quinta-feira, 31 de julho de 2014

Sabes que estás apenas a um pequeno passo...

Quando, de repente, és abordada. Propõem-te que desistas, que vás pedir desculpa, que digas que a estratégia que delineaste, e que começa a aborrecer muita gente, não passou de um ímpeto emocional, de uma coisa não pensada... Dizem-te isto logo a ti, que não tomas decisões importantes em estado de irritação, tu que esperas sempre, e respiras fundo, antes de decidires as coisas que tens de decidir, que ages com a cabeça e não deixas que as emoções interfiram. E tu vais ouvindo a conversa, meio incrédula, deixas a coisa seguir, a ver onde acaba. Acaba numa promessa velada de suborno, desiste, aguarda um ano, que para o ano, assim como quem não quer a coisa, dão-te aquilo que queres hoje.
E tu? Tu ris-te, agradeces a oferta, dizes que estás a fazer aquilo que tens de fazer, não só por ti mas por toda uma comunidade, e agradeces a informação, dada sem que a pedisses. Agora sim, cada vez dormes mais descansada, sabes que estás quase lá. E foram eles que o confirmaram...


Ave César

De tudo o que me aborrece, mais que gordas em fio dental na praia, mais que vernizes de cores duvidosas, que tatuagens no fundo das costas e nos tornozelos, que calças de cintura descaída que deixam ver cuecas e regos, que Anónimos básicos e mesquinhos, gente que não sabe falar português e para quem o verbo haver é um enorme obstáculo, mas dizia eu que de tudo o que me aborrece, o que mais me transtorna é o pequeno poder. Gente que nunca há-de ser mais que aquilo e que de repente tem o poder de arruinar uma noite, um dia, ou uma semana. Ele é o porteiro da discoteca que deixa entrar toda a gente mas pára o Pedro, porque o Pedro tem a pele escura. Ele é o polícia de trânsito, faces coradas, bigode farfalhudo, que se arroga ao direito de ser mal educado e prepotente só porque tem uma farda. Ele são as tipas da secretaria que têm o poder de atrasar a saída de uns papeis e sabem isso. Ele é a directora de uma escola que acha que pode tudo, que a sua vontade prevalece acima da lei. Caramba, não há nada tão irritante como o poder dado a quem nunca o teve e não tem formação moral para o ter, acaba por confundir papeis, usar o poder de forma pessoal e discriminada, torna-se prepotente, acabo sempre por me lembrar de Hitler, comparação descabida, eu sei, prepotência e má formação levada ao extremo.
Ah!... Por vezes apetece agarrar no pequeno poder e correr tudo ao pontapé, resolver as coisas à chapada, pôr a mão na cintura e rodar a baiana, descer do salto alto e usar jargão potente, perceberam a ideia, não é verdade? Mas não podemos, sabemos que apenas ficaria a satisfação interior, que não é assim que se resolvem as coisas, que temos de respirar fundo e resolver as coisas como elas têm de ser resolvidas, accionando os trâmites legais ao nosso alcance. E esperamos. E as coisas começam a resolver-se. Mas fica a enorme vontade de distribuir umas chapadas e de chamar uns nomes, utilizando uma voz doce, num tom suficientemente baixo, claro. Afinal, uma senhora é uma senhora e nunca perde a compostura. Ainda que mande alguém para a real puta que a pariu.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Em verdade vos digo

Isto dos blogs anda um marasmo sem fim, não me apetece escrever, muito menos aturar as três ou quatro carrapatas anónimas que insistem em vir aqui abrir hostilidades, elas normalmente até me divertem, eu tenho esta capacidade de me divertir com gente manifestamente básica e incapaz de argumentar comigo, mas a verdade  é que ando sem pingo de paciência para as aturar. Talvez acabe com isto dos comentários anónimos, talvez...

terça-feira, 29 de julho de 2014

A vida é como é, mas é o caraças*. A vida é como eu a faço ser.

