terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Este ano...

Fui jantar a Soldeu e voltei para ver morrer alguém próximo, abracei alguém indigno do meu abraço e consolei quem se apercebeu, tão cedo, do que é isto da perda. Voltei aonde já fui feliz e tornei a ouvir as cassetes que diziam Serra Nevada, agora em cêdê, e que tantas horas me acompanharam lá atrás. Guiei os mais pequenos por encarnadas difíceis e consegui dar indicações calmas quando um se aventurou por um fora de pista negro e teve de saltar, à minha frente, até atingir de novo a pista, ante o meu pânico mudo. Verifiquei que os mexillones ainda me sabiam ao mesmo e esquiei ao lado de grandes amigos, 15 anos depois,  mas agora todos rodeados de gente pequena. O cabrão do alemão tornou a falhar-me e troquei-o por um francês. 
2013 foi o ano em que a puta da austeridade me entrou portas adentro, o ano em que poderia ter ganho mais que em qualquer outro mas em que acabei por mal atingir o breakeven, o ano em que achei mais seguro cortar os Alpes em Dezembro, e que falta me fez, caramba!... É na montanha que me encontro, que faço balanços e planos, que renovo energias. 2013 foi o ano em que uma das minhas pessoas me decepcionou e descobri, na primeira pessoa, que as palavras podem doer muito mais que um murro no estômago, em que olhei alguém nos olhos e disse, calma e friamente, não te quero mais na minha vida, fechando definitivamente uma porta que teimava em manter entreaberta. Foi o ano em que me acomodei e a vida me deu um abanão, o ano em que me enrolei em posição fetal, tive vontade de voltar a ser criança e chorei, até as lágrimas se me esgotarem. Mas foi também o ano em que me levantei, em que engoli o orgulho e pedi ajuda, o ano em que tive a certeza de que tenho razão quando digo que tenho meia dúzia de grandes amigos, e que amigos, caramba! Foi o ano em que percebi que tinha de fazer grandes mudanças, a todos os níveis, em que fiz planos e refiz estratégias.
Foi o ano em que enganei alguém que admiro, vesti-me de Egas Moniz e fui perdoada, foi o ano em que uma "indulgência" foi um fantástico presente de Natal, o ano em que os abraços das minhas verdadeiras pessoas me fizeram muito mais feliz que o desatar de fitas de cetim em caixas bonitas, o ano em que troquei tardes de compras por horas a ver o mar, quando precisava de desanuviar, o ano em que afinal não fiz compras e não me importei porque não uso metade do que tenho nos armários.
2013 foi um ano de merda, possivelmente o ano mais difícil que já tive, mas dou Graças a Deus. Se o meu pior ano me permitiu tanta gargalhada, tanto abraço, tantos momentos realmente felizes, então as coisas não serão assim tão negras, é questão de tornar a ver o copo meio cheio e abrir as janelas, porque eu sou mesmo assim, uma optimista sempre à procura do melhor ângulo. Hoje, ao contrário de todos os anos, não tiro o vestido comprido do armário, não tenho o cabelo impecavelmente arranjado, escrevo-vos equipada para correr, porque é isso que vou fazer agora. E é a correr que vou agarrar 2014. Ou corro o risco de o tempo me fugir sem que me aperceba.
Bom ano!

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Uns desnaturados, é o que sois

Uma mulher pensa que tem uns leitores como deve ser, afinal sempre lhe vão dizendo que escreve bem, que tem piada, que se fartam de rir, e réu béu béu, depois há aqueles que a detestam, que aqui vêm apenas para lhe dizer que ela não tem vida própria, que é uma ressabiada de uma invejosa e que ninguém lhe pega. O facto é que as coisas que lhe dizem a podem levar a crer que as pessoas sempre vão prestando alguma atenção às outras coisas que uma mulher vai escrevendo, uma mulher faz um post sobre reposts, logo de seguida a mesma mulher faz um repost e que acontece? Alguém a vem aqui desancar? Alguém lhe diz delicadamente que não se deve dizer "desta água não beberei"? Nada, nicles, rien de rien. Vós não prestais a mínima atenção ao que vos digo, essa é que é essa, e eu que estava a ter um ano tão feliz, estava tão cheia de mim própria e pufff, foi um ar que se lhe deu. Obrigadinha, sim? Haveis de ter muitos amigos, com esse feitio.
Apenas para que saibais, este Natal não fui à missa do Galo, a tempestade e o estado debilitado de um dos presentes afugentou-nos, as tias velhas não nos fizeram companhia e éramos apenas 15 à mesa. Ainda assim, os copos tiniam e brilhavam, demos uso ao serviço da avó, as gargalhadas dos adultos ecoaram com as das crianças. Foi um feliz Natal tal como estava escrito que deveria ser. E, doravante, teremos reposts anuais, lamento informar que o meu Natal é sempre igual.

