quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Há muito, muito tempo....

Já distante vai o tempo em que também eu me ocupava com isso dos concursos, aquilo era uma trabalheira, que além de desenharmos toda a mecânica da coisa, ainda a havia a negociação lá com os senhores dos automóveis e das cozinhas miele e das televisões, eles queriam sempre receber mais, eu achava que não, que haveria de ter grandes descontos, mas o maior aborrecimento nem era esse, é que tudo aquilo tinha de ser aprovado e fiscalizado pelo governo civil, era de lei, os sorteios lá tinham de ocorrer quando tinham de ocorrer, por vezes estimávamos mal a coisa e dava-se o caso de ocorrerem cedo demais.
Mudam-se os tempos, agora é só facilidades, estes sorteios da internet não são regulados pois não? Por vezes pergunto-me se haverá alguma coisa que seja regulada, nisto das marcas dos blogs.
(Mas há alguém que compre sapatos na internet? Aquilo não é suposto ser calçado antes? Só na hipótese remota de apertarem o calo?)

41 comentários:

  1. Isto é à vontade do freguês! Cada um sorteia aquilo quer. Vejam lá que eu já deparei com um sorteio de amostras... (Sim, aquelas coisas pequeninas que nos OFERECEM nas lojas)! E, mesmo assim, era preciso fazer o pino e dar três mortais encarpados à retaguarda SÓ para poder participar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão patético para quem as oferece como que se candidata a fazer o pino e os tais mortais encarpados para as receber.

      Eliminar
    2. Mirone... que resumo perfeito, é mesmo assim!

      Eliminar
    3. Já agora seria interessante saber-se o que tem a cara Mirone contra as cambalhotas em particular e o contorcionismo em geral. :)

      Eliminar
    4. eu acho que saber fazer mortais encarpados é coisa de valor...

      Eliminar
    5. Caro OCorvo, bons olhos o leiam! Contra os saltos mortais e encarpados, rigorosamente nada! Mas acho uma patetice pegada fazer essa ginástica toda para ganhar umas mostras que alguém sorteia na net,quando bastava dirigir-se a uma loja para as levantar sem esforço. Mas isso sou eu, que sou preguiçosa. :)

      Eliminar
    6. Ai é? Então e a projecção da visibilidade não conta?
      Ah pois é! Há que pensar as coisas que mais vale morrer pobre que desconhecido.

      Eliminar
  2. Não vejo nada de mal nos sorteios dos blogues, desde que se refira que a peça foi oferecida pela marca e não pelo/a blogger. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não. Refiro-me à falta de legislação na internet. Já ia sendo tempo de começar a ser feita.

      Eliminar
    2. Só para ver se eu percebi bem: a sua nova bandeira contra as hit bloggers é a (falta de) legislação. É isso?

      Eliminar
    3. Picante, sim, é muito necessária. Precisam de limitar os abusos - que são cada vez mais e maiores.

      Eliminar
    4. Anónimo, aborrece-me a falta de fiscalização. Até porque muito do que se passa na internet é crime. Publicidade não explícita, fuga ao fisco, réplicas de marcas, enfim... é escolher. E isso da fuga ao fisco aborrece-me, afinal eu pago todos os meus impostos que não seriam tão elevados caso não tivéssemos a módica percentagem de 25% de economia paralela. Na prática estão a ir directamente ao meu bolso.

      Eliminar
    5. Então assim resume-se tudo à sua enorme revolta contra o crime de fraude económica. Acho é que escolheu o canal errado. Este blogue não será a via mais expedita para ver as queixas acolhidas. Duvido que os senhores da ASAE aqui venham.

      Ou então não é nada disso, queria era malhar nas hit bloggers, já não sabia a que argumentos recorrer mais e lembrou-se deste, que será a sua bandeira nos próximos tempos.

      Eliminar
    6. Economia paralela, este ano, atingiu 25,4% do PIB nacional, e' qualquer coisa!! o_0
      http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=2767925&seccao=Dinheiro%20Vivo

      Eliminar
  3. Ó S*. Então a menina não sabe que não interessa a proveniência? Isso é absolutamente irrelevante! Importa é quem lhe dá o nome!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, que parva eu sou... pois que o Corvo tem toda a razão.

