segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Desenganem-se os que pensam que este é um post fofinho de Feliz Ano Novo

Em verdade vos digo que desejo que 2013 vos traga tudo aquilo que semearam e merecem colher. Quanto a mim? Não se preocupem comigo, os meus desejos são singelos, quero, em 2013, continuar a festejar a passagem do ano a beber disto, estou certa que sim, assim será, Deus Nosso Senhor deu-me uma cabeça que funciona, dois braços para trabalhar, em havendo saúde, os meus desejos realizam-se sempre, a minha vida é estupidamente fácil, praticamente sem contrariedades.
Até para o ano pessoas, que seja um ano bom, repleto de gargalhadas e que, acima de tudo, recebam de volta tudo aquilo que fizerem aos outros.

(agora vou ali encharcar-me em álcool, hoje não conduzo)

sábado, 29 de dezembro de 2012

Este ano tinha sido um bom ano até ter sido parada com 0.52. Ninguém é parado com 0.52, de repente uma pessoa vê-se rodeada de gente que até chora, de gente que vai presa, uma pessoa nem acredita que aquilo está a acontecer, a policia até estava com algum dó de uma pessoa, jantares caros, estes,  que acabam por ficar em 300€, uma pessoa tem agora de falar rapidamente com alguém das leis, que uma pessoa corre o risco de ficar sem carta e uma pessoa não pode, pura e simplesmente ficar sem carta, ou as coisas deixarão de ser como têm de ser.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Este ano (post antecipado de fim de ano)

Tinto Alentejano acompanhado de russos e Bach, tinto do Douro acompanhado de gargalhadas e sorrisos cúmplices, encostas alvas com neves virgens a -20º, demasiadas horas à volta de mesas de madeira. tempo oferecido a quem precisa, banhos de água mais quente, embora não quente o suficiente, rodeada das minhas pessoas, corridas no paredão, cabelos despenteados e lábios salgados, nascimentos e primeiras comunhões, whiskeys velhos e conversas sussuradas, whiskeys mais novos e cantorias gritadas. Sim, as coisas continuam a ser como devem ser, este ano foi um bom ano.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Natal Picanteano

Poderia postar por aqui umas fotografias das prendinhas recebidas, nada da Zara, tudo em bom, claro está, mas isso faria de mim fashionista, poderia tirar fotografias às fatiotas das crianças, usaria os sobrinhos, mas o Pipoca não é um baby blog, poderia dizer que comi como se não houvesse amanhã, mas eu nunca como assim, quando chega a altura de sentar à mesa, já estou farta de comida, poderia dizer que ainda bem que acabou o Natal, mas seria mentira, eu adoro o Natal, e de coração vos digo que tenho pena que passe tão rápido.
O Natal é uma mesa posta a preceito, faqueiro de prata a brilhar, copos de cristal que tilintam, o serviço da avó, travessas em christofle, há bacalhau com natas porque poucos gostam dele cozido, os doces são feitos em casa pelas filhas, tias e primas, a mesa das crianças na cozinha velha, que já não há lugares na da sala, os gritos dos mais novos ao desembrulhar das prendas, uma imensa árvore a cheirar a floresta, cuja estrela chega ao tecto, o comer da última rabanada, enquanto se vestem as raposas e visons (sim, eu sei..) e se sai à pressa para ainda apanhar lugares sentados na missa do Galo, a ceia e as gargalhadas até de madrugada, para recomeçar tudo de novo no dia seguinte. Para mim o Natal é ter a família toda junta, à volta da mesa, enquanto os mais novos correm à nossa volta, até nos porem doidos, é ter o Bing Crosby a tocar em vinil, é a única altura do ano em que estamos todos juntos, não falta ninguém, nem quem já não está por cá.

Futurologia Pipoqueana pós Natal

E pelos blogs das rosinhas polularão fotografias de camisolinhas desengraçadas e de fraca qualidade, compradas na Zara ou na Primark, malinhas cujas fivelas mancharão ao fim de 3 ou 4 meses, sapatinhos que darão calos e dores atrozes ao andar, vindos da Zilian, todas dirão que era mesmo isso que queriam, que adoraram o Natal, as dos baby blogs falarão de como se passou o Natal das suas crias, fotografarão as roupinhas da Gap ou da Nós e Tranças, eventualmente a bicicleta nova ou a Nancy penteados, as gordas falarão dos doces que comeram, ahahah, isso é que foi encher o bandulho, e de como iniciarão a dieta dia 1, de como se inscreverão no ginásio onde passarão a ir 3 vezes por semana, as apaixonadas dirão como foram queridos os seus namorados, que as surpreenderam com mil mimos, as ressabiadas darão graças aos céus por já ter passado o Natal, aquilo é só consumismo e nem se dá valor ao que realmente importa. Sim, o mundo continuará a girar e as coisas serão como sempre foram.

Copiado do mestre Pipoco, sim?

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Desejos Pipoqueanos

Tudo a postos para a chegada do menino? Já fizeram os doces todos? Demolharam o bacalhau? Temperaram o cabrito? Pois então façam a gentileza de passar um Santo Natal, na companhia dos que vos são queridos.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Ah! A alegria do Natal...

Em verdade vos digo que se passaram na 2ª circular, por alguém extraordinariamente formoso, ao volante de um automóvel alemão, capota para trás, blusão apertado até ao pescoço, com uma enorme bicicleta que quase saltava para a via pública, enquanto deitava olhares, ansiosos, para o céu, na expectativa de que não chovesse, essa pessoa poderia muito bem ser a vossa Pipoca. Acabadinha de sair da Decathlon, com umas "rodas" novinhas em folha para sua sobrinha. E sim, choveu. Mas as coisas são como são e quando caíram os primeiros pingos, estava à porta da garagem.

A wikipedia é que sabe


Macho: Filho de cavalo e jumenta, e ainda o filho de burro e égua, mas, neste caso, os técnicos dizem mula.
Palavras para quê? Está tudo dito.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Conselho Picanteano para poupar no Natal

Este ano, ao contrário de todos os outros anos, entre jantares e almoços de Natal apenas contabilizo três, o almoço com a equipa, dois jantares com as minhas pessoas, afinal eu não quero estar com quem não quero estar, não quero saber de quem há muito não sei. Este ano, ao contrário de todos os outros anos, não me despedirei nos variadíssimos jantares com a frase do costume, temos de combinar isto mais vezes, afinal eu sei que se passarão 365 dias até à próxima vez. Este ano, ao contrário de todos os outros anos, despedir-me-ei com um abraço e um até amanhã, combinaremos as horas do café na tarde de 25, não há ano que por lá não passemos. Este ano, ao contrário de todos os outros anos, decidi racionar o meu bem mais precioso, o tempo, para o dar apenas a quem eu gosto.
Este ano, se fizerdes como eu, pouparão muitos euros e os vossos rabos agradecerão.

Os problemas dos homens #21

Acharem que não sabemos o significado exacto de um "sim querida".

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

E por falar em sensibilidades

A Pipoca lê o Insensível. E rebola a rir com tudo o que ele apanha, ele diz que só não apanha as doenças mas eu desconfio que chegará o dia em que nem elas lhe escaparão. É de ir às lágrimas senhores e é coisa para uma mulher se perguntar como é que algo tão mau, inspira textos tão hilariantes, razão tinha Voltaire quando dizia que nada se perde.
Insensível, seja bem-vindo ali à direita, ao clube dos ilustres.

Eu podia ser uma Pipoca Insensível

Mas teria de me debruçar, um nadinha demais, sobre hiper sensibilidades e, em verdade vos digo, que seria coisa para me estupidificar, ou induzir um coma, ou um alzheimer, ou as três. E eu prezo muito a minha sanidade mental, de que outro modo é que poderia passar dias a fio a mandar a minha equipa trabalhar em excel? e em mais excel? e novamente no excel?

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

O pior do Natal

De todas as coisas ridículas que já vi, e acreditem que já tenho a minha dose de coisas ridículas, a pior de todas será talvez ver um espécime de natureza masculina dentro de umas calças encarnadas, as quais acompanham com uma camisolinha preta enfeitada de um boneco de neve. E as renas, pelo amor da Santa! Nossa Senhora das Dores me acuda, aquilo é sensibilidade a mais e, de coração vos digo que isto há sensibilidades que uma mulher não aguenta, para sensíveis já bastamos nós, tanta bonecada junta tem um piquinho a azedo.

Sábado à noite

(vou omitir ter passado parte do fim de semana em dois centros comerciais, cheios de povo, à procura de uma Nancy nova iorquina, sim, é de pequenino que se torce o pepino)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Há uma linha... ou como a Pipoca acede a pedidos

Que separa os que conduzem automóveis alemães dos outros, que se deslocam em coisas que mais parecem o carro dos Flinstones.

(não tem de quê Pássaro)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A Picante fala de publicidade

Uma vez sem exemplo também falo de publicidade, má publicidade, publicidade que me causa repulsa e indignação. Porque uma coisa, minhas queridas rosinhas, é receber cremes para o rabo e ir ao blog dizer que sim, que são maravilhosos, que até os pelos eles fazem desaparecer. Outra coisa, completamente diferente, é ir a um evento de uma empresa, a pretexto de tomar um pequeno almoço no Ritz e ser vista, que isto quem não é visto é como quem não existe, atrás deste virão outros convites, afinal convém aparecer para que as agências de RP não tirem o nosso nome da lista vip, não é verdade? Mas dizia eu que uma pessoa vai ao Ritz, toma o pequeno almoço, recebe uns chupa chupas, ouve uns senhores, diz que são médicos, debitar umas quantas incorrecções não a troco de viagens mas a troco de qualquer coisa, que isto não há almoços grátis, e que faz essa pessoa? Ora pois bem, vá de ir ao blog fazer publicidade a um medicamento para obesos, o qual inclusivamente já foi retirado do mercado e tem uma imensa contestação à sua volta. Pior... diz que praticamente não tem efeitos secundários e que é uma maravilha para fazer perder peso. E eu, quando leio estas coisas, chego a corar de vergonha e a pensar que "Alli" há alguma falta de ética, que a publicidade encapotada deveria ser controlada. Pelo menos quando danosa para a saúde.

Verdades Picantes #25

Rosinhas vinde a mim, será que poderiam parar de fazer posts com sugestões natalícias? Assim como assim, as sugestões não interessam nem ao menino Jesus e toda a gente já sabe que as marcas vos estão a pagar para isso, ou que vos enviaram amostras à borla, ou que vos enviaram press releases, ou que vos ofereceram o pequeno almoço no Ritz, escolhei a que melhor vos aprouver. O resto do mundo pode ser parvo mas não é assim tão parvo, ok?
Era só isto. Um Santo Natal (cheio de prendinhas dessas que vocês publicitam apesar de afirmarem com indignação que estão apenas a citar ou a mencionar um produto que adoram e que não, claro que não é publicidade).