Recebes um telefonema, é um dos teus novos melhores amigos, um homem de leis, diz-te que finalmente há notícias, que outro homem de leis se decidiu, vês luz, aquilo que te mantinha acordada está a começar a resolver-se, arranjas maneira de marcar uma reunião com um tipo que te pode ajudar, ele ouve-te, outra luz que se acende, arrancas-lhe uma promessa, e mais uma luz... O dia corre bem, hoje vais conseguir comer sem ficar agoniada, começas a deixar de sentir aquele frio do estômago. Tens de ter cuidado, não dês o flanco, não agora, essa tua mania de ver o copo cheio quando ele ainda está a um terço já te trouxe um ou outro dissabor, ainda não ganhaste a guerra mas a batalha... Ah! Essa já ninguém t'a rouba. E mudas-te para Cascais.

*perdoai o uso pouco usual de calão, a alternativa seria manifestamente pior...

Agora pergunto....

Qual é exactamente a diferença entre Obiang e José Eduardo dos Santos? É que daqui, onde me encontro, acho-os bastante parecidos...

(evitai a piada fácil...)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Olhe que não... Olhe que não...

"A ironia é um instrumento de literatura ou de retórica que consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa, deixando entender uma distância intencional entre aquilo que dizemos e aquilo que realmente pensamos. Na Literatura, a ironia é a arte de zombar de alguém ou de alguma coisa, com vista a obter uma reação do leitor, ouvinte ou interlocutor.
Ela pode ser utilizada, entre outras formas, com o objetivo de denunciar, de criticar ou de censurar algo. Para tal, o locutor descreve a realidade com termos aparentemente valorizantes, mas com a finalidade de desvalorizar. A ironia convida o leitor ou o ouvinte, a ser activo durante a leitura, para refletir sobre o tema e escolher uma determinada posição."
 
(In wikipédia)

sexta-feira, 25 de julho de 2014

As coisas são como são

E agora oferecem-te uma estadia em Mértola e tu ficas muito excitada, é tão bom passar fins de semana fora e pagar com posts, não é verdade? E depois tu enganas-te, nunca ouviste falar das minas de S. Domingos, vai daí que dizes que estás deserta por ir para o novo paraíso Português, que aquilo é uma coisa mesmo em bom, mas dizia eu que te enganas e publicas fotografias da lagoa ácida. E agora eu nasci para espalhar o bem, e aviso-te, talvez seja má ideia ires a banhos, aquilo não é por aí além de saudável, pode provocar escamações de pele ou assim. E depois hás-de voltar, fazer uns relatos maravilhosos, que a lagoa tem uns olhos gregos lembrando esfinges, a praia jaz posta nos cotovelos, que o sol se põe em Mértola como em mais nenhum lugar do mundo e que as estrelas, às centenas, dançam por cima da tua cabeça numa ode ao amor e à vida. E dirás que Mértola é o novo Minho, que as mulheres de lá são mais bonitas, que aquilo é um sítio realmente em bom para passar férias, muito melhor que o Pestana Palace, que isto as coisas são como são.

(aqui entre nós, que ninguém nos ouve, a menina não sabe o que é o Pestana Palace, pois não? É mesmo ursa, caramba...)

E enquanto isso...

Caiu mais um avião, há um país que não fala português, nem tem intenção de o fazer, na CPLP, o Salgado desembolsou três milhões e o Banif está em alta. Nada de novo, portanto, apenas o dinheiro a falar mais alto que tudo e todos. Na vida, como nos blogs.

Porque os blogs também servem para isto...

De entre os variadíssimos mails que recebo, vocês sabem lá o tempo que isto me consome, esta coisa de gostar de responder às pessoas, ele é convites para divulgar projectos de gosto duvidoso a troco de... pois, nada. Ele é gente amorosa e com um extraordinário bom gosto a dizer que sou muito inteligente e que os divirto, ele é convites para cafezinhos... não vale a pena, a sério. Mas dizia eu que, de entre os variadíssimos mails que recebo, por vezes, há uns que me apetece divulgar e este é um deles, não só porque se trata de cultura e eu sou uma pessoa que acha que os Portugueses só teriam a ganhar com um bocadinho mais de cultura, como também por ter um cariz solidário e eu simpatizo com essas coisas (nada temais, não vou desatar a recolher sangue ou a fazer festas...).

Mas isto já vai logo e eu ainda não disse nada, de maneiras que passo a informar que dia 1 de Agosto pelas 21.30h, o teatro Villaret exibirá o espectáculo cómico "Pulgas e Carriços", com a participação especial do próprio do Ricardo Carriço, passando a transcrever parte do mail que me enviaram:

"Durante o ano 2014 o grupo de comédia musical Planeta Fluffen comprometeu-se com o Teatro Villaret em organizar uma série de espectáculos em que a bilheteira reverterá totalmente para diferentes instituições de solidariedade. Neste caso, todos os lucros reverterão para a Associação Confluência, associação que promove a cultura, a arte e todas as formas de expressão da língua portuguesa.

