sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Ainda a Isabel

"A obra de Isabel Jonet fala por si. Mas há uma certa categoria de gente para quem o importante são palavras. Para quem os pobres não são pessoas reais, com qualidades e defeitos, mas categorias político-filosóficas abstratas. Claro que nenhum daqueles que critica violentamente Isabel Jonet terá feito um centésimo do que ela fez no combate à pobreza e à fome em concreto. Mas a pessoas assim não interessam obras nem atos concretos. Apenas ideias e palavras.
E vivem iludidos com palavras a vida toda."

50 comentários:

  1. Nem mais! Fiz ontem um post sobre essa situação! Concordo com ela!

    ResponderEliminar
  2. O poder da palavra é muito forte. Quem nao sabe analisar a realidade não fale, actue apenas. Aquilo que jonet fez foi afastar muita gente de um projecto que chega a muita gente. Da minha parte enquanto a tia lá estiver nem mais um saco de arroz.

    ResponderEliminar
  3. A pipoca picante nao vai aos Alpes, mas fica incomodada porque a empregada tem 2 telemóveis. Sei lá as tantas a Sra. Ate lava os dentes com agua a correr... Sei lá! Essa pobre que come bifes em vez de feijão a comidinha desses pobres... Que se atrevem a comer bife...sei lá.

    ResponderEliminar
  4. Querido Anónimo,
    Está muito enganado, eu vou aos Alpes. Apenas disse que teria de cortar 1 ida aos Alpes, costumo ir 2 vezes ao ano. E sim fico aborrecida porque para o ano só lá irei 1 vez. Acha que não tenho o direito de me aborrecer?
    E engana-se se pensa que me aborrece o facto da minha empregada ter 2 telemóveis, por mim poderia ter 20, não quero nem saber. Mas aborrece-me o facto de ela constantemente me fazer um choradinho por não ter dinheiro, por todos os meses me pedir o ordenado adiantado que precisa de levar a filha ao médico e não tem dinheiro, que precisa de pagar o passe e lhe falta o dinheiro. Mas tem dinheiro para 2 telemóveis... e para a levar à kidzania duas vezes ao mês. Está a ver a contradição? Está a ver a gestão de prioridades? Está a ver o supérfluo? Estará por acaso a ver onde é que a minha empregada terá de cortar?

    Já eu... poderia ir à kidzania todos os fins de semana se me aprouvesse, ter 20 telemóveis, comer lombo de vitela diariamente. Sabe porquê? Porque posso fazer tudo isso e ainda poupo uma parte significativa do que ganho. Mas para continuar a fazer isso vou ter de deixar de ir aos Alpes 2 vezes ao ano. Ou então... poderia passar a pedir um adiantamento de salário ao meu patrão, ou pagar a viagem a prestações... Mas lá está. Não faço isso. Vivo com o que tenho não descurando o futuro. Dá-me licença que fique aborrecida por ter de cortar Meribel em Dezembro? Posso?

    ResponderEliminar
  5. A empregada da pipoca cheia de luxos, que faz mas opções , que se calhar nao vai a missa, se calhar mete se na pinga, nao gere o dinheiro como a pipoca acha que deve ser . Apesar da sra. Trabalhar para isso e ainda se atreve a levar a filha à kidzania. Se calhar também come bifes vejam lá!!! Estes pobres cheios de dinheiro e nao têm noção de como o gerir e gastam em luxos...

    ResponderEliminar
  6. Anónimo não percebeu mesmo nada do que eu disse, pois não? É triste, pensei que o exemplo tivesse sido claro, mas eu sou paciente e hoje tenho tempo. Explico outra vez: cada um gastará o que tem conforme melhor lhe aprouver. Mas convém que gaste primeiro no essencial e depois no supérfluo, sim o 2º telemóvel ou a kidzania são supérfluos quando comparados com um passe social ou uma ida ao médico. Quando o essencial leva o dinheiro todo não se poderá gastar no supérfluo, não lhe parece? Ou acha que a solução passa por gastar primeiro no supérfluo e depois chorar porque não tem para o essencial?
    E, pasme-se, o supérfluo, varia consoante os ordenados. Ou defenderá talvez a República de Platão?

