sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Talvez não seja verdadeiramente feminista, afinal...

Passo os olhos pelas notícias, chama-me a atenção um artigo sobre o piropo, parece que há mulheres que apelidam o piropo de "experiência sexual não consentida e sem contacto físico", enquanto se dizem vítimas desse fenómeno. 
Eu sorrio e fico a pensar que elas são umas felizardas, na verdade não têm nada de verdadeiramente preocupante nas suas vidas.

(a não ser o facto de serem meio histriónicas, claro está...)

Nos comboios, como na vida

Tenho cá para mim que ele há três tipos de pessoas, com quem nos cruzamos. Se pensarmos que isto da vida não é mais que uma viagem, percebemos que nem damos conta da maior parte das pessoas por quem passamos, meros passageiros que calha terem apanhado o mesmo comboio, para quem nem olhamos a menos que esbarrem em nós, para quem sorrimos quando nos pedem desculpa, enquanto dizemos que não foi nada e seguimos caminho, se os tornarmos a encontrar é possível que nem lhes reconheçamos a cara - são os nossos conhecidos, não lhes sentimos a falta quando se vão, não tornamos a pensar neles. Por contraste, há aqueles que escolhemos para nossos companheiros, aquelas pessoas com quem planeámos a viagem, que nos acompanharão do principio ao fim, no meio de discussões sobre paragens, locais onde pernoitaremos, sítios que visitaremos, serão os nossos amigos, filhos, pais, maridos e mulheres, as nossas pessoas, se preferirem. 
E depois? Depois há um terceiro grupo, entram-nos portas adentro, de repente, sem pedirem licença, instalam-se ao nosso lado, tornam-se companheiros de viagem, uma espécie de amigos, fazemos planos conjuntos, nada de muito definitivo, apenas apear-nos e passar aqui ou ali, fazemo-lo ainda sem bem saber se são para ficar ou se continuarão viagem, noutra qualquer carruagem, para outro destino, diferente do nosso. São pessoas que aparecem por alguma razão, talvez enviadas pelos anjos, talvez seja Deus a andar connosco ao colo, nos momentos piores. Pessoas que vão embora uma vez cumprida a sua tarefa porque, na verdade, não pertencem à nossa vida, nunca serão das nossas pessoas. Sentimos-lhes a falta quando se vão, nem bem por os querermos na mesma carruagem, que não queremos, mas pelo significado do percurso conjunto. Sabemos que temos de os deixar ir, as coisas são como são e eles já cumpriram o seu papel.
Gosto de pensar que estas pessoas são sinais da existência de Deus que, não transformando a água em vinho, nos envia quem nos ajude a levantar e a ultrapassar maus momentos. Depois? Depois é connosco, seguimos viagem mas, de quando em vez, não deixamos de olhar para trás e sorrir com saudade, de pensar como estarão, de lhes desejar que sejam felizes.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Os problemas dos homens #42

Esquecem as justificações que arranjam. E arranjam novas justificações, incoerentes com o que proferiram, em tempos, não tendo em conta que nós somos pessoas atentas, que não olvidamos as coisas, que não podem dizer o que mais lhes convém agora, mas que não convinha no pretérito.

(mais estar calado, caramba, ninguém perguntou nada...)

São botas, Senhores, são botas!


(decidi conjugá-las com um fato de banho, estava demasiado calor para o fato de surf...)

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

No fundo, no fundo, sou uma feminista

Um dos juízes do Supremo é uma mulher, uma juíza, portanto. A meritíssima doutora juíza, acha que a partir dos cinquenta anos as pessoas não precisam de sexo. E acha também que, sendo os filhos da queixosa em questão já adultos, a queixosa, a quem custa sentar ou andar, para além de não poder ter sexo, já só tem obrigação de desempenhar as tarefas domésticas para o marido. 
A meretíssima senhora doutora juíza deve ter uma vida de trampa.

Só dúvidas, é isto a minha vida

Aquilo do perder peso e reeducação alimentar e não sei quê, que obriga as pessoas a tirar fotografias em pelota, para o blog, também faz emagrecer os pêlos? E a celulite? E a aumenta as mamas?

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Note to self

Convidar o José Avillez, para vir jantar cá a casa, no próximo sábado, dia em que, em calhando, me aparecerão vários amigos de surpresa, aí pelas vinte horas.

(e daí talvez não seja necessário, cá em casa come-se sempre tremendamente bem...)