Neste espetáculo teremos alguns convidados especiais, além do Ricardo Carriço, como a Lola (guitarrista das Anarchicks). O espectáculo decorrerá pelas 21:30 no palco principal do Teatro Villaret. Agradecíamos muito que nos ajudassem a divulgar o evento, já que por um lado, vai ser super divertido, e por outro todos os lucros reverterão para uma ótima causa. 

Nós, os Planeta Fluffen, somos um quarteto musical cómico. O nosso espetáculo mistura musicalidade com stand-up comedy. Iniciámos este projeto em 2010, e para a história ficam as participações em televisão no Canal Q e no Cinco Para a Meia-Noite, os vários espetáculos ao Vivo no Teatro S.Luiz em Lisboa, no Casino da Figueira da Foz, no Teatro Municipal da Guarda, no Pavilhão de Macau em Loures, no Armazém 13 em Lisboa, Braga, Peniche, Óbidos, etc., os cerca de 5.000 seguidores na sua página oficial, e os vários videoclips da banda (http://www.youtube.com/user/PlanetaFluffen?feature=watch)."


Os senhores têm ainda a amabilidade, que desde já agradeço, de me oferecer dois bilhetes mas, com muita pena minha, conto não estar em Lisboa, por essa altura. Divirtam-se!

(e não recebi um tostão pela divulgação, nem conheço rigorosamente ninguém da produção, só para que conste, OK? Isto é uma espécie de publicidade nada encapotada)

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Palmas? Eu dava-lhe as palmas...

Uma pessoa tenta. A sério que tenta. Uma pessoa já nem linka aquilo, já não a põe nas musas, afinal uma pessoa quer ter o mínimo de contacto possível com aqueles excrementos em forma de posts.
Eu até já a tinha tirado do feed, que tinha, aquela porra enerva-me. Tudo ali colide com o meu sistema nervoso, logo a mim que nem sou pessoa de me enervar. Mas caramba... o que é demais é demais. Ele é o mal dizer dos sogros, ele é o dizer abertamente que se é a bicicleta da aldeia e mostrar orgulho nisso, ele é o partilhar das inúmeras vezes em que vai à casa de banho, ele é o expor e gozar amigos no blog, ele é ir às termas e fingir que se pagou, ele é as cartas "ai que sou tão sensível" dirigidas a quem não sabe ou já não pode ler, ele é o dar conselhos sobre isto de se ser mãe, num "olhem para mim, tanta experiência que eu tenho, sou mãe de um bebé que nem dois anos fez mas já ensino e dou cartas", ele são as actividades "ai que sou mais solidária que o Papa, ainda que ninguém me tenha encomendado sermão", ele é o tomar das dores dos outros "tu é que perdeste o filho, quem sofre sou eu", ele é o bater palmas à Primark pela sua consciência social, numa ode à estupidez, é que não encontro mesmo outra explicação, qualquer atrasado mental sabe que a Primark é conhecida por respeitar os direitos humanos dos seus trabalhadores... E, quando uma pessoa pensa que já viu tudo, que dali mais nada a surpreenderá eis que aparece a cereja em cima do bolo. Caramba... transcrever assim, uma filha da puta de uma consulta de psicologia, com uma criança e os seus pais, só para fazer bonito no blog,  não será uma tremenda de uma filha da putice? E falta de ética? Eu arriscaria a dizer que é ilegal, mesmo. Mas a verdade é que, se não tenho a certeza que seja ilegal, tenho a certeza absoluta que é de uma falta de profissionalismo brutal.
Desculpai a assertividade. Mas ele há coisas que me tiram do sério. Porque raio não escreverá ela sobre os dedos dos pés? Ou a maravilha que é morar perto de Cascais?

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Há uma linha...

Que separa os idiotas dos outros.
(ou, em preferindo, os parvos como o cocó...)

Et Voilà

Agora sim, like a five year old...

Em verdade vos digo

Quem apenas conhece as praias da Trafaria e, num repente, se cruza com a Adraga, achará a Adraga a praia mais bonita deste mundo.