    ResponderEliminar
  7. Essa demagogia não me convence. Se alguem prefere ir a um concerto e passar os últimos dias do mês a comer atum. Nao comprar o carro de marca para poder antes fazer uma viagem. Fumar porque lhe dá prazer e nao ir ao medico é um problema de cada um, opções que nao me compete avaliar. Nem quero saber... Meto me na minha vida. O que a minha empregada faz com o dinheiro dela é com ela... Ganhou - o para isso. Conheço muita gente que pede subsidio adiantado para viajar é um problema deles. Ela pede para pagar telemóveis ou ir a kidzania. Tem bom remédio nao pague adiantado se lhe faz falta ou pelos vistos comichão por achar que é para gastar mal... Na sua opinião lá do alto de como deve ser gerido. Tenho para mim que se a Sra. Nao precisasse nao estaria a lavar a sua sanita eu nao estaria de certeza...

    ResponderEliminar
  8. Vozes de burro não chegam ao céu...
    Quem tem dinheiro para gastar em viagens de avião anuais, para ir à kidzania, a concertos ou ao raio que o parta, não deveria depender do rendimento de inserção, não deveria pedir adiantado porque não tem para comer ou para ir ao médico, não deveria depender da ajuda e boa vontade de terceiros. Terceiros esses que não pedem nada a ninguém e se limitam a gastar o que têm.
    Quem decide gastar em concertos ao invés de comida está no seu direito. Não venha é depois pedir comida. Fui clara, agora?

    ResponderEliminar
  9. Que eu saiba no exemplo que deu a sua empregada nao depende do rendimento de inserção da pipoca mas do trabalho que ela faz na sua casa. Se acha que quem depende do rendimento de inserção viaja, vai a kidzania de facto estamos conversadas. Sao todos uns chulos que vivem bem e se aproveitam de nos os que trabalhamos... Paulo portas nao diria melhor...

    ResponderEliminar
  10. A minha empregada tem rendimento de inserção. Trabalha em minha casa em part time e já recusou empregos que lhe arranjei por lhe ocuparem demasiado tempo. Eu, que não peço nada a ninguém, trabalho 3 ou 4 vezes mais horas que ela.
    Como deverá calcular, a minha empregada é um mero exemplo, há muita gente que pensa e vive como ela. Não tenho a menor dúvida que vive acima das suas possibilidades e que tem as prioridades trocadas. São esses que terão de se reinventar.

    E eu fui educada a viver de acordo com as minhas possibilidades. primeiro o básico, depois o supérfluo e depois o luxo, pelo meio a poupança que não se sabe o dia de amanhã. Como tal, acho e tenho todo o direito de achar mal, que se venha pedir ordenados adiantados porque se precisa de levar a filha ao médico, quando no mês anterior se levou a filha a Cabo Verde. São mentalidades.

    ResponderEliminar
  11. Aqui entre nós, se a sua empregada é a trafulha que descreve, eu não a teria a trabalhar na minha casa. Mas a partir do momento em que a emprega e lhe paga o seu trabalho, apenas tem poder ou direito de opinar sobre o trabalho realizado, e não sobre a forma como ela gasta o que ganha.
    E já agora, quanto paga? Não é uma pergunta inocente, mas com certeza se quisesse uma pessoa mais profissional pagaria mais, não ?

    ResponderEliminar
  12. O sistema propicia estas coisas. Conheço variadíssimos casos assim.
    Ela é honesta no sentido de que seria incapaz de tirar o que quer que fosse cá de casa. E isto de poder entregar as chaves descansado vale ouro.
    É verdade que não lhe pago nenhuma fortuna mas ganha mais do que ganharia se estivesse numa empresa de limpezas. Há enfermeiros a ganhar pior e por trabalho bastante mais especializado.

    ResponderEliminar
  13. (e peço desculpa Izzie, mas eu tenho todo o direito de achar mal a maneira como uma pessoa gere as suas prioridades, ainda para mais se for afectada por isso)

    ResponderEliminar
  14. Estou convencido que um operário merece passear a Cabo Verde, A Acapulco ou onde quizer, assim como um médico merecia ter um jacto particular. Depois de satisfeitas as necessidades básicas, tudo é legítimo. Defendo até um orçamento com percentagens: 60% para o básico (alimentação, renda de casa, etc), 30% para vestuário e transportes (se der para um BMW, melhor) e os outros 10% para fazer subir o ego, ou seja, pura extravagância, pode ser a viagem a Marrocos, o anel de diamantes ou simplesmente um prato de picanha. Obs: Para telemóveis dedico 0% - odeio essas máquinas!!!