Qualquer dia...

também pranto por aí uma fotografiazinha com outfits, daqueles em bom, sugestões da Pipoca, dizendo os locais de compra, tudo no estrangeiro pois claro, as marcas da coisa e os preços que paguei. Fotografias de mim própria, para que vejam como sou fina e glamourosa.
Mas hoje não é o dia.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Uma mulher vai para fora por uns dias, praticamente não vai aos blogs, valores mais altos se levantam, quando volta e lê com mais atenção os 3 ou 4 do costume apercebe-se que algo se passou... posts eliminados, gente falsa que teima em perseguir os bonzinhos, uns que se fazem passar por outros, comentários não aprovados, idosos jocosos. Será que alguma alminha me explica o que se passou na minha curta ausência?

De novo a Isabel

Isabel, venha cá querida, chegue-se aqui à minha beira, não... puxe antes essa berger verde, sempre é mais confortável, dá-me licença que lhe chame Belinha? Por falar em Belinhas, vem-me à lembrança que a Isabel está a precisar de umas belinhas, ou de uns açoites, enfim, de algo que a faça calar a boca. Vamos concordar que a Belinha fez uma grande obra, sim? Ajudou a erguer o BA e transformou-o no que ele é hoje, não interessa se o fez para se sentir bem, para ter destaque social, na verdade apenas interessa que o fez, que ajuda a dar de comer a quem tem fome. Mas, minha querida, as pessoas têm de ter a consciência dos seus valores e fraquezas. Isto lá porque nós achamos que somos importantes, que podemos dar entrevistas e dizer o que a nossa cabecinha vai produzindo não é bem assim, pelo menos quando representamos instituições. Sabe minha querida? É que depois há uma série de imbecis que acham que a instituição é tão imbecil quanto a sua líder, e depois os imbecis deixam de contribuir, e depois há menos comida, e depois há mais fome. Está a entender minha querida? Agora, querida, querida Belinha, vá lá entreter-se a recolher alimentos, é uma nobre causa, mas por favor feche a boca, sim? É fácil, a Pipoca ajuda... pedirá a alguém com dois dedos de testa que lhe escreva um discurso, que decorará e repetirá sempre que para tal for solicitada. Assim fala sem abrir a boca. Pode ser? Agora vá, minha querida, vá em paz que Deus a acompanhe.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Que tens à tua frente Picante?

Diz que os carabineiros daqui são uma maravilha. Prosecco para entrada e um tinto maravilhoso que alguém escolheu para o resto.
Temo ter de deixar o blusão ou as calças para pagar a conta, afinal de contas estamos no meio de uma crise.
Temo ainda mais descer as pistas que me levarão de volta ao hotel depois deste álcool todo regado a carabineiros.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Ainda das dúvidas

As minhas dúvidas matam-me, fiquei para aqui a pensar porque será que os dos blogs me desejam bom dia mas nunca me dizem boa tarde ou boa noite? Contudo acho simpático anunciarem-me que hoje é 6ª feira.

Gracinha

Minha querida não se preocupe se ele não lhe disser que a ama, os homens não são assim, acredite que se ele a amar verdadeiramente a menina vai perceber. Perceberá no seu olhar, nas suas acções, no modo como ele a abraça. Não há palavras tão importantes como o gesto certo.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Por falar em posts de encher chouriços...

Tenho de ver se me lembro de acrescentar um ou dois blogs ali, à coluna da direita.

Diga, senhor?

Agora derivado daquilo dos desempregados que nós, os blogers conhecidos sustentamos, mais por causa dos malucos que não param de tirar fotografias em poses verdadeiramente lamentáveis e nada estilosas, ainda por cima exploram crianças e animais, onde já se viu? a propósito disto e de outras coisas, também, fiquei com uma dúvida, logo eu que raramente tenho dúvidas, já vos tinha dito? Mas dizia eu que fiquei com uma dúvida, quem será que o emprega, senhor? Que critérios terão usado eles, senhor? Eu, quando faço selecting panels e escolho jovens para a minha equipa, repare que tenho uma equipa senhor, tenho sempre o cuidado de me certificar que eles terão bom senso, bom senso acima de tudo. Mas isso sou eu, claro.

Porque leio blogs?

Para ficar a saber que está um frio que não se aguenta, diz que o Inverno chegou, que as meias são um excelente presente de Natal, que os danados dos Reis Magos afinal não vieram de camelo, que o safado do Gaspar nem deveria constar do presépio. E claro, para ler o Mak.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Verdades Picantes #23

Isso de fazer posts a dizer bom dia, ou espetar no blog a música do dia, é coisa de gente a teimar em escrever. Vá-se lá saber porquê, faz-me lembrar aquelas pessoas que nunca têm nada de interessante para dizer, cada vez que abrem a boca debitam uma série de lugares comuns, fartam-se de dizer asneiras. Em verdade vos digo que não passam de uns grandessíssimos chatos.

Chamou, senhor?

Estou triste, muito triste, tão triste que se acontecesse o caso de ser uma pessoa com fraca auto-estima até poderia fechar o blog. Estou em crer que aquilo dos nomes dos bloggers famosos era para mim, que se não fosse o meu nome nunca conseguiria ter visibilidade nenhuma. Minha Nossa Senhora das Dores me acuda, estou de tal maneira desesperada que estaria capaz de mudar o nome do blog para "bardina mas muito fêmea". Vou tomar um xanax a ver se passa.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Quando uma mulher pensa que já sabe umas coisas, que já viu de tudo, aparece sempre alguém que sabe mais, com outro tipo de experiências, que lhe diz, sem falar, que uma mulher não passa de uma anjinha, que as coisas não são necessariamente assim. E uma mulher sorri e pensa que talvez as coisas possam ser diferentes mas que por enquanto ainda são como são, como devem ser, que ele há coisas na vida próprias de verdadeiros animais.

Vai-se um dos bons

Não há mal que nunca acabe, nem bem que sempre dure, era a resposta certa da minha avó cada vez que me queixava da vida, cedo aprendi a deixar de me queixar, a resolver problemas enfim, se eu não fizer por mim, bem posso esperar sentada que alguém faça, a vida, ao contrário do que nos querem fazer acreditar as malvadas das histórias infantis, não é um conto de fadas, eu acredito que tenho a minha quota parte de responsabilidade naquilo que de bom e mau me aconteceu, a culpa não é do destino, muito menos dos outros.
Mas o que eu queria mesmo dizer é que o Patife arrumou a pena. Chega ao fim um blog escrito por alguém inteligente, culto e com um sentido de humor verdadeiramente delicioso. Até sempre grande Patife.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Ideias Picanteanas para o Natal

Think out of the box é precioso, passo a vida a dizer isto à minha equipa, repararam que tenho uma equipa?, mas dizia eu que passo a vida a dizer à minha equipa que saia da sua zona de conforto, que pense sob perspectivas novas, que procure o outro ângulo, vai daí que resolvi pôr o que digo em prática, walk the talk, não é verdade? Repararam que falo Inglês? Onde é que eu estava? Sim, nas ideias, vai daí que tive uma excelente ideia para este Natal, vocês, meus estimados leitores enviam-me pratos típicos da época, tipo bacalhau já demolhadinho, rabadanas, doces conventuais, enfim o que costumam fazer só que em bom. Pensando bem é melhor enviarem também uns vinhos, whiskeys velhos e Veuve para brindar. E porquê, perguntam vocês? Nada mais simples, eu provo tudo e depois venho aqui ao blog anunciar quem fez o melhor prato, quem percebe mais de vinhos... ficam com a satisfação de uma tarefa bem feita. Quem é amiga? Quem é? Esta mania de espalhar o bem ainda me leva ao céu.

Que vais fazer no fim de semana Picante?

Vou estar num hipermercado de Lisboa a recolher alimentos. E diabos me levem se não der uns pontapés a quem se vier meter connosco, que não dão por causa do que disse a senhora presidenta.
Tantas coisas para fazer, passeios bonitos para dar, o pinheirinho para enfeitar e logo me havia de dar para isto, passar o fim de semana a carregar sacos de arroz e massas, a minha bondade acabará por ser o meu fim, essa é que é essa.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

E por cá...?

De que se fala? Ainda do Sparky? Já todos se insurgiram contra a lei Portuguesa? Das doenças dos filhos que não deixam dormir? Do frio que teima em se fazer sentir? Das compras que não vão fazer no Natal? Do bom quer é decorar o pinheirinho? Daquilo do último espécime da trilogia? Da maluca da Shonda que deu em matar o Mc Steamy? Dos malvados dos anónimos?

(tudo retórico, tudo retórico...)

Resumo de um fim de semana

Dores no corpo, trabalho em atraso e uma imensa falta de paciência para lidar com gente que arrasta a voz a falar. Onde, por alma de quem, é que alguém diz pecébee, nôvaaas e outras pérolas semelhantes? Minha Nossa Senhora das Aflições me acuda, se é para estar com gente tonta não valia a pena ter saído de casa, bastava ter dado uma saltada aos blogs do costume.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Dúvidas, mais dúvidas

E por cá parece que se descobriu que Lisboa tem menos transito devido à crise, ou devido ao preço da gasolina, ou devido ao desemprego, ou devido à crise, não sei, agora fiquei confusa até porque a 2ª circular continua impossível, estas dúvidas dão cabo de mim.

Disso da importãncia da matemática

"Na Europa, cada manifestação "do orgulho Gay" contou, em média, com 100.000 pessoas. Cada manifestação Contra a Corrupção teve, em média, cerca de 2.500 pessoas! Estatisticamente, fica provado que há mais gente a lutar pelo direito de levar no rabo, do que a lutar para não ser enrabado"

Miguel Esteves Cardoso, quem mais?

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Verdades Picantes #22

Inveja da boa é coisa que não existe, está bem docinhos? Apesar de ser humano sentir inveja ocasionalmente, vamos esquecer aqueles que sentem sempre, que não conseguem ver-se livres de tal sentimento, é tipo super cola 3, a  inveja é má. Não há tal coisa como inveja boa, há somente gente meio tola a proferi-lo, gente boa, mas meio tonta ainda assim.

Daquilo da árvore de Natal sem fios

A vossa Pipoca não vai concorrer que aquilo é uma trabalheira sem fim: Isto de uma pessoa ter de se tornar seguidora de blogs que não quer seguir, fazer likes nos FB de patrocinadores de quem nem se gosta, criar uma conta de FB, enviar mails com links e blogs e mais um sem número de coisas, enfim ter mais trabalho que fazer a própria da árvore de Natal. E tudo para receber uma prenda que pagaria para não receber? Olha se me saía uma consulta de imagem com um senhor que se veste de tropa mas usa pochette? Ou um daqueles livros em bom de um  blogger escritor? Não, nem o CD do Sting, nem os bolinhos caseiros me tentam, afinal eu gosto mesmo é das areias do Gregório e dos esses da Ericeira.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Os green savers têm um novo projecto, diz que andam empenhados em conservar o burro Português, de todas as coisas que se poderiam querer conservar, logo se foram atirar a isto de conservar burros, mas quem será que lhes disse que não há burros em Portugal? Pelo amor da Santa, serei só eu que facilmente poderei indicar uns poucos?

