quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

E vocês? Já têm os kits de fim de ano?

Olá, olá! Cá em casa já está tudo à espera da meia noite! Temos um kit A-MO-RO-SO, todo em matchy-matchy. Mal dêem as doze badaladas corremos todos, cada um com o seu instrumento, e desatamos a limpar todas as migalhinhas que encontrarmos! 2015 vai ser o ano da caça à migalhinha!

Para 2015 só tenho duas resoluções

Não ler as vossas resoluções de ano novo, nem os resumos de ano velho, já agora.
E ser feliz. Sejam felizes, pessoas!

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

O Karma, aquela enorme meretriz

Ironia é a primeira publicidade de um blog que sempre disse que não se venderia, publicidade é que nunca, mas dizia eu que ironia é a sua primeira publicidade (assumida) ser um desodorizante para o chulé, ou para os fungos dos pés, ou lá o que era aquela bizarria.

(e, aqui entre nós, se a menina se continua a queixar, alto e bom som, tarda nada não terá publicidade para nenhum tipo de fungo...)

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

E então, Rosinhas?

Este ano não nos mostram as coisas inenarráveis que receberam lá dos vossos machos beta?

(que aborrecimento... era coisa para dar matéria para vários posts.)

Dúvidas, é isto a minha vida

Leio no Sol ou no DN, não me recorda agora, que uma das tipas lá daquilo do Femen se desnudou, da cintura para cima, e vai de roubar o menino Jesus do presépio do Vaticano. Arregalei os olhos, incrédula, e fiquei a pensar, aqui para comigo, que ou a fulana queria dar de mamar ao Menino, ou ficou amofinada, por não a terem posto a fazer de vaca, lá no Presépio...

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Continuo a não ser amiga de praticamente ninguém, daqui dos blogs, não deve haver mais de uma dúzia de pessoas que sabem que tenho um blog, onde vou debitando aquilo que vou debitando e interagindo com desconhecidos de nomes tremendamente estranhos. Isto são só blogs, só que às vezes não. E habituamos-nos aos que por cá passam, sentimos a falta dos que deixaram de vir, perguntamos-nos se estarão bem (estou aqui a lembrar-me da Mónica, por exemplo), temos vontade de abraçar alguns por os sentirmos tristes, por vezes chegamos a sentir que conhecemos quem nunca vimos, apenas a partir do que escrevem, que alguns poderiam, enfim, ser nossos amigos.
A todos os que têm a amabilidade de perder tempo a comentar os meus disparates, aos que por cá passam silenciosamente, aos que gostam e detestam, desejo um Santo e feliz Natal, junto dos que vos são mais queridos, que não faltem nem mesmo os que já partiram, porque o Natal é isto mesmo, a comunhão com as nossas pessoas.
Bem hajam e muito obrigada por tornarem isto tão divertido.

Living on the edge

Normalmente, aí pelo final de Novembro, tenho os presentes todos comprados. Este ano não. Ainda me falta um. Sei o que quero e onde o ir buscar. Só não sei é se há. E, em não havendo, isso é coisa para fazer perigar a harmonia familiar. Por agora é só isto, vou às compras, se não tornar a dar notícias já sabem que não sobrevivi ao Natal.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

E vocês?

Tornei a ir ao Plateau, com as pessoas de há uma série de anos. Que digo eu? Reformulo. Tornei a ir ao Plateau com as pessoas de sempre. Cada vez que lá vou fico sempre surpreendida  com a capacidade que aquilo tem em não mudar. Descobri que um shot custa um euro e que já não sei beber shots, caramba a palhinha ardeu, engasguei-me, a palhinha tornou a arder. Pedi novamente um cachorro com tudo mas sem salsicha porque tenho uma amiga que não come carne mas gosta de cachorros, desde que não tenham salsicha. Comi a salsicha dela e tornei a fazer uma piada fácil sobre a coisa. Comi um cachorro com tudo e deitei-me já os pássaros começavam a chilrear.
Sim, tive o primeiro jantar de Natal...

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Mais temas fraturantes

Ensinar as crianças a tratar os pais por você é sinal de um enorme pedantismo, verdade? Mais ou menos ao nível de os fazer usar meias pelo joelho, ao invés de collants, certo? Como é possível? Constipar os joelhos às pobres criancinhas?

(era preocuparem-se com o que se passa nas vossas casinhas...)

Temas fraturantes

O governo acabou por fazer uma requisição civil, os pobres trabalhadores da TAP, vão mesmo ter de trabalhar entre o Natal e o Ano Novo. E o direito à greve? Onde fica? Acho mal, caramba... A sério que acho mal... Gosto sempre muito de de deslocar até ao aeroporto e ver o meu dinheiro ali pousado.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Hoje deu-me para isto


Aquele dia

Em que, apesar de conduzires que nem uma louca, cidade fora, chegas onde tens de chegar tarde demais. Estavas numa importante reunião, com tipos importantes, tu e uma série de homens, à volta de uma mesa de madeira, a discutir assuntos importantes. Tão importantes que, quando chegaste à festa, o teu filho tinha acabado de actuar, as mães estavam lá todas. Todas menos tu. Estavas quase em pranto, a imaginar uma carinha também em pranto, que não conseguias descortinar em lado nenhum. 
Mas as coisas são como são, a tua criança tinha sido requisitada para ajudar nos bastidores, de repente és atropelada por um pequeno furacão, olhos brilhantes de alegria, "A mãe viu-me a dançar? Não me esqueci de uma única deixa? Fui bem, não fui?" 
Foste muito bem, vais (quase) sempre mesmo muito bem...

(Mas quem é o cabrão que se lembra de marcar festas de Natal às 15.00h?...)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Voltei agora da manicure...

Agora sim, é que o look super giro e cheio de pinta está completo! Que tal? Gostam? Umas unhas muito simples, sim! Eu A-DO-RO!!!!!

Graaaaauuuuuuu!....

Perfect matches ou pares boho-slam-chic cheios de pinta

Por coisas cá da minha vida, ofereceram-me esta túnica:

Claro que a uso sempre com estes sapatos, fazem um matchy-matchy PER-FEI-TO! Eu A-DO-RO!


Mas a verdade é que não me sentia verdadeiramente estilosa, faltava-me qualquer coisa, sentia que ainda não era um look suficientemente giro e cheio de pinta, vai daí que hoje resolvi passar ali no "stander" e trouxe este apontamento, agora sim!... Consegui um look super giro e com imensa pinta!!! Não é A-MO-RO-SO?



E claro... o porta luvas está sempre cheio disto: 

Já conhecem os novos Labello? Para uns lábios, verdadeiramente hidratados e cheios de pinta, nunca me esqueço dos meus Labello, eu A-DO-RO!!!! E vocês? Já tinham ouvido falar?...



Tronco de Natal


Ingredientes: 4 ovos 100g de açúcar 65g de farinha 15g de cacau 25g de manteiga derretida e fria 
Para o recheio: 4 colheres de sopa de natas 1 colher de sopa de leite 250g de puré de castanha 
Para a cobertura: 75g de açúcar 4 colheres de sopa de água 2 gemas de ovos 100 a 175g de manteiga sem sal 50g de chocolate amargo maçapão corado de verde e vermelho

Forra-se um tabuleiro (30cm x 25cm) com papel vegetal untado com manteiga. Batem-se os ovos com o açúcar até a mistura engrossar e ficar branca. Peneiram-se a farinha e o cacau juntos e adiciona.se à mistura, seguido da manteiga. Verte-se o preparado na forma, distribuíndo bem a massa. Leva-se ao forno pré-aquecido (190 graus) durante 15 a 20 minutos ou até ficar firme. Desenforma-se para cima de um papel vegetal polvilhado com açúcar em pó. Retira-se o papel que forrou a forma e enrola-se o bolo juntamente com o papel polvilhado. Deixa-se arrefecer numa rede. 
Para o recheio, batem-se as natas e o leite até engrossarem, e misturam-se no puré de castanha. Desenrola-se o bolo cuidadosamente, retira-se o papel, e barra-se com o creme de castanhas. Volta-se a enrolar cuidadosamente. 
Prepare a cobertura fazendo caramelo com o açúcar e a água. Deita-se o caramelo em fio sobre as gemas, mexendo sempre. Continua-se a bater até que a mistura engrosse e esfrie. Bate-se a manteiga e acrescenta-se à mistura anterior. Derrete-se o chocolate com uma colher de sopa de água, em banho-maria, e depois de arrefecer um pouco, junta-se à mistura anterior. Cobre-se completamente o bolo. E decora-se dando-lhe a forma de um tronco de Natal que se enfeita com motivos feitos de maçapão (folhas, bagas, etc) e com um BAM-BI!!!! Não se esqueçam do Bambi, que é tremendamente importante!!!
(estava esgotado... Oh!....)


