quinta-feira, 7 de março de 2013

Eu também gosto de Rosinhas

Mas só desta. A rapariga é uma simpatia, tem uma paciência que valha-me a Santa e farta-se de fazer desafios. Rosinha, a menina é a excepção que confirma a regra, agora que eu lhe ia oferecer um lugar, ali ao pé dos ilustres é que decide parar de escrever?

8 comentários:

  1. Sempre achei que tinha uma postura de 'Epá, os homens acham-me irresistível e vocês precisam de saber isso. Vejam só a quantidade de posts diferentes que consigo fazer sobre homens que se fizeram a mim'. Acredito que seja só a Rosa Cueca e não a autora do blogue mas... Nããã, too shallow.

    No entanto, achei piada ao desafio. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto, e não tenho nada essa impressão. Parece uma pessoa simples que gosta de dizer o que lhe vai na cabeça, sem qualquer 2ª intenção. Na verdade não me identifico por aí além com o estilo do blog. Mas gosto de quem o escreve

      Eliminar
    2. Anónimo/a não sei de onde tiram essas ideias, quantas vezes me ouviu tecer algum comentário desse género? 3 ou 4 vezes? Possivelmente..hummm..ah, sim, quando estava solteira?
      Deixe-me explicar-lhe o bêabá da mulher solteira: ela tem uma vagina e, aos olhos do homem, essa vagina dirá algo como "open space, please park here", mesmo que isso seja falacioso.
      Só porque uma mulher não se faz de coitadinha e miserável, ui-ai-ninguém-me-pega, ou tenho-tanto-valor-intrínseco-mas-nenhum-homem-gosta-de-mim, estou-deprimida-onde-andará-o-amor?!...é rotulada como a tipa convencidota que acha que todos os homens do mundo irão querer andar à volta dela, que nem mosquitos para a lâmpada.

      Na vida precisamos de coisas shallow, light, rosa, falar de sapatos e malas e o que seja, foi para isso que criei o meu blog inicialmente: um desabafo de alguém que tinha saído de uma relação de quase 8 anos, que sempre foi certinha, acabou os estudos com boas notas e trabalhou desde sempre sem cunhas ou ajudas, que teve uma mãe com uma doença neurológica degenerativa de quem sempre cuidou e que tinha, após 15 anos, sido internada por se recusar a ser alimentada ou tratada, que esteve perto de morrer num acidente de viação, que nunca se valorizou o suficiente por ter crescido num ambiente de alguma violência familiar, cujo pai foi diagnosticado com esclerose...chega-lhe para relato de "too shallow"? É que, sincera e honestamente, posso já continuar a falar de coisas sérias, intelectuais, de autores literários ou a minha visão económica da crise.

      Pipoca, desculpe lá o desabafo, mas fartei-me um pouco de pretensiosismos blogoesferianos, quando eu nunca os tive e, agora que me vou embora disto, pouco me importa - fica aí o "desabafo" para quem quiser ler ;)

      Eliminar
    3. Lá está... Existe uma distinção entre a RC e a autora do blogue e não vejo porque é que a segunda ficaria ofendida com juízos feitos sobre a primeira.

      Eliminar
    4. Anónimo, não é ofendida e o desabafo não foi "dirigido", foi para se perder no ciberespaço.
      Simplesmente acho que olhando para o blog, que tem muito da minha pessoa, obviamente, uma perspectiva atenta percebe que há muito mais do que salta à vista.
      E sinceramente essa conversa do "todos se fazem a mim", é um mito bloguístico que já vi pulular demasiadamente, sem qualquer fundamento.

      Eliminar
  2. Eu gosto da Rosa Cueca, é mulher mas não é nada rosinha.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.