(mas não é por isso que a Adraga será mais bonita que Aberta Nova ou melhor que as Maldivas...)

terça-feira, 22 de julho de 2014

Gracinha

Gracinha, minha querida, eu sei que aquilo lá das Dilares ou lá o que é, as coisas de pobre que a menina conhece... credo, até fico sem jeito. Mas, dizia eu que sei que aquilo lá das Dilares é para outrem, que é. Ainda assim, fiquei a pensar que isto de ter de se explicar que é ironia, que é sarcasmo e que uma pessoa pensa uma coisa enquanto diz outra, não abona muito a respeito da inteligência do explicando, pois não? Caramba... é que, cá em casa, até os mais pequenos percebem a ironia...
(just saying...)

First we take Póvoa dio Varzim, then we'll take the blogoworld ou... Por aqui também se Picanteariza


Pensavam que eram só vocês, não? Inchem, mas é.
(e eu nem tive de pedir nada, a linda, inteligente, muito divertida e com um extraordinário bom gosto, Paula, enviou-me esta maravilhosa fotografia, muito obrigada Paula! Cá beijinho)

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Ah, então e tu, Picante? Não rumas ao teu sul?

Rumarei. Quando resolver esta puta desta situação que me anda a deixar agoniada do estômago e com insónias à noite. Nessa altura, voltarei a apreciar um nascer do sol, correr com a brisa fresca da manhã, uma garrafa  de cerveja bem gelada e outras coisas com que a vida me regala e que aprendi a apreciar. E rumarei a sul, mais precisamente a Cascais.

(que foi? é a sul do Cabo da Roca...)

Pergunto...

Mas porque é que, de repente, desatou toda a gente a falar de aniversários e a evangelizar o mundo? Algum must-do da bloga que eu desconheça?

(Caramba, e eu a pensar que sabia de todas as novas tendências, as coisas já não são como deviam ser...)

Aconteceu mesmo

Um fim de semana sem internet. Tão bom...
(Já vou ali responder aos comentários, gerou-se uma discussão interessante, uma pena eu não ter podido participar)

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Mais valia estarem calados, caramba..

Todos a falar do mesmo, a qualquer sítio onde ia só me falavam disso, vai daí que tive de ir ver, eu sou uma pessoa que gosta de saber das coisas, caramba... podiam ter-me poupado àquelas fotografias nojentas.
A capa do DN consegue ser pior que a do Correio da Manhã, eu, deste pasquim, já espero tudo, mas do DN não. E fico triste, perdeu-se completamente a noção e o respeito, aquilo é aviltante.

Parecendo que não, aborrece-me

A éme oitenta diz-me que se existir uma música da minha vida, então ela passa-a, eu ponho-me a matutar, lá naquilo, só para me certificar que não tenho uma música da minha vida, ainda há pouco tempo um amigo me perguntava qual era a música, que eu passaria em repeat, e também não lhe consegui responder. É estranho, eu sei que o filme da minha vida é E tudo o vento levou, quase alcançado pelo O Padrinho, sei que se tivesse de escolher um livro, para levar para uma ilha deserta, escolheria as obras completas de Eça, em podendo mesmo levar um só volume seria o segundo, é lá que estão os Maias, mas a verdade é que não tenho um grupo ou, sequer, género musical acima de todos os outros, gosto de música porque sim, gosto de música porque me lembro de pessoas e de coisas cá da minha vida. Ainda hoje não consigo ouvir summer of 69 sem me lembrar das minhas melhores amigas, de abraços daqueles mesmo verdadeiros e de noites de pura diversão. Cada vez que ouço My way lembro-me do tipo que um dia me suprimiu a capacidade de raciocinar e que foi tão bom, New Order e House Martins são o primeiro namorado, mesmo à séria, nunca esquecemos o primeiro. Phil Collins, Chris de Burgh ou Elton John, lembram-me sempre como fui tão feliz em Serra Nevada, nos anos em que eram raras as sextas feiras em que não nos metíamos nos automóveis para regressar domingo à noite, mil e quinhentos kms e poucas horas de sono. E podia continuar, passaria por Bach, U2, Meat Loaf, Rod, Trovante ou até José Cid, passaria por muitos mais, ainda assim não conseguiria escolher a música da minha vida. Se tivesse mesmo de escolher talvez me ficasse pelos Queen, provavelmente porque não me lembro que me façam lembrar alguém. Não sei.