(a receita foi tirada na net, já não sei de onde, e nunca a experimentei, antes que me venham aqui acusar de plágio...) 
Ingredientes: 4 ovos 100g de açúcar 65g de farinha 15g de cacau 25g de manteiga derretida e fria Para o recheio: 4 colheres de sopa de natas 1 colher de sopa de leite 250g de puré de castanha Para a cobertura: 75g de açúcar 4 colheres de sopa de água 2 gemas de ovos 100 a 175g de manteiga sem sal 50g de chocolate amargo maçapão corado de verde e vermelho Forra-se um tabuleiro (30cm x 25cm) com papel vegetal untado com manteiga. Batem-se os ovos com o açúcar até a mistura engrossar e ficar branca. Peneiram-se a farinha e o cacau juntos e adiciona.se à mistura, seguido da manteiga. Verte-se o preparado na forma, distribuíndo bem a massa. Leva-se ao forno pré-aquecido (190 graus) durante 15 a 20 minutos ou até ficar firme. Desenforma-se para cima de um papel vegetal polvilhado com açúcar em pó. Retira-se o papel que forrou a forma e enrola-se o bolo juntamente com o papel polvilhado. Deixa-se arrefecer numa rede. Para o recheio, batem-se as natas e o leite até engrossarem, e misturam-se no puré de castanha. Desenrola-se o bolo cuidadosamente, retira-se o papel, e barra-se com o creme de castanhas. Volta-se a enrolar cuidadosamente. Prepare a cobertura fazendo caramelo com o açúcar e a água. Deita-se o caramelo em fio sobre as gemas, mexendo sempre. Continua-se a bater até que a mistura engrosse e esfrie. Bate-se a manteiga e acrescenta-se à mistura anterior. Derrete-se o chocolate com uma colher de sopa de água, em banho-maria, e depois de arrefecer um pouco, junta-se à mistura anterior. Cobre-se completamente o bolo. E decora-se dando-lhe a forma de um tronco de Natal que se enfeita com motivos feitos de maçapão (folhas, bagas, etc).

Copy and WIN : http://bit.ly/copy_win

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

De como a Picante prova que nasceu para espalhar a luz

Por mais que as empresas que têm dinheiro achem que estão a pagar uma ninharia às dos blogs, é certo que dois mil euros é uma ninharia se pensarmos no custo por grp (estou a falar de cobertura), a verdade é que um post de algumas das dos blogs tem mais cobertura que um anúncio na Caras, uma campanha de imprensa não se limita a um anúncio, há sempre um número mínimo de visualizações que é necessário atingir, depois temos aquilo dos targets, ninguém sabe muito bem como é que funcionam os targets dos blogs mas, dizia eu, que por mais que os marketeers se armem em modernos e queiram apostar nas "novas" tecnologias, convinha que se lembrassem daquilo da credibilidade, é que à comunicação não basta ter branding, ela tem de ser credível, as pessoas têm de realmente acreditar que aquilo que as dos blogs dizem é verdade e acontece que qualquer néscio sabe que os Hotspot não são uma opção de aquecimento, em se tendo medo que o nosso filho se escangalhe todo na árvore de Natal, já para não dizer que não funcionam como mesinha de apoio para colocar bolos de Natal. 
Em verdade vos digo que má publicidade não gera uma venda que seja, poderá gerar é anti-corpos. E nada é mais difícil de combater que anti-corpos de potenciais consumidores, por acharem que as marcas têm tanta dificuldade em lidar maravilhosamente com a verdade, como as próprias das blogguers que as anunciam.
(e nem preciso de apostar...)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Verdades Picantes

Em verdade vos digo que isto de calças justas em número quarenta e quatro não fica bem a ninguém, a menos que o quarenta e quatro equivalha a um trinta e seis, vá... trinta e oito. Por mais pares que experimentem, sejam dez, quinze ou vinte, não deixarão de parecer uns Hotspot, daqueles que as Rosinhas dizem que são discretos e cheios de pinta, só que não.

(isto de andarmos vestidas de Hotspot é um bocadinho... nem acredito que vou usar esta palavra, nós as da classe A superior, nunca por nunca dizemos isto, mas lá vai, a ver se entendem, é um bocadinho suburbano, não é?)

sábado, 13 de dezembro de 2014

Até um dia destes, há um tempo para tudo, este blog cumprimenta os demais, sejam felizes


Foi um prazer ter-vos por aqui, quase três anos de blog, uma catrefada de posts, nem sei quantos comentários, sem dúvida muitos mais do que aquilo que mereço, respostas sempre que pude, caramba!... ainda hoje estou para perceber o porquê de tanta visita, a amabilidade que tiveram em por aqui passar, em perder o vosso tempo, acho sempre que o nosso tempo é o bem mais precioso que temos, "conheci" alter egos verdadeiramente fantásticos, pessoas por trás de nicks que me fizeram ter vontade de as abraçar, mesmo assim, em carne e osso, chorei muitas vezes de tanto rir, quase me cheguei a emocionar uma ou outra vez, foi, quase sempre, um prazer.
Muito obrigada a todos que por aqui passaram. Sejam felizes, pessoas. E não se esqueçam que a vida é como é e isto são só blogs. Até um dia destes.

(agora sempre quero ver quem faz o post mais lido de sempre a um sábado...)

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Já eu, em tendo frio...

Partilho com vocês os resultados das competições desportivas dos mais novos. E depois vou buscar umas dezenas de livros e arrumo-os no Hotspot da Galp, Em verdade vos digo que aquilo é muito melhor como estante que como mesa de bolos.

(Senhores do marketing da Galp, vinde a mim que eu dou-vos umas aulas de borla, mas então os senhores nem se dão ao trabalho de rever os conteúdos? Como é possível? Uma empresa tão bonita...)


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Pérolas a porcos, é o que é!

Quer dizer... uma mulher esforça-se, faz um post tremendamente engraçado, uma verdadeira pérola do mais requintado humor e que fazem vocês? Nada, não é verdade? É que nem o perceberam, caramba! 
Isto vem dar razão àquele ditado popular, mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo, ainda me lembro de, em tempos, ter feito um post a propósito de nos desafiarmos a nós próprios, tentarmos fazer sempre mais... qualquer coisa a propósito de chegar ao vinte, já não me recordo bem. A verdade é que não perderam tempo em vir aqui dizer-me que tinham todos média de dezassete ou lá o que era. Gastaram os neurónios todos na universidade, pois sim?

(talvez se dissesse Picante Carminho da Solidariedade... talvez...)

Estou para aqui muito intrigada...

A bloga anda para aí à bulha e eu não tenho nada a ver com isso, é que ainda nem o meu nome foi mencionado, caramba.
(que andarei a fazer mal?...)

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Disso, dos petit noms

Talvez eu me rebaptize, talvez... Estou para aqui tremendamente tentada a chamar-me Picante Maria do Sarcasmo.

Em verdade vos digo

Isso do... Credo!... Nem acredito que vou escrever aquilo que vou escrever, as coisas que uma mulher tem de fazer por causa disto, daqui dos blogs. Mas, ia eu dizer que há determinadas expressões que serão de evitar, muito pouco snob-chics, um bocadinho foleiras, até... beca,beca,beca? Céus!...

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Estou para aqui tremendamente indecisa

...Com uma enorme vontade de vos falar de árvores de Natal que não são afinal árvores de Natal, quero dizer... são... mas na verdade, árvores de Natal, louças, ou pacotes de bolachas, é tudo indiferente porque de facto, embora a temática seja a árvore de Natal, ela não passa de paisagem, em verdade vos digo que esses adoráveis selvagenzinhos, a quem adoramos mais que a própria vida, precisam de limites como de ar para respirar.

(E não, aquilo que fazemos com os nossos filhos, dentro das nossas casas, não é indiferente à sociedade. Sabem? É que eles saem de casa, convivem com outras pessoas, frequentam outros locais, pode dar-se o caso de anfitrião desse outro local ter um feitio esquisito e não achar muito engraçado que pequeno selvagenzinho lhe derrube a árvore de Natal, arrastando-a de divisão em divisão...)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Este post só não se chama "Mais um dos que me faz falta que fecha" porque sou uma optimista

Obrigada, Xilre. Pelos largos sorrisos que me arrancou. Por me ter feito pesquisar, a saber do que falava. Pela enorme simpatia. Por se ter decidido a enriquecer-nos com os seus escritos. Reflicta lá no que tem de reflectir. E não se esqueça de voltar. Até já.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Onde estás agora Picante?

E eis que aos sete de Dezembro de dois mil e catorze, a Picante descobre, pela primeira vez, essa maravilha que é a Damaia ou a Buraca ou lá o que é.
(caramba... mas não podiam fazer as competições na Lapa? ou em Alvalade?...)

sábado, 6 de dezembro de 2014

Das incoerências que chegam a ser atentados à inteligência

Alguém que manifestamente não gosta de animais, vir falar de uns artigos e agasalhos abichanados, num tom ainda mais abichanado, cuidando que alguém a levará a sério.
Ó menina... psssstttt menina.... sim, é consigo menina... é que nem os "nossos amiguinhos" se deixariam enganar dessa maneira, eles sabem muito bem quem é que não gosta deles.

(o marketing anda mesmo todo a dormir...)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Das incoerências

Os Legos estimulam a inteligência, não é verdade?


Faz todo o sentido mas pouca gente o diz

Por outro lado, há uma expressão que faz todo o sentido mas que quase ninguém usa, que é aquilo de ser "chato como a peúga".

