sexta-feira, 17 de maio de 2013

Oh nãooooo!

E agora? Que se passa com o clix? Diz que há uma debandada, logo agora que me ia render ao clix, isto não se faz pessoas! Estou para aqui que nem posso, talvez crie um domínio pipoca.org, fazia umas actividades giras, recolhia uns fundos para a  associação dos velhinhos coxos da Lapa, eventualmente para os gatinhos sem bigodes do Restelo, seria toda uma nova perspectiva de vida, o céu é o limite, mas aquilo que me preocupa mesmo é nunca mais poder dizer os da clix.

20 comentários:

  1. Deve ser a lei do "quem paga mais".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó S*... Então a menina comenta Blogs, Instagrams e Facebooks da Mais Doce, sempre cheia de simpatia, e depois vem aqui "mandar bocas"? Não entendo...

      Eliminar
    2. Oi? E como sabe a senhora isso? Ah, já sei. :)

      Eu não tenho NADA contra a Pipoca. Isso faz de mim uma acéfala sem opinião? Não. Ora essa, era o que mais me faltava.

      Eliminar
  2. Eu cá acho que aquela relação está muito complicada... então não é que vão viver em casas separadas?!

    ResponderEliminar
  3. Agora o que está na moda é ter um fashion blog no sapo. Tem sido a debandada geral...

    ResponderEliminar
  4. Já ouço o Toy ao funco a cantar: triste, só e abandonadoooo.
    Pobre Clix.

    ResponderEliminar
  5. Vocês deviam parar para pensar nestes terríveis dramas existenciais que surgem na vida das pessoas, mas não e tudo vos serve de motivo para gozo.
    No instante em que qualquer parte de um corpo vivo pára de mudar, morre.
    Em calhando era isso que vocês queriam, era?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Matilde desculpe, mas eu não concordo que o que para de mudar morre porque há muita coisa que não muda e vive.

      Eliminar
    2. A sério, anónimo?!
      Por acaso a Biologia é a minha área e desconhecia isso, mas agradeço que me mostre qual o ser vivo, e não me refiro apenas à vida animal e incluo a vegetal, que parando de mudar continua vivo.
      Por outro lado e plagiando a nossa Indelével Mais Picante, chegue-se aqui ao pé de mim que a Matilde explica melhor:
      Se não existirem diferenças, positivas ou negativas, não é possível estabelecer quaisquer parâmetros conclusivos nem definir seja o que for diferente de outra coisa qualquer. Nada existe isoladamente. Um padrão só pode ser medido por outro semelhante, ou diferente, mas que sirva como referência de comparabilidade.
      Sem esse motivo de diferenciação, o que seria, por exemplo, uma casa? Uma granja é uma casa conquanto lá viva alguém. Mas se a residência constitui a essência de uma casa, mais do que o estilo arquitectónico, então um ninho de pássaro é uma casa. A ocupação humana não estabelece o critério, nem a matéria visto que os esquimós têm casas de neve. E coisas tão diferentes como a Casa Branca, um ninho de ave, a casota de um cão, um formigueiro, o buraco de uma cobra ou a concha de um caranguejo ermita nada teriam de diferentes.

      Eliminar
    3. Ó Matilde, querida, o que tem isso a ver com o resto?
      A querida está bem? Precisa de alguma coisa? Quer miminho?
      Não seja assim, que faz-lhe mal!
      Ria-se querida!
      Um anónimo fofinho.

      Eliminar
    4. A Matilde hoje tirou o dia para nos presentear com pérolas de sabedoria.

      Também já picou o ponto no blogue da Palmier.

      Há que dar desconto.

      The wheel is turning but the hampsters dead

      Eliminar
    5. Há aqui gente muito inteligente pá. Bem, vou-me andando...

      Eliminar
    6. Matilde,

      As seus pensamentos relembraram-me da importância de organizar a minha gaveta das meias.

      Obrigado.

      JMS

      Eliminar
    7. Ilhas de coral branco sobre um mar de um azul-escuro.
      A sua aparência de distinção, a sua aparência de individualidade ou a diferença positiva que os separa não são mais que a projecção do mesmo fundo oceânico, a diferença entre terra e mar não é positiva, não é negativa existe e completam-se, apenas. Em toda a porção de terra há um pouco de água, em toda a porção de água há um pouco de terra.
      A minha concepção da realidade é a seguinte. Nada existe separadamente e todas as coisas que parecem possuir uma identidade individual não passam de ilhas, projecções de um continente submarino e não possuem contornos reais.
      O céu é azul porque reflecte a cor do mar, o mar é azul porque reflecte a cor do céu.
      E o que temos nós com isso e o que interessa isso para a nossa felicidade? Perguntais vós.
      Nada e são só devaneios da Matilde como podia perfeitamente estar a chorar pelo amor fugitivo e vir para aqui prantar baba e ranho, como podia optar por dizer que Amesterdão não é só o Estádio Arena e se ele não me quis acompanhar só é ele foi o maior perdedor, ou simplesmente dizer que todos têm de viajar pelo menos uma vez na vida, nem que seja para fora dela.
      Kompensan, queridas que isso passa!
      Matilde.

      Eliminar
    8. Estou para aqui sem saber que diga, pensando melhor viu jantar, ficai bem.

      Eliminar
    9. Ganda trip de LSD!!!

      Eliminar
  6. Crap! Nem clix, nem sapo...Démode para sempre...história da minha vida.

    ResponderEliminar
  7. Eu cá sou uma pioneira (parece que agora há mais quem queira ter)!
    Sou pessoa de dominio próprio há mais de um ano!
    .com é que é!
    :DD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah ah ah Pedrinha sabe quem mais também tem domínio próprio?

      Eliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.