sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Em pouco menos de nada dirão que a culpa também é do PSD, que isto não passa de uma manobra da direita para fazer cair o Governo

E lá estávamos nós, a ouvir dizer que Tancos tinha sido assaltado e que eram armas de grande calibre, e nós a achar que era inadmissível, mas que grande incompetência, e depois o Costa e o Ministro disseram que afinal não era grave, que as armas eram obsoletas e ninguém iria morrer, mais um bocadinho e aposto que diriam que os ladrões até nos fizeram um favor em nos ter libertado de armas que não funcionavam, logo a seguir explicam-nos que afinal não houve roubo nenhum, ou que ninguém sabia se tinha ou não havido roubo, agora não se me lembra bem derivado de isto ultimamente serem muitos acontecimentos, cada um mais hilariante que o anterior, mas parece que, depois de Portugal ter ardido, as armas obsoletas que não tinham sido roubadas apareceram para os lados da Chamusca.
Se isto tudo não fosse tão revelador da desgovernação e desvergonha desta gente, até teria piada.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

E vocês? Vão?


Porque os Portugueses têm o direito de exigir um Governo que os proteja.
Porque não temos, nem devemos, habituar-nos a estas calamidades, ao contrário daquilo que diz o 1º Ministro.

Em Roma também era assim


E depois ouvi o Tio Marcelo fazer o discurso mais incisivo, assertivo e duro de que há memória um PR fazer acerca do comportamento de um Governo, de uma só penada demitiu publicamente a ministra, deu um valente puxão de orelhas a Costa e obrigou o PCP a dizer, de uma vez por todas, de que lado do muro está, se todas estas mortes e incúrias pesarão ou não na sua consciência. E depois li uma carta muito emotiva da ministra demissionária, que se tinha sacrificado muito e não sei quê da sua dignidade pessoal e ouvi o Costa dizer, meio irritado, "se me quer ouvir pedir desculpas eu peço", e em verdade vos digo que é mesmo assim que pequenos Picantes pedem desculpa um ao outro quando não querem dar o braço a torcer e a palavra só lhes sai da boca por eu ter obrigado, e logo de seguida lá estava o Costa, lamentando-se de todas as mortes que lhe iriam pesar para sempre na consciência, e deste lado eu ouvia "eu", "eu", "eu", e logo depois de toda esta emoção para Português ver eu ouço-o vangloriar-se de que o seu Governo ainda irá ficar mais forte, depois desta mais que merecida moção de censura, e logo a seguir veio o João Oliveira dizer que a culpa destes incêndios eram das políticas de direita e eu fiquei para aqui a pensar que nos últimos vinte e três anos o PS ocupou a cadeira durante uns dezasseis, na lógica de João Oliveira o PS também deve ser um partido neoliberal, e no fim não pude deixar de pensar que vamos (vou) ter de levar com estes incompetentes egocêntricos durante mais dois anos. Em verdade vos digo que me ficou um ligeiro travo amargo no coração, temos um governo que, perante um dos mais violentos dramas de que há memória em Portugal, se centra não naqueles que governa mas em si e na sua preservação. Esta é talvez a maior quebra de confiança de sempre.

*Analogia do sempre brilhante Xilre, who else?

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Apurar responsabilidades políticas desta tragédia é infantil, diz ele.


Vieira de Leiria, ontem. Fotografia de Hélio Medeiros

A17 é uma autoestrada. Não é uma qualquer estrada secundária com as bermas por limpar. Pergunta-se porque caralho é que ninguém a mandou cortar???


Um dia diria "é mesmo isto que penso" e faria um link para outro post

Hoje é o dia.

"Um país que deixa que lhe consumam mais do que 50% da riqueza produzida em impostos e permite que o estado não lhe garanta a protecção civil é um país de merda. Um país de merda onde, depois de morrerem mais de 65 pessoas por incúria do estado e do governo, dirigentes merdosos dizem alarvidades como «Não podemos ficar todos à espera que apareçam os nossos bombeiros e aviões para nos resolver o problema», sem se demitirem, nem serem demitidos. É um país pelo qual o poder já não tem qualquer respeito e ao qual se atreve a falar assim. É um país onde não há responsáveis políticos, nem gente com categoria para assumir as tragédias que acontecem nas áreas onde o estado e o governo têm obrigações, refugiando-se em explicações meteorológicas, no passar do tempo, em processos burocráticos, em relatórios que ninguém lerá. Mas é esse mesmo país que tenciona continuar a votar em quem não lhe garante sequer a segurança física das suas pessoas e bens. Não merece outra coisa."

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Venho só aqui num instantinho

Assegurar aos senhores do PS que a mim não incomoda nada a hipótese de um ex-primeiro ministro poder vir a passar uns bons anos a ver o sol aos quadradinhos, muito pelo contrário, estou aqui desejosa de que a justiça tarde mas não falhe. Já pensar que a equipa que o rodeava, e que continua à frente dos destinos de Portucale ou era muito burra ou fechava os olhos a desonestidades, isso sim, é coisa para fazer alguma urticária.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Da escatologia

Cada um fala daquilo que conhece realmente bem, afinal de contas nunca se viu uma vendedeira de peixe a dissertar sobre Kant, ou viu?