    ResponderEliminar
  15. É o discurso da merkel a culpa é dos portugueses que vivem acima das possibilidades, pobrezinhos que nao sabem gerir o dinheiro. Continuamos a subsidiar bancos fraudulentos que chuparam o estado, políticos corruptos que amapararam todos os golpes, uma Alemanha que obrigou os pobrezinhos a parar de produzir para agora terem que lhe comprar os produtos a preços a triplicar. A culpa diz Jonet e merkel sao desses piegas portugueses que nao sabem gerir o dinheiro e querem comer bifes...

    ResponderEliminar
  16. Não vá por aí Anónimo. Ninguém falou em culpas, a questão é que quem quer comer bifes tem de ter dinheiro para os pagar e como tal talvez não possa ir a concertos.

    ResponderEliminar
  17. Se estamos todos de acordo que o exemplo dos bifes e concertos de rock foi infeliz, tudo bem. É que o facto de a carapuça poder servir a alguns dos portugueses, não significa que sirva a todos. As pessoas que a Jonet ajuda no Banco Alimentar certamente não se encaixam nesse lote de gente que quer comer bifes todos os dias e vai a concertos rock em vez de ir ao médico. Acho que falar de mudança de hábitos nestes termos, com estes exemplos, é gozar com os pobres, mesmo.

    C

    ResponderEliminar
  18. espera ó Pipoca, tenho um exemplo mais concreto e real: e a empregada da minha mãe que ganha limpo sem impostos e o marido igual idem aspas, que declaram rendimento mínimo no IRS que se passeiam com roupas de marca (uma vez chegou a dizer que tinha comprado um fato de treino de 200 euros ao filho), que têm samsungs galaxy e que usufuem do BA porque são pobrezinhos, e cuja filha entretanto engravidou aos 16 anos e teve o bebé e que recebeu um subsidio de ajuda por parte de uma associação IPSS, que lhe foi arranjado trabalho e alojamento, uma medida de apoio a mães jovens ou adolescentes (que ela recusou) e que entretanto pediu dinheiro emprestado à minha mãe para comprar um carro??? são pobrezinhos.....pobres! o IRS não o desmente, vão pedir ajuda todos os meses ao banco alimentar!!
    Izzie as coisas não são assim tão lineares, é tão fácil falar da boca para fora...ela faz bem o trabalho em casa da minha mãe e só muito recentemente é que a minha mãe tem vindo a descobrir todas estas coisas, trabalha lá há anos, ganha-se respeito e amizade pelas pessoas e depois descobre-se que as coisas não são assim como elas as pintam, mas agora vai despedi-la?? lá está, ela desemprenha bem o seu trabalho.... a minha mãe já tentou pagar-lhe a recibos e ela recusa...não quer reportar-se, como ela há muitos, essa anónimo é a verdadeira demagogia de um pa+is que nega o que está a acontecer com a sua sociedade...a empregada da minha mãe e o marido ganham mais do que uma familia de classe média, ninguém os inveja, optimo para eles, mas armam-se em pobrezinhos para os que lhes convém, os meus pais têm casa paga, um carro de alta cilindrada pago, tem empregada sim, não andam a ostentar fatos de 200 euros e a pedir dinheiro emprestado a ninguém, vivem com o que têm, podem ter mais do que os outros (ainda acho que isso não é crime) mas também prioritarizam e sabem fazer a distinção entre o essencial e o superfluo, entre o certo e o errado.

    ResponderEliminar
  19. Ironia é isto:
    A Pipoca tem a caridade de dar trabalho à sua empregada, a quem paga acima do que esta ganharia em qualquer outro lugar, porque "o sistema propicia estas coisas".
    Espero que pague a Segurança Social do part time da sua empregada.
    Subsídio de férias e de Natal.
    Santa Hipocrisia!