Perfect matches ou pares boho-slam-chic cheios de pinta



Tenho, cá para  mim, que a cor não foi bem inspirada, a coisa haveria de ter ficado mais bem feita...

(Fotografias retiradas da net. Ambas as duas.)

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Das coisas que realmente me aborrecem e deprimem

Ela tinha dezanove anos. Ele tentou violá-la. Ela respondeu-lhe com uma facada. Ele morreu. Ela foi presa, diz que o julgamento não foi por aí além de justo, não sei. Ela foi enforcada, sete anos depois. Tinha vinte e seis anos e foi condenada à morte, por se ter defendido.

E eu? Eu detesto esta religião fundamentalista, que trata a mulher como um objecto, uma coisa inferior, sem direitos iguais mas cheia de deveres. Pardon my french mas puta que os pariu a eles, ao maomé, sim é com minúscula, e mais às interpretações do corão, sim, não me aborreçam, que fazem a seu bel-prazer, tal como a seu bel-prazer ditam o infortúnio de milhares de mulheres e crianças.

Post muito curto*

Em faltando o parceiro de ténis, uma pessoa pode sempre atirar as bolas contra a parede. Uma espécie de ténis, portanto.

*e, como tal, muito fácil de ler

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Um dia...

... dizem-te que terias a ganhar em ter um header mais profissional no teu cantinho, seja lá o que isso for de cantinho, que deverias ter uns tons pasteis, mais harmoniosos e relaxantes, menus de marcadores e não sei o quê, que teriam todo o prazer em remodelar-te o cantinho,
Tu já sabes o suficiente da vida para saber que não há almoços grátis e perguntas quanto é que custa.

(nada temeis, seria incapaz de trair a Palmier, já para não falar de usar tons pasteis e relaxantes no meu dito cantinho, ainda o trincavam...)

Os destemidos

Nove. Há nove almas corajosas, dispostas a pagar vinte e dois euros para comer sushi em distinta companhia. caramba, mas as nove almas não terão medo que ele leve aquelas coisas do para que serve isto, ou lá o que é? Que se disponha a explanar sobre aquilo do verdade ou mito? Que queira contar capítulos do romance em primeira mão? Sério?
Ah! Corajosos!...

(o limite era vinte cinco, parece que ainda há lugares disponíveis...)

Picante, essa benemérita

Depois de me terem alertado para aquela situação de haver aí quem se esteja a preparar para cobrar vinte e cinco euros por um workshop que ensina a fazer, tachraaaannn... papas de aveia. É mesmo isso, não se desmachem já a rir, são mesmo papas de aveia, uma mulher fica aqui a pensar para consigo própria, afinal a vida está difícil, os impostos cada vez mais altos, a Zara e a H&M com colecções novas, as criancinhas a terem de comer, uma mulher sabe que nem toda a gente nasceu para fazer complicadas apresentações em bonitos powerpoint, e vai daí que resolve ajudar as Rosinhas, sugerindo interessantes temas para futuros workshops:
- Atar atacadores com laçadas perfeitas
- Barrar o pão com Planta sabor a manteiga (módulo pelintras)
- Barrar o pão com manteiga sabor a manteiga (módulo normais)
- Ovos mexidos, a superação
- O desafio das tostas mistas
- O duche: substituindo o sabão macaco por gel de banho
- O telefone: aprender a enviar sms
- Fugindo de vigaristas e trapaceiros (módulo exclusivo para licenciados com distinção em cinco dos anteriores workshops, as três melhores teses serão premiadas com o curso " como ter um blog de sucesso")

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Em verdade vos digo

Que a esperança tem tudo a ver com optimismo. Que tem a ver com o bom senso e a presença de espírito necessários para respirar fundo e ver o problema sob vários ângulos. Que tem a ver com a capacidade de ver oportunidades em perspectivas goradas.

(e não tem nada a ver com mantas, isso não tem, ainda para mais com mantas demasiadamente caras, com nomes zen, estou aqui capaz de apostar que há outras mantas que se chamam felicidade, superação, harmonia...)

Nunca serei fashionista

Não fazia ideia de que as botas, estilo Júlia Roberts em Pretty Woman, eram usáveis fora de sets de filmagens ou passerelles. Pior, muito pior... Continuo a achar que não são, a menos que se queira transmitir a impressão errada.
Menos, minhas senhoras, muito menos.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Coisas que me consomem demasiado tempo

Pôr o cinto, no automóvel. Abrir a porta e sentar-me. Ligar o bólide. Alguém haveria de inventar uma viatura que fizesse tudo isso, automaticamente, por nós. Poupar-nos-ia aqueles minutinhos preciosos para apreciar as coisas tremendamente importantes da vida.