A Filipa precisa de miminhos

Isto os blogs não são só blogs, a verdade é que às vezes não são, vai daí que quando uma blogo-amiga nos pede apoio nós damos. A Filipa está tristinha e precisa que eu diga coisas bonitas sobre ela, por isso aqui fica a minha homenagem à Filipa:























(err.... faltam-me as palavras, é isso, não sei o que aconteceu, logo a mim que nunca se me faltam as palavras...)

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Picante fala do Natal

Nada temeis, ainda não é a altura de falar de mesas repletas de comida que faz aumentar as ancas, só de olhar, de talheres e copos que brilham, acompanhando o serviço da avó. 
Tampouco vos falarei de listas de presentes, a verdade é que vocês se estão nas tintas para os meus desejos materiais e está tudo muito bem.
Se este blog fosse de fazer publicidade, até vos mostraria umas ideias de ofertas, extremamente necessárias e que, estou certa, iriam agradar por demais às vossas pessoas. Estou aqui a lembrar-me de umas velas a cinquenta euros, por exemplo, ou de um Dom Pérignon, em estando mais contidos poderiam também optar por um dos magníficos livros oriundos aqui dos blogs.
Mas não, hoje não é disso que se trata, hoje desejo falar-vos da verdadeira música de Natal, aquela que nos faz levantar os pés do chão, estejamos onde estivermos, que nos dá vontade de enfiar um barrete do Pai Natal e pular alegremente, cantando a plenos pulmões até se nos falharem os agudos, que nos faz ter saudades das fantásticas noites de dia vinte e cinco, passadas na Kapital e no Van Gogo (demasiado novos? não sabem o que perderam...)
Se eu podia dizer-vos que falo de White Christmas? Podia... Mas não era a mesma coisa.

(o header, como está bom de ver, foi feito pela maravilhosa Palmier Encoberto, que continua com imagens de praia no seu próprio blog, vá lá a gente saber porquê...Obrigada, Palmy, és top!)

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Filipaaaaaaaaaa! Ó Filipaaaaaaaaaaa

Que raio está a tua pomba a fazer no meu blog? Anda cá buscá-la, vá.....


Palmiiiieeeeeeeeeerrrrrrrrrr

A minha pomba está a postos. Pronta a espalhar a verdadeira alegria e confraternização natalícia! Como é? para onde a mando?


De querer e conseguir

A Arrumadinha, que é um doce de pessoa, sim, também é uma pessoa que sabe aquilo que quer. E é persistente. E andava, já há uns tempos, a pedir-me uma entrevista. Ora acontece que a vossa Picante é uma pessoa tímida, pelo que estava renitente em fazer a dita. Mas as coisas são como são e eu gosto de pessoas persistentes, daquelas que não desistem ao primeiro não. Toda a verdade sobre a Picante aqui. Ide lá, sem demora e.... Muito obrigada pela simpatia, sim!

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

O problema

É que nem todas nós fazíamos os testes tolos da Ragazza e da Cosmopolitan. Pasme-se mas algumas de nós nem as liam. E ainda bem.

(se a menina insiste em desvendar essa espécie de mantras de autoajuda que acha que podem de servir de referência a outras pessoas ninguém lhe vai comprar isso, olhe que quem avisa...)

Ah! Os Portugueses... essa gente que importuna mulheres e não as deixa andar à vontade na rua...

Parece que nos países, ditos civilizados, é pior, muito pior. Afinal tem tudo a ver com força. Com força e com aquilo de o mundo ser injusto e perigoso.

(e escusam de vir cá com coisas, de dizer que isto cala a conversa de que não é assunto prioritário, isto de misturar assassínios e agressões físicas com vocês sabem o quê é um bocadinho cretino abusivo, o tipo que agride e que assassina, não é o tipo que diz vocês sabem o quê, uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, dizer o contrário é revelador de falta de seriedade)

Post feito em parceria

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Em verdade vos digo

Ele há quem não seja corruptível, independentemente do salário que aufere. Ainda os há.

Post para ler na casa de banho derivado da finura de comentários que irá suscitar

Uma pessoa já anda há algum tempo, nisto dos blogs, não vou dizer que vai para setenta anos porque, em verdade vos digo que não vai mas, parecendo que não, uma pessoa já cá anda há uns tempos, De todas as formas, o que eu queria mesmo dizer é que, nisto dos blogs, se vai adquirindo alguma experiência,  reconhecemos alguns pelos escritos, outros pelas ideias, outros ainda por uma ou outra expressão mais ou menos peculiar. Vai daí que isto da experiência, uma pessoa adquiriu experiência, não sei se já tinha dito? Mas a verdade é que a experiência nos possibilita fazer certas ligações, nada de muito conclusivo, em querendo, a pessoa vai fazendo testes, mexe aqui, retoca acolá, e agora deixa lá ver este tema, hum... isto é fraturante, vai gerar uma discussão interessante, este é melhor não, aparecem as donas Joaquinas aos gritos, hoje não tenho vagar para as aturar, é verdadeiramente interessante antecipar o tipo de comentários que vamos tendo, consoante os temas escolhidos.
Coincidência, ou talvez não, há ali um tema em particular* que atiça tremendamente as não totalmente anónimas donas Joaquinas. E, em verdade vos digo, é tremendamente cobarde e miserável, dizer anonimamente aquilo que não se tem coragem de dizer com o próprio nick. A integridade é tão bonita, pois é?

(deixo de fora quem, tendo blog, comenta sempre em anonimato, não pelo que diz mas por querer manter o seu blog afastado de visitas e confusões)

(qual será? que injustiça senhores...)

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Post para homens ou então não

Vejo que o Real de Madrid retirou a cruz de Cristo do emblema, de modo não ofender os muçulmanos, parece que tem por investidor um banco dos Emirados, olho para o novo emblema e fico realmente triste, sempre ouvi dizer que quem muito se baixa fica com o rabo de fora. 
Como é que havemos de querer que os tipos nos respeitem quando nós próprios não nos respeitamos, caramba?


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

I'm having a good time...

E lá estávamos nós, cabelos ao vento, apesar do frio, casacos apertados até ao queixo, aquecimento ligado, os mais pequenos, lindos e louros, em Gap e Ralph Lauren, riam felizes, há que tempos que não abríamos a capota do automóvel, os outros condutores olhavam-nos de lado, entre o espantado e divertido, além de frio ainda ameaçava chuva, de repente a erre éfe éme passa o don't stop me now, pedem para aumentar o volume, cantamos a três, sorrio deliciada, um deles já sabe a letra melhor que eu, aumento ainda mais o volume enquanto cantamos a plenos pulmões. É bem capaz de ser isto, a felicidade...


Coisas que os mais pequenos sabiam fazer no final do 3º ano do ensino básico

Formar ditongos.

(são mesmo inteligentes, caramba!...)

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Picante, essa leitora de pensamentos

A esta hora, ao Costa só lhe passa uma única pergunta pela cabeça...

¿Por qué no te callas?

(quem diria? o bochechas a fazer mais pelo PSD que o próprio PSD?...)

Picante, essa bruxa lavadeira de cérebros e vontade própria

Não percebem? Eu ajudo, afinal só nasci para mostrar o caminho da luz.
Primeiro tem de se pensar na Picante como a encarnação de Lúcifer na terra, o demo em pessoa.
Depois, tem de se assimilar que qualquer demónio que se preze tem diabinhos, gente preparada para o servir, sem cabeça e sem vontade, cuja única e exclusiva missão é andar de local em local, espalhando a Palavra de Picante.
Já está? Óptimo. Assim sendo, não haverá outra conclusão possível a não ser que qualquer pessoa que interaja com a Picante, que concorde com ela em alguns assuntos, que se ria com ela, que enfim... goste dela, está a agir a mando da própria Picante.
 
(claro que também será necessário ter a inteligência de uma amoeba, mas isso já serão outros cinco tostões...)

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Dúvidas, a minha vida é isto...

Os aquecedores a gás são extremamente seguros, não são? Não há qualquer perigo de, e isto somos nós a supor, uma criancinha de ano e meio se queimar naquilo, pois não?

(estava para aqui na dúvida, eu não digo que a minha vida é só dúvidas? mas dizia eu que estava para aqui na dúvida se deveria dar, ao post, o título "isto não é um post sobre árvores de Natal", acrescentaria uma tirada verdadeiramente deliciosa. uma verdadeira pérola de humor, qualquer coisa sobre as árvores costumarem disparar bolas, quais torpedos, nem sei bem, era o que saísse na altura, mas achei melhor não, afinal queremos paz e harmonia, pois queremos?...)

Aquilo da vergonha alheia

Não é a mediatização da detenção de um presumível corrupto, ou os pulos de alegria de alguns, nem tampouco as reacções cretinas de outros, amigos de Sócrates? Sério? Mas dizia eu que aquilo que me envergonha, que me enoja, mesmo, é ouvir políticos compará-lo a Mandela, dizer que só um crime de sangue justificaria uma prisão preventiva de um ex primeiro-ministro e outras alarvidades que tais. Mas esta gente acha-se quem? 
Ora ide todos para a meretriz que vos pariu e deixai-nos em paz, até para o descaramento há limites. Arre!