De repente lembrei-me

E não é que nunca mais houve selinhos de blogs e aquelas coisas em cadeia, género "eu já..." e assim, ou aquilo de responder a desafios? Acaba por ser aborrecido, parecendo que não eram uns magníficos posts de encher chouriços.

(Em me apetecendo sou menina para fazer um "eu já..."

Ó Sr.... Sr!... Ó Sr!... Sim... é consigo, mesmo

Por mais que as t-shirts sejam verdadeiramente pavorosas, ao nível do piorzinho que já vi em termos de t-shirts masculinas, nada, mas mesmo nada, ultrapassa o choque daquela visão... É que até a cuequinha ele puxou para baixo, caramba!...Iria jurar que lhe vi os pelos púbicos. Mas havia mesmo necessidade? Mas então o senhor não queria lançar um livro de (ahahahahahah) "romances amorosos"? Agora pretende enveredar pela carreira de modelo? É? Minha Santa Teresinha me valha. Olhe, fazemos assim... se prometer que deixa de escrever eu arranjo-lhe uns contactos numas agências... Pode ser? Pense nisso com carinho, vá... E pelo amor da Santa, deixe-se disso, de fotografar modelos peludos, ninguém merece.

(caramba, eu sei que há uns tempos disse que o novo must-do era uma pessoa despir-se para o blog... mas vocês levam as coisas demasiado a sério, era a brincar...) 

quinta-feira, 17 de julho de 2014

O stress faz-me mal à pele

Uma mulher resolve divertir-se, cria um perfil novo, até perde tempo a fazer o layout de um blog, seria uma coisa mesmo em bom, capaz de pôr a blogoesfera feminina a hiperventilar, era um perfil masculino, ora pois está bom de se ver... E que acontece? Pois que se me varreu o nome, pois que se me varreu o mail, pois que se me varreu a password. Foi tudo para o espaço. Caput. Não se me lembra nada. E era um nome tão bom, senhores, o diabo é que não me lembro qual. Pode ser que a memória se reavive, em passando estes tempos mais complicados, ou pode ser que não. Quem sabe?

Picante também vai à fisioterapia ou... não posso ver nada


A mim ninguém me põe a andar de um lado para o outro, não necessito de treinar aquilo de me pôr em biquinhos de pés, muito obrigada, também tenho equilíbrio suficiente, eu cá sou a da marquesa, atenção concentrada no telemóvel, ocupada a fazer este post, enquanto recebo tratamentos de laser e descargas de não sei o quê...
(enquanto escrevo, está ali um tipo velho e careca a olhar-me insistentemente, até já me sorriu, acho que vou continuar a fazer posts, daqui a menos de um nada estará a acenar-me e a dizer "aqui, estou aqui, aqui, aq...")

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Mesas de madeira...


Doze tipos e eu. Seria impossível ter corrido mal....
(será que alguém virá, aqui, falar sobre os direitos e oportunidades das mulheres?...)

Um dia destes também faço um post sobre comentários...

"Ó Picante, Picante, está a ouvir-me, é só para lhe dizer que o seu blog me diverte, que gosto das respostas que nos dá, que aceita comentários mesmo de gente que vem dizer mal de si e que isso não é para todos, que aceita as críticas e quando o fazemos de forma construtiva e acha que temos razão, tem a humildade de reconhecer e que ainda para mais nos pede desculpa e às vezes mais do que uma vez, quando se enganou a interpretar um comentário nosso. Obrigada por aligeirar o nosso dia. Apeteceu-me acordá-la só para lhe dizer isto, espero que não se chateie comigo."

É (também) por coisas assim, que às vezes me escrevem, que eu acho que o melhor, disto dos blogs, são as caixas de comentários. Em tendo tempo logo desenvolverei o tema...

terça-feira, 15 de julho de 2014

A propósito disso, das palmadas, em criancinhas mal educadas

Cá em casa, às cinco da manhã, a única coisa que se faz é dormir. Em havendo falta de sono, ou em a noite tendo sido esticada, assim na loucura, poder-se-à fazer sexo. Já massinhas, papinhas e pãozinho é coisa para se comer durante o dia. Mas claro, eu não percebo nada dessas coisas, de educar criancinhas birrentas, que sei eu de psicologia?