(talvez para o ano fotografe o faqueiro, na loucura a mesa posta, talvez...)

domingo, 29 de dezembro de 2013

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Que estás a fazer Picante?

Mais um jantar de Natal e não, ainda não é o ultimo.


Cala-te ó dona Joaquina que a porra dos copos tinem e tilintam

Vislumbre de um Natal Picanteano

Poderia postar por aqui umas fotografias das prendinhas recebidas, nada da Zara, tudo em bom, claro está, mas isso faria de mim fashionista, poderia tirar fotografias às fatiotas das crianças, mas o Picante não é um baby blog, poderia dizer que comi como se não houvesse amanhã, mas eu nunca como assim, quando chega a altura de sentar à mesa já estou farta de comida, poderia dizer que ainda bem que acabou o Natal, mas seria mentira, eu adoro o Natal e, de coração vos digo, que tenho pena que passe tão rápido.
O Natal é uma mesa posta a preceito, faqueiro de prata a brilhar, copos de cristal que tilintam, o serviço da avó, travessas em christofle, há bacalhau com natas porque poucos gostam dele cozido, os doces são feitos em casa pelas filhas, tias e primas, a mesa das crianças na cozinha velha, que já não há lugares na da sala, os gritos dos mais novos ao desembrulhar dos presentes, uma imensa árvore a cheirar a floresta, cuja estrela chega ao tecto, o comer da última rabanada, enquanto se vestem as raposas e visons (sim, eu sei..) e se sai à pressa para ainda apanhar lugares sentados na missa do Galo, a ceia e as gargalhadas até de madrugada, para recomeçar tudo de novo no dia seguinte. Para mim o Natal é ter a família toda junta, à volta da mesa, enquanto os mais novos correm à nossa volta, até nos porem doidos, é ter o Bing Crosby a tocar em vinil, é a única altura do ano em que estamos todos juntos, não falta ninguém, especialmente quem já não está por cá.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

The day after

E eis que começam a pupular, blogolandia fora, os posts que mostram kits de Natal, maquiagens de Natal com caras castanhas, vindas das Caraíbas, pescoços brancos, oriundos dos glaciares, a vossa querida Picante ainda imbuída do espírito Natalício, limita-se a sorrir, displicentemente. Quando começarem a mostrar os maravilhosos presentes recebidos estou bem desconfiada que terei de desligar a rede, ou  não mais conseguirei conter a diaba que há em mim.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

3º Round

E ainda me consigo movimentar com razoável agilidade. Estou desconfiada que amanhã rebolo e lá terei de voltar às corridas no paredão. A precisar de voltar aos tempos em que a noite de 25 se tornava numa das noites mais divertidas do ano, depois dos festejos, lá nos juntávamos no Van Gogo ou na Kapital e dançávamos alucinadamente ao som da Mariah e do George.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Feliz Natal

Não sou amiga de ninguém, daqui dos blogs, poucas pessoas sabem que tenho um blog, onde vou debitando disparates e interagindo com desconhecidos, de nomes estranhos. Isto são só blogs mas a verdade é que nos habituamos aos que por cá passam, sentimos a falta dos que deixaram de vir, perguntamos-nos se estarão bem, que será feito deles, por vezes chegamos a sentir que conhecemos aqueles desconhecidos apenas a partir do que escrevem, que alguns poderiam, enfim, ser nossos amigos.
A todos os que têm a amabilidade de perder tempo a comentar os meus disparates, aos que por cá passam silenciosamente, desejo um Santo e feliz Natal, junto dos que vos são mais queridos, porque o Natal é isso mesmo, a comunhão com as nossas pessoas.
Bem hajam e muito obrigada por tornarem isto tão divertido.
 