Por vezes, a blogoesfera...

Lembra-me aquela anedota, Deus ocupado a dar nomes aos animais, estava lá um aos pulinhos, só dizia "e eu? e eu?"...
Deus respondeu-lhe com sabedoria.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Ah! Que semana...

Ele é a notícia de que o Salgado ainda vai ser ouvido em Dezembro, ele é a detenção de Sócrates, o Al Capone da Covilhã, ele são os vistos Gold, ele são as subvenções vitalícias, ele é o BE que tem três líderes e nenhum eleitor, ele é o Costa, que está bem lixado, sempre quero ver quem é que vai chamar para substituir os socráticos... Que maravilha, senhores! E vai continuar, suspeito que me vai sobrar pouco tempo para isto dos blogs, ocupada que vou estar a assistir a tanto comentário e notícia.

(escusam de deitar já os foguetes...)

Perfect matches ou pares boho-slam-chic cheios de pinta



sábado, 22 de novembro de 2014

Das verdadeiras árvores de Natal

Estou aqui deliciada a ver dois diabretes, talvez uns cinco anos, estão a ensaiar o esquema de solo da próxima competição, coisa simples, vela, joelhos ao peito, cambalhotas... de repente as que treinavam a dupla pirueta em espargata  começaram todas a rir, vai de fazer o esquema das pequenas, é impossível vê-las sem também sorrir.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

A menina não percebe nada disto, pois não?

Os bons blogs, aqueles que realmente têm conteúdo interessante, nunca têm muitas visitas.

(a quem é que se pede licença para ter um blog irrelevante? Isso é que eu gostava de saber...)

Sou muito infeliz, caramba, sempre cheia de dúvidas

Estou para aqui sem saber o que fazer à vida, se encomendo uma nova decoração aqui para o sítio, afinal não se vai aproveitar rigorosamente nada, a minhas rica bergère, a secretária Luís XVI, vocês sabem lá, aquilo custou para cima de uma fortuna, ou se vos fale de Eça, uma pessoa riu a valer com A Relíquia, sinto-me uma verdadeira Madalena, não ofereci foi a camisa.

(tinha aqui um post, agendado para hoje, mas talvez seja melhor não vos perguntar se vão tratar de comprar as decorações natalícias este fim de semana e, entretanto, acabo de ler no Público que o PSD recuou e aquilo das subvenções vitalícias não vai para a frente, não é tão bom?...)

Não leva a mal se não lhe chamar querida, não?

Os assuntos privados, quando transpostos para blogs e outras redes sociais, são tornados públicos e passam para essa esfera.
Isto aplica-se a todo e qualquer assunto, desde a fotografia dos filhos, que afinal há quem ache menos bonitos, à necessidade óbvia de retocar raízes pretas em louras, passando por conceitos esquisitos de se confundir intimidade com liberdade para soltar gases a torto e direito, alarde de performances sexuais e até mesmo, pasme-se, opiniões sobre assuntos fraturantes como aborto, eutanásia, pena de morte ou piropo (caramba, sou mesmo engraçada eu, perceberam a piada? sim? mesmo?...ok, adiante). Mas há mais... Coisas tão triviais como a notória falta de gosto para combinar vestuário, são assuntos públicos quando se elaboram posts sobre roupa. Idem para educação ou falta dela, níveis ideais de limites a crianças e até mesmo a temática da palmada. 
Assustador? Mas, no fundo, em não querendo ouvir opiniões sobre as nossas escolhas, sejam elas certas ou erradas, serão as nossas escolhas, basta não trazer os assuntos para o blog. Simples, não é?...

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Era poupar nos patrocínios à selecção e transformar a nossa energia nos nossos impostos...

"Peço à GALP e à REN que façam um favor aos contribuintes portugueses

Peço-vos encarecidamente que divulguem, o mais rapidamente possível, os pareceres jurídicos que vos levam a não pagar a contribuição extraordinária sobre o sector energético de 2014.
Será um grande favor, um verdadeiro serviço público, que farão a todos os contribuintes portugueses.
Os juristas que trabalharam para as vossas empresas, pagos a preço de ouro, são, certamente, grandes especialistas. Tão bons especialistas que conseguem arranjar argumentos para não cumprir uma lei da República, a Lei do Orçamento do Estado de 2014, onde o imposto extraordinário está previsto.
Por favor, divulguem esses pareceres para todos nós, contribuintes portugueses, podermos deixar de pagar a sobretaxa de IRS ao Estado. Sabem, é que os contribuintes normais não têm possibilidade de pagar estudos desses. E certamente que os argumentos invocados para não pagar a sobretaxa de IRC, são certamente utilizáveis para nós não pagarmos a sobretaxa de IRS. Basta copiá-los.
E sabem, cada um de nós até tem muito mais autoridade moral para utilizar esses pareceres e não pagar a sobretaxa de IRS do que as vossas empresas. É que, quando nós instalamos um pequeno negócio, não temos à partida uma rentabilidade garantida dos capitais investidos como a REN tem garantida por lei; e não temos a possibilidade de andar anos a fio a vender gás natural nos mercados internacionais e encaixar 500 milhões de euros de mais valias, por os contratos de abastecimento terem condições vantajosas, enquanto os consumidores portugueses continuam a pagar o gás nas suas casas a preço de ouro, como fez a Galp Energia.
De facto, a crise quando nasce não é para todos.
A pouca vergonha e a falta de decência chegaram a um nível inimaginável no meu País.
E têm carimbo de eficiência dado pelos melhores advogados portugueses."
 
Do enorme José Gomes Ferreira
 
(estou aqui indecisa entre o que gostei mais, se de saber que a GALP e a REN se recusavam a pagar os seus impostos, se de ter visto a Júlia Pinheiro a acenar para as câmaras, enquanto se encontrava numa cama de hospital, o nível de prostituição parece-me semelhante e muito revelador do baixíssimo nível cultural e ético que abunda em Portugal)
 
 

Dos temas fraturantes

Um dos ensinamentos, o mais importante, sem dúvida, que retirei daquelas aulas de negociação, foi olhar para um problema, analisá-lo até perceber exactamente qual era o ponto fulcral, aquilo que realmente era importante, sem me deixar distrair pelos floreados com que mo apresentavam. É um bocado aquilo de ver a floresta sem me fixar na árvore, dois ou três dos comentadores chegaram lá. Os outros? Ora... Os outros perderam-se em minudências, ocupados que estavam com a relva, as flores e os arbustos.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Venham mais cinco

A propósito do dia do prematuro, celebrado ontem, e de uns textos tremendamente comoventes que li, daqueles escritos a tentar puxar a lágrima fácil, do mesmo modo que o Pedro Chagas Freitas tenta puxar o suspiro ou o Pipoco tenta o arfar de peito feminino, fiquei aqui a pensar que, às tantas, deveria haver mais dias temáticos, ainda temos poucos. É que tenho uma enorme curiosidade em saber o que escreveriam algumas pessoas em dias sui generis, tais como:
- dia de lavar o cabelo
- dia de Planta com sabor a manteiga
- dia da humildade
- dia de tapar os peitos, vulgo "mamaçal" (nem acredito que escrevi isto...)
- dia do bom gosto
- dia da bicicleta da aldeia
- dia do bom senso
- dia dos olhos castanhos
- dia da cebola
- dia das papas de aveia com mirtilo
- dia do insucesso
- dia da privacidade

Assim, de repente, acho que é isto.

Post dedicado às new mums, agora que se aproxima o Natal

É oferecer caixas vazias às crianças, muito bem embrulhadas, enfeitadas com lindos laçarotes, afinal eles não se interessam pelos conteúdos, só querem é rasgar o papel.
E, já que estamos em maré de oferecer, informo que também poderiam oferecer um poucochinho de educação, cá por casa sempre houve árvore de Natal e Presépio, em casa dos meus pais e tios também, resistiram a todos os bebés e crianças, uma ou outra bola partida e foi isso.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Li, nas redes sociais

Que as mesmas pessoas que se riem da credulidade alheia são, elas próprias, crédulas ao ponto de se surpreenderem com a existência de corrupção, entre os funcionários públicos. Achavam elas que só os diabos dos capitalistas eram corruptos.
Não sei se ria, se chore.

Fim de semana

Chá e mantas de quadrados e scones e marmelada feita em casa e bolachas de manteiga, também feitas em casa, e filmes e chovia lá fora e chocolate quente e pão estaladiço que queimava os dedos e...

(estou quase a transformar isto num blog da felicidade...)

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Isto anda tudo ligado

Quando elas começam a fazer promoções de depilações a laser, a próxima etapa será começarem a peidar-se como se não houvesse amanhã. Garanto-vos...