(era uma palmada antes do pãozinho, de coração vos digo que já não pediria a massinha ou a papinha)

Estou bem

Não se preocupem comigo, sobrevivi, sou uma sobrevivente, estou bem... Eu fico sempre bem.
Que digo eu? Sobrevivi? Reformulo, arrasei. A vida é tão boa, não é?

(e agora vou só ali, descomprimir, até à champanharia...)

Pressão? O que é isso de pressão?

Suponhamos que uma pessoa tem uma semana de cair para o lado, uma semana realmente difícil, entre reuniões importantes e problemas que tem mesmo de resolver. Depois do ataque de pânico inicial a pessoa respira fundo, põem os neurónios a trabalhar e começa a resolver o que tem de ser resolvido. O facto de ter apenas três dias para resolver as coisas que tem de resolver é um mero detalhe, a pessoa dorme menos, quem é que precisa de dormir? A pessoa acaba a semana exausta mas, em vez de se atirar para cima de uma cama e fechar os olhos, até Domingo, resolve passar o fim de semana fora. Sábado à tarde a pessoa recomeça a trabalhar, tem a reunião da sua vida terça-feira, ou seja hoje. A pessoa trabalha Sábado à tarde de maneiras que à noite já consegue enviar um paper a um tipo importante, tipo importante esse que só lhe dá feedback Domingo de madrugada. Pessoa está descansada, o tipo importante diz-lhe sempre que está tudo bem, que se avance, mas desta vez não, desta vez o tipo importante diz que não é nada daquilo e que já não tem tempo de rever o que quer que seja antes da reunião da vida da pessoa. Pessoa passa toda a segunda-feira a apagar fogos enquanto refaz um paper que estava um brinquinho mas que não servia. O tipo importante já não vai ver o que pessoa fez, antes daquilo ser apresentado a um tipo ainda mais importante, que é exactamente aquilo que estou a fazer neste momento.
Provavelmente ficarei bem...

segunda-feira, 14 de julho de 2014

O que eu queria mesmo saber é..

E os grelinhos? Quanto tempo duram os grelinhos biológicos, antes de apodrecer no frigorífico?


No carrossel como na vida

Por muitas voltas que se dê, por muito que se diga que não, que é apenas ironia, que é só para ter graça, uma mera provocação, por muitas voltas que se lhe dê, dizia eu, uma falta de educação não deixa de ser uma falta de educação, um desrespeito será sempre um desrespeito. Quando é que deixamos de ter graça para nos tornarmos, apenas, nuns parvalhões?
Já agora, vale a pena pensar nisso.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Dormir? Bah... Quem é que precisa de dormir?

Resumo dos últimos três dias

Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. Picante. 

(Vou só ali dormir umas quarenta e duas horas, sim? Estou exausta...)

Que estás a fazer agora, Picante?

A seduzir meia dúzia de tipos.

(com a cabeça, senhores, com a cabeça... pensais o quê?)

quinta-feira, 10 de julho de 2014

É só a brincar, não é?

Porque é que as pessoas escrevem "faicebuk" e enfiam "coises" no meio das frases, a propósito de nada, atiram-nos com "uais" quando perguntam porquê, falam ao "tufone" ou nos brindam com títulos que em vez de serem títulos são "lailailais"? É para dar cabo dos "nerfes" de outras pessoas? Ou é só para ter piada?
É que, caso se verifique a segunda, deixa cá ver como é que hei-de dizer isto de uma forma simpática... Hummm... Pois.

E lá estava ela

Lavada em lágrimas, enquanto me contava como o homem que um dia foi um sim, se tornou num não gritado com raiva, como tinha fugido de casa com os filhos ao ouvir divórcio, que tinha uma queixa crime por maus tratos, que só podia ver as crianças com supervisão e semanalmente, até o juiz se pronunciar.
E eu fiquei calada enquanto a abraçava, nada do que dissesse faria a menor diferença, pensei que um dia o descrevi como uma pessoa genuinamente boa e doce. Eu, que raramente me engano acerca das pessoas, pensei ser impossível o que me contava, que não fazia sentido, nós conhecemos as pessoas que conhecemos há vinte anos. Mas os roupeiros estavam vazios.

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Não se lhes pode dar um bocadinho de atenção...