Como provocar uma Pipoca?

Preciso mesmo de vos dizer?

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Porquê é que nunca serei uma intelectual blogger?

Nunca conseguirei fazer um ar normal enquanto que finjo que isto é arte. E que gosto. Aliás, de coração vos digo que os meus bonecos conseguem ser tão feios como estes.
1,3 milhões na Christie's, é quanto dizem que esta porcaria vale.

Que vais fazer no fim de semana Picante?

Vou brincar à caridadezinha. 
De há uns anos a esta parte, um grupo de tias pessoas realizaram que tinham muita coisa em casa que não usavam, desde roupa a objectos de decoração, passando por brinquedos... tudo o que possam imaginar. E tudo em estado novo ou semi-novo. Organizou-se uma venda de Natal, arrecadou-se 5000 e qualquer coisa euros para renovar os quartos de uma das casas da Ajuda de Mãe. No ano seguinte a venda abrangeu mais pessoas, arrecadou-se quase o dobro, juntaram-se mais instituições. A coisa foi crescendo, e este é o 3º ano em que é feita no Palácio na Foz, com muitas artesãs nacionais a venderem os seus produtos, desde brinquedos, roupa para bebés, quadros, bijuteria, livros, velas, decorações de Natal, roupa, compotas...
Apareçam por lá, quanto mais não seja têm oportunidade de visitar salões lindíssimos que estão fechados ao público. Podem comer qualquer coisa ou beber um copo de vinho. Podem comprar rifas. Podem dizer que brincaram à caridadezinha. Afinal as instituições estão-se bem nas tintas para isso. 
Com alguma sorte até pode ser que me vejam... afinal, mesmo de jeans e ténis, eu tenho sempre um ar muito bcbg...

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Porque leio blogs?

Para ficar a saber que sou fascista por defender a acção da polícia. E para me dar razão quando digo que me recuso a discutir política com gente de esquerda. A maior parte são de tal modo fanáticos que acabam eles próprios por fazer o que faziam os fascistas. Não ouvir ou deixar ouvir ideias contrárias às suas. Ironias...

Que fizeste no fim de semana Picante?

S. Pedro estragou-me os planos, devia ter ido até ao Algarve, acabámos por ficar em Lisboa, resolvo juntar as pessoas do Algarve em casa (já disse que sou uma perfeita idiota?), há muito que a D. Joaquina não vem trabalhar ao Sábado, ainda tento trocar um Sábado por dois dias de semana, a D. Joaquina já tinha planos, ia jantar ao shopping, de maneiras que tenho de fazer jantar para 10 (quão idiota poderá ser uma pessoa?), tudo em cima da hora, nem pude recorrer às freiras de S. Bernardo, valeu-me o Sr. Rodrigo, afinal quanto tempo poderá demorar a fazer um rosbife à inglesa e um arroz árabe? Mas o que eu queria mesmo dizer é que o rosbife está pela hora da morte, a próxima vez que cá vierem comem arroz com feijão preto e já gozam.

sábado, 17 de novembro de 2012

As palavras que faltavam

Nojo, muito nojo e vergonha é o que sinto ao ver as imagens abaixo. Não talvez a pior das vergonhas, que pior que vergonha alheia é a vergonha própria. Quase desejo que aqueles selvagens não tenham pais, que não imagino pior sofrimento que ver um filho a destruir outros enquanto se destrói também a si próprio.
Quanto aos mirones, que assistiam ao festival quais abutres à espera que a presa morresse... bom habilitaram-se. O Português tem destas coisas, é incapaz de resistir a um bom acidente, quanto mais sangue melhor, já tem história para contar lá em casa, é ver as filas de trânsito que se formam nas faixas contrárias às dos acidentes, chegam a ser maiores e mais morosas, de modo que os mirones ficaram por ali, foram-se deixando estar, à espera de ver quando é que um polícia partia a cabeça, quando é que um escudo era roubado. Acabaram por ver e poder contar na primeira pessoa como podia doer um casse-tête, qual era a sensação de uma cabeça aberta, como podia ser aterrador fugir sem direcção.
E ainda têm o desplante de falar em violência policial? Depois de agredirem homens, pais e filhos, primos e tios, no exercício das suas funções? Funções essas que os levam a arriscar a vida em prol da defesa da segurança de todos nós?
Seus grandes imbecis, estamos a falar de polícia de choque, altamente preparados para pedras e muito mais, quando carregam, carregam para abater tudo o que mexe. É a única forma de 300 homens chegarem para 3000. É para intimidar. É para dissuadir. Leva o pecador e leva o mirone. Só não leva quem tem juízo e se põe a andar dali para fora por não compactuar com aqueles festivais.
Pardon my french mas violência policial a puta que os pariu.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Não nada mudou...

Ao que vi ontem, ao que leio hoje, está tudo na mesma, a falta de civismo e respeito confirma-se, mas isto será surpresa?, o Daniel Oliveira continua a vomitar asneiras, notei, não sem alguma consternação, que o Arménio fugiu, rabeou e acabou por não desmentir categoricamente que os selvagens que agrediram a polícia durante 45min não tinham nada a ver com a CGTP, além de ter condenado a intervenção policial nos piquetes. Está certo, está muito certo, há liberdade para aderir à greve, não há liberdade para não aderir. Esta coisa da liberdade é um conceito muito subjectivo é só funciona quando nos agrada, não é verdade? Sai daqui em imenso elogio às nossas forças policiais, que tiveram uma paciência que eu não teria.

Deixo-vos com as sábias palavras de Henrique Raposo.

Regressando do médico, entrámos num daqueles restaurantes populares que abastecem Lisboa à hora de almoço. Entretanto, as mesas do restaurante ficaram repletas de povo. Deve ter sido por isso que um piquete de greve resolveu entrar pelo restaurante adentro aos berros, gesticulando e com cara de mau. Sabem qual é o efeito de um megafone dentro de quatro paredes? Não é bonito, é como ter os No Name Boys a fazer uma serenata mesmo junto aos tímpanos. Não, não foi bonito assistir à agressividade daquele piquete de greve. Cinco ou seis raparigas com os olhos embaciados pelo ódio do PCP começaram a insultar os empregados e clientes do restaurante. Naqueles dois minutos, a vanguarda do "Povo" nunca escondeu o ódio por aqueles que não tinham aderido à greve, nunca escondeu a raiva contra aqueles que não estavam nem aí para a sua jornada de luta. Ou seja, as meninas fizeram questão de mostrar o desrespeito que sentem pelas pessoas que pensam de outra forma. Na TV e nos jornais, os grevistas falam muito do "Povo", mas aquele piquete em concreto só conseguiu trocar palavras azedas com um povo em concreto, e a sua má-educação e arrogância acabaram escorraçadas por pessoas concretas. O concreto é lixado.  

E então?

O governo caiu? A mázona da Alemoa teve medo? A austeridade amainou?
Ou ficou tudo na mesma só que com menos um dia de salário e mais uns milhões de buraco?

Porque leio Blogs?

Porque assim fico a saber que blogs com alguma visibilidade também têm responsabilidade social.

(sim, o título é descaradamente roubado ao Pipoco)

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Daquilo das dúvidas

Publiquei, afinal eu nunca tenho dúvidas por muito tempo, é por causa destas coisas que eu me recuso a trocar ideias com gente de esquerda, isto em não tendo que o fazer, eles parecem discos formatados, em pequeninos abriram-lhes a cabeça e eles pouco mais enxergam que o monstro do capitalismo ou a exploração do proletariado. Aborrece-me que sejam incapazes de trocar ideias, de discutir até, invariavelmente desatam aos insultos, afinal quando Deus distribuiu a educação eles estavam muito entretidos a fazer greve, não é verdade?

Dúvidas, só duvidas


Estou aqui sem saber se publico um comentário em que me insultam gratuitamente, é que nem é por me chamarem ignorante, eu sei que não sou, é que nem é por me chamarem idiota, não tenho assim tantas ideias, nem é por me terem mandado fazer o amor, afinal os pobres é que se fodem, parecem coelhos, só isso explica terem ninhadas, é mesmo porque não perceberam o sentido do post, onde é que eu digo que as greves nunca deviam ter existido? Onde é que eu digo que sou contra as greves? Será que posso não gostar desta? Será que posso achar que, em Portugal, as greves apenas cumprem calendário? Servem para justificar a existência dos Arménios? Será que posso achar quase criminoso enterrar ainda mais o país? Será que posso achar que as únicas pessoas que saem a perder com esta palhaçada somos mesmo todos nós?
Outra dúvida que me assiste é porque raio já não se sabe discordar sem insultar. Será só falta de educação? Ou será também ignorância? Dúvidas, só dúvidas, a minha vida é isto.

A Pipoca também tem umas coisas a dizer aos senhores dos sindicatos

Vão à merda.

Queriam um post?

Pois não há, este blog está em greve.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Gracinha

Gracinha minha querida, está enganada, o amor não é aquilo que toca as pessoas mesmo lá no fundo, com a sua idade já deveria saber que o nome disso é próstata.

Não desesperai

Este blog volta hoje ao seu estilo Pipoqueano habitual.

E depois... leio estas coisas e volto a gostar dos Portugueses

"(sim a minha filha ainda tem pão com manteiga para comer. mas se eu tiver que comer Nestum para lhe oferecer, não um telemovel de ultima geração mas as botas Timberland que as amigas usam e a fazem sentir-se mais segura, integrada no grupo e lhe elevam a auto-estima, logo, a fazem feliz, garanto-lhe que o faria. Chama-se amor incondicional)

Claramente não sabe o que é o amor... Nem educação.
Amor é explicar à sua filha que tem muito mais valor do que o calçado que usa e não lhe deturpar a mente deixando-a acreditar que objectos desnecessários e pressão social a levam a lado algum. Porque se a minha mãe algum dia me dissesse que ia passar a alimentar-se de Nestum para me pagar umas botas eu mandava as minhas amigas para a puta que as pariu porque prezo o trabalho e o dinheiro de quem me deu vida e me sustenta. Se algum dia a minha mãe tivesse de passar dificuldades para que eu pudesse viver acima das nossas possibilidades eu tinha vergonha na cara, pegava nesse dinheiro e ia para a porta do Pingo Doce (onde não encontraria a senhora a contribuir) e gastava todo esse dinheiro em pacotes de arroz para o Banco Alimentar contra a Fome. Porque quer em tempos de crise quer em tempos de bonança o que se tem de valorizar são as pessoas, o equilíbrio e a poupança. E isso sim é AMOR! E é exactamente a isso que a Isabel Jonet se refere... Às pessoas que não sabem fazer esse julgamento entre aquilo que é realmente necessário (comer pão com manteiga, ajudar quem precisa e valorizar a família) e aquilo que é supérfluo (comprar umas Timberland).
Ah... E dou graças ao Universo por me ter dado uma mãe irrepreensível. Isso é que faz falta nos dias de hoje."