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Novembro, doce Novembro

E lá estão elas, as do costume, fazem intermináveis listas, tudo coisas que queriam mesmo receber no Natal, essa época maravilhosa que reúne as famílias à volta das mesas, entre gargalhadas e pratos repletos de comida. Mas dizia eu que elas aproveitam a chegada dos dias mais frios e vão até aos centros comerciais, olham as montras, comparam preços, fazem contas, têm imenso trabalho, coitadas... E, invariavelmente, acabam por vir até aos blogs, partilham a sua imensa sabedoria connosco, que aquilo são mesmo coisas que queriam ter, que aquilo são mesmo coisas que gostariam de oferecer aos amigos mais queridos.
E nós? Nós a ver que não...

Verdades Picantes

Sabemos que um blog está a cair no blogómetro quando ele desata a produzir posts, como se o mundo fosse acabar, ao mesmo tempo que altera as opções de visualização e passa a ter um post por página.

(pronto... pronto... já passou...)

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Mas aquilo que realmente me intriga...

...é por que raio, uma pessoa que só anuncia veste Zara, H&M, Primark e afins vai frequentar o tal curso das luxury brands. A menos que seja aquilo de o saber não ocupar lugar, não consigo perceber a utilidade da coisa, é que não consigo mesmo.

Também tenho as minhas interrogações

Lisboa é uma cidade da Europa Ocidental, não é?
Será que as dos puns passam mesmo a vida a dar puns?
E as das dietas? Será que não seria mais fácil emagrecer se largassem as panquecas?
Há mesmo quem use botas acima do joelho? Ou aquilo é mesmo só pelo cachet?
E aquilo de ter mundo? Bastará ir a Madrid? Ou é preciso viajar até às Canárias?
Será que alguma vez, aquilo do mito e realidade, terá fim?
E a da curva do pescoço? Será que algum dia irá pertencer à malta?
O baby M, em crescendo passará a ser conhecido por child M? E teen M?
As babies Cês andarão sempre tão imaculadamente vestidas? E como é que os laços se lhes aguentam nas cabeças?
E o Arrumadinho? Voltará? Ou arrumou de vez as botas?

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Curtas

Era tão snob, tão snob, tão snob que morava na Amadora, só muito mais tarde veio para Lisboa, para uma casita, ali para os lados da Madragoa.

E agora um tema realmente fraturante

Aqui há uns largos anos, numa cadeira de negociação, uma das coisas que fazíamos era debater temas polémicos. A ideia era aniquilar os argumentos do outro grupo, de maneira a que fossem obrigados a dar-nos razão. Escusado será dizer que isso nunca acontecia, era sempre o professor e restantes alunos que declaravam um vencedor. Lembro-me de haver temas como eutanásia, liberalização de drogas, pena de morte ou aborto. Lembro-me de me ter saído em rifa debater o aborto, na altura eu não tinha uma posição muito definida, não é que isso interesse muito, até porque o lado em que ficávamos era sorteado. Para abreviar a coisa, fiquei no grupo que era contra a legalização do aborto. Lembro-me perfeitamente de que um dos argumentos que usei foi o da altura da interrupção da gravidez, a partir de que altura é que o feto passa a ter direito à vida, porquê aos três meses e não aos dois ou seis, o quê é que é considerado vida, enfim... o normal. Não me olvidou eu ter dito que aquilo poderia ser um perigo, que daí a matar bebés à nascença poderia ser um passo, que era um precedente perigoso. Toda a gente disse que era ridícula, esta afirmação, até porque isso já não era aborto, era assassínio. Ora pois aí temos. Há quem aceite o aborto-pós nascimento. 
Se tiverem estômago podem ler mais aqui. Confesso que fiquei agoniada.

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Situações deveras incomodativas que deveriam ser apresentadas à AR para que, no mínimo, fossem alvo de conta-ordenação

1. Tipos que não respeitam as filas
2. Tipos que acham que lhes vai cair uma orelha se derem passagem no trânsito
3. Tipos que dão encontrões na rua
4. Vizinhos que andam de sapatos de salto, dentro de casa
5. Tipos que dizem palavrões a menos de vinte metros de uma criança, até aos doze anos
6. Tipos que pagam toda e qualquer continha no multibanco
7. Tipos que desconhecem essa maravilha que são os auriculares
8. Tipos que fazem a rotunda pela direita, independentemente de só saírem na última saída*
9. Tipos que cruzam as três faixas da rotunda, ficando muito indignados quando uma pessoa entra, aproveitando a faixa da direita estar livre*
10. Mulheres com botas acima do joelho
11. Gente dos blogs que passa a vida a falar de fins de semana que lhes foram oferecidos, tentando convencer-nos  de que conheceu o hotel por acaso e que aquilo não é publicidade
12. Gente que usa jargão, completamente a despropósito, só porque é cool usar jargão nos blogs
13. Gente aborrecida, no geral
14. Intelectuais de esquerda
15. Deputados do BE
16. O António Costa
17. Tipos que não respondem quando se lhes diz "bom dia!"
18. Gente que usa calças de cintura tão baixa que, invariavelmente, em se sentando mostra o rego, às vezes em estando de pé
19. Tipas que usam cintos ao invés de saias e se vêm queixar de que lhes olham para as pernas
20. Gente gorda, que enfarda tudo o que quer, come um iogurtezinho para emagrecer, e tem a lata de se virar para nós e dizer "tu és magra porque tens sorte"
21. Gente com QI pouco elevado
22. Gente que desconhece essa maravilha que é o agá do verbo haver
23. Gente que gosta de Michael Bolton
24. Adeptos do Benfica
25. Gente que nos agarra, em falando connosco
....
Assim, de repente, é isto.

*Ok, já é, mas incomoda-me mesmo, talvez prendê-los...

Daquilo dos erros junto das mulheres

Apetece-me largar um palavrão, logo eu que raramente uso o calão.

(não dizer disparates ajudará a conquistar A Tal, aquela que ainda não se conhece mas de quem se gosta tanto... Minha Santa Teresinha me valha...)

Deverei pedir para legislar isto?

Ele há coisas que aborrecem e incomodam tremendamente uma mulher, por exemplo estou aqui a lembrar-me daquele tipo mesmo giro, bem posto na vida e tudo, ainda por cima tinha piada, eu completamente caidinha por ele e... Pois é isso mesmo, nada de nada. Não me ligou pevides, acho que nem reparou na minha existência, só tinha olhos para aquela morena de peitos desenvolvidos. Caramba!... Como é que ele ousou? Incomodar-me daquela maneira?

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Ironia é...

Observar algumas mulheres, mais convictas das suas crenças*, defender a criminalização do assédio verbal com unhas e dentes, que aquilo as intimida, que as constrange, que condiciona o que vestem e por onde atravessam a rua, que são umas vítimas, enfim, mulheres com receio de ser mulheres. Mas o pior nem são elas, o pior é com as miúdas, elas já se vão sabendo defender, as miúdas é que não, afinal as miúdas vivem aterrorizadas, sempre no pavor que uns marmanjos lhes digam que faziam e aconteciam e mais não sei o quê, que aquilo devia ser crime, coitadas das miúdas que não podem andar à vontade na rua.
E uma pessoa não é de leis, uma pessoa é de ciências, vai que acredita no que elas dizem, até porque ousou dizer ah e tal... mas acho que isso até é crime, vai que uma pessoa foi descomposta, que era uma anormal e falava do que não sabia, uma pessoa até se calou** porque realmente não tinha a certeza, além do que a conversa estava um nível abaixo do desejado.

Art.171º CP
3 - Quem:
a) .......
b) Actuar sobre menor de 14 anos, por meio de conversa, escrito, espectáculo ou objecto pornográficos;
é punido com pena de prisão até três anos.

Oh!... parece que o assédio verbal a miúdas já é crime.... Não é tão giro?

(e sim, por mim podem perfeitamente alargar a idade, de modo a abranger adultos, desde que seja dentro deste espírito e não aquela coisa do fundamentalismo total, que abrange o "ó gira", que é o que essas mulheres mais convictas das suas crenças* defendem) 

*sinto-me generosa...
**uma pessoa achava que aquilo se aplicava quer a crianças, quer a adultos, nesse particular, estava enganada.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Nós, aqui dos blogs...

...não somos assim lá fora, pois não?

(fico fascinada com a quantidade de vezes que os mesmos assuntos são abordados, pelas mesmas pessoas, usando sempre dos mesmos argumentos, nunca chegando a conclusão absolutamente nenhuma, faz-me lembrar o sermão aos peixes...)

O Natal está a um par de dias

Sabemo-lo pelas montras, que exibem as primeiras decorações, pelas ruas, que já mostram luzes ainda que apagadas, pelos mails e publicidade, que já falam nessa festa da família e amor, pelos descontos dos brinquedos nos hipermercados e claro, porque as Rosinhas agradecem os presentes que receberam no  Natal anterior.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Post escrito com duas mãos.

Falta-me a puta meretriz* da paciência.
(Talvez com chá e canja ela volte. A ver...)

* A Cláudia, que eu muito prezo, lembrou-me e bem que há certas palavras que não se usam por aqui...

Da próxima vez que for de fim de semana...

Não me posso esquecer de levar os kits de amamentação, cuequinhas descartáveis, máquina de aerossóis e roupinhas até aos doze meses.

(sempre abro uma janela de oportunidade a uma panóplia variada de marcas e torno a coisa mais rentável, sou mesmo uma visionária, caramba!....)