    ResponderEliminar
  20. É... para comer bifes é preciso ter dinheiro para os pagar, pena é que, para ter dinheiro, não basta, apenas, trabalhar e só gastar no essencial, era preciso que o estado não cortasse tanto a uns para dar aos mesmos de sempre. O que me revolta não é a questão de termos de viver consoante as nossas possibilidades, porque defendo e sempre defendi isso, antes porém, a impressão que passa de que a culpa não é de quem mal geriu e muito roubou os cofres do estado, do qual todos nós fazemos parte.

    ResponderEliminar
  21. C:
    Eu acho que apenas se tratou de um exemplo infeliz, uma má escolha de palavras.
    Mas continuo a achar que há muita gente com as prioridades todas trocadas, e por mais que doa, não é só entre a classe média. Há muito "pobre" que é pobre por gastar em bens não essenciais.
    A Xuxi acabou de dar um exemplo, o da minha empregada é semelhante. E não, não a despeço porque gosto do trabalho dela.

    Quanto ao anónimo da ironia, meu caro, não emprego ninguém por caridade, não pago acima da média, até pago abaixo. Pago mais que pagaria uma empresa de limpezas, o que é completamente diferente. E pago tudo o que ela tem direito de acordo com a lei Portuguesa. Não exploro ninguém. E também lhe digo que posso pagar o que me der na real gana, já que não prendo ou escravizo ninguém. Quem não gosta das condições pode sempre ir para outro sítio.

    ResponderEliminar
  22. Ainda a ironia:
    Minha cara:QUANTA HIPOCRISIA!

    ResponderEliminar
  23. "Na minha família os animais domésticos não eram cães nem gatos nem pássaros; na minha família os animais domésticos eram pobres. Cada uma das minhas tias tinha o seu pobre, pessoal e intransmissível, que vinha a casa dos meus avós uma vez por semana buscar, com um sorriso agradecido, a ração de roupa e comida.

    Os pobres, para além de serem obviamente pobres (de preferência descalços, para poderem ser calçados pelos donos; de preferência rotos, para poderem vestir camisas velhas que se salvavam, desse modo, de um destino natural de esfregões; de preferência doentes a fim de receberem uma embalagem de aspirina), deviam possuir outras características imprescindíveis: irem à missa, baptizarem os filhos, não andarem bêbedos, e sobretudo, manterem-se orgulhosamente fiéis a quem pertenciam. (…)”

    (António Lobo Antunes, retirado daqui http://marioruivo.wordpress.com/)

    Grave não são os bifes, os concertos, as radiografias ou a água que os filhos da senhora gastam (com o seu consentimento, portanto). Grave é o facto deste texto espelhar o modelo de sociedade que esta senhora (ainda que envergonhadamente) preconiza. Grave é que tudo isto não deixa de ser coerente com a caridade (sim, caridade, porque é SÓ disso que se trata) que esta senhora pratica há 20 anos para com quem é pobre e tem obrigação por isso de se conformar, aceitar o arroz e a pobreza e desistir de Querer, de Lutar e se Sonhar.

    Mais grave que todos os disparates que esta senhora disse é o facto de vivermos num país, em que existe ainda tanta gente que não consegue sequer perceber a gravidade desta deste tipo de discurso. 1974. De facto tão perto e tão longe.

    ResponderEliminar
  24. Aproveitamento e gente com prioridades trocadas sempre houve, não é moda de agora. Aproveitamento no caso, por exemplo, de filhos de pais ricos que pediam bolsas de estudo so porque podiam; prioridades trocadas porque desde miuda que me lembro de gente q vive de aparências, fazem de finos, a tratar os filhos por voce e a andar com roupa de marca e dps mandam os filhos para a escola sem comer porque não tem para lhes dar. O que também há hoje em dia e não havia tanto dantes é gente que é obrigada a mudar radicalmente de vida porque ficou sem emprego, porque tem contas para pagar, filhos para sustentar, etc. Para essas pessoas, que não são assim tão poucas como isso, gente que não fez vida de lorde quando não podia, não viveu acima das possibilidades, que se calhar gostavam de ir a concertos e comer bifes de vez em quando e agora não podem, o comentário da Jonet é injusto, é o que eu acho.