Inês
Comentadora do Pipoco, neste post

Para os mais distraídos, o 2º parágrafo em diante é a resposta ao 1º. São duas comentadoras distintas.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Futurologia Pipoqueana

Ultrapassado que está aquilo da Jonet, esta semana só se insultará a gorda da alemã afinal a culpa disto é só dela, ou comentará o vídeo do Marcelo, que aquilo é uma coisa em bom, sim senhores, afinal nós somos um povo mesmo trabalhador, uns verdadeiros incompreendidos, assim mesmo vestidos de trolha e minhota. E eu que sou eu, só não compreendo uma coisa, afinal aquilo saiu da cabecinha de quem?
Ah! e está um frio que não se aguenta....

Falta cumprir-se Portugal

Não gosto de Portugal, ou melhor não gosto dos Portugueses, povo invejoso e preguiçoso, ávido de má língua, tal qual uma D. Gertrudes do Fundão. Não há melhor amigo do seu amigo, que o Português, isto claro está, em estando o amigo um degrau abaixo dele. 
Um povo capaz de sair à rua por Timor, capaz de se vestir de branco por uma causa, de pendurar bandeiras por uma nação, de aumentar donativos perante a fome, deveria ser capaz de se mostrar maior. O Português mostra o seu lado melhor perante o coitadinho, o desempregado que não pode comprar roupa ao filho, o sem abrigo que não tem agasalho, em estando na presença de um coitadinho, não há generoso com maior generosidade que o Português. Esse mesmo Português que tem raiva do ordenado do chefe, afinal o chefe só é chefe porque é amigo do presidente, que detesta as gentes de Cascais, cambada de inúteis só moram em Birre porque tiveram a sorte de nascer onde nasceram, que odeia os dos automóveis alemães, grandes ordinários deviam era andar de autocarro para saber como elas doem. São esses inúteis, imbecis, escória da sociedade que deviam pagar a crise, exploradores é por causa deles que estamos como estamos e ainda têm a lata de se vir queixar porque a vida já não é o que era, haviam era de viver do RSI, nem sabem a sorte que têm e ainda se queixam por terem de poupar nas férias, deviam era ter vergonha na cara.
O Português é incapaz de se alegrar com a vitória do vizinho, é capaz de preferir andar ele próprio descalço desde que isso signifique o vizinho andar, também ele descalço. 
Um povo inerte, que pouco ou nada faz mas que, do alto do seu sofá, não hesita em criticar avidamente os poucos que, mal ou bem, vão fazendo, qual lobo faminto.
Um povo que vive de aparências e acredita, qual criança mal educada, que são os outros que têm de pagar a conta, remediar os seus estragos e apagar as suas trapalhadas.
Um povo que de tão desinteressado e apático, nem se preocupa em ir às urnas, que aquilo é tudo uma corja de vigaristas e não vale a pena, em vez disso vai à praia.
Senhores, valeria a pena se a alma não fosse pequena. Sim, falta cumprir-se Portugal.

domingo, 11 de novembro de 2012

Mais vale não fazer nada?

Este é dos poucos posts em tempo real deste blog. Em verdade vos digo que quando agendei o post anterior, sorri e pensei que seria apelidada de fascista e de católica retrógrada. Pois bem, isso aconteceu, é ir aos comentários e verificar.
Vou explicar a metáfora, a qual infelizmente parece não estar ao alcance de todos:
Nos tempos de Jesus, houve quem criticasse ferozmente a caridade, que era uma ofensa e falta de respeito aos pobres. O primeiro foi Judas, discípulo de Jesus, que mais tarde haveria de o trair.
Hoje em dia, há muitos que criticam a caridade. Ela é vista como um passatempo de tias ricas, que apenas a praticam para se evidenciar, que brincam à caridadezinha. Há, hoje em dia, um profundo ódio à caridade que eu não compreendo, como se quem a praticasse o fizesse apenas com o intuito de manter os ricos mais ricos e os pobres mais pobres. Como se nos países de ideologia marxista não houvesse miséria. Como se o Estado, qualquer que seja o regime, fosse, per se, capaz de erradicar a miséria. Há desigualdade desde sempre e, goste-se ou não, sempre haverá, ou alguém aqui acredita em Thomas More?
Aqueles que exigiram a demissão de Jonet, aqueles que tanto criticam os actos de qualquer Jonet, que fazem eles? Sim, pergunto a mim própria o que faz gente como Daniel Oliveira que, qual cão raivoso a babar, ontem falava de Isabel Jonet em termos absolutamente desrespeitosos?
Aqueles que dizem, sentados nos seus sofás, que não darão nem mais um grão de arroz ao banco alimentar, que fazem eles para combater a pobreza?
Aqueles que estúpida e ignorantemente exigem a demissão da presidente de uma IPSS (instituição PRIVADA), que além de não ser remunerada, apenas responde perante a sua própria assembleia, que fazem eles para combater a pobreza?
Ninguém faz nada, não é? Sim que o Daniel Oliveira alimenta-se bem, o Lousã treina no Holmes Place e vive bem obrigada, qual capitalista ou Salazarista que tanto critica.  A única diferença no modo de vida entre estes senhores e os "tios" é que estes senhores, para além de não usarem gravata e insultarem quem usa, quando falam espumam pela boca. Ah!... e claro... não praticam caridade, não dão pão a quem tem fome.
Acredito piamente que haja muita gente a praticar caridade pelas piores razões, conheço gente assim. Surpreendentemente ou não, são as "tias" que normalmente estão à frente das IPSS. Porquê? Porque não precisando de trabalhar, têm tempo disponível. As outras pessoas estão ocupadas com os seus empregos. Não podem mais que dar umas horas ao fim de semana ou à noite.
O que pergunto é se seria melhor que as ditas "tias" ocupassem o seu tempo em spas, compras e chás. É que bem ou mal, com ou sem segundas intenções, elas fazem algum bem. E quem já teve o infortúnio de beneficiar das suas acções é testemunha.
Estou certa, de que os "pobres", todos aqueles que recorrem aos muitos bancos alimentares que funcionam para entretenimento das "tias", ficarão muito gratos a Daniel Oliveira e seus discípulos de esquerda, quando lhes derem um pouco de respeito para o almoço, em vez de sopa.
Volto a perguntar... é melhor não fazer nada?
Cada um é livre de gostar ou não das palavras de Jonet. Sinceramente, acho que foi infeliz. Ela não é uma comunicadora e foi infeliz. Mas a verdade é que o seu discurso foi completamente descontextualizado. A verdade é que a senhora tem uma obra feita de 20 anos. A verdade é que foi insultada de toda a maneira e feitio. A verdade é que os piores insultos vieram das pessoas do costume, que passam os seus dias à procura de algo para dizer mal, de rabo alapado no sofá.
Pois bem, ela, como muitas outras pessoas, passa os seus dias a alimentar quem tem fome. E vocês? O que têm feito para combater a pobreza?*
Era isto que eu queria dizer com a metáfora do post abaixo. Está claro? Agora ide em paz.

*Pergunta retórica. favor não responder

sábado, 10 de novembro de 2012

Mais vale não fazer nada que ser apedrejado em praça pública

O tempo moderno conspurcou a caridade, reduzida a esmola aviltante. Por isso, um furioso sindicalista, passo o pleonasmo, vociferava na televisão: «Não queremos caridade!»
Quando a irmã de Lázaro jorrou, sobre os pés do Mestre, um nardo puro de grande preço, Jesus aprovou aquele gesto sublime de amor, mas houve quem, em nome dos pobres, se indignasse.
Foi Judas Iscariotes, um dos Seus discípulos, aquele que O havia de entregar.

Excerto de um texto escrito por Gonçalo P. de Almada

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Oh não, um post do género e vocês?

Adivinhem quem treina comigo*? Eu mereço?
*eufemismo para no meu ginásio

Ainda a Isabel

"A obra de Isabel Jonet fala por si. Mas há uma certa categoria de gente para quem o importante são palavras. Para quem os pobres não são pessoas reais, com qualidades e defeitos, mas categorias político-filosóficas abstratas. Claro que nenhum daqueles que critica violentamente Isabel Jonet terá feito um centésimo do que ela fez no combate à pobreza e à fome em concreto. Mas a pessoas assim não interessam obras nem atos concretos. Apenas ideias e palavras.
E vivem iludidos com palavras a vida toda."

20 anos a alimentar Portugal

Cara Isabel,
Eu gostaria de lhe agradecer. Nunca usei o banco alimentar, espero vir a precisar de nunca o usar, doei alimentos variadíssimas vezes, já doei  o meu bem mais precioso, tempo, a trabalhar nas vossas fileiras. Não quero saber se conduz um automóvel alemão, afinal eu também gosto deles, não quero saber do seu rendimento mensal, afinal todos recebemos pelo que fazemos, vamos acreditar que a grande maioria merece o que ganha, apenas lhe quero dizer que tem toda a razão, que ricos, médios ou pobres, todos teremos de reaprender a viver no limiar das nossas possibilidades, todos viveremos com menos, afinal o estado leva-nos quase tudo.
Se me permite, Isabel, gostaria de sugerir que não tornasse a usar metáforas. Os Portugueses são estúpidos e não as compreendem, pura e simplesmente focam-se no seu automóvel, no seu ordenado, e não percebem que quando disse "bife" poderia ter dito "telemóvel", "segundo par de sapatos", "arroz de marca", "cinema" ou um sem número de coisas. E agora, Isabel, agora, corre aí uma petição. Caramba Isabel, se tivesse falado comigo poderia ter-lhe dito que existe por aí muito mais miséria que a fome, a miséria de falar mal, a miséria de ser miserável. É um problema do Português, é invejoso, não pode ver nada, adora o coitadinho. Sabe porquê Isabel? Porque o coitadinho é mais pobre que ele... agora se conduz um automóvel como deve ser, se aufere 5000€ por mês, já é um sacana de um chupista, arranjou um tacho à conta dos conhecimentos e um outro sem número de alarvidades. No fundo, Isabel, o Português é um sacana de um invejoso, danado pela puta porra da má língua, uma criança mal educada que acha que o Estado, os contribuintes os mais ricos, qual pai e mãe, têm o dever de tomar conta dele e de providenciar o seu sustento.
Eu, Isabel, se fosse a si, sugeria que os autores da petição, ajudados pelos alarves que falam do seu rendimento, que exigem a sua demissão, e que de certezinha devem estar fartinhos de contribuir para o banco alimentar, o organizassem por uma semana. Uma semana bastaria, Isabel.
Mais uma vez o meu muito obrigada. Não é fácil trabalhar com a miséria humana.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

E se fosse o seu filho? Doaria?