sábado, 21 de dezembro de 2013

Cheiro de Natal

Cá em casa o Natal não é anunciado pela árvore, montada religiosamente no primeiro fim de semana de Dezembro, a menos que vá para os Alpes, está claro. Tampouco pelos presentes que vão sendo comprados muito antes das enchentes das lojas no fim de Dezembro. Cá em casa só é Natal quando os cheiros nos comunicam isso mesmo, por nos recordarem os aromas de tantos outros Natais, com os que já partiram, sem os que entretanto se nos juntaram. Cá em casa é Natal quando se faz a calda para as rabanadas e o cheiro a canela se estende a todos os recantos. Cá a casa, hoje chegou o Natal.

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Há quanto tempo não tinha dúvidas?

Isso dos reposts é para quê, exactamente? É que se for para não termos saudades dos posts antigos, desde já informo que não temos, que isto dos blogs não são exactamente os livros da nossa vida que lemos e relemos, até que fiquem velhinhos de tanto uso. Mas, ainda assim, no caso altamente improvável de suceder que uma vontade incontrolável de reler os vossos antigos posts se apodere de nós, eles estão disponíveis no histórico dos blogs, não há necessidade de os prantarem de novo. 
Ou será que não têm nada para escrever e não resistem a continuar a publicar? Não é isso, pois não? Não, não deve ser, toda a gente sabe que os blogs só existem pelo gozo de escrever.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Querido Pai Natal

Por favor faz com que apareça um furúnculo no traseiro de cada vez que uma das Rosinhas (e dos Rosinhos também) nos tentar impingir ideias de presentes de Natal. Nem é por nada, eu sei que elas têm de ganhar a vida, sei que entre tanta porcaria que tentam impingir devem estar a ganhar fortunas, mas é que já NINGUÉM AGUENTA! Por favor Pai Natal, temo que algo terrível aconteça na blogoesfera, já há pessoas escondidas dentro de cestos, a situação é grave, temo que as leitoras se ponham a comprar velas de 50€ e depois se vejam obrigadas a servi-las na consoada, em vez do bacalhau. Isto é um despautério, nunca se viu um blogo-Natal assim.
Ah! E por cada wish list é uma borbulha no nariz, se não for pedir demais.
Atentamente,
A tua querida Picante

Verdades Picantes #39

Mamãs blogoesféricas, por muito que vos custe acreditar, é de coração aberto que vos digo que as mulheres têm filhos desde os primórdios da humanidade, que já tinham filhos no tempo das invasões romanas, da reconquista cristã, da revolução industrial e até durante a 2ª grande guerra. Pode parecer-vos inacreditável mas no pós 25 de Abril continuou a acontecer essa coisa que é a maravilha da maternidade, nos anos 80 idem e com a mudança de século a situação manteve-se inalterável.
Ainda que mal vos pergunte, que raio vos passará pela cabeça para achar que ninguém agora é capaz de parir, vestir ou educar crianças sem os vossos conselhos de mães experientes de bebés de quê? 6 meses? 1 ano? Minhas queridas, não levareis a mal, mas lembram-se como se sentiam quando estavam grávidas e toda a gente vos dava palpites? Conseguem recordar? Pois é mais ou menos isso. 
Escusam de agradecer.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Back to 90's

Uma mulher, decide-se a ir comprar uns presentes, enfia-se num centro comercial e de repente tem a sensação de ter andado 20 anos para trás, não acredito que desde o Last Christmas, Do they know its Christmas e o All I want for Christmas is you, não tenha sido composta uma única música de Natal, a coisinha mais diferente que ouvi deve ter sido o Fairytale from NY dos saudosos Pogues.

Ah e tal és uma consumista ó Picante, com a mania que és fina

A verdade é que não vos sei dizer se a última vez que fui às compras, comprei roupa, sapatos ou carteiras, mais... a verdade é que não sei precisar quando fiz a última aquisição fútil, apenas vos posso assegurar que não foi em 2013, isto de comprar coisas de qualidade pode ter destas consequências, as coisas acabam por durar quase uma vida, em estando o armário composto não há necessidade de grandes substituições.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Disso do serviço público

A semana passada deu-se o caso de uma mulher se cruzar com aquilo, do Natal dos hospitais, a verdade é que de repente uma mulher abriu a boca de espanto e pensou que a troika ainda tem muito por onde cortar.

