quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Pode sempre ser pior

Quando penso que já vi de tudo, que o mau gosto e a deselegância não podem ir mais fundo, cruzo-me com a noticia de que a TVI achou boa ideia entrevistar o coveiro de Vila Nova de Rainha, em Tondela, onde foram sepultadas as vítimas do incêndio do passado sábado. Imediatamente a seguir a Catarina Beato informa-nos onde costuma praticar sexo com o marido. Está certo.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Picante também fala daquela bizarria de expor pequenos demónios a milhares de desconhecidos

Blog da Carlota
Caco Mãe
Dias de uma Princesa
Cocó na Fralda
A Mãe é que Sabe
My Happy Kids
Socorro sou Mãe

Ties
O Blogue da Mamã*
Stylista
A Pipoca Mais Doce
A Maçã de Eva*
As Minhas Pequenas Coisas*
...

Há muitos mais. A única diferença é que, nos blogs, as crianças são príncipes e princesas, sempre muito bem vestidos, educados e sorridentes. O programa só é pior porque mostra o lado mau de uma criança a quem apetece dar umas boas palmadas enquanto pensamos cá para connosco "Ah! Afinal os meus filhos são uns pequenos anjos..."

* os graus de exposição não são os mesmos em todos os blogs, é um facto. Há os que vendem mais os seus filhos e os que vendem menos. Todos mostram as crianças com o fim de obter algo em troca, na maioria das vezes dinheiro ou produtos, em menor grau os comentários que lhes enaltecem o ego.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Falamos pois

A Ritinha acha realmente grave que, no leque das apresentadoras escolhidas para apresentar a Eurovisão, não haja uma única mulher negra. Reparem que ela louva o facto de terem sido escolhidas somente mulheres, coisa que eu acho uma discriminação para os homens mas pronto, é a vida.
Eu tendo a concordar com a Ritinha, é extremamente grave que, de entre tantas apresentadoras não caucasianas que temos em Portugal, nenhuma mulher negra tenha sido eleita para mostrar ao mundo que nós damos oportunidades às minorias, especialmente sendo elas tão qualificadas para o lugar!.. É quase tão escandaloso como escolherem apresentadores chineses na China, ou negros em África, uma autêntica discriminação racista.
Todavia acho que a Ritinha poderia ter ido mais longe, nesta luta inglória pela igualdade das minorias! Eu proponho que no leque de apresentadores da Eurovisão sejam também incluídos um hermafrodita, um transgénero e uma ameba. Obviamente que a escolha da ameba não  trará qualquer problema, agarramos na Ritinha et voilà! Problema resolvido.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Agora a sério

Também acho que sim, que ver uns imbecis de uns miúdos, com ar de quem não toma banho, sempre aos gritos a dizer palavrões, enquanto assassinam a gramática portuguesa a cada meia frase, é uma maravilhosa expressão de liberdade. Fico especialmente extasiada quando algum dos meus filhos repete uma daquelas estúpidas expressões, maravilho-me quando me dizem que o windy ou o kindy ou lá o que é tem uma vida maravilhosa e bué de guito, que vive com amigos que nem tiveram de estudar nem nada porque a escola é uma seca e o que é preciso é ter criatividade. 
Posto isto dei toda a força do mundo ao meu filho quando ele achou muito normal querer, também ele, fazer figura de parvo num canal, dei-lhe logo um grande abraço e, por entre pulinhos de contentamento e gritinhos de excitação, disse-lhe que assim é que era, tipo começar a trabalhar e tipo editar vídeos tipo desde muito cedo, que não se esquecesse de filmar bem a nossa casa por dentro e por fora, que tipo até nos poderia filmar assim en passant tipo no duche ou a vestir ou assim, e que tinha mesmo de fazer aquelas coisas giras tipo experiências pirotécnicas e isso, enquanto incitava à rebelião familiar e dizia tipo um ou dois palavrões. Afinal o meu filho tem de dar vazão à veia criativa e expressar a sua liberdade interior, não é? 
E vocês? Não gostam quando os vossos filhos têm uns role model perfeitamente imbecis? Não os incentivam a tornarem-se num dos do grupo? Contem-me tudo!

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Vestidos Pretos

Há uma distância muito curta, tão importante quanto imperceptível, entre a condenação do assédio sexual e as acusações perfeitamente extemporâneas, com objectivos de tranquilizar consciências, de comportamentos que hoje envergonham mas que não deixaram de ter um propósito perfeitamente calculado num passado remoto.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Segundo

O ano ainda agora começou e já a pessoa dá com maravilhosas pérolas de raciocínio:

"Sobre publicidade encapotada, tenham dó, não há paciência, acho que todos percebemos quando um texto é publicitário ou não."

Mas a coisa não fica por aqui, as brilhantes tiradas continuam:

"Se pensarmos no dia-a-dia de todos nós numa grande cidade:
1. Publicidade na TV? Anúncios entre programas? Vemos todos os dias.
2. Publicidade nas revistas? Página sim, página não.
3. Publicidade na rádio? Ouvimos todos os que andarmos de carro.
4. Publicidades nas ruas em outdoors? Passamos por elas todos os dias.
5. Publicidade nos transportes públicos? Check."

Gracinha, vou explicar como se a menina tivesse três anos e uma espécie de deficiência cognitiva qualquer, pode ser? A menina não pode justificar uma tentativa de engano, a publicidade apenas é encapotada porque se pretende que a coisa passe por uma recomendação genuína, pelo simples facto de a coisa ser tão mal feita que toda a gente percebe que é publicidade. Além de que é ilegal não assinalar a publicidade.
E nem lhe vou tentar explicar o poucochinho que é, tentar comparar a existência de publicidade em canais onde sempre ela existiu, alguns deles funcionam exclusivamente como meio publicitário, pelo amor da Santinha, com publicidade em blogs, quando mais de 90% deles não passam de meros diários ou forma de transmissão de opiniões pessoais.
Percebeu agora? Vá com Deus minha querida e tente não pensar muito... não vá essa sua bonita cabecinha estourar. Adeus, adeus.   

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Primeiro

Um dia ainda haverei de perceber porque é que é sempre com os católicos que esta gente procura a provocação, qual a necessidade que sentem em provocar, como é que têm a cara de pau de exigir respeito quando não respeitam nada a não ser o seu umbigo e porque lhes faltará a coragem para ridicularizar Maomet, por exemplo.

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

A propósito de tradições de Natal

Lembrei-me que há muito não vos mostrava uma mesa, desta vez escolhi um vinho mesmo a propósito, espero que gostem.




quinta-feira, 28 de dezembro de 2017