A Polo Norte é dotada de uma imensa energia. Ainda bem que lhe dá para estas coisas.
Vá lá gente, não custa nada, é só uma piquinha, dói mais fazer depilação.

Os problemas dos Homens #20

Acham que um automóvel é muito mais que um veículo que lhes permite deslocarem-se confortavelmente, entre dois pontos distantes.

Ainda aquilo dos Guilty Pleasures

A vossa Picante não vê a Casa dos Segredos, como também não vê aquilo dos gordos a dançar, nem tão pouco via o Big Brother ou os gordos a correr e mais uma dúzia desses programas que vocês veem apenas para poder dizer mal dos concorrentes. Não, de coração vos digo que o meu tempo é demasiado precioso, afinal de contas é o bem mais escasso que tenho. Em vez disso vou à opera, a concertos, leio livros de autores russos, e claro, leio blogs.
(e há por aí blogs tão bons como a Casa dos Segredos...)

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Note to self

Não agendar posts sobre assuntos que se sabe perfeitamente irem estar na boca do povo. É simplesmente desnecessário. Agora que penso nisso talvez seja mesmo melhor não perder sequer tempo a fazê-los.

Ganhou Obama

Não sei se o mundo será um lugar tão melhor. Sei que não será tão pior e isso, parecendo que não, é bom.

E por falar em Palmiers...

A vossa Pipoca lê o Palmier Encoberto. Gosto bastante mais de Palmiers Recheados, ou pelo menos gostava, nos tempos em que eram recheados com um creme branco e não com aquela porcaria amarela que lá põem hoje em dia. Agora, além dos Recheados, também, gosto dos Encobertos. Podem levar uma pessoa às lágrimas de tanto rir, sim que aquilo vai por lá uma imensa dose de loucura, e têm, a enorme vantagem de não se colarem às ancas. Palmier, seja bem-vinda à ilustre e distinta lista, ali à direita.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Eu podia ser uma Pipoca encoberta

Mas teria de tirar 1001 fotografias que mais parecem saídas das 1001 noites e, de coração vos digo, não tenho fotógrafo à altura.
(e nunca, mas nunca, enfiaria a cabeça dentro de um pino de estacionamento)

Ainda o bem

...e se por acaso as rosinhas se puserem a falar de electrodomésticos, descrevendo exaustivamente todas as suas propriedades técnicas, por incrível que possa parecer, foi a Worten que lhes pagou... sim, ainda que digam que não, que têm de renovar o parque lá de casa...

(senhores da Worten, podem enviar para cá a depiladora de luz pulsada, afinal falei aqui de vocemecês, não é verdade?)

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Picante a espalhar o bem

Quando forem a um desses blogs rosinhas e virem fotografias de cremes, cuidadosamente tiradas, façam um favor a vós mesmas e passem ao post seguinte... ainda que as blogguers falem da maravilha que são os cremes, que tiram as rugas a um buldoque, que têm os ingredientes de última geração, de coração lhes digo que elas poderiam estar a falar de electrodomésticos ou mesmo de óleo para o carro, aliás estou em crer que elas pagam o óleo para o carro com o dinheiro que vão recebendo das empresas que vendem esses cremes milagrosos.

Escassez de modelos

Se torno a ouvir um político a utilizar a palavra "paradigma", nas próximas 48h, juro que lhe atiro uma carcaça rija, à tromba. Que raio terá acontecido aos modelos, em Portugal? Sei que cada vez são menos, rareiam até, mas isto começa a ser demais.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Há uma linha...

Que separa as pessoas que festejam o pão-por-Deus, ainda que não saibam a sua origem*, das outras, que pensam que vivem nos States.

*Lisboa, 1755

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

A minha vida é isto

Mas quantos cremes para a cara conseguem as rosinhas usar? Agora fiquei confundida, logo eu que raramente me confundo, uma semana é um, na semana seguinte já falam de outro, todos eles fazem maravilhas pela pele, ora pois claro, mas então não era suposto usar um creme por uns meses porque os efeitos não se notam assim, só em dois ou três dias? Isso da pele mais lisa e mais firme ainda demora um tempo a acontecer ou é só em 2 dias? E será que elas compram um creme e passados 2 dias vão a correr comprar outro, só assim, a ver se é melhor? E deitam fora o primeiro? Dúvidas, dúvidas, a minha vida é isto, só dúvidas.

Verdades Picantes #20

Os tolos, por norma, acham que podem falar sobre tudo, que dominam um pouco a generalidade das temáticas, ainda que não tenham senão banalidades ou disparates a dizer. E, de coração vos digo, que não há tolo mais tolo, que o ignorante com a mania de que é importante.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Sintra, doce Sintra

José Castelo Branco é candidato a Sintra.... ahahahahah! E a seguir que teremos? Alguma das nossas sumidades disto dos blogs no ministério da cultura? Virgem Santíssima, que país este, juro que não acredito em bruxas mas... elas andam aí.

Devagar é bom

De que serve ele saber que Connery é o melhor dos seis Bonds, que existiram seis Bonds, recitar os filmes oficiais cronologicamente, dizer-me que ninguém o faz tão bem quanto eu, assim em sussurro, ao ouvido, que quase desejaria que houvesse alguém que o fizesse melhor, que quando o abraço há uma espécie de magia em mim, que o impede de ir embora e impele a ficar, que enfim sou a melhor, se depois, quando lhe falo em slow fox, me responde, com um ar ligeiramente intrigado, que as raposas são animais velozes?

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Gracinha

Um dia, Gracinha, quando tiver filhos, certifique-se que os põe rapidamente a fazer desporto, de preferência de competição, a pratica do exercício de competição leva à disciplina, à procura da superação, ao sacrifício, à tenacidade e, não menos importante, ao respeito pelo adversário. E isto Gracinha, é tudo aquilo que alguém precisa para ter sucesso pela vida fora. Sabe Gracinha? Isto de sermos os melhores é um gosto que se adquire e não se perde nunca.

Só desilusões, a minha vida é só desilusões

Oh que desilusão, nem um único comentário ao post abaixo, uma pessoa abre uma excepção, pergunta da vossa vidinha, finge que se interessa em interagir com vocês, criar empatia e sei lá mais o quê... e que fazem vocês? Ajudam? Dão troco? Nada, Nicles, Rien!... Cambada de leitores desnaturados, aposto que não disseram nada porque nem sabem o que é beluga...

sábado, 27 de outubro de 2012

A Pipoca vai ao supermercado

Hoje fui ao supermercado, dei folga à D. Albertina, precisava ir à terra, uma filha doente, tenho um petit gathering cá em casa e constato que se me acabou o beluga, lá me enfio no automóvel alemão e acabo por comprar o beluga e mais uma série de coisas em falta. Depois voltei para casa. E a vocês? Já vos aconteceu isto? Gostam de beluga? Esperaram muito tempo na caixa? Compraram ovos e partiram algum? Digam-me tudo!!!!

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Gracinha

Gracinha, minha querida, venha cá, estou muito desiludida consigo, então vê o animal no meio do parque, coitadinho, está morto de susto, afinal está perdido no meio daquele transito de crianças sem fim, e, em vez de pegar nele e o pôr de volta no ninho, fica ali com um sorriso triste na cara a pensar o quão sensível é, que é tão amiga dos animais e que é uma pena haver tanto sofrimento? Gracinha minha querida, isso não é sensibilidade, na melhor das hipóteses poderá ser ingenuidade mas infelizmente estou em crer que será simples estupidez. Agora vá, minha querida, vá e prometa-me que não torna a abrir a boca sem pensar no que diz.

Eu podia ser uma Pipoca sem blog

... mas teria de acabar os meus post com um "e a vocês? já vos aconteceu? que acham? o que têm a dizer sobre isto?" e de coração vos digo, que a Pipoca é algo narcisista e que o seu interesse pela vida alheia é no mínimo limitado.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Tenho aqui um post a queimar-me os dedos, estou na maior indecisão, se o publique ou não, logo eu que costumo ser de fácil decisão, mas senhores, isto não é um blog de elite, afinal eu não pergunto aos leitores "e vocês"? Por aqui não se fala de relações nem de namoros, não há workshops, não se fala de moda nem de cremes que fazem crescer o cabelo a carecas, minha nossa Senhora, na verdade nem sei bem do que se fala por aqui, agora fiquei deprimida, se publico ainda pensam que isto é um hate blog, afinal é só uma piada fácil. Mas na verdade o que eu queria mesmo dizer é que há muita gente sem sentido de humor, afinal um piscar de olho será sempre um piscar de olho.

Verdades Picantes #19

Decorai a seguinte mantra:
as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras, as mini saias ficam bem a meninas magras.
Já está? Óptimo. Ide em paz.

Em quadrados

Ele estava aborrecido, dizia que era sempre a mesma coisa, preparava um assunto, trocavam-lhe as voltas, que as pessoas eram incapazes de cumprir agendas, que assim era impossível trabalhar. Sorri e recostei-me na cadeira, perguntei-lhe se era um bom jogador de xadrez, à resposta negativa observo-lhe que o segredo não é pensar na jogada seguinte, é antecipar as 3 próximas jogadas. Foi quando descobri isso que finalmente consegui ganhar ao meu pai.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Os problemas dos homens #18

Acharem que o sentido de humor é a chave milagrosa.

Queridos mudei o título ao post

Não há cá mais guilty pleasures para ninguém, as pessoas são burras como as portas, não sabem interpretar o que leem, ou então é vontade de dizer mal, sei lá, mas para que não haja confusões mudei o nome ao post de baixo, o qual é sobre comportamentos em geral, OK?
E já agora, a saga guilty pleasures não visa ninguém em particular é sobre alguns comportamentos, mais uma vez gerais, susceptíveis de serem observados, OK?
Agora desandem. Até mais loguinho.