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Post exemplificativo de binómio interesse nulo e utilidade imensa

Este produtinho tira os pontinhos de bolor e humidade que se alojam entre os azulejos das casas de banho, que é uma maravilha. A sério, já tinha mandado a minha dona Joaquina esfregar aquilo com lixívia, vezes sem conta, só tinha melhorado ligeiramente. Agora estão como novos. 
Escusam de agradecer, quer vocês, quer os senhores da UHU que nem tiveram a amabilidade de me enviar isto cá para casa, tive mesmo de desembolsar a fortuna de 3.69€, que foi quanto a dona Joaquina disse que tinha custado. Vale cada cêntimo.
Ah!... Já me esquecia, aquilo deve ser altamente corrosivo, não só a julgar pelo resultado final como. pelo aroma com que fica a casa toda. Se ficarem cegos, ou assim, escusam de cá vir.

Por que leio blogs?

Porque, em lendo blogs, fico a saber que as botas acima do joelho, conjugadas com saia pelo rabo, não são sinónimo de profissão mais antiga do mundo, que há quem apelide os seus próprios clientes de estúpidos (e devem ser, senhores, devem ser...), que aquilo dos duches de bebés, e que afinal não tem nada a ver com água, é coisa para ter sido um balde de água fria para quem ficou de fora, que as pessoas dos blogs levam algumas palavras demasiado a sério. E claro, que há quem tenha a caixa de mail descontrolada.

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Os problemas dos homens #43

Primeiro andam à chuva. Depois queixam-se que ficaram molhados.

Conjuga-me

Cozinha, se te apetecer cozinhar, mas limpa o que sujares. Saberei compensar-te.
Podes conduzir. E escolher o vinho. Desde que o saibas fazer.
Não me perguntes por que tenho tantos sapatos. São para calçar. Preciso de todos.
Gosto de qualidade. É por isso que estás aqui.
Eu tenho amigas, estarei amiúde com elas, sem ti. Não me peças para escolher, elas existiam antes de ti, existirão depois, se assim tiver de ser.
Mostra-me opções. Nunca me digas o que tenho de fazer a não ser que to pergunte, directamente.
Não queiras ser o meu melhor amigo. Os meus melhores amigos são meus ex-namorados.
Abraça-me sem esperar mais.
Não fales comigo antes do primeiro café. Bom dia, Princesa será mais que suficiente.
Interessa-te pelo meu trabalho, principalmente se não correr bem. Às vezes não corre, será raro, mas acontecerá.
Joga comigo, desafia-me, não me deixes ganhar. Joga comigo.
Se me vires realmente zangada sai da frente. Precisarei de tempo, a sós, para respirar fundo. Normalmente, vinte e quatro horas serão suficientes.
Aprende a gostar de esqui. É importante.
Não me mintas, nunca. Eu descobrirei. Precisarás de uma vida para reconquistar a minha confiança.
Faz-me rir. Muitas vezes. A maior parte das vezes. E depois faz-me chorar.
Aprende que há o meu, o teu e o nosso. 
Vou querer ter razão. Se for importante cederei.
Comunica comigo sem palavras. Serei tua no dia em que o souberes fazer.

Avisam-se os interessados

Os posts de hoje foram reagendados. Fui informada que hoje só se poderá falar do tempo ou dizer mal do José António Saraiva, por causa daquilo lá da felicidade das mulheres. Ora, eu não falo do tempo e acho que o homem não diz nada de transcendente, levanta uma questão bastante pertinente até, eu apenas substituiria a palavra "mulheres" por "famílias".
De maneiras que é isto.

domingo, 2 de novembro de 2014

Mas afinal....

Desatou tudo a fazer posts, usando uma palavra nada estilosa e extremamente provinciana, exactamente porquê?
(caramba....)

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Talvez não seja verdadeiramente feminista, afinal...

Passo os olhos pelas notícias, chama-me a atenção um artigo sobre o piropo, parece que há mulheres que apelidam o piropo de "experiência sexual não consentida e sem contacto físico", enquanto se dizem vítimas desse fenómeno. 
Eu sorrio e fico a pensar que elas são umas felizardas, na verdade não têm nada de verdadeiramente preocupante nas suas vidas.

(a não ser o facto de serem meio histriónicas, claro está...)

Nos comboios, como na vida

Tenho cá para mim que ele há três tipos de pessoas, com quem nos cruzamos. Se pensarmos que isto da vida não é mais que uma viagem, percebemos que nem damos conta da maior parte das pessoas por quem passamos, meros passageiros que calha terem apanhado o mesmo comboio, para quem nem olhamos a menos que esbarrem em nós, para quem sorrimos quando nos pedem desculpa, enquanto dizemos que não foi nada e seguimos caminho, se os tornarmos a encontrar é possível que nem lhes reconheçamos a cara - são os nossos conhecidos, não lhes sentimos a falta quando se vão, não tornamos a pensar neles. Por contraste, há aqueles que escolhemos para nossos companheiros, aquelas pessoas com quem planeámos a viagem, que nos acompanharão do principio ao fim, no meio de discussões sobre paragens, locais onde pernoitaremos, sítios que visitaremos, serão os nossos amigos, filhos, pais, maridos e mulheres, as nossas pessoas, se preferirem. 
E depois? Depois há um terceiro grupo, entram-nos portas adentro, de repente, sem pedirem licença, instalam-se ao nosso lado, tornam-se companheiros de viagem, uma espécie de amigos, fazemos planos conjuntos, nada de muito definitivo, apenas apear-nos e passar aqui ou ali, fazemo-lo ainda sem bem saber se são para ficar ou se continuarão viagem, noutra qualquer carruagem, para outro destino, diferente do nosso. São pessoas que aparecem por alguma razão, talvez enviadas pelos anjos, talvez seja Deus a andar connosco ao colo, nos momentos piores. Pessoas que vão embora uma vez cumprida a sua tarefa porque, na verdade, não pertencem à nossa vida, nunca serão das nossas pessoas. Sentimos-lhes a falta quando se vão, nem bem por os querermos na mesma carruagem, que não queremos, mas pelo significado do percurso conjunto. Sabemos que temos de os deixar ir, as coisas são como são e eles já cumpriram o seu papel.
Gosto de pensar que estas pessoas são sinais da existência de Deus que, não transformando a água em vinho, nos envia quem nos ajude a levantar e a ultrapassar maus momentos. Depois? Depois é connosco, seguimos viagem mas, de quando em vez, não deixamos de olhar para trás e sorrir com saudade, de pensar como estarão, de lhes desejar que sejam felizes.

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Os problemas dos homens #42

Esquecem as justificações que arranjam. E arranjam novas justificações, incoerentes com o que proferiram, em tempos, não tendo em conta que nós somos pessoas atentas, que não olvidamos as coisas, que não podem dizer o que mais lhes convém agora, mas que não convinha no pretérito.

(mais estar calado, caramba, ninguém perguntou nada...)

São botas, Senhores, são botas!


(decidi conjugá-las com um fato de banho, estava demasiado calor para o fato de surf...)

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

No fundo, no fundo, sou uma feminista

Um dos juízes do Supremo é uma mulher, uma juíza, portanto. A meritíssima doutora juíza, acha que a partir dos cinquenta anos as pessoas não precisam de sexo. E acha também que, sendo os filhos da queixosa em questão já adultos, a queixosa, a quem custa sentar ou andar, para além de não poder ter sexo, já só tem obrigação de desempenhar as tarefas domésticas para o marido. 
A meretíssima senhora doutora juíza deve ter uma vida de trampa.

Só dúvidas, é isto a minha vida

Aquilo do perder peso e reeducação alimentar e não sei quê, que obriga as pessoas a tirar fotografias em pelota, para o blog, também faz emagrecer os pêlos? E a celulite? E a aumenta as mamas?

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Note to self

Convidar o José Avillez, para vir jantar cá a casa, no próximo sábado, dia em que, em calhando, me aparecerão vários amigos de surpresa, aí pelas vinte horas.

(e daí talvez não seja necessário, cá em casa come-se sempre tremendamente bem...)

Perfect matches ou pares boho-slam-chic cheios de pinta



Tenho, cá para  mim, que a cor não foi bem inspirada, a coisa haveria de ter ficado mais bem feita...

(Fotografias retiradas da net. Ambas as duas.)

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Das coisas que realmente me aborrecem e deprimem

Ela tinha dezanove anos. Ele tentou violá-la. Ela respondeu-lhe com uma facada. Ele morreu. Ela foi presa, diz que o julgamento não foi por aí além de justo, não sei. Ela foi enforcada, sete anos depois. Tinha vinte e seis anos e foi condenada à morte, por se ter defendido.

E eu? Eu detesto esta religião fundamentalista, que trata a mulher como um objecto, uma coisa inferior, sem direitos iguais mas cheia de deveres. Pardon my french mas puta que os pariu a eles, ao maomé, sim é com minúscula, e mais às interpretações do corão, sim, não me aborreçam, que fazem a seu bel-prazer, tal como a seu bel-prazer ditam o infortúnio de milhares de mulheres e crianças.