    C

    ResponderEliminar
  25. (Parece que a "Mãe" andou a colocar esse mesmo comentário em todos os blogues.)

    Epá, oh "Mãe", ricos todos gostaríamos de ser mas como, infelizmente, não pode ser, temos de nos contentar em "querer, lutar e sonhar".

    Mas do "querer, lutar e sonhar" até a ir ao BES pedir empréstimo para a casa, à FNAC pedir empréstimo para o ipad, à COFIDIS pedir empréstimo para a viagem... Quer dizer... E se nos limitássemos a adquirir os bens à medida das nossas possibilidades?

    Não tenho dinheiro para carro? Ando de transportes públicos. Não tenho dinheiro para comprar uma casa na grande cidade? Arrendo uma nos arredores. Não tenho dinheiro para um iphone? Compro um telemóvel da treta (faz e recebe chamadas, right?)

    A gravidade não está no discurso da senhora, a gravidade está no facto de muitas pessoas estarem a viver acima das suas possibilidades. E ainda acharem que isso é um direito, provavelmente vindo de 1974.

    ResponderEliminar
  26. opá não vale a pena, Pipoca, desiste, não há diálogo possível, sabem o pior do vosso país? vocês vão morrer asfixiados com essa mentalidade obscura e avestruziana...sim sim, os ricos é que estão a oprimir os pobrezinhos, os ricos são o demónio. o modelo de sociedade que esta senhora preconiza??
    se vocês é que se têm enterrado nas vossas más escolhas e endividamento....já agora é bonito e pergunto se acham bem que a europa do norte leve com os tipos da europa do sul, e tenha de os sustentar, os calões espanhois, os gregos, e os portugueses que como todos vocês vem para aqui comentar e surfar na internet, quando estão no horário laboral, vão mas é trabalhar pá!!
    que povinho.....
    ps- eu não trabalho porque não preciso de trabalhar
    uiiiiiiiiiiiiii que demónio e que puta que sou

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma tipa que não trabalha portanto uma parasita do marido provavelmente que manda os outros trabalhar que se chama de puta e quem sou eu para desmentir! E ainda ofende todos os portuguesese e gregos com os discurso da gorda merkel. Oh mulher vá trabalhar que essa cabeça oca nao da para mais. Ou no mínimo vai estudar pá !!

      Eliminar
  27. Xuxi: parece que os "malandros" não são só os da europa do sul...esse discurso é muito bonito mas não é só essa a realidade do país em que eu vivo. Em Portugal, há muito boa gente que sempre pagou as suas contas, que não se endividou e vive MAL.

    http://economia.publico.pt/Noticia/um-em-cada-dez-alemaes-esta-altamente-endividado-1571766

    ResponderEliminar
  28. Xuxi, não é preciso ser assim. Tanto falou mal dos invejosos e ressabiados da classe média (deve ser o meu caso, que sou classe média), mas está a ter um discurso muito infeliz, também. Não é portuguesa? Então porque fala da 'vossa' mentalidade? Não é também a sua? Ou só porque vive nos states e não precisa de trabalhar já não é 'preta' como nós? Tenha paciência! Parece discurso de novo rico. Tenho lá tempo para invejar o dos outros, já tenho trabalho suficiente a governar a minha vida. E o que tenho está pago, sei lá se o bmw do outro ao lado está. Não generalize e tenha calma, nem todos os tugas são gastadores compulsivos, malucos, ou chupistas. Há sempre quem o seja, mas a maioria, grande maioria, é gente trabalhadora que anda à rasquinha e a ver o seu trabalho a valer cada vez menos. Mas não cuspo nem para o ar nem para os outros, não me cuspa a mim.

    ResponderEliminar
  29. Sim, coloquei o MESMO comentário em alguns blogues que visito habitualmente. Grave seria se colocasse comentários de sentido antagónico em diferentes blogues. Parece-me.
    E sim, até o endividamento acima das possibilidades é um direito de cada um. Por muito que esta coisa estranha do Estados de Direito ou das Sociedades Democráticas custe a alguns.

    ResponderEliminar
  30. Mãe, o endividamento não é um direito (para alguém que fala muito em Estado de Direito parece saber pouco do mesmo), quanto muito será uma liberdade.