Verdades Picantes #18

E por falar em falsos moralistas, lembro-me, vá-se lá saber porquê, isto das associações é uma coisa tramada, das tias benzocas e das suas caridadezinhas, sempre metidas nas igrejas mas que não hesitam em subornar o Dr Francisco, aquelas que põem os filhos loiros, vestidos de Ralph Lauren, ao lado dos pretinhos a quem deram uns brinquedos semi-novos, que isto está tudo pela hora da morte, e aproveitam para tirar umas fotografias que pespegam no facebook, ou enviam por mail para as amigas, as mesmas que falam amigavelmente com toda a gente e que nunca difamam o próximo, é sempre com um "coitadinha da Mixuca, veja lá o que ela foi fazer....", mas falava eu dos falsos moralistas, aqueles que se indignam com tudo, veem maldade em tudo, criticam o destilar de ódio alheio, a falta de vida e sei lá eu mais o quê... e, no entanto, vai-se a ver e os comentários que vão, simpaticamente, depositando aqui e ali, são maldosos, mesquinhos, muito mais odiosos e intolerantes que qualquer opinião sobre a qual opinam. Engraçado, não é? A vida tem destas incoerências fantasticamente lixadas.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Há uma linha...

que separa os falsos moralistas das outras pessoas, aquelas que tentam guiar-se por princípios sãos, que vão errando e aprendendo a não repetir. Os tempos mudam, antigamente os primeiros encontravam-se, principalmente, nas igrejas, mais propriamente nas sacristias, à roda do sr. padre, hoje em dia é na internet.

Guilty Pleasures III

Não deixa de ser psicologicamente revelador, que o post mais comentado deste blog, seja o único post em que se emite uma opinião desfavorável sobre outro, ainda que não identificado.
Somos danadinhos para má língua, não somos?

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Guilty pleasures II

Fechados que estão os comentários ao post polémico, fica-me a clara sensação de que as pessoas confundem liberdade de expressão com críticas mesquinhas, que quem ousa falar de um blog, deixa de ter vida própria, que não deve julgar, que se deveria era preocupar com a sua vidinha, pobre e vazia, na certa.

Ora eu tenho para mim, que isto quem escreve na net é como quem escreve um livro, que escreve para o público e que está sujeito à crítica alheia. E eu tenho a porventura tola convicção de achar que tudo pode ser dito, desde que com educação. Se todos nos achamos no direito de criticar aquilo do Grey, as crónicas da Margarida e um sem número de autores, sem qualquer espécie de problema, porque não se poderá fazer o mesmo acerca do conteúdo de um blog? Ou da sua escrita? Quanto a mim é a mesmíssima coisa, os blogs não passam de um apanhado de histórias, para o público ler, umas boas, outras más, umas com graça, outras mal escritas, umas inteligentes, outras aborrecidas, sempre para o público ler. Sim, eu sei, que a grande maioria dos bloggers escrevem para si, não têm qualquer interesse no público, tanto se lhes dá terem 5 como 500 leitores, estranhamente não privatizam os seus blogs, estranhamente respondem a todos os comentários, nem que seja com um obrigado por comentares, o público gosta desta reciprocidade, volta lá, continua, enfim, a ser público.
A Pipoca escreve para quem a lê. E gosta disto, de ter leitores, gente que acha graça às coisas que vai dizendo, que se dá ao trabalho de vir aqui deixar comentários, sejam eles a dizer que sim ou que não, sabendo que será impossível agradar a todos, que será fantástico agradar a alguns. E, em escrevendo para o público, a Pipoca sujeita-se a que muitos achem ser o seu alter ego uma colagem à mais Doce, que outros pensem este blog apenas servir para dizer mal do original, outros, ainda, que é uma falta de criatividade, muitos adivinham a verdadeira razão. Enfim, em escrevendo para um público estamos sujeitos à sua crítica, aqui, ou noutro espaço qualquer. Porque não me lixem, quem não quer críticas não escreve para o público, um blogger é, à sua maneira, uma figura pública com tudo o que isso traz de bom e mau.

Que fizeste no fim de semana Picante?

Nada. A minha vida não é só glamour. Aproveitei a chuva para ficar em casa a devorar filmes, séries e scones. Adoro a chuva.

domingo, 21 de outubro de 2012

Fechados os comentários no post abaixo fica a possibilidade de uma futura dissecação do foro psicológico, acerca do conteúdo dos mesmos. Isto claro, em me apetecendo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Guilty Pleasures

O que será que leva a que uma pessoa vá frequentemente espreitar um blog muito para lá do mau? Poderia ser mal escrito, mas de coração afirmo que esse nem é o maior dos males, o homem está enamorado, a namorada deu-lhe com os pés, ele adoraria tornar a enamorar-se e é tão aborrecido, senhores, mas tão aborrecido que me parece conseguir adivinhar porque raio levou ele com os pés. E no entanto, volta e meia, vou lá, e saio dali a pensar como será possível alguém ser assim... aborrecido, e parvinho, e sinto vontades grandes de comentar sarcasticamente, e não consigo porque até dá dó. Sou uma fraca, é o que é.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Does it ring a bell?

“Não há futuro económico e social possível quando o problema principal não é o excesso de consumo privado, com o que nos querem convencer, mas o excesso de consumo público, a monstruosidade das despesas públicas.”
Francisco Sá Carneiro, 1978

Para quando, o Mc Corato?

Teria com certeza um imenso sucesso, ali vendido, nos arredores do estádio da luz.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Pata aqui, pata ali

filha de rei a guardar patos, é coisa que nunca vi, é coisa que nunca vi.

Porque a vida sem sal não tem qualquer sabor, é claro que a Pipoca lê o Pipoco. Aliás, a Pipoca apenas nasceu para testar a sua teoria, a qual se confirma em parte. Para além do nome sugestivo e dos comentários estrategicamente depositados aqui e ali, bastará criatividade, saber e sexo. E se two out the three aint bad, one is enough. Ele tem tudo isso, todos os três, se um é por acaso, os outros nem por isso. Avé.

Eu podia ser uma Pipoca Salgada

Mas teria de ter imaginação e criatividade para escrever assim. E em verdade vos digo que as coisas são como são, se é possível reconhecer os escritos dos antigos, as frases corridas de Saramago, desmontar armadilhas para gozo do autor, impossível será encontrar engenho e arte onde ele não existe. O seu a seu dono até porque a Júlia não basta sê-lo, há que parecê-lo. A Pipoca não poderia ser Salgada, ainda que quisesse.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

E por cá os ladrões tem ordem para assaltar

Ah!... mas umas palmadas no rabo não se pode dar, que isso seria molestar as pobres crianças. Agora, algemar pequenos delinquentes já não é problema, mais tarde pode ser que se virem para aquilo do Grey, nunca se sabe.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Hoje estou umas mãos largas ou mais coisas sobre a vidinha da Pipoca

8000. Oito mil. 8000. Oito mil.
(ainda não estou em mim, estive a fazer as contas, assim por alto, aos novos escalões de IRS)
Face a isto acho muito bem que tenham atribuído o nobel da paz à UE. Vão ter muitas bocas para sustentar no próximo ano, a verdadeira oportunidade para mostrar como são caridosos.

A Picante abre uma excepção e fala da sua vidinha

Também ando muito aborrecida com esta crise, isto é um aumento desenfreado de impostos, o ano não se faz e não haverá bónus anual, também eu tive de me reinventar, fazer uns cortes enfim, este ano não comprei Pera Manca na feira do vinho, lá passarei a ter de beber Tapada de Coelheiros, Esporão e Cartuxa, estavam com 20% de desconto no fim de semana, aliás, depois da quantidade avultada de euros que gastei, não sei se não terei também de cortar no ginásio, uma maçada, a minha vida é isto.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

As 50 sombras mais negras

E de coração vos digo que irão chover posts a dizer que aquilo não presta, a autora não sabe escrever, a tradução está mal feita, os personagens não valem nada, as cenas de sexo têm pouco ou nada de bondage, em resumo, a blogoesfera tornará a condenar o livro, tal como condena a casa dos segredos e, no entanto, ele estará no primeiro lugar do top e aí se manterá durante semanas consecutivas.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Verdades Picantes #17 ou A Pipoca também fala de moda

Disso que foi a correria às lojas daquela cadeia que vende roupa de qualidade extremamente duvidosa, por causa de uns acessórios manhosos, desenhados por uma senhora que mais parece um travesti, aquela que vos escreve só tem a dizer uma coisa: H&M sempre foi e sempre será H&M, poderá ter as etiquetas que quiser, o produto final será sempre manhoso, seria o mesmo que espetar com uma das "meninas" da casa dos segredos em Windsor, não correria bem,verdade?

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A Pipoca também fala das bandeiras

No passado, uma bandeira hasteada ao contrário significava que o país tinha sido tomado por inimigos, ou que estava em apuros e precisava de ajuda. Hoje em dia, significa o mesmo... e ainda que alguns dos responsáveis pelo protocolo são uns perfeitos idiotas.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

A Portuguesa

E não é que concordo com o António Costa? Este ano, o 5 de Outubro, é celebrado no Intendente em vez de o ser nos Paços do Concelho. Parece-me bem, tendo em conta que temos uma república de chulos, acrescento que o Parque Eduardo VII ou o Conde Redondo também seriam sítios adequados à efeméride.

Gracinha

Minha querida, não vale a pena reclamar do estado das coisas, elas são assim mesmo, agora é andar para a frente e trabalhar, afinal de contas é muito difícil que não sendo honrados os principais cidadãos de um estado, os outros queiram ser homens de bem; que aqueles enganem e estes se conformem com ser enganados.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Ainda disso da Diana

Afinal estava enganada, não era a Nokia, era a Cacharel com o Catch me. E agora é ver os portuguesitos muito indignados, que era mentira, que afinal não há contos de fadas, que o Pai Natal não existe. E não é que até as dos blogs rosinhas se mostram indignadas? Que a publicidade enganosa é um mal terrível? Os desígnios do Senhor são misteriosos e insondáveis, irónicos mesmo, querem lá ver que elas vão deixar de falar dos cremes milagrosos, dos detergentes que são mesmo bons, das pulseiras manhosas, dos automóveis que afinal são carrinhos de linhas?

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Eu podia ser uma Pipoca Arrumada...

...mas teria de fazer compras no freeport, encontrar looks por menos de 100€... e na verdade eu gosto mesmo é de comprar na avenida da liberdade. Além de que os pumps me favorecem mais que as alpargatas.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Futurologia Pipoqueana

Hoje ver-se-ão fotografias de ténis e gentes em lycras justas, que o tempo foi fantástico, que a corrida se fez muito bem, a meia pois está claro, ninguém, vai à mini que somos todos uns desportistas como deve ser, afinal de contas a manifestação foi convocada pela cgtp e como tal ninguém por lá passou.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Disso de procurar a Diana

Não há telemóveis como os da Nokia.

Há uma linha...

Que separa as pessoas que não perdem pitada da casa dos segredos, das que não fazem a mínima ideia dos nomes ou aspecto dos concorrentes.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

A minha vida é isto

Problemas e mais problemas, um não acabar de problemas. Se por acaso virem alguém com um ar muito bcbg, levando um molho de rosas na mão, esse alguém será bem capaz de ser a vossa Pipoca, numa tentativa de combater a crise, fomentando o consumo e injectando dinheiro na economia.
São rosas de pé alto de alta qualidade, ok? Podem comprar sem "medos"

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

E se de repente...