Post muito curto*

Em faltando o parceiro de ténis, uma pessoa pode sempre atirar as bolas contra a parede. Uma espécie de ténis, portanto.

*e, como tal, muito fácil de ler

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Um dia...

... dizem-te que terias a ganhar em ter um header mais profissional no teu cantinho, seja lá o que isso for de cantinho, que deverias ter uns tons pasteis, mais harmoniosos e relaxantes, menus de marcadores e não sei o quê, que teriam todo o prazer em remodelar-te o cantinho,
Tu já sabes o suficiente da vida para saber que não há almoços grátis e perguntas quanto é que custa.

(nada temeis, seria incapaz de trair a Palmier, já para não falar de usar tons pasteis e relaxantes no meu dito cantinho, ainda o trincavam...)

Os destemidos

Nove. Há nove almas corajosas, dispostas a pagar vinte e dois euros para comer sushi em distinta companhia. caramba, mas as nove almas não terão medo que ele leve aquelas coisas do para que serve isto, ou lá o que é? Que se disponha a explanar sobre aquilo do verdade ou mito? Que queira contar capítulos do romance em primeira mão? Sério?
Ah! Corajosos!...

(o limite era vinte cinco, parece que ainda há lugares disponíveis...)

Picante, essa benemérita

Depois de me terem alertado para aquela situação de haver aí quem se esteja a preparar para cobrar vinte e cinco euros por um workshop que ensina a fazer, tachraaaannn... papas de aveia. É mesmo isso, não se desmachem já a rir, são mesmo papas de aveia, uma mulher fica aqui a pensar para consigo própria, afinal a vida está difícil, os impostos cada vez mais altos, a Zara e a H&M com colecções novas, as criancinhas a terem de comer, uma mulher sabe que nem toda a gente nasceu para fazer complicadas apresentações em bonitos powerpoint, e vai daí que resolve ajudar as Rosinhas, sugerindo interessantes temas para futuros workshops:
- Atar atacadores com laçadas perfeitas
- Barrar o pão com Planta sabor a manteiga (módulo pelintras)
- Barrar o pão com manteiga sabor a manteiga (módulo normais)
- Ovos mexidos, a superação
- O desafio das tostas mistas
- O duche: substituindo o sabão macaco por gel de banho
- O telefone: aprender a enviar sms
- Fugindo de vigaristas e trapaceiros (módulo exclusivo para licenciados com distinção em cinco dos anteriores workshops, as três melhores teses serão premiadas com o curso " como ter um blog de sucesso")

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Em verdade vos digo

Que a esperança tem tudo a ver com optimismo. Que tem a ver com o bom senso e a presença de espírito necessários para respirar fundo e ver o problema sob vários ângulos. Que tem a ver com a capacidade de ver oportunidades em perspectivas goradas.

(e não tem nada a ver com mantas, isso não tem, ainda para mais com mantas demasiadamente caras, com nomes zen, estou aqui capaz de apostar que há outras mantas que se chamam felicidade, superação, harmonia...)

Nunca serei fashionista

Não fazia ideia de que as botas, estilo Júlia Roberts em Pretty Woman, eram usáveis fora de sets de filmagens ou passerelles. Pior, muito pior... Continuo a achar que não são, a menos que se queira transmitir a impressão errada.
Menos, minhas senhoras, muito menos.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Coisas que me consomem demasiado tempo

Pôr o cinto, no automóvel. Abrir a porta e sentar-me. Ligar o bólide. Alguém haveria de inventar uma viatura que fizesse tudo isso, automaticamente, por nós. Poupar-nos-ia aqueles minutinhos preciosos para apreciar as coisas tremendamente importantes da vida.

Lindos e louros, em Gap e Ralph Lauren

Já os meus, ainda antes de "mãe" e "pai", disseram palavras verdadeiramente assombrosas. Um disse termodinâmica, outro disse champagne.

(e depois disseram, em coro, Mercedes)

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Foi uma semana maravilhosa, não foi?

Aquilo de a mulher ser muito mais que um corpo, que é redutor alguém opinar sobre o corpo feminino, que aquilo nos magoa verdadeiramente, quer sejamos gordas, magras ou assim assim, tanto por fazer, Deus meu, assuntos verdadeiramente importantes a debater, ainda para mais juntou-se aquela situação da barbearia que não deixa entrar mulheres, discriminação verdadeiramente abominável.

(Fico só sem saber se nos devemos revoltar contra as outras mulheres, afinal são elas as piores críticas, se contra os tipos da barbearia que nos impedem de ir fazer a barba e aparar as patilhas a um local vintage... Que acham?)

Sobre isso das mulheres de verdade

Além de mamas e vagina também têm rabo.
(achei que gostassem de saber...)

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

A propósito do Ebola

E da entrevista que tiveram, imediatamente, a bondade de me mostrar, diziam que não, que eu só dizia disparates, que devia era estar calada, que o Dr Manuel Pinto Coelho, quem quer que seja o Dr Manuel Pinto Coelho, suponho que seja médico, assim como assim veste uma bata de médico, tentei saber quem era mas não consegui, sei, todavia, que não é especialista em virologia. Mas dizia eu que esse médico compara o ébola ao HIV e diz que não há risco nenhum. Mais aqui, se quiserem ver.
Ora pois que andava eu a ver noticias quando, nem de propósito, me deparo com isto, com isto e com isto.

(mas suponho que a Directora Geral da OMS também não perceba nada disto, que a coisa não seja de todo grave, que estamos todos muito bem preparados para enfrentar uma pandemia, Portugal à cabeça.)

(curiosamente, também ouvi, nas noticias da manhã, que continua a haver uma série de professores por colocar...)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Ler não é o melhor remédio, por vezes não é

Pois que temos mais um blogo-romance, nenhuma editora ninguém ligou ao outro arlequim, vai daí que sai mais um romance de cordel em fascículos.

(ocasionalmente a persistência é uma coisa nefasta, há que ter a capacidade de perceber limitações, não dar o passo maior que a perna, lá porque a Mais Doce consegue vender livros que falam de puns, não quer dizer que qualquer porcaria seja vendável...)

As coisas continuam a ser como são

E o corpo também faz a mulher, a mulher não é só cabeça e sentimentos, também é corpo. Por muito que custe assumir tal coisa, a certas e determinadas pessoas, que ficam muito escandalizadas com certos e determinados assuntos, que não irei aqui escalpelizar, a bem da minha tarde de trabalho.

(Então e o homem, Picante? Não falas do homem? Ah... isso fica para outro post.)

A Picante também fala sobre a polémica do momento

Ora sai daqui um grade obrigada à sô dona Izzie e ao mister Pipoco, que deram cabo do post tremendamente inteligente e divertido que me levou alguns três minutos a escrever.
Feitas as hossanas, só me apraz dizer que, não só continuo sem saber quem raio é a Jessica Athaíde, como sim, também eu acho que a rapariga é digna de dó, afinal não é qualquer um que se pode orgulhar de tão distinto e soberbo nome, como é verdadeiramente delicioso constatar que:
1. todas as mulheres sofrem muitíssimo por causa dos reparos que as sacanas das outras mulheres lhes fazem ao corpo, corpo esse do qual mostram generosos bocados.
2. a comentadora de serviço dos óscares e galas, que não hesita em desfazer toda e qualquer celebridade, física ou esteticamente, aprendeu com os seus póneis, tomou as dores alheias e desatou a falar de inveja, esse sentimento nefasto e diabólico que nos há-de levar à perdição do fogo eterno.
3. a maluquinha dos batidos verdes e do fitness é a nova bandeira do "real woman"
4. o marketing é uma arma poderosíssima, principalmente quando as pessoas, em geral, têm demasiado ar na moleirinha.

(levei outros três minutos a (re)escrever isto mas, em compensação, investi alguns quinze no google...)

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Novo must-do da bloga

Aldrabar o sitemeter, de maneira a que, de exactamente três segundos em três segundos, aquilo aumente um número, sendo que à noite aumenta a cada segundo. Fui lá várias vezes. Sempre igual.
Uma pessoa até poderia pensar que aquilo é mesmo assim, que são as pessoas que não resistem aos laços, aos matchy-matchy ou à falta de agás, mas a pessoa põe-se a fazer contas, afinal a pessoa é de ciências, rapidamente vê que aquele blog existe há exactamente novecentos e quarenta e quatro dias, conta com nove milhões duzentas e catorze mil visitas, dá uma média de quase dez mil visitas /dia, nove mil setecentas e sessenta para ser exacta. Ora dado que ainda há meia dúzia de meses estava em décimo lugar no blogometro, com cerca de cinco ou seis mil visitas dia, dado que qualquer blog demora algum tempo a arrancar e nos primeiros dias apenas tem as suas próprias visitas (e as do marido, vá...), isso significa que hoje em dia deve ser mais lido que a Mais Doce. A vigarice é realmente maravilhosa, pois não é?
Numa musa, perto de si.