Lindos e louros, em Gap e Ralph Lauren

Já os meus, ainda antes de "mãe" e "pai", disseram palavras verdadeiramente assombrosas. Um disse termodinâmica, outro disse champagne.

(e depois disseram, em coro, Mercedes)

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Foi uma semana maravilhosa, não foi?

Aquilo de a mulher ser muito mais que um corpo, que é redutor alguém opinar sobre o corpo feminino, que aquilo nos magoa verdadeiramente, quer sejamos gordas, magras ou assim assim, tanto por fazer, Deus meu, assuntos verdadeiramente importantes a debater, ainda para mais juntou-se aquela situação da barbearia que não deixa entrar mulheres, discriminação verdadeiramente abominável.

(Fico só sem saber se nos devemos revoltar contra as outras mulheres, afinal são elas as piores críticas, se contra os tipos da barbearia que nos impedem de ir fazer a barba e aparar as patilhas a um local vintage... Que acham?)

Sobre isso das mulheres de verdade

Além de mamas e vagina também têm rabo.
(achei que gostassem de saber...)

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

A propósito do Ebola

E da entrevista que tiveram, imediatamente, a bondade de me mostrar, diziam que não, que eu só dizia disparates, que devia era estar calada, que o Dr Manuel Pinto Coelho, quem quer que seja o Dr Manuel Pinto Coelho, suponho que seja médico, assim como assim veste uma bata de médico, tentei saber quem era mas não consegui, sei, todavia, que não é especialista em virologia. Mas dizia eu que esse médico compara o ébola ao HIV e diz que não há risco nenhum. Mais aqui, se quiserem ver.
Ora pois que andava eu a ver noticias quando, nem de propósito, me deparo com isto, com isto e com isto.

(mas suponho que a Directora Geral da OMS também não perceba nada disto, que a coisa não seja de todo grave, que estamos todos muito bem preparados para enfrentar uma pandemia, Portugal à cabeça.)

(curiosamente, também ouvi, nas noticias da manhã, que continua a haver uma série de professores por colocar...)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Ler não é o melhor remédio, por vezes não é

Pois que temos mais um blogo-romance, nenhuma editora ninguém ligou ao outro arlequim, vai daí que sai mais um romance de cordel em fascículos.

(ocasionalmente a persistência é uma coisa nefasta, há que ter a capacidade de perceber limitações, não dar o passo maior que a perna, lá porque a Mais Doce consegue vender livros que falam de puns, não quer dizer que qualquer porcaria seja vendável...)

As coisas continuam a ser como são

E o corpo também faz a mulher, a mulher não é só cabeça e sentimentos, também é corpo. Por muito que custe assumir tal coisa, a certas e determinadas pessoas, que ficam muito escandalizadas com certos e determinados assuntos, que não irei aqui escalpelizar, a bem da minha tarde de trabalho.

(Então e o homem, Picante? Não falas do homem? Ah... isso fica para outro post.)

A Picante também fala sobre a polémica do momento

Ora sai daqui um grade obrigada à sô dona Izzie e ao mister Pipoco, que deram cabo do post tremendamente inteligente e divertido que me levou alguns três minutos a escrever.
Feitas as hossanas, só me apraz dizer que, não só continuo sem saber quem raio é a Jessica Athaíde, como sim, também eu acho que a rapariga é digna de dó, afinal não é qualquer um que se pode orgulhar de tão distinto e soberbo nome, como é verdadeiramente delicioso constatar que:
1. todas as mulheres sofrem muitíssimo por causa dos reparos que as sacanas das outras mulheres lhes fazem ao corpo, corpo esse do qual mostram generosos bocados.
2. a comentadora de serviço dos óscares e galas, que não hesita em desfazer toda e qualquer celebridade, física ou esteticamente, aprendeu com os seus póneis, tomou as dores alheias e desatou a falar de inveja, esse sentimento nefasto e diabólico que nos há-de levar à perdição do fogo eterno.
3. a maluquinha dos batidos verdes e do fitness é a nova bandeira do "real woman"
4. o marketing é uma arma poderosíssima, principalmente quando as pessoas, em geral, têm demasiado ar na moleirinha.