...eu receber cem rosas vermelhas, acompanhadas de um cartão que diz ele ter ficado sem palavras, será que é amor? Ou será apenas excêntrico e quer levar-me para maus caminhos? Por outro lado também pode ser uma vontade imensa de matar uma pessoa por alergia... Virgem Santa, a minha casa parece uma capela mortuária.

Eu podia ser uma Pipoca Sensível

...mas teria de me auto-intitular de fêmea e, de coração vos digo que machos e fêmeas são os animais.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

A Picante explica...

De coração te digo, ele há alturas em que as mulheres se bamboleiam um nadinha a mais que o necessário. São coisas que ninguém explica e que os homens deveriam saber sobre as mulheres.

Digo eu, que não sou de intrigas

Mário Soares saiu mais cedo do conselho de estado, acredito que teria assuntos urgentes a tratar no Algarve, caso contrário teria ficado para ajudar o país que tanto ama.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Eu poderia ser uma Pipoca Doce

... mas aí teria de dizer que o Dacia Duster era um bom automóvel, ou que o Fiat 500 é que era, ou que o Seat Mii era o meu sonho de carro, e na verdade isso não seria verdade porque eu gosto mesmo é de carros alemães.

Verdades Picantes #16

Isso dos botins com calções curtinhos ou mini saia, a puxar para o cinto, é coisa de mulher da vida.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

BlackJack

Podes ser inteligente e saber disso, das coisas da vida, podes ter aquele sentido de humor distorcido e acutilante, podes saber escolher o vinho que acompanha a empada de caça na perfeição, ser um sofrível dançarino, conhecer Bach como a ti próprio e ter lido todos os clássicos, conhecer Londres e Paris como as tuas mãos e olhar-me nos olhos enquanto me enlaças a cintura. Mas, de coração te digo, que isso não servirá de nada se perdes a compostura à mesa de jogo.

Há uma linha...

...que separa as pessoas que, ao bater num carro estacionado, deixam um papel com os seus dados, das pessoas que se põem a andar enquanto pensam que se lixe, não estou para gastar um dinheirão, afinal é só um risquinho.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Pequenas grandes coisas

Já andava para fazer este post há algum tempo, mas mais vale tarde que nunca e eis que ele surge, qual desejado em noite de nevoeiro. 
A Pipoca gosta da S*. A Pipoca não lê as pequenas coisas da S*, diariamente, que a S* tem muitas pequenas coisas, e a Pipoca tem pouco tempo livre mas, de volta em vez,  vai espreitar isso das coisas da S*. E cá a vossa Pipoca tem muito boa impressão da S*, que parece ser uma rapariga despretensiosa, amável e divertida, além de dotada de uma paciência infindável. S*, eu gosto das suas coisas mas a verdade é que gosto mais de si. Seja bem vinda ali, ao lado direito.

Os problemas dos homens #16

Os seus automóveis andam ainda mais limpos que eles, acredito que lhes chegue a passar pela bonita cabecinha pedir para nos descalçarmos antes de lá entrar, só por causa da poeirinha, assim, qual mesquita.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Estou triste, Paulo

Desolada, até Paulo, triste à séria, como diz a canalha, tu sempre foste um animal político, daqueles capaz de comer Pedros ou Franciscos ao pequeno almoço. E agora desiludiste-me, Paulo. Eu votei em ti Paulo, nunca acreditei na competência do Pedro, que ele não é nenhum Hércules, achei que ao teu lado teria mais hipóteses. Tu, que já tinhas provado não ser boa rês, pois foste aquele que as malas ao Marcelo fez.  E que vens tu fazer agora? Pois tu não saberás o significado de coligação? Aquele que dá a mão? Mas, Paulo, tu não deste a mão, em vez disso arrancaste o coração. E tens a lata de aparecer, com o teu modo de ser, todo tu elegante, em modo discursante, enquanto espetas a espada dilacerante. Será que já vês a Europa, Paulo? Está ali mesmo ao lado. Esqueces apenas um pormenor, enquanto montas a artimanha, enterras Pedro, enterras o eleitor, mas tal não seria grande dor, se não enterrasses também a pátria do teu amor.
Como poderás tu, Paulo, ir à missa comungar, se desconheces o significado da palavra apoiar? Tens de ser mais coerente, Paulo, e tentar que o próximo não te seja indiferente. Mas lá reza a história, quando se vê o navio a afundar, os ratos são os primeiros a saltar.

Berço d'oiro

Pois. Nada a acrescentar.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

E a noite da Vogue?

E então Rosinhas? Deram-vos muitos autocolantes grátis?

Há uma linha..

Que separa as pessoas que indo a blogs de que não gostam se põem simpaticamente a dizer o quão parvos são os posts, quanto o seu proprietário escreve mal, quão precioso é o tempo que aí perdem e que não voltarão mais, das outras, as pessoas que sorriem enquanto pesam que aquilo não passa de um chorrilho de disparates e dirigem o rato até ali à cruzinha, fechando a porta, para não mais voltar.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Dúvidas Pipoqueanas

Esta, a par com o sentido da vida, é a questão que mais frequentemente me assola e, para a qual, ainda não encontrei resposta.

Não era ssim tão complicado, Pedro...

Pedro, Pedro, mas o que foste tu fazer?  Era tão mais simples Pedro, tu só tinhas de falar com o povo, ias à televisão todas as semanas, todos os dias se preciso fosse e dizias apenas:
"o país está sem um tostão, a culpa é do Sócrates, aquele grande ladrão" E explicavas as contas.
Depois dizias a verdade, dizias aos Portugueses que ia ser duro, mas que ias endireitar as contas. E dizias que para isso terias de subir os impostos tantas vezes quanto fosse preciso, porque "Sócrates foi um ladrão e deixou-nos sem um tostão".
E, finalmente, dizias que ias tentar cortar na despesa pública, mas que ainda não sabias como, porque as contas estavam todas minadas, porque há contratos de betão a proteger interesses instalados, e porque apesar do teu poder, não os poderias vencer. E repetias "Sócrates é um ladrão e deixou-nos sem um tostão".
E agora Pedro? Agora o povo foi para as ruas, cantou Zeca Afonso, ameaçam greves, querem correr com a Troika, Pedro. O povo não sabe nada, apenas sabe que isto está mal, mas, Pedro, sabes uma coisa? O povo está farto de mentiras Pedro. E tu que fizeste? Foste ingenuamente dizer que não ias mexer nos impostos. Ó Pedro, mal eles sabem que se a Troika nos abandonar, será o nosso fim. Que deixam de fazer aquelas viagens à Republica Dominicana, para as quais passam o ano a poupar. Que digo eu, Pedro? Deixam de ir a Badajoz comprar caramelos, que o escudo vai por aí abaixo.
E agora Pedro? Como vai ser? Viste o outro que se tentou imolar? Viste aquela canalha? Era ela e mais uma série de gentalha, aquela que em ti quis acreditar e agora sente que a tentaste enganar.
Pedro, Pedro, vem à rua sem demora e por Deus começa a falar. Fala todas as semanas Pedro, recorda quem assinou a Troika, recorda o que continha a Troika, e repete sem cessar: "Sócrates foi um ladrão e deixou-nos sem um tostão". O país precisa de estabilidade, Pedro, porque caso contrário é a Troika que se vai embora, quer nós queiramos, quer não. E depois, Pedro? E depois do adeus? A desfolhada?

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Que vais fazer no fim de semana Picante?

Vou outra vez para aqui. É aproveitar enquanto as vacas ainda são relativamente gordas, qualquer dia, talvez para o ano, as vacas emagrecem e toda a gente sabe que as vacas magras dão pouco leite, e que quando o leite é fraco não se consegue fazer natas e manteiga, e sem o dinheiro da venda das natas, não se compra comida para as vacas, que acabam por ficar cada vez mais magras. É aproveitar, como dizia o outro, seize the day.

Novamente o futebol

Seria isto que eu diria se utilizasse vernáculo. Porra, é que é mesmo isto.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pipoca a visionária

Amanhã, a blogoesfera dividir-se-à sobre o tema da conversa, uns a falar acerca daquilo da Vogue, vão mostrar os autocolantes que arrecadaram grátis, dizer que beberam  champagne, daquele mesmo de Champagne, que Lisboa estava linda, as pessoas bem ou mal vestidas, enfim, o costume, os outros continuarão a falar do Pedro, das coisas que vão na cabeça do Pedro, que o Pedro não tem cabeça, enfim, só novidades.

Porque leio blogs?*

Para ficar a saber que as ursas também têm regras.

*Plagiado daqui.

Jobs for the girls?

Sinceramente não sei o que é pior... se ser promovido por ser mulher, se não ser promovido por não ser homem. Either way*, parece-me machista. E se é machista a Pipoca não gosta.

*Sim, eu também sei falar Inglês e estas expressões são bastante mais imponentes que o típico OMG!...

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

The day after

Há onze anos estava em NY. Por esta hora estava a tentar sair, o espaço aéreo fechado, família e amigos a milhares de kms de distância, eu sem saber o que reservava o minuto seguinte. E a cidade sob uma nuvem de fumo. Foi o primeiro dia do resto das nossas vidas. E não foi bom.

Se fordes para Macau, tende cautela

Especialmente as donzelas.

(fotografia retirada algures do facebook)

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Do bem escrever 3#

Se a Pipoca tivesse mau feitio, se não tivesse aquela calma e lucidez que a caracteriza, poderia dizer algo como "ide até lá fora e verificai se estará, por acaso, a chover em mim"

E a Pipoca está divertida, e grata também, assim como assim foram 3 posts e mais poderá haver. Ou então não.

Patifarias às 3ªs

If you like it. E a Pipoca gosta. De quê? Perguntam vocês? A Pipoca gosta do Patife. O Patife é o Zezé Camarinha do Chiado, mas assim em inteligente, com um não sei quê de Bocage. É simplesmente um ordinarão mas daqueles em delicioso. Um rápido olhar pela caixa de comentários permite adivinhar um rol de admiradoras, às quais responde sempre com graça. A Pipoca raramente comentará, que a Pipoca é uma senhora fina, mas lê o Patife e ri com vontade. Patife, cá beijinho...vá!