      Eliminar
  4. Prometeu e cumpriu! Nada de contundência e tudo na maior civilidade.
    Afogo-te em água de rosas que lerpas na mesma mas decessas perfumada.
    Eheh...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso já é mau feitio, sr Corvo, este é totalmente inócuo.

      Eliminar
    2. "decessas perfumada"
      Tão bom, senhores. Se algum dia criar um blog, já tem nome.
      AnaB

      Eliminar
  5. Independentemente da plataforma utilizada, a exploração de modalidades afins dos jogos de fortuna ou azar e de outras formas de jogo (nomeadamente, rifas, tômbolas e sorteios) é uma actividade regulada por lei (especificamente, pelo Decreto-Lei nº 422/89 de 2 de Dezembro, conforme sucessivamente alterado). Se as condicionantes previstas nesse diploma para a exploração dessas modalidades afins de jogos de fortuna ou azar são ou não observadas em cada caso, isso já são outros quinhentos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qualquer sorteio acima de um determinado valor (agora esquece-me qual mas não é elevado) deverá ser aprovado pelo governo civil. Os da internet não são.

      Eliminar
    2. Os governos civis foram extintos em 2011 e as competências transferidas. Precisa de fazer umas actualizações ;)

      Eliminar
    3. ah ah ah ah ah ah ah caramba! Tão habituada a relacionar concursos com governo civil e cometo uma gaffe destas. Tem toda a razão, acho que esse pelouro deverá ter passado para as câmaras municipais, não sei.
      Obrigada

      Eliminar
  6. Lei ate pode existir, nao ha e' quem fiscalize. Ninguem cumpre ou faz cumprir.
    Tambem me pergunto muitas vezes, se aquilo que vendem pela net, nos blogues e feicebuques, vai com recibo e se pagam o devido ao fisco.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso, o Pai Natal e decessar perfumada.
      AnaB

      Eliminar
    2. antes perfumada que malcheirosa, essa é que é essa.

      Eliminar
    3. Isto é giro. Terminar os comentários com "é isso e decessar perfumada".
      Quando eu for uma hit blogger vou ter OCorvo em cima de mim.
      Salvo seja.
      AnaB

      Eliminar
    4. Decesso. Substantivo masculino/ Morte, óbito, fim, ocaso
      Decessa. Feminino daquele por mim criado
      E se não bem aplicado.
      Pelo menos imaginado. Ou não posso?

      Eliminar
    5. Como diz a MP, pode e deve!
      Eu cá achei o máximo (ora veja lá bem ali nuns comentários atrás).
      AnaB

      Eliminar
  7. "Tanta carne boa e eu em jejum."
    Da série: "Um Piropo Por Dia Nem Sabe O Bem Que Lhe Fazia" #12

    ResponderEliminar
  8. Eu estava no Algarve, em Vale Parra, e praticava o onanismo em frente à televisão.


    Ah, espera, enganei-me no blog...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, já que estou neste...

      Fiquei tão chocado com a notícia que só consegui culminar o onanismo uns bons 3 minutos depois.

      Eliminar
  9. Se se soubesse o quão baixo as pessoas descem por amostras sobretudo bloggers wannabe... Jesssussssss

    ResponderEliminar
  10. Este post é patrocinado pelas cozinhas Miele? Trata-se de publicidade encapotada ou a blogosfera pode dormir descansada, que este blogue ainda não passou para o campo do inimigo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que devia esclarecer os seus leitores se há aqui uma tentativa de espreitar esse mundo novo da publicidade encapotada.
      É uma questão de respeito por quem aqui vem. E, depois de tudo o que disse das outras, é, sobretudo, uma questão de coerência.

      Eliminar
    2. Caramba Anónimo, também já prantei aqui uma fotografia de Cartuxa tinto e um par de skis. Acha mesmo que esta referência às cozinhas Miele poderia ser publicidade? Só assim por escrever Miele? Tenham dó que implicância tem limites.

      Eliminar
    3. É exactamente o que eu penso: implicância tem limites.
      Agora leia outra vez, devagar, e interiorize: implicância tem limites.

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.