quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

E lá estava eu, a vê-la em lágrimas, apenas porque esvaziei a despensa e lhe entreguei uns pacotes de arroz, leite e afins, diz-me que hoje os filhos não vão ter fome, que não precisará de dividir, falo com quem devo, nos próximos dias a comida está assegurada, encaminho-a para o BA e dou graças a Deus pelas Jonets deste mundo, que sempre vão matando a fome enquanto as ajudas sociais não são desbloqueadas.

10 comentários:

  1. Frequento uma Universidade privada (cara, muito cara). Desloco-me de metro e de autocarro, e pago todos os meses os quase 500 euros de propinas que tenho o dever de pagar. E tenho colegas que se deslocam de Mercedes e BMW topo de gama que, escandalosamente, estão na lista afixada no placard da faculdade, a quem o Estado (?) paga as propinas. Devem fazer parte da lista interminável de corruptos deste país, empresários que não declaram os ganhos reais das suas empresas. Se não houvesse corrupção neste país, não seriam precisas Jonets neste mundo. Haveria menos Mercedes e BMW. E haveria mais pessoas a pagar as propinas que devem pagar. E o Estado poderia dar comida a quem precisasse, em vez de pagar propinas a quem não precisa (será que o dinheiro das propinas é para pagar a gasolina dos BMW?).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas são as situações revoltantes, infelizmente bem mais que meia dúzia de casos

      Eliminar
  2. Concordo que é um (pequeno) sossego saber que existem instituições e pessoas dispostas a ajudar os mais necessitados. Mas é verdadeiramente triste saber que há cada vez mais gente dependente da solidariedade alheia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade se bem que fico algo dividida, esta senhora por exemplo, tem 6 filhos. Na verdade não tem capacidade para sustentar 1 único. Vai passar a ter RSI, mas porque carga de agua hei-de ser eu a sustentar os filhos que ela resolveu ter? Obviamente que ajudo, faço o que posso, mas isto não é muito justo pois não? Algumas pessoas não pensarem nas consequências porque o Estado está lã para lhes garantir rendimentos mínimos... Enfim, não há sociedades perfeitas e a mossa tem muito que caminhar

      Eliminar
  3. Pipoca, aí não estamos de acordo: o Estado não deveria dar RSI coisa nenhuma, mas falhou porque não forneceu a essa senhora uma estrutura forte que lhe permitisse ter educação suficiente para não colocar no mundo 6 crianças. A educação é que combate a pobreza, não o RSI. Aplicavam esse dinheiro em educação e daqui a vinte anos a Jonet podia dedicar-se mais a outra coisa, tu não terias de abrir a tua despensa e eu não teria de fazer certas coisas que o meu marido não aprova (diz que é caridadezinha), mas que me permitem reconciliar-me um pouco com situações revoltantes. Os cidadãos são os filhos do estado. Ora, eu sou melhor mãe quando faço os trabalhos à minha filha, ou quando a ensino a fazê-los, deixo-a fazer e depois corrijo os seus erros para que aprenda? Não é com RSI que vamos lá, de certeza.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então estamos de acordo, eu não sou pelo RSI a não ser em algumas excepções, como seja o caso de idosos sem possibilidades. Anda muita gente a viver à custa disso porque simplesmente é mais cómodo não trabalhar. Aliás, se quem usufruísse de RSI fosse obrigado a fazer voluntariado, nem que fosse companhia a idosos, a coisa piaria de outra maneira.
      Mas entretanto o que vamos fazer? Deixar crianças passar fome? É um pau de 2 bicos, as crianças não têm culpa da estupidez, irresponsabilidade ou falta de formação dos adultos. E o pior é que, educadas com estes exemplos é pouco provável que se tornem adultos diferentes dos pais.
      Mas acho que ninguém tem o direito de esperar viver à custa de outrém ad eturnum..

      Eliminar
  4. Deus lhe pague Pipoca. Conheço tanta gente em dificuldade.

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.