O dia em que lançar um livro fashion

Será o dia em que deixará de me fazer confusão que as calças de ganga apresentem a espessura de leggings, que a oferta de meias para criança não contemple um único par de meias azul escuro, caramba é que nem sequer meias pelo joelho havia, esse dia ficará para sempre marcado como o dia em que até a Picante se rendeu ao fenómeno preço, e não, não me refiro necessariamente ao facto de eles serem tão baixos que tornem impossível a produção de peças de qualidade mínima, em condições de trabalho humanas.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Afinal pode ser que isto dos blogs sirva para alguma coisa

Preciso de comprar umas mãozotas, de modo a fazer uma criança feliz. Por acaso alguém saberá onde se consegue adquirir tão distinto e raro material de ginástica?
Agradecida

Precisa-se, secretária de blog

Uma mulher anda cheia de trabalho, não costuma ser normal nesta época, mas a verdade é que mal tem tempo para responder a quem tem a amabilidade de por aqui passar, de quando em vez, no meio dos seus afazeres, lá lhe vem à cabeça um post, não o escreve por não ter tempo, pode ser que se lembre à noite, obviamente que não se lembra e acaba a falar da Primark quando queria falar de Nutella, no fundo a coisa acaba por ser de uma ironia deliciosa, ambas movem massas, nenhuma é de facto grande coisa.

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Coisas que me passam pela cabeça, vá-se lá saber porquê

Trouxe uma máscara de chocolate para a cara, estou na dúvida se a use ou não, em calhando perco um ou outro pedaço de carne, ainda corro o risco de ser enviada para Spinalonga, seria um aborrecimento.

Coisas que me passaram pela cabeça 4ª feira, vá-se lá saber porquê

Dizer que as lojas de roupa a metro têm roupa de qualidade é mais ou menos como dizer que a Raposeira é champagne. É amarelado, tem piquinhos, faz pop ao tirar a rolha e as semelhanças param por aí.

Estudo sociológico, daqueles em grande

Por razões que são cá da minha vida, há dois dias tive de passar uma manhã inteirinha naquela loja fantástica, repleta de coisas que apetece trazer, todas elas de altíssimo gabarito, chamada Primark. Agora que penso nisso, não sei se loja será a palavra apropriada, aquilo parece mais um hipermercado de roupa, mas o que eu queria mesmo dizer é que trago aqui material para centenas de posts, agora já sei como se sentem as organizadoras daquelas feirinhas de laços, folhos, toucas, túnicas e golas de petizes, em me apetecendo poderia fazer a coisa render e render e render, qual coelhinho da duracell, o único senão será que provavelmente não me irá apetecer.

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Queridos comentadores

Queria só avisar-vos que, por mais que eu concorde ou me ria com alguns dos vossos comentários, não os posso publicar, não seria uma coisa bonita de se ver.
Ide em paz e que o Senhor vos acompanhe.

É Natal, é Natal

Sugestões de prendas para a crianças (baratinhas, afinal estamos em crise, se se portarem bem para o ano faremos um up grade à coisa).



Este ano é que vai ser um fartote, a desembrulhar presentes, há caixas para todos os gostos!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Post sem qualquer ironia (ok só com um bocadinho... vá)

Alguém me explica a razão de ser daquele portal das mães que acham que são queridas? São algumas 30 bloggers, ao que percebi os posts não são originais e constam nos seus próprios blogs... afinal qual é a ideia? Aquilo é um best of? Um top 55 do Fido? O quê é que há lá de novo que não haja nos respectivos baby blogs? Alguém que me elucide quanto ao posicionamento e ao factor discriminador da concorrência que aqui a vossa Picante deve ter apanhado um banho de loirice aguda e não atinge o brand key vision, só estou mesmo a conseguir imaginar o reason why.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Aos jornalistas com um beijinho

(ia escrever aos senhores do Record com um beijinho mas depois lembrei-me que na verdade isto é uma excelente metáfora dirigida à nossa ilustra e distinta classe de jornalistas)

E por cá, ainda no reino da esquizofrenia...