    O pior é há consequências sérias pela prática dessa liberdade.

    Eu bem os aturo nos Juízos de Execução quando vão para lá chorar, porque os bancos são maus, porque o tribunal é um malandro, porque os advogados são ralé, porque os solicitadores de execução são uns velhacos... Claro que os outros é que são o diabo.

    Mas, pronto, Mãe, provavelmente, é fixe ter os seus bens penhorados porque se quis brincar aos ricos! Afinal, "era um direito"!

    ResponderEliminar
  31. Anónimo, menos OK? A Xuxi não me ofendeu, sim que também sou Portuguesa, portanto tenha lá cuidado com essas generalizações. E se o marido não a considera parasita a coisa é lá entre eles os dois, o resto do mundo não terá nada a ver com isso.
    E a gorda da Merkel não tem de pagar as dívidas dos Portugueses e dos Gregos. Seria como pedir ao corno que pague o aborto da amante do marido.

    ResponderEliminar
  32. Xuxi, tão maior que a sra é, e desceu tão baixo? Eu assino por baixo do comentário da Izzie,e mais não me parece que mereça.
    Passe bem.

    ResponderEliminar
  33. Ó Izzie. Diz que nem todos os tugas são gastadores compulsivos, malucos ou chupistas, mas pelo menos 17.000 são isso tudo seguramente. Os que em menos de uma hora limparam a bilheteira para o espectáculo dos “One Direction” para dia de 26 de Maio de 2013, a 60 euros por bilhete.
    Se o recinto comportasse 50.000 lugares, 100 ou um milhão, também esgotaria, só que levaria mais uns minutos.
    São suposições minhas? Talvez, mas com fortes probabilidades de veracidade pelo que a venda desses bilhetes na candonga; primeiro a 150 euros, depois a 250 e agora a 300, não só deixam supor como autenticam a minha suposição.
    E a culpa é da senhora Merkel.

    ResponderEliminar
  34. Xuxi: e so mais uma coisa que parece que se está aqui a fazer confusão. a dívida privada, das tais famílias que vivem acima das possibilidades não é exactamente a mesma coisa que a dívida pública. Ou seja...a dívida privada é má para quem a tem e para quem fica a haver com o €, que fique sabendo que certamente não são os cidadãos exemplares e sem mácula da europa do norte. a dívida publica, a que realmente os outros podem vir a "pagar" não foi criada por "parasitas-que-vivem-acima-das-possibilidades". Era só.

    ResponderEliminar
  35. Mãe,
    Não gosto de António Lobo Antunes, sei é que "in" dizer que é o máximo mas eu acho-o um enormíssimo chato.
    Essa crónica foi escrita há 20 anos. Obviamente que só poderia ser originária de um tablóide como o Arrastão, nem sei como não percebi antes.
    E já agora, o quê é que isso quer dizer? Que a culpa de haver pobres é da coitada da Isabel Junot? Ou que ela apenas fundou o banco alimentar para se evidenciar e portanto deveria era estar quieta a fazer as suas comprinhas e a beber os seus cházinhos? É melhor não fazer nada que fazer alguma coisa? É que sinceramente não entendo... logo eu que gosto de entender as coisas.

    ResponderEliminar
  36. Ora Pássaro, não seja assim... também já é ter mau feitio, caramba. Pois que direito terá alguém a criticar as prioridades alheias? Esses 17.000 são de certeza os ricos, aqueles que quando dão, mais valia estarem quietos. Tenho a certezinha que ninguém terá deixado de pagar uma conta que seja para comprar um daqueles bilhetes de 60 euros.

    (achei que se tinha zangado comigo...)

    ResponderEliminar
  37. Anónimo,
    o problema é que todos, uns mais, outros menos, teremos de pagar essa dívida pública. E é por isso que todos já estamos mais pobres. E provavelmente também será por isso que alguns deixarão de comer bifes, ainda que nunca se tenham endividado privadamente. Se é justo? Não é. Mas é a triste realidade. Não adianta crucificar quem faz alguma coisa para colmatar a pobreza, quem já tem obra mostrada. Mas agarrar no computador e falar mal é fácil, muito mais fácil que dar a cara por um projecto admirável.
    E pronto. Não me apetece falar mais sobre isto, cada um pensará como quer, tendo eu a certeza de quem quem já teve o infortúnio de beneficiar desta obra estará muito grato a quem a desenvolveu. No final do dia é isso que importa.

