quarta-feira, 28 de novembro de 2012

E por cá...?

De que se fala? Ainda do Sparky? Já todos se insurgiram contra a lei Portuguesa? Das doenças dos filhos que não deixam dormir? Do frio que teima em se fazer sentir? Das compras que não vão fazer no Natal? Do bom quer é decorar o pinheirinho? Daquilo do último espécime da trilogia? Da maluca da Shonda que deu em matar o Mc Steamy? Dos malvados dos anónimos?

(tudo retórico, tudo retórico...)

8 comentários:

  1. "Ainda " sobre o Sr. Grey e a menina Anastasia queria dizer uma coisa; aquilo é um plágio de Corin Tellado, a autora só acrescentou muito sexo puro e duro, erotismo népia !!!

    Embora eu ache que alguns homens podiam aprender alguma coisa lendo o livro.

    ResponderEliminar
  2. Fala-se do Papa e do presépio e do burro e da vaca ou dos Reis Magos ou do Gaspar ... que quer o ouro todo...!!

    ResponderEliminar

  3. Ora seja muito bem reaparecida, que já começava a temer seriamente se a menina não teria sido capturada na curva por uma cilada da GNR, sabido que é a fogosidade dos equídeos desses carros “alemãos”.
    Pois olhe! Não se fala nada, ou por outra: falar falar, isto é, ganas de papaguear, isso há por aí em pangaia mas por aí se quedam as boas intenções que as vozes foram, lamentavelmente, sufocadas à nascença por: primeiro por carência de conhecimentos litúrgicos, (imagine a menina que ainda havia ignorantes que diziam testemunhas de Jeovás ou invés de Jeová), e segundo por trancas a seu devido tempo metidas pelos condóminos nas suas habitações, a fim de as silenciarem de vez.
    De resto nada de mais se falou, aconteceu e muito pelo contrário, todo o mundo sobreviveu.
    Só uma pata perdeu por momentos a ninhada de vista, mas nada de preocupante porque sabiam o caminho e a mãe patinha não teve grandes dores de cabeça nem preocupações de maior que a prole deu com o carreirinho de volta num ápice. Diz-se também, murmura-se, consta-se, mas sabe-se como é, não é? Quem conta um conto aumenta um ponto e portanto nada de certezas fidedignas e sim por ecos dispersos trazidos por uns ventos laterais; a acreditar, malévolos; que umas periquitas ficaram afónicas, mas também nada que uns dois ou três dias de chapéu nas cabecinhas não resolva. Os miolos arrefecem e tudo volta ao normal.
    Há quem diga também, gente radical: que não foi nada assim e tudo não passou de uma diabólica maquinação bem-estruturada. Mas eu ponho as minhas dúvidas.

    ResponderEliminar
  4. Olá olá. Eu posso falar do pinheirinho, que ando em pulgas para fazer o meu.

    ResponderEliminar
  5. Pois que já tinha saudades!
    Eu cá continuo a falar do que me vai dando na bolha; é um bocadinho aleatório...

    ResponderEliminar
  6. Pobres equídeos, eu gosto de equídeos, vendo bem eu gosto de animais em geral, até de osgas, acho desagradável ter-me esquecido disso do burro e da vaca.

    ResponderEliminar
  7. Também se mandam indiretas do Facebook para os blogues, mas esse Facebook é tão desinteressante que pouca gente deu por isso!!!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.