sexta-feira, 24 de maio de 2013

Coisas que as Anónimas Más podem fazer a uma pessoa

Uma das minhas comentadoras preferidas diz-me que assim é que é, há que bater no ceguinho, e ai se o ceguinho me tenta, oh se tenta, mas a verdade é que uma mulher não pode andar sempre a bater nos ceguinhos, uma mulher vai à missa, obviamente que a uma missa rezada por um padre jesuíta, uma mulher confessa-se, o senhor padre manda-a rezar nem sei quantas Avé Marias e Pai Nossos, tudo devido a esta língua viperina, respondem-me que antes novenas que exorcismos e, em verdade vos digo que até consigo imaginar uma prole de Anónimas das más, vestidas de batina preta, a atirar-me carradas de açúcar a ver se me tornam mais doce, e eu, pobre Picante, tento em vão esquivar-me do açúcar... Pimba! Agora acertam-me com um bocado de sushi no olho... Traz! Saishimi no nariz... Esta lá, também, o rapaz das fotografias, quer mostrar-mas à força, socorro! De tempos a tempos cessam os arremessos e perguntam-me se gosto da Zara ou da H&M, à resposta negativa atiram-me as clutches que o chinês lhes ofereceu à cabeça. Agora querem raptar-me os filhos, aquela minha prole linda e loira em Ralph Lauren, dizem que os vão enfeitar de laços rosa e fotografar para o blog, minha Nossa Senhora das Aflições me valha! Nunca, mas nunca mais me vou meter com as Anónimas Más, elas ainda me tornam doce e depois? Com que se ocuparão elas? A transformar Palmiers em Cocós? Preguiças em Jibóias? Pequenas Coisas em Horas Perdidas? Cuequinhas em Fatos de Treino? Seria a anarquia na blogolândia Senhores!... E isso é que não pode ser que as coisas são como têm de ser..

32 comentários:

  1. Tou a simpatizar com essa tua comentadora preferida, tou tou...
    E tu nunca te tornes doce, ok? Só venho aqui porque picas.

    ResponderEliminar
  2. Só há uma coisa que fazes pior do que tentar imitar a Pipoca Mais Doce: é quando tentas imitar o Tio Pipoco.
    Enxerga-te mulher: não tens jeito para isto. Dedica-te a outra coisa que ainda vais muito a tempo. Há tanta coisa para fazer!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónima minha cara Anónima, eu poderia ser desabrida e dizer-lhe que é pura estupidez afirmar que eu tento imitar a mais Doce, poderia chamar-lhe mesquinha porque quando copio o Salgado o digo sem qualquer pudor, mas sabe que mais? De repente ouvi um anúncio cuja música dizia algo como "do you remenber the last time you had sex? do you know who's gonna be next?" e olhe... é isso mesmo, pronto.

      Eliminar
    2. Muito bom pipoca! Serei eu alguma vez capaz de descobrir qual a semelhança entre ti e outros grãos de milho? É que algum sábio homónino mas concerteza não conterrâneo meu parece notar algumas semelhanças. Estarei a precisar de óculos?

      Eliminar
  3. P+P assevero que não sou o Anónimo das 16H20 sob disfarce nem sei do que falam. Alias, ainda não percebi os zunzuns com laço rosa, ando perdida, perdida e olhe que não me gosto de sentir ignorante. E deixe estar o blog como está, não o transforme nem em fraldário, nem em pequenos nadas, nem em triângulos do pólo sul, nem telenovelas de moças saloias com dildos, nem num espaço dedicado ao rosé. As coisas são como são, e em calhando, a ordem natural está bem assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Cristina ferreira espetou um díldo na testa do goucha em directo numa visita a uma sex shop com um conjunto de idosos. Asseguro. Estava eu na mani pedi ha uns anos e a tv estava acesa sem som e juro que não queria acreditar mas a coisa sucedeu-se! E ela ria muito com aquele ar de saloia q não sai nem com muito banho de imersão no ritz.

      Eliminar
    2. Ah ah ah ah ah não posso! Pobre rapariga.
      (Os laços rosa são do blog da Carlota, uma bebé linda de morrer mas mais enfeitada que uma arvore de Natal em noite Santa)

      Eliminar
    3. Obrigada. Situada. O blog da mae desocupada que vive à custa da imagem de um Bébé, portanto?