(levei outros três minutos a (re)escrever isto mas, em compensação, investi alguns quinze no google...)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Novo must-do da bloga

Aldrabar o sitemeter, de maneira a que, de exactamente três segundos em três segundos, aquilo aumente um número, sendo que à noite aumenta a cada segundo. Fui lá várias vezes. Sempre igual.
Uma pessoa até poderia pensar que aquilo é mesmo assim, que são as pessoas que não resistem aos laços, aos matchy-matchy ou à falta de agás, mas a pessoa põe-se a fazer contas, afinal a pessoa é de ciências, rapidamente vê que aquele blog existe há exactamente novecentos e quarenta e quatro dias, conta com nove milhões duzentas e catorze mil visitas, dá uma média de quase dez mil visitas /dia, nove mil setecentas e sessenta para ser exacta. Ora dado que ainda há meia dúzia de meses estava em décimo lugar no blogometro, com cerca de cinco ou seis mil visitas dia, dado que qualquer blog demora algum tempo a arrancar e nos primeiros dias apenas tem as suas próprias visitas (e as do marido, vá...), isso significa que hoje em dia deve ser mais lido que a Mais Doce. A vigarice é realmente maravilhosa, pois não é?
Numa musa, perto de si.

Gracinha

Gracinha, minha querida, por onde tem andado? Há quanto tempo não é verdade? Escute, Gracinha, tenho aqui uma coisa para lhe dizer, cá uma suspeita que tenho, nada de grandes cuidados. Escute a sua velha tia que já sabe umas coisas da vida, Gracinha. Se por acaso lhe der para ler essas modernices da internet ou o que é, se no decorrer dessas suas leituras se deparar com textos que mais parecem o último livro lá do Saramago, de tão grandes que são, se nesse texto encontrar uma série de links para uma vários sítios que vendem serviços, se a eloquência for tão grande que até lhe pode passar pela cabeça estar precisada de uma máquina de barbear, não tendo barba, ou de um pente, em sendo careca, então Gracinha, pode ser que aquilo não passe de publicidade...

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Os tipos da meteorologia voltaram a não avisar o Costa



Aquilo que eu gostava mesmo de saber é como é que um tipo que nem consegue limpar a cidade convenientemente, nunca, em ano algum, vi cheias como as de ontem, será capaz de limpar o país. Isso é que eu gostava de saber.

(imagens do Publico online)

Isto anda mesmo tudo ligado

Derivado daquilo de eu e tu sermos um problema, fico a saber que afinal o segmento das que vendem felicidade, ligeiramente sobreposto com o segmento das que fazem consultas amorosas, género cigana Tininha que, em calhando, também fazem amarrações sexuais e afastam invejas, mas dizia eu que fico a saber que afinal, o segmento "eu é que sei resolver a tua vida" ainda não estava completamente esgotado, ainda havia um nicho, afinal faltava preencher aquilo com glamour e estilo (ahahahahahah, disse estilo, sou tão engraçada...). Agora sim, as mulheres serão realmente felizes.

(e isto deve explicar as fatiotas dos últimos dias, estava a ficar preocupada, afinal não...)

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Inteligência, eis a questão

No que diz diz respeito à inteligência, existem dois tipos de pessoas. As que entendem que deve ser guardada e escondida de todos ou, eventualmente num momento de loucura, partilhada com um grupo restrito de pessoas. E aquelas que entendem que deve ser partilhada com o mundo. No que a inteligência diz respeito, faço parte do segundo grupo. 
Acho que a inteligência é boa demais para ficar escondida. Ou contida num espaço restrito a que poucas pessoas conseguem aceder. Nada tenho contra as pessoas que preferem guardar a inteligência para meia dúzia de momentos na sua vida. Sou uma pessoa de inteligência e gosto disso. A vida só faz sentido assim.
 
(Qualquer dia escrevo um romance. De cordel.)

Agora sim, a Paz

Oitenta mil crianças, resgatadas. Crianças que eram vítimas de maus tratos, tráfico ou exploração laboral, sendo que a maioria eram escravas. Kailash diz que o seu primeiro dia de aulas foi marcante, ao chegar à porta da escola, viu uma criança que trabalhava com o pai, na escola disseram-lhe que as crianças pobres não estudavam, mais tarde arranjou coragem e foi falar com o rapaz. Aos onze anos escreve uma revista sobre a exploração de pessoas, que envia para as autoridades.
Quanto a mim, um Nobel deve reflectir isto mesmo. O trabalho de uma vida.