    ResponderEliminar
  38. "Os Portugueses sao estúpidos.. o Português é um sacana de um invejoso.." resta-nos a iluminada da Pipoca Picante, da Jonet, da Xuxxi dos States e da Zizzie que acompanham este blog. Cambada de gente, que apesar de não partilhar estes "defeitos" com os restantes patriotas, sofrem de um problema bem mais grave, a falta de formação/informação que afeta uma parte da população. http://www.ionline.pt/opiniao/perigosas-omissoes-isabel-jonet


    ResponderEliminar
  39. Carla,
    Será talvez imprudente achar que sabe o que eu penso a propósito de culpados da crise, já que eu não teci qualquer comentário sobre esse assunto.
    E se ouviu o que disse Junot, ela falou de todos terem de empobrecer e aprender a viver com menos. Também não me lembro de a ouvir dizer que a culpa é da classe média, tal como sugere "o jornalista" que nem sequer se identifica. Mais, o link que a Carla partilha nem sequer é factual. Trata-se de uma mera interpretação "do jornalista" sobre aquilo que ele pensa que Isabel Junot pensa. Pior.. agrega toda a direita nesse pensamento que ele pensa.
    Convenhamos que é um pouco simplicista, não?

    ResponderEliminar
  40. hahahhahahahhaa isto tá lindo é só amandar o barro à parede que cola...
    hahahhahaa
    eu sabia, eu sabia
    que previsibilidade
    o ódio, a inveja....
    afirmar que não se trabalha porque não se precisa, como ouso? quem sou eu?? uma preta feita branca nova rica, parasita do marido, baixa e cabeça oca....diaba e puta que ninguém o desmente e sabe lá o que mais!! hahahahhahaha

    ResponderEliminar
  41. Anónimo das 00:47, não temos nenhum conhecimento de economia, certo? Essa ideia de que a dívida privada nada tem que ver com o actual estado do país, é... sei lá, tonta?

    ResponderEliminar
  42. Caso fosse eu a sua empregada, despedia-me de imediato. Você não vale um corno!

    ResponderEliminar
  43. A sua amiga Jonet está a precisar de cortar nos bifes também. Um dia não anda, rebola!

    Se os pobres têm de cortar ainda mais, os ricos muito mais ainda! Porque os bifes, o arroz, a electricidade, e outros tais, vêm do mesmo sítio, do estrangeiro! Não é porque têm dinheiro para os pagar que podem arrotar a caviar. Se o discurso serve para uns, também serve para os 10% que representa os ricos, entendeu rica?

    E mais: parem de comprar as roupinhas no estrangeiro, parem de fazer visitas ao estrangeiro. Fiquem e gastem cá dentro.

    ResponderEliminar
  44. ...exacto, o anónimo das 9.17 está certo, até porque a dívida pública não veio a voar num balão, eu podia dar uma lição de economiazinha ao anónimo (introdução à economia quiçá ou mesmo economia internacional inclusivé que estudei durante pelos menos 2 anos) mas tenho de ir lavar pratos (assim não adoesto ninguém, não é?)
    que baixeza que vai por aqui, o que não me espanta

    ps-fiz um teste aqui e pavlovianamente aconteceu o que esperava. Comprovei a minha teoria: fui linchada virtualmente e apedrejada publicamente nesta caixa de comentários...gratuitamente, cobardemente, Ninguém pode dizer nada polémico o suficiente e que seja contrário à mentalidade dos demais, sem que seja criticado e ofendido e perseguido. Nos dias de hoje, comprovada e infelizmente, vive em Portugal uma sociedade tão ou ainda mais fechada do que em 74, obscurantista, ignorante, comezinha e profundamente néscia.
    Sem saberem ter grandes aurgumentos, sem os debates que realmente importam, sem se conseguir chegar aos pontos da questão e por fim, sem conseguirem ver a realidade.
    ps- parece que se tem de explicar tudo e isto cansa...por isso não me alongarei mais sobre este assunto (até porque a Pipoca tem sido generosa o suficiente para aturar esta verborreia que se anda aqui a passar e às vezes até tem necessidade de ser moderadora, por caixa da verdadeira falta de educação e nível que vai por aqui -reflexão ainda desta sociedade mergulhada na podridão- e ninguém merece!!) Quando falo em tom generalista, não falo para todos como é óbvio, é uma generalização, todos sabemos que não são todos, por isso quem é inteligente e informado, não se ofende. Só se pica quem é pico. Tal e qual como a Isabel Jonet picou os picos...
    Anónimo das 12.24: "A sua amiga Jonet está a precisar de cortar nos bifes também. Um dia não anda, rebola!" ahahahahhaah adorei! lindo!! mesmo!! hahahahaha!!!! a gorda!....

