segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Oh! Não! Um post do género e vocês?

Metem o nariz onde não são chamados?


8 comentários:

  1. Depende da situação. Nesta era capaz de me meter...

    Paulinha

    ResponderEliminar
  2. "Se buscas a fama vem comigo para a cama"
    Da série um piropo por dia, bem sei os "nerves" que te trazia.

    ResponderEliminar
  3. Beeeeem!
    Estou toda arrepiada!
    Ainda que sabendo que era uma situação encenada fiquei aqui com o estô^mago embrulhado.
    Claro que interviria! Mas sem sombra de dúvida!
    É assustador como as pessoas se estão nas tintas!

    ResponderEliminar
  4. Eu interveria também e não precisava de ver nem a metade e nem lhe dava tempo para falar, que quando me mostrasse a câmara já lhe tinha desfeito a mala na cabeça.

    ResponderEliminar
  5. Acho que falar todos falamos bem mas está cientificamente provado que, quanto mais publico é um crime, um acidente, etc menor a probabilidade é de um indivíduo agir pois acredita sempre que os outros vão tomar acções por eles e, se tiverem pressa, se não acharem que é muito grave, se encontrarem uma explicação, se acharem que não têm competência o mais certo é ninguém se meter.

    Eu já ajudei pessoas com problemas no meio da rua e quero acreditar que me metia no barulho (apesar de não ter grande força) - acho que não conseguiria assistir impávida e serena a uma criança a ser arrastada por um homem e a dizer "não és o meu pai".

    Acho que, acima de tudo, quando vimos algo de mal a acontecer, devemos sempre pensar que poderemos ser os únicos a agir (e por norma somos porque quase todos se demitem da responsabilidade).

    ps: os meus parabens Picante por fazeres este alerta.

    ResponderEliminar
  6. Uma criança a ser raptada na rua é um caso onde todos devemos ser chamados. Claro que aqui não é verdade, mas não sabendo, é claro que me metia.

    ResponderEliminar
  7. Claro que todos deveríamos intervir. A questão aqui é que as pessoas ficam à espera que seja outra a agir e vão à sua vidinha. Nem percebo bem se é uma questão de medo, se de indiferença ou de não se quererem meter numa "discussão" familiar. Em tempos chamei a atenção de um pai que arrastava uma criança de 4 ou 5 anos pela rua. Gerou-se ali uma bonita cena, fui insultada e só se acalmou quando o ameacei com a polícia.

    ResponderEliminar
  8. Por acaso és católica? É que tens um cu que valha-me Deus.
    Da série: "Um Piropo Por Dia Nem Sabe O Bem Que Lhe Fazia" #24

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.