Ficam nervosos, não estão habituados a que se metam com eles. Eles é mais suspiros que provocam sorrisos displicentes, com essas sabem eles lidar bem, a coisa é facilmente gerida. Mas, em encontrando alguém que não conhecem, eles nunca nos conhecem, não é? Não sabem o que dizemos, verdade? Pois se nunca nos visitam, como haveriam de saber o que dizemos?... Mas o que eu queria dizer e não disse é que, em encontrando alguém que não os enDeusa, cofiam a barba grisalha, treme-se-lhes as mãos enquanto procuram a garrafa de Bushmills, escondida na primeira gaveta da secretária, ao estilo Ikea, retiram os óculos de ver ao perto, passam a mão pelo cabelo que já vai rareando, encolhem a barriga e lá vão eles, todos lampeiros, aos pulinhos, corredor acima, corredor abaixo, numa viagem com objectivo aparente, ora o café, ora a fotocópia, ora os papéis importantes...
Mas ambos sabemos que não é bem assim, verdade?...

(escusa de responder, pronto... pronto... já passou...)

Pardon my french mas...

Puta que os pariu a todos se eu deixo que me vençam pelo cansaço, as únicas pessoas que estão autorizadas a  vencer-me pelo cansaço são os meus filhos e, ainda assim, só muito raramente. 
O sistema público é completamente kafkiano, sempre detestei Kafka e agora vejo-me metida no Processo. Mas caralhos os partam se não resolvo isto e se não os levo a todos à minha frente. Os homens das leis são os meus novos melhores amigos, as coisas são como têm de ser.

Ele há coincidências do demo, não há?


Olha... os Super egos... quem diria?
(as coisas são como são, e isto voltará ao normal, em me apetecendo, não quero cá distinções de blogs, deve haver aí muito boa gente aos saltinhos, cheia de vontade de se tornar musa)

terça-feira, 8 de julho de 2014

De repente fez-se luz

Não gosto de alemães, nunca gostei, conheci vários, trabalhei com vários, não gosto de nenhum. Achava que era implicância minha. Mas não é.

Sou uma musa Picanteana para...

Mostrar à Picante que afinal há quem acredite no Pai Natal, que há mesmo quem jure, a pés juntos, que ele aparece aí, montado num cavalo branco,  nariz aquilino, maxilares esculpidos, desejável six pack e claro, um amex preto no bolso. Provar que aqui, na blogoesfera, qualquer um consegue ser o que desejar ser, ainda que substitua Caraceni por Zegna. Haverá sempre quem se encontre ansioso por suspirar, quem não aguente o impacto de uma frase bonita, floreada com meia dúzia de clichés, apimentada com a graça do humor cáustico. Sim, a vida é como é... a blogoesfera também.
Quem sou eu?

Achava eu que já nada me surpreendia...

Eis que é a terceira vez que altero os nomes de duas das minhas musas. Não sei a que estratégia informática recorreram as musas do clix, a verdade é que uma pessoa dá-lhes nomes, uns petit noms por demais carinhosos, investe aquilo que tem de mais precioso, o seu próprio tempo, na temática de os baptizar e é isto. Por obra do demo e de algum espírito satânico informático, os nomes voltam ao normal ao fim de um ou dois dias. 
A verdade é que não posso estar a alterar nomes diariamente, vai daí que, mal tenha as sete musas completas, prantarei uma fotografia das mesmas e voltarão todas aos nomes originais. Sim, que aqui não há filhos da mãe e filhos da outra, o sol quando nasce é para todos.

(mas que ele há blogs muito à frente isso há....)

segunda-feira, 7 de julho de 2014

E agora?

Faltam duas musas. Duas. E só há lugar para uma....
Só problemas, a minha vida. Gravíssimos problemas.

Sou uma musa Picanteana para...

Mostrar à Picante que pode ser-se pelintra com estilo, com muito estilo mesmo, que isso das lojas da Av. da Liberdade é um mito urbano, que a Ortega Y Gasset não é assim tão especial, que Bond Street não é the ultimate thing. The ultimate thing é uma pessoa usar vernizes de cores inenarráveis, sapatos amarelo canário, carteiras, ou pochetes em preferindo, que parecem oriundas de um brinde saído no happy meal.
A Picante é dura de cabeça, ainda não percebeu que a bijuteria se usa, tal qual os enfeites das árvores de Natal, aquelas feitas por crianças, repletas de cores e brilhos, com tudo o que têm direito. Inventei a tendência do more is more.
Quem sou eu?

domingo, 6 de julho de 2014

Que estás a fazer agora, Picante?