    ps- e o que é para o almoço hoje hein?? contra a anemia da alma e das ideias pobrezinhas (isso é que é a maior crise, a de avlores) nada como um um bife em sangue. Espera lá, bife?? fillet mignon mas é...!!

    ResponderEliminar
  45. Xuxi, não se tenha em tão alta conta. Acredita mesmo que eu ia invejar ou gastar tempo a odiar uma dona de casa de jersey, com o nível pessoal, intelectual e cultural que por aqui ostenta? Please. Antes trabalhar doze horas por dia, fins de semana incluídos, para pagar um T1 na Damaia, que invejá-la. Com pessoas como a menina, simplesmente não tenho o hábito de perder tempo. Passar bem.

    ResponderEliminar
  46. Nem mais! Para estas novas ricas só merecem é desprezo e o melhor é as pessoas ignorarem que tal gente existe. Só tem manias armada em rica, mas nem se lembra que ela só tem garganta porque tem pais ricos porque senão tivesse andava a trabalhar de sopeira e depois queria ver se não ia gostar de comer a sopa dos pobres. E a Pipoca é outra igual, mas deus não dorme e quem esta em cima depressa está em baicho e quem está em baicho depois está em cima e quando menos ela conta ainda vai ser ela a empregada da empregad dela e depois quando andar a pedir vai dar valor a pobresa, porque deus castiga e não dis quando.

    ResponderEliminar
  47. Compreendi perfeitamente a mens da Pipoca e estou inteiramente de acordo, fui educada com a noção do equilibrio, seja no que for.

    Acho lamentável que se perca a noção de respeito pela opinião alheia. Poderia ter sido interessante ter lido os vários e diferentes comentários que por aqui passaram. Porque quando queremos defender uma ideia nossa ou de alguém, temos que insultar quem de nós discorda? Por aqui se vê bem a falta de educação e formação de nós 'Portugueses'.

    O facilitismo do acesso ao crédito e o consumismo desmesurado levou a maior parte de nós, ao caos. Em todas as classes sociais.

    Haja bom senso.

    Já agora gostaria de dizer que os ricos, na sua maioria, não comem bifes. A realidade gastronómica dos ricos é outra, bem mais interessante e saborosa.

    ResponderEliminar
  48. Gente,

    Vamos lá com calma. Nunca a frase isto são só blogs fez tanto sentido.
    Terei a minha parte de culpa por ter deixado passar alguns comentários mais "em cima da linha"
    Não acredito que a Xuxi pense o que disse a propósito de todos os portugueses... foi uma generalização no "calor da discussão"
    E a Izzie sempre me pareceu uma pessoa correctíssima, concorde-se ou não com a sua opinião.
    Vamos discutir as coisas com respeito e sem ofensas fáceis e gratuítas, sim? É muito mais divertido puxar pelos neurónios que cair no insulto.
    Não enumero as restantes pessoas que tiveram a amabilidade de aqui vir comentar (sem qualquer ironia), por serem muitas, teria de ir lá acima ver quem disse o quê e sinceramente não me apetece.
    Se querem ofender alguém, ofendam-me a mim, que até acho graça dizer umas coisas e ter algumas reacções esperadas.
    Vamos discutir, dizer que sim ou não mas com respeito, ok?
    Bom fim de semana a todos!

    ResponderEliminar

Os comentários são da exclusiva responsabilidade dos comentadores.
A autora do blog eliminará qualquer comentário que ofenda terceiros, a pedido dos mesmos.