      Eliminar
    4. Alias a baby c devia ser chamada baby embrulho

      Eliminar
    5. Há ah ah ah ah e a Picante sou eu? Ah ah ah ah

      Eliminar
    6. Eu sou constato factos. Chamái-me observadora. E desabrida, vá. Receio que a miúda cresça a pensar que é um saco da Teresa alecrim

      Eliminar
    7. Pois, e essa mãe desocupada é fortemente apoiada pela revista Pais&Filhos. Até pereceria assunto sério não fosse a casualidade do director da revista ser o seu marido...

      Eliminar
  4. ahahah

    Estou com a anónima de cima. A doce é doce, mas a picante tem muito mais sabor!

    ResponderEliminar
  5. Pois eu acho muito bem que as pessoas possam viver em boa harmonia e amizade, e não é só de agora que sei.
    A minha amiga Teo disse-me uma vez que qualquer pessoa que viva sozinha durante algum tempo, torna-se esquisita e egoísta e tem de ser arrastada de volta para o mundo. Que ninguém devia de ter o direito de viver mais do que uma semana sozinha.
    E ela há-de saber melhor do que ninguém. Já tratou inúmeros casais. Quando as mulheres levam os maridos ao gabinete dela para sessões de orientação, ela enfia-se literalmente na cama com eles, armada com um par de luvas de látex e um vibrador.
    « Adorava fazer-vos uma consulta,» disse-me ela uma vez como se quisesse engarrafar os segredos da minha relação funcionar.
    Estás maluca!!!! Gritei-lhe com toda a minha alma!

    Matilde.

    ResponderEliminar
  6. Eu não estou a perceber nada....

    ResponderEliminar
  7. Eu também cada vez percebo menos da conversa destas gajas.
    É tudo muito confuso e não se precebe nada...

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. AB Do que falam? Estou mesmo a sul!

      Eliminar
    2. Esse AB é de Anónimo bom? ah ah ah ah Vocês são os maiores!
      Bem o post vem na sequência de uma conversa entre a minha pessoa e a estimada Mónica, a qual teve lugar no post intitulado Palmieeerr. Começou por aí e o resto são devaneios blogoesféricos.

      Eliminar
    3. "AB"... Ahahahahah!!
      Um bom fim de semana a todos!

      Eliminar
    4. Estimada Monica, sou eu, presente. Sempre disponivel para gerar o caos

      Eliminar
    5. É de anónimo bom sim! Ahah

      Eliminar
  9. Eu ajudo, Pipoca, porque a menina a está naturalmente ocupada na decifração do enigma blogoesférico sobre missas rezadas, confissões finalmente confessadas, prole loura de progenitor sarraceno, e de outros não menores mistérios da condição humana, eu, para lhe poupar trabalho a si, Pipoca, explico tudo a fim de que, doravante, nenhum anónimo se sinta excluído do espírito da coisa. Lá vai então:
    Este blog não é um romance, embora por vezes a intenção seja romanesca. Não faz parte da ficção científica, embora nele se deparem mitos que sustentam esse género. Não é um conjunto de factos estranhos embora o Anjo do Bizarro nele se sinta à vontade. Também não é uma contribuição científica, o veículo de um ensino desconhecido, um documentário ou uma efabulação.
    É a narrativa, por vezes romanceada por vezes exacta, aos caprichos de uma primeira viagem pelos domínios da psicologia virtual de uma mulher, ainda quase por explorar. Como nos diários de bordo dos Navegadores do Renascimento, o imaginário e o real, a extrapolação audaciosa e a visão confundem-se e nada é dado adquirido ou confiável e tudo se processa aos ditames de uma Pipoqueana imaginação caprichosa sem precedentes, pelo menos para aqueles limitados aos convencionalismos de um debitar de agradáveis e harmoniosos sons vocais que presumem ser refinada educação, mas que eu atrevo-me a considerar de lamentável castração didáctica. E a dona do blog também...em calhando.
    Matilde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Matilde, quer ainda password? Ah ah ah ah ah

      Eliminar
    2. AB: A Matilde é prima do Pássaro certo? Ahahah

      Eliminar
    3. Que pássaro?
      Matilde.

      Eliminar
    4. O Pássaro Viajeiro, um senhor verdadeiramente delicioso. Nunca mais apareceu, é capaz de andar pelas suas queridas Áfricas.

      Eliminar
    5. É que calhando...deverão ser da mesma familia.

      Eliminar
  10. Temos de ser umas para as outras, ora bem!
    Devemos ser solidárias umas para as outras, ajudarmos-nos mutuamente, disponibilizarmos-nos por uma causa única em prol da elevação feminina que assim, virá num futuro, por enquanto longínquo, o direito feminino de sermos nós a escolher.
    Matilde.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.