.... leio que a mãe de Sócrates deve qualquer coisa como 47 mil euros ao fisco, fruto da venda daquele apartamentozinho modesto, lá para os lados da Braamcamp. De acordo com aquele maravilhoso pasquim, denominado Correio da Manhã, a senhora não pagou a dívida vencida no final de Novembro. O advogado de sua senhoria já veio afirmar que a sua representada não deve nada ao fisco ou a quem quer que seja.
Não querendo entrar em pormenores insignificantes de como é que uma empregada de limpeza consegue amealhar o suficiente para pagar a um advogado que lhe trate da fiscalidade ou, pasme-se, para comprar um apartamento com uma mais-valia declarada de 130 mil euros, o artigo acaba com a menção de José Sócrates ameaçar regressar à política. E isto, parecendo que não, tem tudo a ver.

Ah! E o Sporting lidera o campeonato...

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Que vês agora, Picante?

Ainda a propósito dos murais virtuais

As mensagem continuam, muitas têm fotografias, já me escangalhei a rir ao ver as do Eusébio e do Morgan Freeman, enfim são parecidos, também são de raça negra, não é verdade? Mas de repente dou com os olhos numa com o símbolo da paz, era formado por pessoas, pelo que as linhas não eram tão perceptíveis como o são graficamente, aquilo assemelhava-se extraordinariamente ao símbolo da Mercedes e, de repente, tudo fez sentido, é mesmo paz o que sinto ao entrar no automóvel alemão.

(em não se dando o caso de ser hora de ponta e eu estar na 2ª circular, está visto)

Aviso Picanteano II

Se escreverem as vossas mensagens em "Ingalês", lamento informar que o resultado é o mesmo. Continuam a não chegar ao céu.

Sempre vossa.

Aviso Picanteano

Custa-me ser a portadora de tão tristes notícias mas lamento informar que aquela coisa lá do Zuckerberg ainda não tem ligação ao céu, os vossos rip's não chegam a Mandela (ou Madiba ou lá que raio é que agora deram em chamar ao homem, pergunto-me se vocês agora também deram em sul-africanos?).

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

E entretanto, no reino da esquizofrenia...

... diz que o partido comunista Português vai apresentar uma proposta de lei para repor os feriados do Corpo de Deus e do dia de todos os Santos. Alguém me explica, por favor? Like a five year old?

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Finalmente entendo...

...o porquê da existência dos mercados, mercaditos e markets de crianças que populam por aí. Pessoias, eles não existem para inundar Portugal de laços e folhos e toucas, eles não existem para dar oportunidade às artesãs Portuguesas, eles não existem para que as suas organizadoras possam elas próprias comprar laços e folhos e sapatos, não! nada disso! A razão da sua existência, pessoas, é fornecer material para os respectivos blogs nos 3 ou 4 meses seguintes, até estou tentada a ir eu própria aos próprios mercados, mercaditos e markets, sempre deixo de seguir uns três ou quatro blogs.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

E quando uma pessoa frequenta workshops...

Uma pessoa tem de se deslocar a um workshop, palavra bem mais em voga que formação, uma pessoa tem um coffee break com desconhecidos, uma pessoa tem de almoçar e fazer conversa com esses mesmos desconhecidos, e de repente uma pessoa dá por si a desejar que as crises políticas não aconteçam em países como Ucrânia, onde os nomes das personagens são completamente "impronunciáveis", caramba uma pessoa só se lembra que o presidente era pedreiro ou electricista, ou lá o que é, que um dos da oposição era campeão de boxe, só sabe que os nomes acabam todos em "itch", uma pessoa quer fazer bonito e pensa que não deveria ter desistido do curso de russo ao fim de 6 meses.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

De como se prova que a Mais Picante nunca será alguém nisto dos blogs

Há talvez uns 5 ou 6 anos, eu fiz Um Picante, Friends & Stuff. Muito ingenuamente não doámos uma percentagem da venda à Ajuda de Mãe. Doámos tudo. Coisa pouca, cerca de 9700€. Sou mesmo palerma caramba, como é que hei-de enriquecer se não tenho sentido de negócio?