia de certezas e eu, olhe, sei lá, cheia de dúvidas. E mais, em caso de necessidade, acudiria os humanos (os pequeninos, os adultos, os idosos), os animais e talvez, nomeio da confusão, acabasse por não me acudir a mim. A gente sabe lá o que faz em momentos de aflição e desastre, digo eu que não sou pessoa de grande valor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi? Qual é a sua droga, mesmo?
      (confesse lá... faria este comentário, independentemente do post, verdade? ainda que aqui prantasse uma musiquinha fofinha, pois não é?)

      Eliminar
  25. Desisto. Você é só estúpida e pronto. As suas ofensas não me atingem, aliás, como dizia o outro, tudo o que vem de baixo não me atinge. Agora vá lá comprar a sua dose e passe bem.

    ResponderEliminar
  26. O que eu "gosto" mesmo é da preocupação para com o cão e ninguém se preocupa com a senhora.
    A própria S* disse no blog dela, num comentário que não queria saber... esta gente vai ter filhos?? espero que não. Não vá um dia a escolha ser entre o filho e o cão... e eu conheço gente que já provou não se importar meter a vida dos filhos em risco só para não abaterem um cão - amigo, companheiro... que mandou 3 pessoas para o hospital... mas isso são pormenores. Aliás o cão só foi abatido porque um dos elementos do casal foi agregido e precisou de ser internado.. foi então que o cão foi abatido. Claro que o facto de o cão ter tentado agredir um dos filhos são pormenores e o facto de ela ( "mae" da criança) saber do facto de que ele ela perigoso foi abafado porque afinal ela até trabalhava no hospital... uns anos depois e ainda tenho que levar com fotos do animal no FB a falar nas saudades do cão... Eu cá, se me tentassem matar o meu filho, bebé, não andava a chorar anos a fio a morte do cão.

    Fanáticos. Metem medo. Ninguém quer saber da mulher e a atitude daquele homem a mim mete-me nojo! A mulher a batalhar entre a vida e a morte e ele preocupado com o cão. SÓ com o cão!!
    Pessoas que metem a saúde de pessoas trabalhadoras, honestas, com familia que se estão a sacrificar para ajudar quem está doente atrás da vida de UM CÃO?! Já o disse à S* e digo-o aqui que acredito que vá ser publicado (lá não vai de certeza): querem tanto que seja analisado e tratado? Arranjem o dinheiro, o espaço e cuidem vocês do animal, voluntariem-se! Eu cá não o faria por um dos vossos cães mas seria capaz de o fazer por um dos vossos filhos (black que nojo de gente que eu sou).
    Acho que os animais devem ser bem tratados - todos - por isso também me recuso a comer, por exemplo, galinhas de aviário, etc mas não me venham com m*** que eles são da familia, blababla. Eu adoro o meu cão mas JAMAIS ele viria à frente do meu filho ou da enfermeira que está a morrer.

    Como de costume: o fanatismo é tanto que se sabe o nome do cão mas ninguém sabe o nome da senhora. Nem querem saber porque ela não interessa. É só a humana que se infectou a tratar de outros doentes. É um animal de 2ª portanto... o animal cão vem em primeiro, para alguns fanáticos. Até querem que outros enfermeiros, médicos e técnicos se coloquem em risco a si mesmos e aos seus filhos, familiares para tratarem do cão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresa. A enfermeira chama-se Teresa e está em estado crítico.
      Entretanto estão cerca de quinze pessoas de quarentena, que privaram com ela.
      E em Franca também há quatro ou cinco pessoas em observação, vieram da Guiné, acho eu.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.