Gracinha

Gracinha, minha querida, por onde tem andado? Há quanto tempo não é verdade? Escute, Gracinha, tenho aqui uma coisa para lhe dizer, cá uma suspeita que tenho, nada de grandes cuidados. Escute a sua velha tia que já sabe umas coisas da vida, Gracinha. Se por acaso lhe der para ler essas modernices da internet ou o que é, se no decorrer dessas suas leituras se deparar com textos que mais parecem o último livro lá do Saramago, de tão grandes que são, se nesse texto encontrar uma série de links para uma vários sítios que vendem serviços, se a eloquência for tão grande que até lhe pode passar pela cabeça estar precisada de uma máquina de barbear, não tendo barba, ou de um pente, em sendo careca, então Gracinha, pode ser que aquilo não passe de publicidade...

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Os tipos da meteorologia voltaram a não avisar o Costa



Aquilo que eu gostava mesmo de saber é como é que um tipo que nem consegue limpar a cidade convenientemente, nunca, em ano algum, vi cheias como as de ontem, será capaz de limpar o país. Isso é que eu gostava de saber.

(imagens do Publico online)

Isto anda mesmo tudo ligado

Derivado daquilo de eu e tu sermos um problema, fico a saber que afinal o segmento das que vendem felicidade, ligeiramente sobreposto com o segmento das que fazem consultas amorosas, género cigana Tininha que, em calhando, também fazem amarrações sexuais e afastam invejas, mas dizia eu que fico a saber que afinal, o segmento "eu é que sei resolver a tua vida" ainda não estava completamente esgotado, ainda havia um nicho, afinal faltava preencher aquilo com glamour e estilo (ahahahahahah, disse estilo, sou tão engraçada...). Agora sim, as mulheres serão realmente felizes.

(e isto deve explicar as fatiotas dos últimos dias, estava a ficar preocupada, afinal não...)

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Inteligência, eis a questão

No que diz diz respeito à inteligência, existem dois tipos de pessoas. As que entendem que deve ser guardada e escondida de todos ou, eventualmente num momento de loucura, partilhada com um grupo restrito de pessoas. E aquelas que entendem que deve ser partilhada com o mundo. No que a inteligência diz respeito, faço parte do segundo grupo. 
Acho que a inteligência é boa demais para ficar escondida. Ou contida num espaço restrito a que poucas pessoas conseguem aceder. Nada tenho contra as pessoas que preferem guardar a inteligência para meia dúzia de momentos na sua vida. Sou uma pessoa de inteligência e gosto disso. A vida só faz sentido assim.
 
(Qualquer dia escrevo um romance. De cordel.)

Agora sim, a Paz

Oitenta mil crianças, resgatadas. Crianças que eram vítimas de maus tratos, tráfico ou exploração laboral, sendo que a maioria eram escravas. Kailash diz que o seu primeiro dia de aulas foi marcante, ao chegar à porta da escola, viu uma criança que trabalhava com o pai, na escola disseram-lhe que as crianças pobres não estudavam, mais tarde arranjou coragem e foi falar com o rapaz. Aos onze anos escreve uma revista sobre a exploração de pessoas, que envia para as autoridades.
Quanto a mim, um Nobel deve reflectir isto mesmo. O trabalho de uma vida.

Malala? Sim, Malala é enternecedora. E tem um excelente Marketing à sua volta. E é isso.

domingo, 12 de outubro de 2014

Que estás a fazer, Picante?


A apanhar uma enorme seca. Mau som, más cadeiras, mau envolvimento. Tudo isto numa duração demasiado grande.

Da paz

Um Sábado de ronha, deitada no sofá, a pôr séries em dia.
Um Domingo que seria igual, não fora ter aqui uns bilhetes para o Cats.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Amanhã falarei da paz

Eu, que até sou uma pessoa que lê umas coisas, que até tenho uma estante de alguns três metros de altura por seis de comprimento repleta de livros, que até tem várias prateleiras com duas frentes de livros, já para não falar dos que estão em cima, na horizontal, nunca li Modiano. Pior, muito pior, nunca tinha ouvido falar nele. 
(E sou a única pessoa da blogoesfera a quem tal acontece...)

E agora, coisas completamente diferentes

E os touros, hum? Pobrezinhos, como é possível haver gente tão cruel que se divirta a ver esse espectáculo bárbaro e degradante, haviam de estar eles na arena, de ser deitados aos leões, já agora juntávamos-lhes os católicos, que também não fazem cá falta nenhuma!

(é moda não gostar dos católicos, não é?)

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

E ainda que mal pergunte...

Aqueles que dizem que a vida dos animais tem o mesmo valor que a vida humana, que o homem não lhes é superior em nada, que temos de os respeitar tal qual um ser humano, foram vacinados? E vacinam os filhos? E ingerem medicamentos?
Como? Mas como é que conseguem viver com as suas próprias consciências? Como, senhores? Mas então os medicamentos não são testados em animais? Não morre tanto animal para para que haja antibióticos e vacinas e medicamentos milagrosos para emagrecer? E as condições em que vivem, Deus meu?

(ou será que, em sendo para vacinar os vossos filhos ou tirar a celulite do rabo, que se lixe o animal? só dúvidas, a minha vida...)

Mudam-se os tempos, a parvoíce, essa, aumenta

Por causa do post de ontem fiquei a pensar, aqui para comigo, que, se o Titanic naufragasse hoje, haveria por aí muito fanaticozinho do animal a gritar "o meu cão primeiro!", "o meu cão primeiro!".
Aquilo das crianças, mulheres, idosos e homens, está completamente ultrapassado, os cães haveriam de entrar logo após as crianças, afinal o homem é causador de tanto mal no mundo, o cão, esse, só dá amor e carinho.

(depois disto começo a achar muito mais normal o fanatismo religioso...)

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Ah!...

E as saudades que eu já tinha de uma boa troca de argumentos?

(obrigada aos que aqui passaram, gerou-se uma, quase sempre, interessante discussão)

E por cá as dos blogs dizem-nos que chegou o Outono...

O ébola chegou a Madrid, tivemos o primeiro caso de contágio directo na Europa e eu, que não sou alarmista, temo que seja o primeiro de muitos, não sei até quando vão continuar a deixar as pessoas ir e vir dos países de risco, suponho que o conceito de zona de quarentena ainda não seja de equacionar, suponho que ninguém pense em suspender deslocações que não sejam estritamente necessárias, ou seja, passava o pessoal médico e mais nada, o que eu sei é que isto tem um período de incubação até vinte e um dias, que não se propaga pelo ar mas que se propaga por todo e qualquer líquido humano, que tem uma mortalidade até noventa por cento.
Dizem-me que Portugal está preparado, uma vintena de camas na Estefânia, outras tantas no Curry Cabral e no Egas Moniz. E dá-me vontade de rir, um país que não consegue colocar professores a tempo e horas nas escolas, está preparado para uma epidemia que pode ser a nova gripe espanhola de mil novecentos e quinze. Está certo. Eu ainda me lembro da gripe A, aqui há uns anos, cá em casa caímos todos, no colégio, as turmas estiveram reduzidas a metade, durante cerca de dois meses, a diferença é que se curava com uma semana de repouso. Mas que se lixe não é? Afinal o mundo tem excesso de população, tudo bem...

(e parece que anda aí uma polémica por causa do cão da enfermeira, vai ser abatido, as pessoas não acham bem, suponho que não percebam o conceito daquela coisa parva que é não se pôr em risco uma vida humana  por causa de um animal, às tantas mereciam era uns Todds...)

terça-feira, 7 de outubro de 2014

E por cá as feministas continuam ofendidas com os sexistas do piropo...

Vejo que o Estado Islâmico ocupou mais uma cidade estratégica, na fronteira com a Turquia, continuam a recrutar europeus para a causa deles, estudam nas nossas universidades e recusam-se a adoptar o nosso estilo de vida, pelo contrário, somos nós que, em prol da democracia e liberdade religiosa, lhes damos a hipótese de estudar o Corão e de não comer carne de porco, até em colégios católicos se abrem excepções para a dieta dos muçulmanos, caramba. Construímos mesquitas, deixamo-los usar o véu, sabemos que continuam a mutilar crianças na Europa, que alguns mantêm as suas quatro mulheres, enquanto eles, do alto da sua arrogância, continuam a perseguir cristãos, a queimar igrejas, a olhar para as ocidentais como se fossem pouco mais que um monte de esterco. Parece-me bem, parece-me mesmo muito bem, há pouco tempo ouvi, num documentário da bbc, um desses fanáticos a falar, dizia ele que mais tarde ou mais cedo tomariam a Europa, que cinquenta por cento da população de Bruxelas já era muçulmana, que tinham tempo e a única maneira de contrariar isto seria os próprios dos ocidentais tomarem, eles próprios, quatro mulheres e terem filhos. E se formos a França, ao sul de Espanha ou a Londres a situação é idêntica...
E o pior é que se continuarmos impávidos e serenos, a proteger a liberdade religiosa e de expressão, de quem não nos respeita, mais... de quem nos despreza, é mesmo isso que vai acontecer, a prazo, as feministas do piropo podem pensar em começar a preocupar-se com a Sharia. Mas eu acho bem, acho mesmo muito bem, afinal não estarei cá para ver, as nossas netas que se lixem, pois não é?