quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Post agendado ou coisas que me enojam ou a semana passada foi uma alegria

Talvez seja bom abster-me de dizer o que penso de um juiz que obriga à reintegração de um trabalhador alcoolizado só porque as normas da empresa não especificam que não se pode trabalhar nesse estado. Ora a minha empresa também não tem escrito em lado nenhum que eu não posso ir trabalhar ostentanto apenas tanga e soutien, ou que não posso snifar cocaína enquanto laboro. Seria por conseguinte justo assumir que podemos praticar esse tipo de actividades sem qualquer problema? Uma orgiazita ou outra também deverá ser permitido. Haja alegria no trabalho.
Tampouco consigo comentar o facto de um ladrão, condenado em tribunal poder ser candidato à Presidência da Assembleia Municipal em Oeiras, tenho a estranha ideia de que determinados cargos deveriam estar vedados a ladrões, mas deve ser esquisitice minha.
Finalmente ainda aconteceu aquela coisa da Associação de Animais obrigar os tribunais a perderem tempo e dinheiro público por causa do coitadinho do cão que agora é nobel, não sei o que me irrita mais, se os imbecis que resolveram chamar Mandela ao cão, se os tribunais perderem tempo com estas coisas de crucial importância, eles não têm processos atrasados pois não?, se alguém humanizar os animais ao ponto de achar que podem ser reabilitados, ou, finalmente, aqueles argumentos imbecis do cão não ter culpa e de ser o seu instinto. Pessoas! Pessoaaaaaass! Mas vocês acham mesmo que matar o cão é um castigo do tipo mataste agora vais morrer? Sério? Quão imbecil poderá o ser humano ser?
Só não digo que estou mal disposta porque, a esta hora, estou a banhos e os meus problemas resumem-se a apetecer-me jantar no Henrique Leis e aquilo estar cheio. Acho que vou à Casa do Campo.

19 comentários:

  1. Quanto à empresa, os juízes estavam obviamente com os copos.

    Quanto ao ladrão de Oeiras, é ridículo. Os políticos e governantes deveriam dar o exemplo.

    Quanto ao cão, não acredito em animais maus e continuo a defender uma segunda hipótese para o bicho. Mas isto cada um sabe de si e Deus sabe de todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. S* esses sentimentos ficam-lhe bem mas são algo ingénuos. Claro que há animais maus, tal como há pessoas más. Em tempos trabalhei uma égua que era má como as cobras, cada vez que a aparelhava tentava morder-me o traseiro, vai dizer-me que era boazinha?

      Eliminar
    2. Já devia saber que não vale a pena contra-argumentar com esta menina: é tempo perdido.

      Eliminar
    3. A rapariga argumentou? Que podia, se quisesse, porque da argumentação nasce o entendimento, mas nem isso fez.

      Eliminar
    4. Uma segunda hipótese para o bicho matar mais alguém? Nenhum bebé merece!

      Eliminar
    5. Pipoca, lol. Peço desculpa, mas essa história da égua fez-me rir. Sempre tive animais e sempre fiquei com a ideia de que eles só se tornam agressivos se estiverem assustados ou se tiverem sofrido traumas. Mas isso sou eu. Não acredito em cães maus. Quanto às éguas, a única e primeira vez que montei, numa quinta em Peniche, a bendita égua desatou a galopar que nem uma louca em direcção à comida e eu achei que ia morrer. Mas desculpei, que a bicha só tinha fome. ;)

      São sensibilidades diferentes. Assumo-me como excessivamente sensível no que toca aos bichos.

      Eliminar
  2. Já é tempo de alguém dizer umas verdades nesta blogosfera tão politicamente correcta!!!! Concordo em absoluto com o que foi dito!

    ResponderEliminar
  3. Andamos a bater mal da cabeça, não andamos? Não sei porquê mas acho que estamos a ficar cada vez parecidos com Itália...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahahah! Sim e sem Roma, Veneza, Florença... Hum... Retiro o que disse!! Estamos a ficar maluquinhos... Só isso!

      Eliminar
  4. Explicar bem explicadinho a quem defende a reabilitação do Zico: Eliminá-lo é evitar que torne a fazer o mesmo... não é punição. Quanto ao argumento de que não é por matá-lo que se vai evitar que aconteçam outras mortes com outros cães: pois não, não é! E deixá-los vivo também não!

    ResponderEliminar
  5. Isso era antes quando ele era um vira lata desprotegido, mas agora é o Mandela e passou a ser um canino de respeitabilidade intocável.

    ResponderEliminar
  6. Pelos Algarves, querida? Então não foi para os Hamptons? Ou para a Comporta, vá.

    ResponderEliminar
  7. Pelos Algarves, querida? Então não foi para os Hamptons? Ou para a Comporta, vá.

    ResponderEliminar
  8. Os três tópicos me irritam profundamente, assim como tantos outros, acho que está a ficar tudo doido.

    ResponderEliminar
  9. Não era a Santinha que odiava o mar e o Sol, que isso era coisa de pobre?
    Pareceu-me ouvir-lhe dizer, mas em calhando enganei-me.

    ResponderEliminar
  10. Amen sister, alem de que chamar mandela ao bicho como se lhe baixasse a compreensao e a abnegacao é de uma estupidez ou hiper sensibilidade sem fim. A crianca, essa, ja nao volta. E a reinsercao do animal vamos ver como corre... Com muita sensibilidade. E com os copos a mais para escapar às agruras de quem o vai ter que reeducar

    ResponderEliminar
  11. O ser humano é imbecilmente ridículo , ou sempre foi, mas uitimamente tem ressurgido com uma força espantosa

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.