Devia estar numa situação de ginástica. Acontece que era ao ar livre e S. Pedro acordou aborrecido. Eu cá não sei, mas a alternativa parece bem mais simpática...

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Sou uma musa Picanteana para...

Ensinar à Pic, e às mums to be ou just be, como vestir. E como falar. Sim, que isto quem não usa os must-have da estação, numa tendência folhos e laços extraordiriamente hippie-chic, não é nada nem ninguém. Quem não fala usando inglesismos, a propósito de tudo e de nada, ainda que desconheça a existência dessa bonita letra que é o agá, nunca saberá falar suficientemente bem para ser cá do grupo. Quem não reduza os nomes das pessoas a um pequeno conjunto de letras nunca será tia o suficiente. 
(apetece perguntar se conhecerá, de facto, alguma tia, ou deverei dizer aunt?...)
Quem sou eu?

Estou para aqui muito angustiada...

E a causa da minha angustia nem é o problema que assola lá aquilo dos Salgados, com o Mexia pelo meio. Não, senhores, o meu problema é muitíssimo mais grave... Resolvi acrescentar o Fio de Prumo ali à lista, da direita, o que significa que agora só lá tenho espaço para mais um. E eu tenho três excelentes candidatos ao lugar em questão. E agora, senhores? Como é que vou resolver este problema? Já viram a minha vida? Tantas inquietações?
Ah!... não há momento tão solitário como o momento da decisão...

Sou uma Musa Picanteana para...

Provar à Picante, através de estudos extraordinariamente sérios e científicos, que não há limites para a falta de cérebro, ou de chá. Mostrar a qualquer pessoa mais distraída que isto, para se ser conhecido, basta correr os blogs das três primeiras páginas do blogómetro e, em todos escrever "bom post". Deixar claro que, apesar da falta de cérebro, se consegue ser extraordinariamente criativo... no post seguinte escrever-se-à "concordo contigo".
Demonstrar, sem quaisquer dúvidas, que é possível ter alguns mil seguidores, interessados naquilo que se escreve, apesar de não se saber conjugar o verbo haver, de não se saber para que raio servem as vírgulas, essas estúpidas, ou de se ter uma opinião superficial sobre todo e qualquer assunto.
Provar o improvável, enfim... que o Arrumadinho é, afinal, um excelente blog ao lado dos seus wanna be.
Quem sou eu?

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Sou uma Musa Picanteana para..

Ensinar a Picante que falar sobre puns é uma coisa perfeitamente normal. E é giro, também. Talvez, um dia, ela chegue ao meu nível e elucide as pessoas nessa coisa que é o paradigma das relações amorosas. Apesar de não ter qualquer competência no assunto, claro, mas isso das relações é intuitivo, não é? Pelo menos eu acho que é... E se eu acho que é, ensino e mais nada! Não admito discussões, ouviram? E, já agora, façam o favor de remover o pelame, suas grandes macacas...
Quem sou eu?

Sou uma Musa Picanteana para..

Adormecer a Picante nas noites de insónia. E falar-lhe sobre corridas. E sobre todos os assuntos em geral, explicando tudo detalhadamente. Várias vezes.
Quem sou eu?

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Sou uma Musa Picanteana para..

Ensinar a Picante a ser feliz. E a usar mantras motivadores. E a comer saudavelmente. E a superar-se diariamente. E a decorar mil trezentas e vinte e duas cozinhas.
Quem sou eu?

Estou para aqui a pensar...

Se faço um quem é quem com aquilo das musas Picanteanas. Eu descrevo, vocês adivinham, quem é. Que acham? Vamos a isso? Vamos!...

Gracinha

Gracinha, minha querida, vai desculpar-me estar a bater tanto no ceguinho mas a menina parece que não percebe à primeira, nem à segunda, nem à quinta, a ser honesta... Arre! Acabe com essa conversa, caramba, já chega! Tarda nada as pessoas ficam com a certeza de que a menina é o próprio do escorpião.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Como diz? Qualquer dia a menina faz negócio com o blog?

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH

(a menina é tãaaaaaoooooooo engraçada....)