Malala? Sim, Malala é enternecedora. E tem um excelente Marketing à sua volta. E é isso.

domingo, 12 de outubro de 2014

Que estás a fazer, Picante?


A apanhar uma enorme seca. Mau som, más cadeiras, mau envolvimento. Tudo isto numa duração demasiado grande.

Da paz

Um Sábado de ronha, deitada no sofá, a pôr séries em dia.
Um Domingo que seria igual, não fora ter aqui uns bilhetes para o Cats.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Amanhã falarei da paz

Eu, que até sou uma pessoa que lê umas coisas, que até tenho uma estante de alguns três metros de altura por seis de comprimento repleta de livros, que até tem várias prateleiras com duas frentes de livros, já para não falar dos que estão em cima, na horizontal, nunca li Modiano. Pior, muito pior, nunca tinha ouvido falar nele. 
(E sou a única pessoa da blogoesfera a quem tal acontece...)

E agora, coisas completamente diferentes

E os touros, hum? Pobrezinhos, como é possível haver gente tão cruel que se divirta a ver esse espectáculo bárbaro e degradante, haviam de estar eles na arena, de ser deitados aos leões, já agora juntávamos-lhes os católicos, que também não fazem cá falta nenhuma!

(é moda não gostar dos católicos, não é?)

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

E ainda que mal pergunte...

Aqueles que dizem que a vida dos animais tem o mesmo valor que a vida humana, que o homem não lhes é superior em nada, que temos de os respeitar tal qual um ser humano, foram vacinados? E vacinam os filhos? E ingerem medicamentos?
Como? Mas como é que conseguem viver com as suas próprias consciências? Como, senhores? Mas então os medicamentos não são testados em animais? Não morre tanto animal para para que haja antibióticos e vacinas e medicamentos milagrosos para emagrecer? E as condições em que vivem, Deus meu?

(ou será que, em sendo para vacinar os vossos filhos ou tirar a celulite do rabo, que se lixe o animal? só dúvidas, a minha vida...)

Mudam-se os tempos, a parvoíce, essa, aumenta

Por causa do post de ontem fiquei a pensar, aqui para comigo, que, se o Titanic naufragasse hoje, haveria por aí muito fanaticozinho do animal a gritar "o meu cão primeiro!", "o meu cão primeiro!".
Aquilo das crianças, mulheres, idosos e homens, está completamente ultrapassado, os cães haveriam de entrar logo após as crianças, afinal o homem é causador de tanto mal no mundo, o cão, esse, só dá amor e carinho.

(depois disto começo a achar muito mais normal o fanatismo religioso...)

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ah!...

E as saudades que eu já tinha de uma boa troca de argumentos?

(obrigada aos que aqui passaram, gerou-se uma, quase sempre, interessante discussão)

E por cá as dos blogs dizem-nos que chegou o Outono...

O ébola chegou a Madrid, tivemos o primeiro caso de contágio directo na Europa e eu, que não sou alarmista, temo que seja o primeiro de muitos, não sei até quando vão continuar a deixar as pessoas ir e vir dos países de risco, suponho que o conceito de zona de quarentena ainda não seja de equacionar, suponho que ninguém pense em suspender deslocações que não sejam estritamente necessárias, ou seja, passava o pessoal médico e mais nada, o que eu sei é que isto tem um período de incubação até vinte e um dias, que não se propaga pelo ar mas que se propaga por todo e qualquer líquido humano, que tem uma mortalidade até noventa por cento.
Dizem-me que Portugal está preparado, uma vintena de camas na Estefânia, outras tantas no Curry Cabral e no Egas Moniz. E dá-me vontade de rir, um país que não consegue colocar professores a tempo e horas nas escolas, está preparado para uma epidemia que pode ser a nova gripe espanhola de mil novecentos e quinze. Está certo. Eu ainda me lembro da gripe A, aqui há uns anos, cá em casa caímos todos, no colégio, as turmas estiveram reduzidas a metade, durante cerca de dois meses, a diferença é que se curava com uma semana de repouso. Mas que se lixe não é? Afinal o mundo tem excesso de população, tudo bem...

(e parece que anda aí uma polémica por causa do cão da enfermeira, vai ser abatido, as pessoas não acham bem, suponho que não percebam o conceito daquela coisa parva que é não se pôr em risco uma vida humana  por causa de um animal, às tantas mereciam era uns Todds...)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

E por cá as feministas continuam ofendidas com os sexistas do piropo...