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Porquê que a Pipoca não fala da sua vidinha? (post longo sobre a problemática da blogoesfera)

Eu poderia falar aqui na minha vidinha, postar fotografias minhas, dos meus filhos, caso os tivesse, dar pistas sobre onde moro ou sobre os locais que frequento. Seria um direito que me assistiria. Pura e simplesmente optei por não o fazer. As razões serão inúmeras, sendo que a mais óbvia que não quero exposições gratuitas.
Há todavia, quem o decida fazer. Eu posso concordar ou não. E sou livre de dar a minha opinião, desde que não ofenda ou falte ao respeito a ninguém, ou seja, desde que seja bem educada, coisa que hoje em dia parece que é tão complicado, para muito boa gente, como falar mandarim.
E quem o decide fazer, principalmente se tem um blog com muita exposição, como a Cocó na Fralda, ou a Pipoca mais Doce, corre um risco, que é o ter de levar com opiniões e críticas dos outros. E se é um facto que a maioria das opiniões serão aqueles comentários extraordinariamente esclarecedores do tipo "lol, é exactamente isso", ou "poderia ter sido eu a escrever" (as primas Joaquinas), também é verdade que há gente má e mesquinha, que normalmente comenta sob o anonimato. Uns serão uns inofensivos cobardolas que se sentem grandes atrás de um écran, outros serão meramente invejosos à procura de protagonismo e outros serão mesmo maus, que eles também andem aí. Mas a verdade é que quem se expõe tem de estar preparado para lhes aturar as demências. 
Há sempre maneira de diminuir as chatices, impedindo os comentários anónimos ou fazendo como a Bad, que pura e simplesmente diz o que tem a dizer e se está positivamente nas tintas para comentários alheios. Poderão, ainda, encolher os ombros e rir, mas não poderão dizer que são umas vítimas, que a blogoesfera é doentia, que os anónimos os perseguem. Têm, mais é que ter estofo para passar por cima e andar para a frente. Porque quem tem a exposição que procurou, escusa agora de se vir queixar das suas consequências. É como eu ter um blog privado e vir queixar-me que não tenho visitas.
As rainhas da blogoesfera, são figuras públicas, habilitando-se por isso a ser alvo de galhofa, comentários ou observações dos comuns plebeus. Pois se toda a gente se sente no direito de gozar à grande com a Margarida Rebelo Pinto ou com o Ronaldo, porque raio é que não se deverão tecer opiniões sobre algo que a Sónia* ou a Pipoca mais Doce* escreveram, elas próprias figuras públicas?
O senão da blogoesfera é que se eu, Picante, vier dizer que gosto de corridas de touros, não faltará quem diga que sou contra os animais, outro virá dizer que defendo a selvajaria, outro ainda que sou a favor da opressão do mais fraco pelo mais forte. Acreditem que, até alguém se lembrar de dizer que sou uma assassina, fascista, ou que não tenho valores morais para educar uma criança, será um pulinho. Mas eu posso sempre evitar ouvir essas coisas, não é?. Basta que não escreva num blog, ou que o privatize, ou que não aceite comentários anónimos, ou que sorria enquanto os apago piedosamente, ou que ridicularize os seus autores, ou ainda... que não venha aqui dizer que gosto de corridas de touros! É escolher o que melhor me aprouver.
Portanto, respondendo a este post da Polo Norte, eu sinto-me no direito de falar sobre qualquer blog, dar a minha opinião sobre o que me apetecer, ainda que isso não seja do agrado de todos, obviamente que com bom senso e educação. É uma questão de liberdade de expressão. Ou será que somos todos iguais mas há uns mais iguais que outros?

* meros exemplos, falo aqui delas apenas por serem dos blogs com mais visitas diárias

Ainda daquilo do futebol

Também poderia dizer que me sinto como se tivesse sido sodomizada, assim com 7 coisos, ou 18 vá... E deverá haver maneiras melhores de sodomizar uma pessoa. Digo eu.

A Pipoca também fala de futebol

Disso, do jogo de Portugal, o mínimo que a nossa selecção poderia ter feito era ter ganho por 7 a 0. Ganhou à rasca, como à rasca estarão todos os Portugueses no próximo ano. E, de repente, sinto-me como o Cristiano Ronaldo, desolada e triste. Será que para o ano vou aos Alpes? E à Quinta do Lago? Provavelmente vou, mas lá terei de cortar a viagem de fim de ano a NY. Assim como assim, o melhor é reforçar já o stock de Veuve, nem é por nada mas cheira-me que vou passar a beber Moet e, parecendo que não, a coisa aborrece-me bastante.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Há uma linha

... que separa aqueles que falam da sua vidinha, em blogs, dos outros. A Pipoca é cá dos outros.

(E não, isto não é uma crítica, a Pipoca é egocêntrica e está-se positivamente nas tintas para aquilo que as outras pessoas fazem, desde que não ofendam o próximo. Cada um postará o que quer e achar bem)

Os problemas dos homens #15

As suas mães são perfeitas e ai de quem disser o contrário. Ou será que o problema dos homens será mesmo terem mães? Querem ver que o problema dos homens são as mulheres? De repente fiquei com dúvidas, logo eu que raramente tenho dúvidas.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Gracinha

Sabe Gracinha? A menina até pode querer divertir-se, e para isso praticamente qualquer homem servirá, mas na altura de casar tem de pensar além do amor, preocupe-se se ele dará um bom pai, isso será essencial, mas preocupe-se ainda em conhecer a família dele, pois para além de casar com ele, acredite que casará também com a sua família, e em verdade lhe digo, que na família mais próxima dele o poderá, também, ver a ele.

Dúvida Pipoqueana

Mas haverá assim tanta, tanta gente, com tanta, mas tanta, inveja do nosso menino de ouro? É que cá à minha pessoa parece-me perfeitamente normal o rapaz ficar aborrecido por ganhar menos 2,4 milhões de euros por ano. E por essa regra apenas se aplicar aos estrangeiros.
Eu sei que vocês acham que o rapaz ganha em demasia, e que vos deveria doar um pouco do que tem, e que são todos muito mais inteligentes e capazes que ele. Afinal é um bronco, não é? Só sabe jogar futebol... nem tem maneiras. Realmente a vida é muito injusta... ele deveria era ter os vossos problemas que era para ver como elas doem... Óh crueldade!

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Do bem escrever #2

O verbo haver é impessoal, o que quer dizer que permanece na terceira pessoal do singular, visto não ter sujeito. Assim, não se deverá dizer "haverão grandes noites". O correcto é "haverá grandes noites". 
Uma maneira relativamente simples de cumprir a regra será aplicar a substituição do verbo haver pelo verbo "existir" ou "ocorrer". Não tem nada que enganar, haver não tem plural. Ou terá? 
Pois... a língua Portuguesa é algo complicada e tem excepções. Haver poderá ser empregue enquanto verbo auxiliar e, neste caso, a regra do singular não se cumpre. Um exemplo? "Elas haviam perdido o voo", neste caso um auxiliar do verbo ter "elas tinham perdido o voo", no pretérito composto do indicativo, ou "elas perderam o voo" no pretérito perfeito.

Do bem escrever #1

Que faria uma Pipoca
apesar da fatiota
se não tivesse alguém
para lhe querer bem?

Hades ou hás-de
haverá ou haverão?
O resposta é simples, grita o rural,
o verbo haver não tem plural.

Substitui haver por ser*
não tem nada que enganar
a menos que o haver
seja ele próprio um auxiliar.

E assim irá o anónimo
que afinal não é ninguém,
arrotar seu pseudónimo
a quem lhe queira bem.

E a Pipoca, roga encarecidamente
dai-me alma e placidez
para aturar esta gente
que Deus, por engano fez.

Esta porra não está bem feita
mas nunca disse saber versejar
já é uma sorte isto rimar
agora ide velejar.
(ou apanhar vento na tromba, vá... que velejar é caro e não é para todos...)


*existir ou ocorrer não rima

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Curtas de Ibiza #3

Uma mulher não gosta de techno, uma mulher descobre que ao pé de Ibiza centro, mesmo ali em San Antonio, existe uma série de bares com música ao vivo, com música pop, mas, em compensação, estão repletos de nórdicos. Já os Italianos e os Espanhóis vão para Ibiza. É oficial, a perfeição não existe. E aí, uma mulher dá graças a Deus por os bares empregarem porteiros e barmen.

Verdades Picantes #15

Eventualmente, hão-de ter 60 ou 70 anos. E, aos 60 ou 70, não haverão de gostar de ver essas tatuagens todas, nessas peles encarquilhadas, e eu irei rebolar-me a rir.
Palavra de Pipoca

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Os problemas dos homens #14

Uma coisa de cada vez. Só uma coisa de cada vez. Mas como é que queres que eu faça mais que uma coisa de cada  vez???

Despidas e perfumadas

E ao entrar no bar da praia, haviam de ser aí umas seis da tarde, sou surpreendida pelo cheiro a perfume e lavado, elas estavam maquilhadas, penteadas, lavadas e cheirosas, embora a indumentária fosse a de praia, tinham ido a casa arranjar-se, ou então estavam a iniciar o dia de praia, eu sei lá, sei todavia que tinham um ar completamente diferente do meu ar salgado, sei que aquilo era já o início da noite, eles encostados ao corrimão a vê-las passar, também já perfumados e penteados, as coisas já não são como eram e eu senti-me verdadeiramente feliz por já ter passado a casa dos vintes.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Verdades Picantes #14

Evitai usar siglas estrangeiras quando comentais um blog. Não dizeis "Oh my God" a meio de uma frase pois não? Não dizeis "shit! magoei-me ao bater com o dedo mindinho na esquina da cama", ou dizeis? Esses OMG são patéticos a menos que estejais a falar da própria da organização. Mas que digo eu? Provavelmente nem sonhais do que falo. Ide à Wikipédia, eu não sou vossa mãezinha.

Picante a meter-se na vida alheia desde 1824

Vejo-os entrar, não podem ter mais de 7 ou 8 anos, assumo que são irmãos e moram num dos prédios da frente, o rapaz pega num saco que começa a encher de laranjas enquanto a rapariguinha vai até ao fundo da mercearia, à zona do pão quente, quando volta anuncia em voz excitada, ao irmão, que ainda há 4 croissants, sorrio para mim enquanto penso que vieram ao mesmo que eu, comprar o pequeno almoço. Qual não é o meu espanto quando vejo um senhor homem, que escolhia fruta, atrás do rapaz, largar os sacos meio cheios e ir a correr até ao fundo da loja, apressando-se a pedir todos os croissants, as crianças vinham atrás, o rapaz com o saco cheio de laranjas, e pararam a ver os seus croissants passar para as mãos do chico esperto, a rapariguinha só diz oh!, o rapaz abre a boca de espanto e eu não me contenho, abordo o adulto e dou-lhe os parabéns por ser tão esperto e tão expedito a ponto de conseguir enganar duas crianças, o homem responde torto, diz que não é verdade e eu explico a situação ao dono da mercearia, perante o olhar cada vez mais censurador dos restantes clientes, que murmuram indignados Ainda oiço um meta-se na sua vida mas a verdade é que a rapariguinha acaba por sair da mercearia com os croissants e uns pães quentinhos, o rapaz com as suas laranjas e... eu vim trabalhar com um sorriso nos lábios.