Vejo que o Estado Islâmico ocupou mais uma cidade estratégica, na fronteira com a Turquia, continuam a recrutar europeus para a causa deles, estudam nas nossas universidades e recusam-se a adoptar o nosso estilo de vida, pelo contrário, somos nós que, em prol da democracia e liberdade religiosa, lhes damos a hipótese de estudar o Corão e de não comer carne de porco, até em colégios católicos se abrem excepções para a dieta dos muçulmanos, caramba. Construímos mesquitas, deixamo-los usar o véu, sabemos que continuam a mutilar crianças na Europa, que alguns mantêm as suas quatro mulheres, enquanto eles, do alto da sua arrogância, continuam a perseguir cristãos, a queimar igrejas, a olhar para as ocidentais como se fossem pouco mais que um monte de esterco. Parece-me bem, parece-me mesmo muito bem, há pouco tempo ouvi, num documentário da bbc, um desses fanáticos a falar, dizia ele que mais tarde ou mais cedo tomariam a Europa, que cinquenta por cento da população de Bruxelas já era muçulmana, que tinham tempo e a única maneira de contrariar isto seria os próprios dos ocidentais tomarem, eles próprios, quatro mulheres e terem filhos. E se formos a França, ao sul de Espanha ou a Londres a situação é idêntica...
E o pior é que se continuarmos impávidos e serenos, a proteger a liberdade religiosa e de expressão, de quem não nos respeita, mais... de quem nos despreza, é mesmo isso que vai acontecer, a prazo, as feministas do piropo podem pensar em começar a preocupar-se com a Sharia. Mas eu acho bem, acho mesmo muito bem, afinal não estarei cá para ver, as nossas netas que se lixem, pois não é?

Ó Costa, eu também já fui assim

Leio que o Costa, novo líder da oposição, quer tornar a instituir os feriados depostos e vai votar contra o orçamento de estado, que ainda não conhece.
Eu, até aos cinco anos, recusava-me a comer ovos estrelados, dizia que não gostava, ainda que nunca os tivesse provado. Mas depois cresci...

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Ainda assim...

É verdade que as coisas são como são, é verdade que isto são só blogs, mas não é menos verdade que há quem os leve demasiado a sério.
(só gostava era de saber quem será o primeiro...)

sábado, 4 de outubro de 2014

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Então e tu, Picante? Não nos contas com quem foste almoçar?

Ora.... E deixar as pessoas verdes? E ficarem a saber tanto da minha vidinha como eu? 

(ele não me trouxe ovos moles...)

A Picante também faz serviço público

O Salgado está a responder a todos os comentários, lá naquilo dele.
De nada.

(eu tinha dito que não era bonito deixar as pessoas sem resposta....)

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Um dia ainda aceito encomendas de posts, mas hoje não.

E lá estavam elas, diziam-me que não, que não podia criticar quem me apetece criticar, que isso de gozar com a vida alheia se pode fazer em todo o lado excepto aqui, nos blogs, por aqui poderemos partilhar a cor e formato das cuecas, anunciar que somos a bicicleta da aldeia, cortar na família, explorar as criancinhas para aumentar egos e receitas publicitárias, por aqui não há limites, afinal nós escrevemos apenas para nós próprios, quem não gostar que não leia, pois não é?
E apareceram as donas Joaquinas, defensoras da moral e bons costumes, de braço dado com as donas Efigénias, estas aproveitando para falar das vidas que não conhecem, muito ofendidas se alguém as caracteriza por atributos fisícos, afinal todos nós somos tão mais que o nosso corpo, pois não é?
E agora enviam-me mails, entram caixa de comentários adentro, como se estivessem em casa, tudo muito à vontade e em amena cavaqueira, dizem-me que está mal, que eu devia falar de não sei quem, que afinal se deve criticar não sei o quê, que criticar quem elas querem ver criticado tão é pecado nem sinal de falta de vida própria, que eu não vejo a malandrice criticável, só posso é ser cega, pois não é?
E cá estou eu, a escrever exactamente o que quero, quando e como quero...

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

As coisas são como são

Posts a falar sobre gordura têm muito mais comentários que posts a falar sobre ginásios...

(um terço dos Portugueses é gordo, ou tem excesso de peso, se preferirem um termo mais meiguinho, mas fica ofendidíssimo por se lhe dizer isso, vou começar a usar a expressão "aquela mulher que ingere muito mais calorias do que necessita, há anos...)